2006/12/31

ANO NOVO, ANO NOVO, deita fora o Ano Velho...

Recebi este cartoon do meu amigo F´Santos e não quis acabar o ano sem o publicar.
Vistas bem as coisas até vem a propósito do título desta nota, que, por sua vez, me veio à ideia, ao lembrar-me de cantigas populares antigas deste período do ano.
Claro que, tendo em conta o tema específico do cartoon, se levanta a velhíssima questão da pena de morte. Convenhamos que em termos da forma de organizar a vida do homem em sociedade, em comunidades, a pena máxima também poderá ter a sua justificação. No caso de Ditadores sanguinários, que mandaram matar homens, mulheres e crianças, sem apelo nem agravo, somente para dominar povos inteiros pelo medo, mantendo as pessoas silenciadas e quedas, pelo permanente terror de poderem ser as próxmas vítimas, penso que não será de invocar a defesa do direito à vida...
Só que...
Quantos ditadores "legais" não habitam este planeta e não sofrem qualquer penalização pelos crimes de morte que são cometidos sob a sua orientação estratégica em nome do Poder?
-
Saddam Hussein Abd al-Majid al-Tikriti, em árabe صدام حسين (Tikrit, 28 de Abril de 1937
Executado por enforcamento em Bagdad, 30 de Dezembro de 2006).


Mais(...)

2006/12/28

ANO I de BLOGUES - Um balanço

NOTA PRÉVIA:
Pela 2ª vez na história deste blogue fui atacado. Com bombas convencionais, na 1ª vez, há uns dois meses atrás. Hoje, já a coisa foi mais sofisticada. Já meteu mísseis teleguiados de última geração.
Não faço ideia de onde terá partido este ataque terrorista, mas aqui deixo à consideração de quem de direito os endereços dos sites para os quais este blogue era reencaminhado automaticamente: virob.com; stocktrading.com e stocktradingtips.com . É claro que não estou nem posso estar a acusar ninguém. Esta indicação fica aqui registada para possível orientação de casos similares. Cá me desenvencilhei, para já, alterando o "template". Como consequência, fiquei sem a maior parte dos links. Mas vou repô-los tão breve quanto possível, até porque tenho cópias de segurança para o que pudesse acontecer de imprevisto.
Uma coisa é certa. Quem me garante que não voltarei a ser "bombardeado"? Era eu o objectivo ou foi engano? Se não era eu, então tenho que reclamar dos danos colaterais que me foram causados. Pelo menos deram-me cabo da paciência...
(Esta nota foi escrita depois do texto que se segue. De qualquer modo fica a fazer parte deste Balanço de 2006, que estou a apresentar).
-
Entrei no mundo dos blogues em finais de 2005 ainda que só a partir de Janeiro de 2006 é que me tenha organizado minimamente.
Claro, as interrogações que me continuam a assaltar constantemente, são várias:
- Por quê escrever e publicar para todo o mundo?
- Que termo usar: blog ou blogue?
- Que temas abordar?
- Ter ou não ter mais que um blogue activo?
- Manter as páginas (sites) tradicionais em actividade, inactivas ou apagá-las da Rede, pura e simplesmente?
- Outras, várias e dispersas que não será oportuno dissecar num simples post deste modesto blogue.
Em jeito de balanço apetece-me dar o meu contributo para se aprofundarem possíveis respostas às questões acima levantadas.

Por quê escrever?
Podíamos começar por abordar este tema fazendo um apelo geral às escolas, aos pais, aos meios de comunicação social, aos jovens. É preciso ler. Ler muito e sobre os temas mais variados. E reflectir sobre o que se lê. E comentar o que se lê, que só assim se poderá seleccionar as disciplinas a tratar e a forma de as encarar. Com mais ou menos profundidade. Tendo sempre em conta que o que se escreve e como se escreve deve ser perfeitamente direccionado, diria mesmo, cirurgicamente orientado.
A prioridade terá de ser: LER muito.
E haja quem escreva, com responsabilidade!

Blog ou Blogue?
Quando se começa a escrever nos blogues a primeira tentação é utilizar o termo original do inglês: blog. Depois começamos aos poucos a questionarmo-nos, porque não usar uma palavra que nós possamos vir a integrar no português? Blogue acho que está bem. Claro que teremos que esperar mais algum tempo até que se torne oficial o uso deste provável novo vocábulo. Até pode acontecer que, entretanto, passemos a nova fase das comunicações e nem seja preciso fazer adaptações à nossa língua!

Que temas abordar?
Os blogues já em actividade são aos milhões. Já se fala em mais de 90 milhões a nível global. No entanto, passado o boom de 2006, é muito provável que só se mantenham em actividade regular, menos de metade. É que manter um blogue com algum interesse e que motive as pessoas a consultá-lo não é tarefa simples nem se consegue levar avante com uma atitude meramente desportiva, a fazer praia, de toalhinha na mão, alpercatas para não queimar os pezinhos ou no café a fazer sala (quando muito a trocar umas palavrinhas breves com os amigos e beber um cafezinho…). Claro que estou a pensar propriamente nas pessoas que gostam de participar dos blogues e que, em simultâneo, exercem a sua actividade profissional, colocando esta em primeiro lugar, como é lógico e terá de ser.
Os temas que estão a ser abordados nos blogues são múltiplos, há assunto para todos os gostos. Uma coisa é certa. A base de dados dos motores de busca, designadamente da Google está a aumentar exponencialmente, todos os dias, com novas entradas vindas dos blogues. É de loucos!
Tanta gente a escrever, a publicar imagens, pintura, escultura, desenho, fotografia de reportagem e artística, vídeos, música, sei lá que mais! Em catadupa! Por quanto tempo mais?

Ter ou não ter mais que um blogue?
Com as facilidades que nos estão a ser concedidas por muitos e variados servidores, para não referir somente os que estão na moda, como os da Google/Blogger e Sapo, cada utilizador desta nova e revolucionária ferramenta da Net, segundo as minhas observações, abre em média 3 a 4 blogues, alguns sem grande actividade, é certo.
Quanto a mim tenho sentido a necessidade de 4 blogues: “dispersamente” (generalista), “dentro de ti ó leiria” (regional), “comentários em blogues” e “Freguesia da Barreira” (local).

