2008/02/29

Francisco Rodrigues Lobo e Camões

Esta foto foi tirada em Leiria, há 15 dias. Estamos a registar uma perspectiva do Jardim Luís de Camões (ameixieira de jardim, uma acer negundo,logo atrás uma grevillea robusta, uma pimenteira bastarda, estátua ao grande poeta bucólico Francisco Rodrigues Lobo, em ponto mais alto um freixo com perto de 100 anos seguramente, o chão remodelado mas que veio alterar drasticamente a configuração histórica do jardim alma de Leiria.
Ampliando-se, também se poder divisar a silhueta da Igreja do Santuário de N. Sra. da Encarnação.
Repisando o tema: Nota-se a falta das tílias monumentais que foram derrubadas há mais ou menos 2 anos. Quanto a mim, por pura incúria!
Não esquecerei essas tílias, a fragrãncia das sua flores, a sombra espantosa da sua copa, a sua presença imponente e pintada dum verde insubstituível que deixou de encher os nossos olhos...
Posted by Picasa

2008/02/26

Sentir de pai

"Nem sempre o que achamos bom para os filhos é o melhor para eles..."

Fiquei a pensar nesta reflexão porque não vejo forma de deixar de olhar para os meus filhos (A Inês e o Bruno, ambos com 30 e tal anos, diferença de 4 entre eles) e ver os meninos que já foram com uma nitidez impressionantemente actual.
Os seus filhos são como se meus também o fossem. As alegrias e sucessos deles sinto-os como meus também.
Mas preocupa-me sobremaneira o decurso das suas vidas, as vicissitudes por que passam, eu querer ajudar para além do que humanamente me possa ser permitido.
Como conciliar as nossas acções com o sentido que se pretende dar à frase em epígrafe?
Não sei.

2008/02/24

Soares Duarte - 75º Aniversário

Sem publicidade, por desnecessária,no célebre Restaurante "Casarão", no Alto-Vieiro, Leiria, 23/2/2008

Soares Duarte, um bom amigo, senhor duma capacidade de memória invejável, nos seus 75 anos, na companhia da esposa Luísa. A família mais chegada também esteve em força. Juntou alguns dos seus amigos mais íntimos para comemorar esta data (bem, fez anos 2 ou 3 dias antes) tão significativa da sua vida.

Frei Vicente - Cantor de música tendencialmente de cariz religioso cristão, designadamente a celebérrima "Monte Sinai". Cada vez mais Franciscano, como ele próprio se confessa publicamente, presenteou a assistência com um rol de belíssimas canções do seu reportório. Chegou a ser o responsável pela Igreja dos Franciscanos ou da Portela, em Leiria, no final dos anos 60.

O Prof. Casimiro, como todos os seus amigos ainda o continuam a chamar, cantou, para nosso gáudio e pretexto de canto em coro, o célebre fado de Coimbra (de onde é natural), "Amor de estudante", entre outras e variadas canções, em honra do nosso amigo e companheiro de tertúlia.

Soares Duarte é um declamador de poesia imprescindível em qualquer manifestação cultural literária, para além de escrever da mais pura e bela poesia. Reformou-se como realizador de produção da RDP.

Amor de estudante

Dizem que amor de estudante
Ai, não dura mais que uma hora
Só o meu é tão velhinho
Inda se não foi embora

A cabra da velha torre
Ai, meu amor chama por mim
Quando um estudante morre
Os sinos tocam assim.