Manter sites tradicionais?
Tenho vários sites activos (pouco): “leiria.no.sapo.pt”; “leiriana.net”; freguesiadabarreira.com” e outros que quase já lhes perdi o endereço.
Estou num momento de reflexão: vale a pena mantê-los?
O “leiria.no.sapo.pt” é, para mim, uma relíquia e um símbolo. Foi, talvez, o primeiro site particular a abordar temas generalistas sobre o concelho de Leiria, já lá coloquei variada informação e foi com ele que consegui manter-me, dentro das minhas naturais limitações (sou um simples amador que gosta de acompanhar as novas tecnologias, melhor, de não perder o comboio de alta(íssima) velocidade em que elas viajam).
Com o “leiriana.net” (domínio próprio) pretendo manter e marcar um lugar independente na Net.
Os demais, logo se verá.

E tantas outras interrogações!
A todo o momento estamos a ser confrontados com novos conhecimentos, novas técnicas, novos equipamentos, novo software.
Uma teia infernal!…
RESUMINDO, que não concluindo:

ESTOU-ME A SENTIR BEM A FAZER PARTE DESTA GERAÇãO BLOGUE

2006/12/24

Eu, asn, hoje.

Eu não sou sempre como me estão a ver ou a julgar que me vêm...
De qualquer modo, foi assim que a câmara fotográfica me apanhou hoje, dia 24 de Dezembro de 2006.
Por baixo desta boina há muito pouco cabelo. E os globos de iluminação do jardim não sei se me iluminam o suficiente...

Sou o autor deste blogue, que eu próprio acho que não é grande coisa, tem muitas insuficiências, dispersa-se em demasia, contradiz-se com frequência, enfim, é um trabalho orientado por um homem...simples/humanista a toda a prova e muito interessado em observar e analisar o que o rodeia.
Não pretendo ser professor de nada nem de ninguém, não tenho pretensões em ensinar o que quer que seja, mas se puder ser útil nalguma circunstância estou sempre disponível. Assim os meus préstimos possam ter alguma utilidade.

Estou na blogosfera como Sou, tal qual.

DESEJO a TODOS os MEUS AMIGOS que me têm acompanhado nesta jornada de aventura pelo mundo dos blogues, quantas vezes, duma forma intimista, também algo/muito DISPERSA, como já devem ter confirmado,

UM FELIZ NATAL (Para os que querem acreditar nesta Quadra de Solidariedade, Fraternidade e alguma Religiosidade)
e
UM ANO de 2007, que não se apresente demasiado severo para com os Portugueses em particular e o Mundo em geral.
Posted by Picasa

2006/12/19

Paz na Terra aos Homens de Boa Vontade

In "gatimanhos" (passagem de "O meu pé de laranja lima" de José Mauro de Vasconcelos
"...
Olhei Papai.
O seu rosto barbado, os seus olhos. Só pude falar.
- Papai… Papai…
E a voz foi sendo consumida pelas lágrimas e soluços.
Ele abriu os braços e estreitou-me ternamente.”
-
Passando ao post propriamente dito:
---
É Natal

Às vezes nestes Natais modernos, com tão poucas lareiras e tão pouco mistério, dou por mim a desejar que algum dos meus netos sinta o esvoaçar da camisinha azul e ganhe para toda a vida a força poética da imaginação.” Rosa Lobato de Faria in “Os Linhos da Avó”

Com que saudades recordo o Natal da minha meninice. O encantamento e a magia andavam no ar. Não havia luzes pelas ruas. Não havia árvores de Natal. Festejava-se o nascimento do Menino Jesus e era Ele que descia pela chaminé e nos deixava, no sapatinho, os presentes tão desejados. Que noite comprida a de 24 de Dezembro! Com que ansiedade esperávamos pelo alvorecer do dia 25! Teria o Menino Jesus escutado os nossos pedidos?
E o cheirinho a filhós e rabanadas fritas pela noite dentro! Que delícia! E o cabrito, o peru… e até o bacalhau parecia muito mais apetitoso pelo Natal!
E era o irmos apanhar o musgo e a construção do presépio. Lindo e todos os anos diferente. Mas sempre, em primeiro plano, a gruta com o Menino Jesus. Afinal era o Seu nascimento que se festejava.
E era a visita ao Convento dos Franciscanos para podermos ver o maravilhoso presépio articulado. Bastava colocar uma moeda e tudo ganhava vida.
Depois importámos o Pai Natal! Simpático velhinho, mas sem a magia do nosso Menino Jesus. Bem que tentei, com os meus filhos, conjugar a magia dos dois: o Pai Natal passou a ser o ajudante do Menino Jesus e vinha deixar um saco com os presentes à porta de casa. Só o mais velho da família, então o meu pai, o podia ver e falar-lhe. O maravilhoso que via nos olhos dos meus filhos e sobrinhos era fantástico!
E começámos a construir também a árvore de Natal, para além do presépio.
Entretanto chegaram os netos. Mas estes Natais modernos pouco ou nada têm de magia e mistério. Pouco têm até de espírito natalício!
Mas mesmo assim continuo a tentar que o mistério não desapareça. Lá vou telefonando ao Pai Natal, que já tem telemóvel, claro… E é também pelo telefone que ele me avisa que vai chegar e que os meninos se têm que retirar da sala para que lá sejam colocados os presentes. E, se bem que não acreditem a 100% nas minhas estórias, o certo é que a incerteza e a ansiedade ainda os dominam. A eles e a mim.
-

É Natal

E para aqueles que crêem,
E para os outros também,
Começa e febre das prendas
P’ra todos e p’ra ninguém.

Compram-se prendas pròs filhos
Pròs amigos e prà mãe.
Compram-se até presentinhos
Para os bichinhos também.

É Natal

E por aqueles que crêem,
E pelos outros também,
São espalhadas muitas luzes
Para que lembrem Belém.

Brilham luzes pelas ruas,
Brilham nas lojas, nos lares;
Há mil árvores de Natal,
Músicas se ouvem nos ares.

Mas no coração dos homens,
Apesar de ser Natal,
Dos que crêem e dos outros,
Em vez o bem reina o mal.

Era bom que todos eles,
Acreditem em Deus ou não,
Deixassem que tanta luz
Lhes entrasse no coração.

E se assim fosse, quem sabe?
Houvesse paz afinal.
E teríamos, então, na Terra
O verdadeiro Natal.

Zaida

Itália, 1949. A. Giannetti - Centro Bíblico dos Capuchinhos (Fátima)
-

Dia de Natal

Hoje é dia de ser bom.
É dia de passar a mão pelo rosto das crianças,
de falar e de ouvir com mavioso tom,
de abraçar toda a gente e de oferecer lembranças.
……………………………………………………
Dia de Confraternização Universal,
dia de Amor, de Paz, de Felicidade,
de Sonhos e Venturas.
É dia de Natal.
Paz na Terra aos Homens de Boa Vontade,
Glória a Deus nas Alturas.”

António Gedeão

2006/12/18

BOM NATAL 2006


Ontem, na APPA* do Colégio de S. Miguel, em Fátima. Um dos 74 presépios em exposição e concurso, em regime de votação pelos visitantes.

Este presépio é duma concorrente/artista especial...

*
APPA - Associação de Pais, Professores e Alunos. (mais presépios, a seguir)

Os artistas/artesãos são alunos do 5º e do 6º anos. Claro que parece vislumbar-se uns dedinhos "invisíveis" de "ajudas" de inspiração "divinais".

...E já agora, desejos de um Felicíssimo NATAL, com esta foto, tirada hoje de manhã, em Leiria, no Largo da Sé, fazia muito nevoeiro. O dia, no entanto, está lindo, cheio de Sol...


2006/12/15

Cartas do Peru dos Olivais

Acácio de Paiva foi, como já repetidamente aqui tem sido referido, um insigne poeta Leiriense e, justamente, considerado o maior poeta humorista português.

Dada a minha ligação com a família Paiva, que acabei por integrar a partir de 1968, é natural que me tenha disponibilizado de há mais de uma década, a divulgar o seu nome e a sua obra, sempre que me surja alguma oportunidade.
Aconteceu que, muito recentemente, por via dos contactos que se vão estabelecendo através desta teia dos blogues, a minha querida amiga “menina_marota” (nome de blog), porque também comunga deste sentimento de admiração pelo poeta Acácio de Paiva, utilizou o seu sítio na Net para o divulgar, com a maestria que os bloguistas lhe reconhecem, dois poemas bastante representativos do estilo deste poeta da primeira metade do séc. XX. Época em que viveu, que poeta é e continuará a ser devidamente considerado, ad eternun.
Nesta oportunidade quero deixar aqui expressos os meus agradecimentos à disponibilidade desta amiga que mais justificados se tornam já que há dias me enviou uma belíssima gravação das “cartas do Peru dos Olivais” poemas de referência do talento e da consagração de Acácio de Paiva. A voz que encorpou esta singela homenagem é do Luis Gaspar e pode ser apreciada seguindo o link http://www.truca.pt/boas_festas.mp3 .
Simplesmente, uma maravilha!...
------------/----------------
E já agora, que estamos em época de Festa e jantares em família, esperando que ninguém se venha a sentir como "um peru em vésperas de Natal", aqui deixo uma receita tirada dum livrinho dos anos 50 do séc. passado, edição da "MARGARINA CHEFE":(continuação) --> passador e uma colherinha de açúcar. Tapa-se e deixa-se a ferver em lume brando até a perua estar cozida, o molho reduzido e apurado.

Serve-se, acompanhada com o arroz dos miúdos.

2006/12/14

O entusiasmo dos Blogues

Há meses que ando para fazer uma cópia de segurança deste blogue.
Entretanto, a Blogger garante-nos que não há problemas, que têm cópias de segurança nos servidores. Acontece, porém, que já se sabe que os blogues alojados neste impressionante servidor já andam à roda dos 90 milhões e que este número continua a crescer exponencialmente todos os dias.
De tal modo a “Google” nos tem facilitado o acesso a este e outros serviços gratuitos, como o e-mail a 2 Gigas de capacidade, que a concorrência, Microsoft incluída, já não sabe o que fazer à vida. Em Portugal, por exemplo, temos o caso do Sapo, que, parece-me, está a atravessar momentos de grandes incertezas quanto a rumo a dar à sua estratégia de marketing.
Parece-me a mim que não estarão a trilhar o melhor caminho, porquanto:
1) Páginas pessoais grátis: tenho uma página
http://leiria.no.sapo.pt/ em actividade desde 2000. Ultimamente estou a ser confrontado com a indisponibilidade manifestada pelo Sapo para me permitir actualizar a dita página web directamente através do meu próprio utilitário de FTP, o que sempre fiz. A razão invocada tem a ver com o facto de eu não aceder à Internet através deste servidor. O que se passa é que, no local onde vivo, lamentavelmente, apesar de estar a 5 Km do centro da cidade de Leiria, não tenho acesso ao sinal de ADSL nem de cabo. Nessa sequência, acabei por optar pela placa 3G da Vodafone. Mesmo assim, o acesso por FTP à minha página está cortado. Lamenta-se este facto, tanto mais que já dei estas explicações àquela entidade. Além disso, esta página já está referenciada nos motores de busca e constitui uma ajuda a não desprezar para quem necessitar de informações sobre o Concelho de Leiria.
2) As contas de e-mail grátis de 25 MB não têm possibilidade de competir com as de 2 Gb do Gmail.
3) As possibilidades dos serviços da Google associados à conta que nos estão a atribuir gratuitamente são imensas, não temos como resistir a tanta “bondade”.
4) A zona de comentários dos Blogs do Sapo levantam diversos obstáculos aos utilizadores que não sejam os seus próprios. A Blogger nem por isso, facilitando mais a postagem de comentários por não utilizadores “blogspot.com”.

Ora bem.
Tudo isto para deixar aqui a informação de que, após muitas hesitações, lá me decidi a mudar para a plataforma Beta da “Blogger”. Andei um tanto ensarilhado com esta operação quando optei por optimizar a nova apresentação do Blogue. Estava a perder links e outras alterações que tanto trabalho me tinham dado a colocar no “Template” anterior. Por acaso, os informáticos da Google deviam ter previsto esta mais que provável atrapalhação de muitos bloguistas e lá consegui descobrir que podia retomar a configuração clássica sem ter que voltar para o Blogger antigo, operação essa que já seria impossível. Um alívio. Desta forma não perdi dados que havia acrescentado na barra lateral de navegação, tais como “recomendações”, contadores e outras notas.
Pelo que me apercebi ainda tenho muito que aprender para tirar o máximo partido da minha conta “gratuita” da Google.
Com o tempo e muito entusiasmo a coisa há-de ir.
Penso eu!...