Posted by Picasa

2008/02/22

Primavera e Poesia


Estava nas traseiras da casa................AS ANDORINHAS
Ouvi o trinar alegre duma andorinha......Como as tardes já fossem para amores
Vim cá fora, um recanto de alegrete......no doce Portugal, todas em bando
Antigo, cheio de recordações................voaram, nossas terras demandando,
Da Zaida, Paiva e minhas....................tão propícias às aves como às flores.
......................................................
Vi um ninho de muitos anos.................Procuraram beirais acolhedores
As aves a regressarem com o tempo.....onde seus ninhos fabricassem, quando
A fazer coro a evocar alguém...............o céu, há pouco tempo azul e brando,
Que da Poesia fez seu pensamento......de novo se cobria em negras cores.
.....................................................
A Zaida, pelo som familiar..................O bando, não supondo terminada
Eu porque com ela aprendi..................a chuvosa estação, de onde viera
Logo vimos como atalhar;...................já procurava a salvadora estrada;
Quem poderia ter cantado assim?.......
......................................................mas nisto, entre festões de folhas d´hera,
Não podia haver dúvidas....................debruçou-se à janela a minha amada
A música, bucólica, esplendorosa........e ele ficou: surgiu a Primavera!
Acácio de Sampaio Telles e Paiva.......
Ilustre Leiriense, na Poesia e na Prosa......... Acácio de Paiva
......................................................
Um ninho com anos e anos.................
Uma parede de lousa centenária..........
A andorinha que ainda desambientada..
Na sua silhueta foi captada.................
.......................................................
A casa "Pharmácia Leonardo Paiva"....................
No Largo da Sé, Leiria.........................
Onde nasceu em 14/4/1863.................
O insigne Poeta, Acácio de Paiva.........


antónio nunes
22/2/2008
Posted by Picasa

2008/02/20

Quinta S. José - Leiria

Um aspecto geral da Quinta de S. José, podendo apreciar-se (ampliando) uma cancela aos tempos antigos, dos nossos pais e avós, entrada para um terreno bem lavrado e semeado (provavelmente com milho). Repare-se nas couves em flor, que espreitam sobre o muro!

No momento, pouca informação tenho à minha disposição sobre a história desta Quinta, localizada na Rua da Figueira da Foz (paralela à Av. Adelino Amaro da Costa, a poucos metros da margem direita do Rio Lis, num antigo terreno com excepcionais condições agrícolas...aos poucos ocupado por toneladas de betão e alcatrão...). Claro, estamos situados na cidade de Leiria...pode-se dizer que na periferia do centro da cidade. Lembro-me de todo o trânsito automóvel se processar por esta via, que era a única forma de ligar Leiria à Figueira da Foz. Esta estrada seguia em direcção à estação do caminho de ferro e prosseguia o seu curso com destino à Figueira da Foz, estrada quase exclusivamente com piso em paralelepípedos. (que terá sido feito das toneladas e toneladas desse paralelepípedos, devidamente aparelhados, que cobriam a maior parte das nossas estradas durante uma grande parte do séc. passado?).
Estou a recolher mais informação sobre esta quinta. Para já fica aqui este registo antes que, um dia destes, possamos ser surpreendidos com o seu desaparecimento ou requalificação ad hoc.
Posted by Picasa

2008/02/17

Abandono idílico no Dão


Uma zona idílica (mas abandonada) junto ao Dão, perto de Viseu - Hoje (Vítor Nunes)

- A zona do Dão está intimamente ligada ao rio com o mesmo nome.

O seu percurso é feito no sentido Nordeste-Sudoeste e, ao longo dele, para além de ter a Barragem de Fagilde no seu fio de água, atravessa ou demarca os limites dos concelhos de Aguiar da Beira, Penalva do Castelo, Mangualde, Viseu, Carregal do Sal, Nelas, Tondela e Santa Comba Dão. Desagua no Rio Mondego, em plena albufeira da Barragem da Aguieira, nos limites dos concelhos de Santa Comba Dão, Mortágua e Penacova, depois de percorrer cerca de 100 quilómetros. Os seus principais afluentes são o Rio Carapito, Ribeira de Coja, o Rio Sátão, o Rio Pavia e o Rio Criz. No seu vale, zona de altitude com solo granito, situa-se a Região Demarcada do Dão, da qual se destaca a produção de excelentes vinhos de mesa. (in Wikimédia).

O rio Pavia atravessa a cidade de Viseu.

http://dispersamente.blogspot.com/2008/01/samuel-maia-sexo-forte-1915.html

Seguindo este endereço, pode tomar-se nota de um livro, editado em 1915, da autoria do Dr. Samuel Maia, natural de Ribafeita, grande proprietário que foi na minha terra Natal, Casal-Ribafeita-Viseu. Ainda hoje lá existe a quinta do Dr. Samuel Maia, como eu me lembro de ser apelidada, estávamos pelos anos 50. O maior polo de atracção de populações àquela área dever-se-á, muito provavelmente, à mão de obra intensiva que era necessária para o trato das suas terras. Actualmente esta quinta está a ser utilizada por um seu neto na cultura e comércio de plantas ornamentais. Aliás, a entrada da Quinta era bordejada por cameleiras numa extensão de 150 metros, se bem me lembro. Tenho que lá ir tirar umas fotos (ou o meu irmão Vítor...)