2006/12/10

Afonso Lopes Vieira e o Jacarandá

Afonso Lopes Vieira, escritor dos sécs. XIX/XX, natural de Leiria, imobilizado numa estátua na cidade, no preciso local da casa onde nasceu, já demolida, parecendo que está a olhar, pensativo, interrogando-se do porquê de lhe terem plantado um Jacarandá ali mesmo ao lado e espantado ao ler marcas de nomes estrangeiros naquela rua estreita, por sinal a Rua da Graça, que se liga à Praça Rodrigues Lobo, outro ilustre poeta bucólico Leiriense.
Sem dúvida que o Jacarandá é uma árvore muito ornamental, que começa o ano com flores azuis lilás, cobrindo-se de seguida de folhas verdes, que este ano estão a manter-se nas árvores um pouco para além do período normal da sua permanência, concerteza por motivo da muita humidade que se tem feito sentir.
Não será, porém, na minha opinião, a árvore que melhor se adaptaria à criação dum ambiente propício à evocação da memória do grande escritor e poeta bucólico, que foi Afonso Lopes Vieira.
Ou terá havido uma associação ao título do seu livro "País Lilás" (1922)?
Um pinheiro manso seria a companhia ideal, digo eu. Até pelas suas íntimas ligações com o pinhal, ou não tivesse sido Afonso Lopes Vieira um assíduo frequentador de S. Pedro de Moel. Onde alíás, existe uma casa-museu com o seu nome.
O Mar e o Pinhal foram os principais motivos da sua obra poética.

2006/12/09

Uma tarde em família

Hoje, dia tempestuoso, chuvoso, ventoso e gélido,

resolvemos, eu e a Zaida, ir até ao Pedrógão, passar uma tarde em família. Com o Zé Paiva, a Fátima e a Ana Paiva, não sabíamos se estaria mais alguém. E estavam, confirmámos. Para começar, a Nina encarregou-se de nos chamar a devida atenção para a sua presença.



.

.

.

.

.

O Toino Prestes, esse grande amigo de longa data, daqueles que nós vemos a envelhecer connosco, os anos a passarem céleres, os robalos a fazerem-nos caretas (muito mais a mim, que sou menos persistente e muito menos sabedor da arte de bem pescar à linha...ah e o Zé a fazer kilómetros, praia acima, em direcção ao Norte, a corricar...etc etc) também se fez presente, bem assim como a Sofia e os pais. Ao fim do dia, acabámos a jantar uma chanfana à moda da Sofia, que estava uma delícia. Ora digam lá que não. E não se mostra o prato todo, não vá por aí alguém descobrir o segredo da receita!

2006/12/07

Boas Noites e Feliz Quadra Natalícia!

Leiria, Largo 5 de Outubro de 1910, uma noite deste Dezembro de 2006.
Votos de Boas Festas e que o Novo Ano que se aproxima nos traga melhores dias...e noites também, já agora!
---
.
O F´Santos também
nos presenteia com este afável
desenho/cartoon.

Será que o barrete virado para a direita, o V da vitória/virtude/virtuoso e o braço esquerdo no ar tem algum significado político/social? Cheira-me a qualquer coisa...


2006/12/04

Saudade

( Clic em cima da foto para ampliar)
Em Leiria, hoje, senti imensa saudade
Numa rara ocasião de lazer
Dei comigo a vaguear pela cidade
O que andava eu por ali a fazer!?
.
O tempo estava mortiço, chuvoso

Meti-me a pé até à "Boa Leitura"
No regresso ao longo do rio, formoso
Dei com o Outono nesta candura!
.

-Plátanos a ficar sem folhagem, amarelecida, o rio Lis a correr, lânguido.
Qual a pressa? Parecem observar as árvores que o bordejam!...
-
Fontes de inspiração:
1) Luís - BUFAGATO
2) Uma tarde de Outono nas margens citadinas do Rio Lis;
3) Os plátanos, imponentes, já duma certa idade, tantos que eles são, em Leiria...

2006/12/03

Fortes razões.

Há muitos anos que ouço falar dos Açores, sempre com sentimentos de nostalgia.
Em Agosto do ano que corre rapidamente para o seu términus, tive ocasião de ficar a conhecer razoavelmente a Terceira. Durante essa estadia tirei a fotografia que agora coloco, em jeito de logotipo, na ombreira desta porta que se abre para o mundo e que tem por nome "dispersamente". As razões que justificam esta escolha serão muitas e dispersas...tão dispersas!
Ocorreu-me sem qualquer pretensão, simplesmente ao ritmo do voo incerto, disperso, dos pássaros, do tempo, da terra/mar/céu/nuvens, ligar este símbolo a Fernando Pessoa.
Fernando Pessoa tinha origens açorianas. A sua mãe era filha de uma ilustre família da Terceira.
A frase que legenda a foto, reparei nela, muito recentemente, agora que me estou a dar ao privilégio de tentar perceber melhor a vida e a obra fantástica de Fernando Pessoa. Porquê só agora, quase seis décadas de vida são passadas?
Os tempos estão em permanente mudança, rumam para a inevitável globalização?...mas não podemos dispersarmo-nos a ponto de perdermos de vista os sítios das âncoras da nossa cultura!
.
QUANDO ELA PASSA
(Aos 13 anos)
.
Quando eu me sento à janela
P´los vidros que a neve embaça
Vejo a doce imagem dela
Quando passa...passa...passa...
.
Lançou-me a mágoa seu véu: -
Menos um ser neste mundo
E mais um anjo no céu.
.
Quando eu me sento à janela,
P´los vidros que a neve embaça
Julgo ver a imagem dela
Que já não passa...não passa...
.
5-5-1902
(Escrito na Ilha Terceira, em memória duma sua meia-irmã, que um ano antes tinha morrido ainda antes de ter completado 3 anos. Terá sido o seu primeiro poema em português.)

2006/11/29

Hoje, 29/11/2006, há 4 posts

Atto. Venerador e Mto Obgdo.

Parabéns!...


Parabéns a você

Sabem quem faz hoje aninhos?
Onze, mais concretamente?
A Mafalda? Acertaram!
É ela, precisamente.

Onze anos já passaram
Desde que ela nasceu.
De então até agora
Só alegrias me deu.

Porque ela é, acreditem,
Uma menina adorável.
Bonita, cheia de vida,
Ternurenta e afável.

E se onze anos já fez
Muitos mais eu lhe desejo.
Parabéns, querida netinha,
Abracinhos e um beijo.

Avó Zaida
-

Faço meus os versos da avó. É como se eu próprio os tivesse escrito. Sinto-os da mesma maneira!
Avô Tó

Legalização do Aborto ou...

Actualização às 21h45:
O Presidente da República, Cavaco Silva, anunciou hoje a sua decisão de convocar o referendo sobre Interrupção Voluntária da Gravidez (IVG) para 11 de Fevereiro.
"Nos termos que me foram propostos pela Assembleia da República e cuja constitucionalidade e legalidade foi dada por verificada pelo Tribunal Constituc ional, decidi convocar para o dia 11 de Fevereiro de 2007 a realização do refere ndo sobre a despenalização da interrupção voluntária da gravidez".
A campanha para o referendo sobre o aborto vai decorrer entre 30 de Janeiro e 09 de Fevereiro.
(Agência Lusa)
-
19h00
O Presidente da República Portuguesa, prof. Cavaco Silva, vai hoje falar na Televisão sobre as suas razões e da data de marcação para o referendo sobre a legalização da interrupção voluntária da gravidez. Há quem use a expressão directa "aborto".
Em bom rigor qual a diferença visível entre estas duas formas de expressão?
É que o público em geral (o povo) é constituído pelos "entendidos" na matéria e os que se baralham com estes subterfúgios de linguagem.
(A foto deste post apareceu-me nos ficheiros temporários do Windows, hoje que estava a fazer uma limpeza ao \temp)

Livro: "LAR do SOLDADO AÇORIANO em LEIRIA"

2006/11/26

Um livro de 1916 - Samuel Maia

.
.Não conhece o médico e ilustre escritor Samuel Maia?
..
Nome: Samuel Domingos Maia de Loureiro
Nascimento: 1874, Ribafeita, Viseu
Morte: 1951, Lisboa
Médico, romancista, poeta e dramaturgo

Em 1929, um artigo no parisiense "Le Figaro"(*) sobre os escritores mais importantes de Portugal refere-se a Eugénio de Castro, Augusto Gil, António Nobre, Aquilino, Samuel Maia, Lopes de Mendonça e Ferreira de Castro (FRANÇA: 129). Ou seja, o autor viseense gozava então de uma incontestável centralidade, o que, talvez por força dos modismos, até dos próprios profissionais da literatura, não se verifica na actualidade.
Também já me referi a Samuel Maia em post anterior.
Hoje volto a este assunto derivado a uma circunstância algo invulgar. Há dias recebi um e-mail com remetente que se identificou como sendo de Leça da Palmeira e que me anunciava que tinha de sua posse o livro “Mudança d´Ares” de Samuel Maia.
Muito gostaria de saber das voltas que este livro terá dado desde a data da sua publicação em 1916. O meu interlocutor refere-se ao espólio de uma herança e que tinha muita pena se este livro acabasse por ter um destino menos digno. Soube que eu me interessava pelo trabalho de Samuel Maia, através de tentativas ensaísticas publicadas na Net baseadas no trabalho de Martin Sousa. Por sinal, este investigador, na altura da publicação do seu trabalho, mostrava-se indeciso quanto à data da publicação deste livro: 1915?1916?
Resumindo e concluindo: aquele livro acabou por me chegar às mãos.
Foi com grande emoção que o folheei, muito velhinho mas conservado, com todas as folhas, capa e contracapa. Trata-se de um romance, muito entrelaçado com cartas de Lisboa para a Beira Alta e vice-versa. Foca interessantíssimos aspectos da vida daquela época, quer na cidade de Lisboa, quer nas terras do interior Beirão, centralizado muito na zona da freguesia de Ribafeita, em Viseu – segundo as minhas deduções, após a sua leitura.
Mandei-o encadernar, aqui em Leiria, numa oficina que tem um Mestre nesta arte, pessoa idosa, com uma sensibilidade para este tipo de trabalhos fora do vulgar. Diz que, lamentavelmente, já não há quem queira aprender aquela arte.
A minha emoção é mais particularmente intensa porque o Dr. Samuel Maia foi uma figura incontornável ligada à minha aldeia natal. Foi senhor da Quinta do “Cimo do Povo”, uma referência importantíssima para o lugar de Casal, ainda hoje, e que continua nas mãos de um seu neto.
Tempos houveram em que a população do Casal de Ribafeita vivia, numa grande medida, do trabalho "à jorna", nas terras do Dr. Samuel Maia, que eram muitas.
Ainda me lembro, nas minhas frequentes e prolongadas idas à aldeia, de ver grupos de mulheres a irem “para as ceifas” da cevada e do centeio. À noite juntavam-se todas numa grande sala, lá dentro uma grande mesa, na qual ceavam à farta.
Também fazia parte da “paga” a autorização para ir apanhar em determinado dia, cerejas das boas e vistosas cerejeiras, que havia nas ditas propriedades do Dr. Samuel Maia/herdeiros.
-
(*) A referência, no documento guia, ao parisiense "Le Monde" só poderá ser entendida como um lapso do investigador com cujo trabalho me iniciei neste meu modesto estudo com as motivações que já expus. De facto, o jornal parisiense que circulava na época em análise chamava-se "Le Figaro", fundado em 1854 e que acompanhou de perto os movimentos literários do Naturalismo/Positivismo e do Simbolismo. Samuel Maia começou por ser um Naturalista convicto, bastando para isso reparar nos seus trabalhos sobre a vinha e o vinho, entre outros.
O "Le Monde" relacionando-o com o famoso jornal parisiense da actualidade foi fundado em 1944.
Agradeço também a ajuda preciosa de quem me tem dado umas dicas por e-mail.

Em tempo: (26 Out 2013):

Rntretanto, escrevi um livro "Falando de Acácio de Paiva", ed. da Junta de Freguesia de Leiria, 2013, em que faço vaárias referências a "Samuel Maia" pelas suas íntimas ligações literárias, jornalismo e amizade que manteve com Acácio de Paiva. Muito se pode ler consultando este blogue em "Acácio de Paiva" e, principalmente, o livro.
Brevemente, penso poder disponibilizar o livro on-line.