O enredo do romance do livro referido no post acima assinalado parece desenrolar-se na zona do Dão à volta dos concelhos de Mangualde e de Viseu. Nele se fala, por exemplo, do cirurgião de Vilar, do abade de Coja, duma ribeira onde acaba por ser encontrado o corpo duma jovem, dumas termas, que poderão ser as de Alcafache, etc.

Posted by Picasa

2008/02/16

Entardecer pardacento...

Entardecer pardacento
Inverno, Primavera?
Clima em fingimento
Alma Humana sincera?!

Pensamento em nostalgia
Em corrente sinuosa
Será noite, será dia?
Bonança tormentosa!

Uma bruma m´ inquieta
Neste momento de quietude
Será a vida de cor infinita

No seu rumo sem virtude
Deslizando… aflita...?
Talvez se ouça uma sineta!?

antónio

16fev2008

Posted by Picasa

2008/02/13

DISPERSAMENTE...

.
Acabei de comemorar o meu 61º aniversário. E pus-me a magicar. E lembrei-me de experimentar mexer no "template"...resultado...um desastre.

Lá terei que queimar mais umas pestanas para refazer o cabeçalho. Pode ser que o Bruno me dê uma ajuda, que eu já estou a ficar cansado de tantas novas tecnologias com que nos bombardeiam permanentemente.
Em compensação o Guilherme premiou-me com o postal acima, que desenhou enquanto esperava pelo jantar...
-
Entretanto, a Mafalda ofereceu-me um livrinho "Quanto mais velhos mais sábios" de Carol Ann Morrow, ed. Paulinas-2005.
Achei encantadoras estas palavras:

Dá-te gratuitamente.
Dispensa e dispersa.
Contribui com os teus dons
- de tempo, dinheiro,
apoio e boa vontade.
Só poderás aproveitá-los para ti
se os guardares numa mão aberta.
Então serão lançados na tua conta.
-
Assim será, como bem sabes, querida neta!...

-
A Carolina balbuciou pela primeira vez algo parecido com Avô...

2008/02/10

Ao Deus dará?!

No dia 8 de Maio de 2003, de manhã, num banco do Jardim Luís de Camões, em Leiria. Hoje, já o jardim foi requalificado - modificado para linhas ditas mais modernas - mas esta imagem ficou a marcar-me, o seu significado a martelar a minha consciência, a requerer uma reflexão séria sobre exclusão social e igualdade de oportunidades de vida. Claro que dada a minha idade, seis dezenas de anos, já passei por muitas situações como esta, infelizmente. Mas esta, captei-a na minha máquina fotográfica, e por cá foi ficando escondida no emaranhado de ficheiros desorganizados do meu computador.Claro que não fui acordar o ocupante deste banco de jardim, tão concentrado no seu sono que ele parecia. Sono de cansaço? De cansaço e de fome? De solidão, de cansaço e de fome? Desalento cansado?
Ou simplesmente, a viver a vida ao Deus dará e ser capaz de ser feliz!?
A publicação deste texto e da fotografia, neste meu blogue, foi motivado pelo último post colocado no
http://meninamarota.blogspot.com
Posted by Picasa