2006/11/24

Os Blogues anónimos e os outros

=Hoje há dois posts=

O semanário “Região de Leiria”, saiu hoje com uma extensa reportagem sobre “o mundo dos blogues”.
Em síntese, essa reportagem pretende relacionar os blogues com cinco chavões a que deu especial ênfase: Denúncia, calúnia, propaganda, política, boato. Reportagem essa que é apresentada em 1ª página com a foto/montagem que se reproduz a seguir.
Não me vou alongar em grandes considerações acerca dos possíveis objectivos mediáticos daquela reportagem. De qualquer modo a ideia com que fiquei foi que se pretendeu passar para o público uma ideia menor do que é o mundo dos blogues.
Só para vossa orientação, caros leitores, aqui deixo alguns sub-títulos desse trabalho:
Blogues agitam política local;
Autarcas negam acompanhar os novos fóruns electrónicos;

Partidos atentos;
Do blogue para o tribunal;
Foi você que pediu um boato?;
Anonimato não é uma garantia absoluta;
Padre blogger sem papas na língua;
As caras por detrás dos blogues.
Referindo-se aos blogues da região constata-se que foram referenciados:
Ourém- 6; Pombal – 5;Porto de Mós – 5; Leiria – 1; Batalha – 3
Como se pode ver, Leiria enquanto concelho, capital de Distrito, só lhe descortinaram um blogue.
Eu sei que há mais…

Centenário de um grande poeta - ANTÓNIO GEDEÃO

Rómulo Vasco da Gama Carvalho, o nosso António Gedeão, nasceu em Lisboa em 24 de Novembro de 1906 e morreu também em Lisboa em 19 de Fevereiro de 1997.
Escreveu os seus primeiros versos com 5 anos de idade:
"Era uma vez um menino
Que não era nada feio
O que tinha de extraordinário
Era um feitiço no meio"


IMPRESSAO DIGITAL

Os meus olhos são uns olhos.
E é com esses olhos uns
que eu vejo no mundo escolhos
onde outros, com outros olhos,
não vêem escolhos nenhuns.

Quem diz escolhos diz flores.
De tudo o mesmo se diz.
Onde uns vêem luto e dores
uns outros descobrem cores
do mais formoso matiz.

Nas ruas ou nas estradas
onde passa tanta gente,
uns vêem pedras pisadas,
mas outros, gnomos e fadas
num halo resplandecente.

Inútil seguir vizinhos,
querer ser depois ou ser antes.
Cada um é seus caminhos.
Onde Sancho vê moinhos
D. Quixote vê gigantes.

Vê moinhos? Sâo moinhos.
Vê gigantes? Sâo gigantes.

António Gedeão

2006/11/22

"O sonho é ver as formas invisíveis" - Fernando Pessoa

A Carolina vem a caminho.
Vou ser, mais uma vez, avô no feminino!
Estou muito contente!
E a avó, toda vaidosa, já foi “pôr a render” algumas economias!
Olhem-me só para isto!...




Do Sonho à Realidade

Em sonhos eu vejo-te
em sonhos eu sinto-te
em sonhos eu oiço-te
em sonhos eu sorrio-te
e tu sorris-me

Em sonhos vejo-te
e já te amo muito
Carolina

E sonho com o dia
em que,
milagre da vida e do amor,
poderei ver-te, sentir-te,
abraçar-te…
e orgulhar-me
de ser novamente
AVÓ.

Zaida

2006/11/19

Um Sábado em pleno

De manhã. Jardinagem. E creiam que não foi só como passatempo. Isto de se ter um jardim concebido e mantido por um casal de pré-velhotes (?!...) começa a ser uma tarefa um tanto pesada. Mas as contrapartidas são compensadoras. Esta cumplicidade que conseguimos manter com as plantas, árvores e arbustos, as flores, caminhos rústicos (construídos com o tempo e ao sabor da forma como a água das chuvas corre em dias de muita precipitação) é realmente um bálsamo retemperador das forças que nos vão faltando e que dia a dia nos vão pondo à prova!...
-
De tarde lá foi a família toda ver o Gui às piscinas Municipais de Leiria a participar no "Festival dos Tubarões".
-
.

.

.

.

.

.

À noite, começámos por ir à "Festa da Luz" na Igreja do Telheiro. O Gui, no 3º ano de catequese, foi participar na cerimónia, muito simbólica nesta fase de sensibilização para a religião católica, do reacendimento da vela do baptismo. A cerimónia consiste em renovar a Luz da vela do baptismo com a luz recolhida do Círio Pascal.
Uma cerimónia cheia de simbolismo e carregada de significado...

-
A partir das 21 horas, sessão de lançamento do livro "Artur Agostinho" - 50 perguntas, da autoria de Adélio Amaro, que passará a ser o 1º de uma nova colecção que vai apresentar várias personalidades de relevo nacional utilizando o formato "50 perguntas, 50 respostas".
O Autor e o personagem central do livro, Artur Agostinho, presentearam a asistência com brilhantes palestras.
A apresentação do livro esteve a cargo do Dr. Acácio de Sousa, Director do Arquivo Distrital de Leiria.
Todos os membos da Mesa usaram da palavra, permitndo-me eu, refeir a intervenção da Dra. Emíla Maria Agostinho, presidente da Associação humanitária "A nossa âncora", a favor da qual reverte uma parte da receita da venda deste livro. Custa somente 10 euros.
Através da sequência fotográfica que a seguir se apresenta poder-se-á ficar com uma ideia do quão interessante se revelou este serão:


Da esquerda para a direita: Adelino Mendes, em representação do Governador Civil de Leiria; Acácio de Sousa, Adélio Amaro, Artur Agostinho, Isabel Damasceno (Presidente da C.M. de Leiria), Américo Batista Santos (Juiz jubilado) e Emília Agostinho (filha de Artur Agostinho). Na parte extrema da esquerda da Mesa estava presente Vitor Ramos, artista plástico e indefectível amigo de Artur Agostinho, que estava no uso da palavra e não ficou nesta fotografia, visualmente, mas as suas palavras pressentem-se, pelo menos para quem o conhece e para quem esteve no Auditório da Caixa de Crédito Agrícola Mútuo de Leiria.


Mais pormenores sobre esta nobre associação em www.anossaancora.pt

Grupo Coral Cantábilis sob a orientação do Maestro Vicente Narciso. Uma brilhante actuação, interpretando "Camarinhas" (1 das 1027 recolhas do Cancioneiro Popular da Câmara Municipal de Leiria), "Um pequeno quadro", de Afonso Lopes Vieira e "Leiria", de Marta Azevedo.

Tuna "Tuma Acanénica da Escola Superior de Educação de Leiria", organizadora que é do "Real Festival das Tunas Académicas", no decorrer do qual atribuem o Prémio D. Dinis, seu patrono.

Interpretaram "Fausto", "Fado a Leiria" e "Serenata".

-

Seguiu-se uma sessão de fados pelo grupo "Entre Linhas". Uma actuação muito agradável.

-

Por último, teve lugar a sessão de autógrafos concedidos pelo autor, Adélio Amaro e pelo homenageado, Artur Agostinho, que foi quem me deu, nessa altura, a triste notícia de que o Benfica, que jogava nessa noite, tinha acabado de perder 3-1 com o Braga. Mais um ano de desengano no horizonte dos Benfiquistas!...

-

* Mais pormenores sobre este livro em

http://dispersamente.blogspot.com/2006/11/um-livro-sobre-artur-agostinho.html

e http://folhetoedicoesdesign.blogspot.com

2006/11/17

Snra. Doutora, minha irmã



Irão desculpar-me os leitores deste pobre blogue, tão disperso, tão beirão, intimista também.
Não posso, não quero resistir à vontade que tenho de fazer alarde que a minha irmã mais nova acabou de se Doutorar em "Linguística Portuguesa" na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra.
Como não tenho de minha posse, para já, outro material mais recente, deixo aqui, expostas, a capa (acima) e a contra-capa (parciais), dum seu livro baseado na tese de Mestrado na mesma área do recente doutoramento:

Edição: Imprensa Nacional-Casa da Moeda

Capa: Luis Moreira

ISBN: 972-27-1187-3

(Colecção: filologia portuguesa; dirigida por IVO CASTRO)


2006/11/16

CARTOONISTA F´SANTOS em destaque



Em S. João da Madeira, na cidade onde existe a única fábrica de lápis portuguesa, vai ser inaugurada, no próximo dia 17, sexta-feira, pelas 19 horas, a exposição “O Sorriso do Lápis”, que reúne um conjunto de “cartoons” do arquitecto Ferreira dos Santos. Este autor, premiado internacionalmente, nasceu em Cucujães e desde 1970 que tem publicado os seus trabalhos dedicados, muito especialmente ao Urbanismo e ao Ambiente, na comunicação social portuguesa e estrangeira.
Notícia inserta no http://www.oregional.pt
É claro que não podia deixar passar esta informação em falta.
Trata-se tão simplesmente, do meu amigo e cartoonista, F´Santos. Eu sei que o tratam familiarmente por António e que isso não o incomoda nada. Aliás, nem veria razões para isso. Os António´s são uns tipos porreiros!...
Os cartoons que têm sido publicados neste blog têm constituído uma preciosa e graciosa colaboração da sua parte.
Obrigado "antonio". Até nem seria má ideia dar uma saltada a S. João da Madeira...

2006/11/15

ANACOM, a PT, a SONAE e o GOVERNO

Afinal, o que se passa? ...
Muito se tem falado ultimamente sobre a influência da chamada ANACOM (Autoridade Nacional das Comunicações) sobre o andamento do presente processo da célebre OPA da Sonae sobre a PT.
A última polémica que se está a levantar tem a ver com as divergências entre a Adc (Autoridade das comunicações)e a ANACOM sobre a necessidade de se dispor de mais tempo do que o que estava previsto inicialmente para se pronunciar em definitivo sobre as condições em que o mercado das comunicações passará a funcionar em termos de competitividade e concorrência, após a efectivação da compra da PT pela SONAE.
O Presidente da Adc e o Ministro das Obras Públicas e Transportes pelo que já se está a ver na comunicação social andam de candeias às avessas: a ANACOM mantém a sua posição de intransigência quanto à necessidade de se ponderar esta questão de relevância fulcral para o futuro das comunicações em Portugal. A Sonae e o Governo invocam os graves transtornos que estão a ser causados a várias partes com esta dilação do prazo inicial.
A verdade é que:
A ANACOM é, pois, a autoridade reguladora das comunicações postais e das comunicações electrónicas, conforme resulta da própria lei de bases dos serviços postais (artigo 18º da Lei n.º 102/99, de 26 de Julho) e da lei das comunicações electrónicas (artigos 4º e 5º da Lei n.º 5/2004, de 10 de Fevereiro).
...
A ANACOM tem por objecto a regulação, supervisão e representação do sector das comunicações.
Para o efeito, são atribuições da ANACOM:
1 - No âmbito da regulação do mercado: garantir o acesso dos operadores de comunicações às redes, em condições de transparência e igualdade; promover a competitividade e o desenvolvimento nos mercados das comunicações, nomeadamente no contexto da convergência das telecomunicações, dos meios de comunicação social e das tecnologias da informação; atribuir os títulos de exercício da actividade postal e de telecomunicações; assegurar a gestão do espectro radioeléctrico, garantindo a coordenação entre as comunicações civis, militares e paramilitares, e a gestão da numeração no sector das comunicações
.”
...
Portanto, o que se passa?!…
--- continuação ----
... A saga continua>>>>>>> 16/11/2006 (conforme Diário Económico acima)

2006/11/14

Um destaque digno de registo...

Está-se a falar de Acácio de Paiva, Insigne Poeta Leiriense. A casa onde nasceu, em Leiria, no Largo da Sé.



Uma placa de homenagem a Acácio de Paiva na fachada da casa onde nasceu.

Um fragmento duma criação em letra gótica com alguns excertos de poemas seus. É visível o bucolismo destes seus versos, associados aos rios Lis e Lena, que se juntam, à saída de Leiria, e lá seguem unidos, pelos campos fora em direcção ao mar da Vieira.
Viveu os últimos anos da sua vida em Olivais - Ourém:
-
"Neste lugar pitoresco, encontra-se uma artística residência rural onde viveu a família do poeta Acácio de Paiva. No pátio abarrocado chama a atenção a fonte de pedra setecentista."