2008/02/07

Um roteiro Boa Vista - Leiria




clic para ampliar
Este roteiro corresponde a um percurso que faço diariamente, a bem dizer. Trabalho na Boa Vista e vou almoçar ao Largo da Sé, em Leiria. Por vezes - frequentemente - logo ao sair do parque de estacionamento do carro (um Rover de 1999 e é um pau...), antes de me dirigir para o meu destino, derivo à esquerda e faço um giro por aquela zona da cidade, Largo do Papa Paulo VI, Jardim Luís de Camões e parte restante do Largo 5 de Outubro de 1910, cuja referência arquitectónica é o edifício da antiga agência do Banco de Portugal. Para mim, esta zona de Leiria constitui um marco incontornável e duma nostalgia a raiar o infinito. É que me vêm à recordação os primeiros anos (cheguei a Leiria em 1966) em que passei a viver nesta linda cidade do Lis e do Castelo (quando não a põem em estado de sítio com obras sobre obras, buracos em cima de buracos, prédios em ruínas, árvores do Largo da Sé abatidas só porque tinham para aí uns 100 anos mas nem eram altas nem ameaçavam morrer...durariam mais um século com muitas probabilidades...). Nesta zona havia cafés, salas de chá e cervejarias sendo, por isso, o principal ponto de encontro dos habitantes da cidade. Lembram-se da "Lísea" (sala de chá e café), do separador central de relva, do outro lado o Jardim da cidade (o único na altura...pouco mais há a que se possa chamar verdadeiramente de jardim, zona verde em bosquete, de preferência...)? Lembram-se, os Leirienses, jovens dos anos 60, da festa que fazíamos quando por ali passava um amigo de carro? Tinha logo que parar, dar e levar notícias e, porque não, carregar a viatura com a malta que por ali estava no paleio e/ou a beber uns finos?...
Mas já me estou a afastar do tema deste post. Ou seja. O roteiro acima referido poderá ser assim descrito: 1) placa de sinalização toponímica quem vai pelo IC2 de Norte para Sul; 2) Uma acácia mimosa imponente, como não se vêm com facilidade, na Rua da Balcota (Este nome de rua deriva do nome dado desde tempos imemoriais a este sítio que era constituído por terras de amanho e pinhais), mais facilmente, na zona do planalto, mesmo ao pé dum jardim de infância; 3) Jardim Luís de Camões fotografado de dentro para fora, na extrema direita, uma ameixoeira de jardim, Prunus Pissardi, a iniciar a sua floração anual; 4) Pormenores da for da dita ameixoeira.
...
Bom, depois disto tudo, há que ir almoçar, que a Zaida, às vezes também a Inês e até o Bruno, já devem estar à minha espera,ou então, dada a minha demora, decidiram ser melhor não esperar por mim...
Posted by Picasa

2008/02/06

4º Centenário do Nascimento de Padre António Vieira

António Vieira, padre jesuíta, missionário, orador e diplomata, foi um dos maiores prosadores da língua portuguesa. No 4º centenário do seu nascimento, o CCB presta-lhe homenagem com um programa do qual fazem parte leituras, música e a projecção do filme Palavra e Utopia, de Manoel de Oliveira.

Directamente da Net. Não podia deixar de prestar o meu modesto contributo para a divulgação desta data - 6 de Fevereiro de 2008. Dada a enorme projecção, nacional e internacional, deste portentoso embaixador da Língua de Camões, pouco mais poderia acrescentar, tendo em conta a grande variedade e qualidade das iniciativas projectadas para comemorar este Centenário.



2008/02/05

Passáros em dia de Carnaval


nos tempos pré istóricos
os homens eram barbáros
pois subiam às arbóres
para matar os passáros

São passáros que contribóem pró meu despertar

Bom Carnaval
Vítor

(Hoje, de manhãzinha, desde Viseu. Este meu irmão, uns 3 pares de anos mais novo que eu, é um tipo porreiro. Recomendou-me a forma correcta de escrever o seu nome: sem c e com i com acento).
-
Nota do editor: A "Princesa" cuja proa desponta da fotografia é autêntica e no tempo real. Rio Pavia, na Ribeira antiga. Há quantos anos Victor?!
- Segundo o Vítor: o pássaro da 1º foto é um melro; os da 2ª são estorninhos.

Posted by Picasa

2008/02/02

Alcanena - Homenagem a Torga



Conforme já se referiu em post anterior, foi levado a efeito, com a participação activa do ELOS CLUBE de LEIRIA, uma exposição temática e cerimónia invocativa do grande Torga.
Estes dois quadros são de dois pintores de mérito comprovado e que conviveram com Miguel Torga. Ampliando-se (clic) a foto podem observar-se pormenores técnicos e temáticos de particular interesse.
No quadro do lado esquerdo, de Manuel Filipe(*), natural de Condeixa e cujo Centenário vai ser comemorado este ano, pode ver-se o que era o curso do rio Lis ao passar na zona do antigo Rossio em pleno centro de Leiria. Uma cena histórica e duma beleza ímpar.
O quadro ao lado é do reputado aguarelista Leiriense, Lino António e retrata a sua própria mulher duma forma encantadora e demonstrativa da reconhecida capacidade técnica, inspiradora e capaz de mostrar as pessoas (
ver também) envolvidas nas tarefas do dia a dia das suas vidas. Nasceu em 1898 no dia 26 de Novembro.