2006/11/13

OLÁ!




.

.Hoje apetece-me apresentar esta aguarela, tão simples e tão cândida como um MENINO.

Digamos que podemos imaginar um menino, o mês de Novembro a acenar para o Inverno, a que se seguirá a renovação da vida...

2006/11/12

LEIRIA - História de uma estátua



O Rossio (será esta a toponímia que vai ser adoptada para se designar a zona entre a fonte luminosa e o ex-Paço do Bispo) em Leiria tem andado num grande reboliço já há quase um ano (quer dizer, a presente fase, Jardim Luís de Camões e toda a área envolvente. Há vários anos que o centro de Leiria anda em obras de requalificação, com os comercientes do Centro Histórico à beira de um ataque de nervos, dada a quebra brutal do movimento dos seus estabelecimentos).
A estátua ao Papa Paulo VI foi apeada e vai ser recolocada no pedestal que se vê no lado esquerdo da foto. Naqele preciso momento, na Sexta-Feira passada, procedia-se a retoques de restauro e conservação. Vêm-se em plena produção duas técnicas especialistas do Departamento de Conservação e Restauro da Fauldade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa.
Muito sumariamente passo a narrar a história daquela estátua:

O Papa Paulo VI estava a entrar no centro da cidade de Leiria, vindo da Base Aérea de Monte Real, em 13 de Maio de 1967, a caminho do Santuário de Fátima, para participar nas cerimónias religiosas que solenizaram o cinquentenário das Aparições da Virgem Maria. Era a primeira vez que uma Nação Europeia recebia a visita do Chefe temporal da Igreja Católica.

(Foto de Março de 1969: o próprio asn em frente à estátua...)
A Câmara Municipal de Leiria resolveu erigir um monumento a PAULO VI, para que os vindouros pudessem recordar a sua passagem por Leiria, em peregrinação a Fátima.
O Escultor encarregado desta obra foi o leiriense João Charters de Almeida e Silva, professor da então Escola Superior de Belas Artes do Porto.
Foi inaugurada em 8 de Dezembro de 1968.
-
As fotos a preto e branco foram tiradas com uma Kodak - Retina S1

2006/11/10

No dia de S. Martinho vai à adega e prova o vinho

Dioniso
Pintura de Caravaggio, final do séc. XVI
Galeria Uffizi - Florença - Itália

O ditado é português e a tradição bem portuguesa também. Aliás, tradição que não se estende só ao S. Martinho, mas a todo o ano. Faz parte da arte de bem receber do nosso povo o convite para entrar na adega e provar o bom vinho de cada um. Normalmente acompanhado por um bom chouriço ou presunto caseiros. Tradição agradável, simpática e, porque não dizê-lo, bem saborosa também. Mas cuidado com as provas…
A propósito lembrei-me da lenda do vinho, uma mistura remota da mitologia grega com muito imaginário popular.
Dioniso, deus grego do vinho (correspondente a Baco, o deus romano) numa das suas muitas viagens reparou numa planta que não havia na sua terra – a videira. Então resolveu levar algumas sementes quando pensou em regressar a casa. Como não tivesse onde as transportar, lembrou-se de o fazer dentro de um osso de galo. E começou a sua caminhada de volta a casa. Mas as sementes germinaram e não cabiam no osso de galo. Então Dioniso passou as plantinhas para um osso de leão. Prosseguiu viagem. Mas as plantas continuaram a desenvolver-se e não cabendo dentro do osso de leão foram passadas para um osso de burro.
E aí está a explicação: se se bebe um pouco de vinho, fica-se alegre e canta-se como o galo; se se bebe um pouco mais, mas dentro dos limites, fica-se forte como o leão; mas se se abusa, oh, então fica-se estúpido como o burro!
(Composição integral de Zaida Nunes)

2006/11/09

O Funcionário Público

Então não saiu assomadiço,
terrível, assanhado como um gato,
esse manga d´alpaca timorato,
por tradição tão manso, tão submisso?

- Ah! Vocês não me pagam? Ele é isso?
Vocês supõem que não quebro um prato?!
(Exclamou). Pois vão ver como eu os trato!
E pronto! Nunca mais foi ao serviço.

O triste resultado viu-se em breve;
o abalo em toda a parte foi profundo;
o mal que produziu não se descreve.

Imaginem agora que os secundo.
Se os sonetos suspendo e faço greve
não há que duvidar! Acabou o mundo!

Acácio de Paiva
Insigne poeta Leiriense

(1ª metade do séc. passado...)
-
Há dias estivémos na sede do "Rancho Folclórico Rosas do Lena" num Sarau de Poesia e Música e a Zaida, muito naturalmente (Acácio de Paiva era seu tio-avó e os seus poemas foram objecto duma recolha exaustiva em 1988 e publicados em livro pela Câmara Municipal de Leiria) disse este poema, ressalvando que os funcionários públicos lhe desculpassem a ousadia mas, bem vistas as coisas, até se pode concluir que sem funcionários públicos como é que as Instituições do Estado haveriam de funcionar?
É assim que a sociedade está organizada. É assim que teremos de viver!
E mais: quer a Zaida quer eu já fomos funcionários públicos e deixamos de o ser de livre iniciativa.
Não nos esqueçamos, contudo, que o Estado somos TODOS nós!...

2006/11/07

TEMPO DE CASTANHAS ASSADAS


7 e tal da noite. Sim, já é noite. Leiria. Um velho (habitual, de há longos anos) vendedor de castanhas assadas. Em frente ao Centro Comercial "Maringá", no cruzamento da Rua S. Francisco com a Avenida Heróis de Angola. Até ao início das obras de requalificação (no âmbito do Programa Polis "VIVER LEIRIA") do Rossio, frequentava preferencialmente a zona do Jardim Luís de Camões, ali ao pé da "camionagem". Encostei o carro, comprei uma dúzia de castanhas em troca de 1 euro e meio. Acho que fiz um bom negócio. As castanhas eram uma delícia, comi-as em menos de um fósforo, e ainda tive permissão para tirar esta foto, que vos mostro acima.
Que tal o aspecto das castanhas, embrulhadas a preceito, como manda a tradição, num embrulho de papel de jornal ou de revista, tanto faz?