Outro quadro de Manuel Filipe, contendo uma dedicatória a Raul Brandão, também contemporâneo de Torga.
Ampliando-se, pode-se verificar que este quadro é obra de Alfredo Baptista (o célebre Dr. Olívio, a que se refere Torga num dos seus Diários, como um dos seus grandes amigos do tempo em que viveu em Leiria).
Estes e muitos outros quadros de autores que conviveram com Miguel Torga em Leiria, estão em exposição na Biblioteca de Alcanena. Pertencem ao Dr. Arménio de Vasconcelos e à Casa-Museu Maria da Fontinha, em Castro Daire.


Zaida Paiva Nunes a dizer um poema de Miguel Torga. Estávamos no Auditório da Biblioteca Dr. Carlos Nunes Rodrigues, em Alcanena.
Disse "Romance":
-
Ora pois: foi tal qual como vos digo:
Minha Mãe, certo dia, pôs a questão assim:
- Ou Ela, ou eu!
E ficou resolvido que no dia doze
Minha mãe parisse,
E pariu!


Pariu e ninguém se opôs! Ninguém!
Como se fosse um feito glorioso
Parir assim alguém, tão nu, tão desgraçado!
Por mim,
Ainda disse que não.
Mas o seu Anjo da Guarda
Era forte e tenebroso...
E aquele frágil cordão
Deixou de ser o meu Pão,
O meu Vinho
E a paz eterna do meu coração
Mesquinho.
...
Deixou de ser um mundo e foi outro.
Foi a inocência perdida
E a minha voz acordada...
Foi a fome, a peste e a guerra.
Foi a terra
Sem mais nada.

Depois,
Sem dó nem piedade a vida começou...
Minha Mãe, a tremer, analisou-me o sexo
E, ao ver que eu era homem,
Corou...

-
(*) Ler mais sobre Manuel Filipe


Nota de rodapé: Foi anunciado nesta sessão que já estava decidida a constituição do ELOS CLUBE DA REGIÂO DE ALCANENA. Pessoalmente e em nome do ELOS de Leiria, congratulo-me pela entrada em exercício de mais um Elo no MOVIMENTO ELISTA INTERNACIONAL.


Pela Cultura e Língua Lusófonas!


Posted by Picasa

2008/02/01

S. Tomé e Príncipe - imigrantes

Na empresa onde presto os meus serviços desde o longínquo ano de 1981, trabalham actualmente, dois Imigrantes oriundos da ilha de S. Tomé. O mais novo chama-se Eugerque. Tem 22 anos. Trabalha como electricista, a ajudar o Snr. Afonso, o melhor Mestre de ofício que lhe podia calhar na rifa da vida.
Só depois de muitas tentativas é que consegui acertar no seu nome quando tinha que lhe dirigir a palavra. Quantas vezes o chamei Bergénia, nome que era imediatamente corrigido pelo próprio, sempre com bons modos e muita simpatia.

Hoje ocorreu-me perguntar ao mais velho, o pai, das razões que o levaram a baptizar o filho com aquele nome.

Surpresa minha!

. ..A resposta é duma candura e imaginação impressionantes:

- Então, foi simples, inspirei-me nos jornais;
- ?!
- Pois. Todos os meus filhos têm o nome começado por EU, logicamente, já que sou eu o pai deles. Depois era só ler uma frase que viesse no jornal, aleatoriamente e usar a primeira letra de várias palavras até arranjar um nome que me soasse bem.
- Então, quantos filhos tem e como se chamam?
- Ora bem:
Eusvalda
(que já morreu); Eusvácia; Eugério, Eugilson; Eudecília; Eugerque (o nosso homem); Eudulaina. Todos da companheira da minha vida. Tenho outra filha de outra mulher. Chama-se Eujuleica.

Intrigante é o facto de o meu interlocutor ter um nome genuinamente português e simples: CASTRO Helena Madre-Deus.
O que é que o terá motivado a usar esta forma de conceber nomes para os seus filhos?! Aversão aos nomes dos colonizadores portugueses? Não me respondeu a esta interrogação. Limitou-se a sorrir, os dentes alvíssimos a sobressaírem da cor escura da sua pele…

(foto da net http://www.janelanaweb.com/viagens/stome.html)