2008/07/29

JPP e os Blogues dos outros

Tenho a vaga impressão de que já publiquei um texto parecido algures. Terá sido mesmo neste meu simples blogue? Às tantas! Mas, depois de ter ouvido José Pacheco Pereira, no Sábado passado de manhã na Antena Um, arvorado em mentor de 1ª do movimento bloguístico português, a dizer da sua opinião, de variadíssimos laivos de crítica a raiar o sarcástico, pelos vistos a maioria dos blogues não têm qualidade nenhuma…não me apeteceu ficar sem reacção.

Snr. Dr. Pacheco Pereira! O Snr. tem um bloque, nas áreas que abarca, de boa qualidade, sim snr. Mas não troce tanto dos outros, que não nasceram num berço de ouro, mas que até vão dando o seu melhor e despendendo o seu tempo precioso (porque têm de dar o litro a trabalhar para ganhar o dinheiro para o seu sustento, depois de deduzido o balúrdio de impostos e taxas a que são obrigados a pagar para alimentar o comboio e os passageiros do Estado; ainda temos o desplante de dizer que o Estado somos todos nós!). E sabe o snr. que a única satisfação e proveito que colhem desse labor é só o gosto de comunicar e de partilhar com os outros (pedreiros, calceteiros, professores, estudantes, jornalistas, escritores, políticos, pescadores e por aí fora…). Portanto, como dizia Cavaco Silva quando era Primeiro Ministro e lhe andavam a atazanar os neurónios, deixe-nos escrever ao nosso jeito, dar umas musiquinhas, passar uns vídeos, apresentar uns power-point, ralhar, às vezes, com as instâncias do poder, até pode ser que não estejamos com toda a razão, mas olhe que, muitas vezes, se não somos mais precisos, é porque também nos escondem muita informação de interesse público.
Finalmente: Ainda que sem traulitadas mal medidas nem mentiras, não nos devemos calar.

-
Aqui estamos!…

Quanto talento!
Quanta simplicidade!
Quanta inspiração!
Quanta informação!
Quantas estórias!
Quanto fanatismo!
Quanta música!
Quantos poemas!
Quanta beleza!
Quanta fotografia!
Quantos vídeos!
Quanto desabafo!
Quanta melancolia!
Quanto entusiasmo!
Quanto escritor!
Quanto jornalista!
Quanta vaidade!
Quanto/a…!

Nós e o Mundo! Nós e as nossas tertúlias bloguísticas!…Que mal tem isso? Já não fica bem trocarmos comentários nos “posts” (quem é capaz de sugerir uma palavra com origem etimológica mais ortodoxa para ser usada em português?) dos amigos, a maior parte deles que conhecemos só virtualmente? Quantas vezes acertamos em cheio quando os acabamos por conhecer pessoalmente! E isso acontece com muita frequência.
Cada dia que passa me sinto mais pequenino nesta aldeia global dos blogues e da Internet em geral!…
Mas tal como o deserto não o seria se as suas areias, uma a uma, não existissem, também eu não quero ceder à tentação de me cingir à qualidade de mero observador!
E passar os restantes dias da minha vida a assobiar para o lado?!
E seguir, rumo a nada, indiferente às alterações de toda a ordem que, insaciavelmente, a velocidades estonteantes, o Homem vai inventando, ele próprio, induzido pela sedução insensata de prosperidade fácil e rápida que a tecnologia lhe há-de proporcionar!…

Aqui estamos! Contem connosco! Desculpem lá algumas imprecisões que cá vão ficando na Net e até podem induzir em erro alguns navegantes. Por isso é que convém olhar para os faróis de orientação mas estar sempre atento aos baixios que, por força das correntes, se podem ter formado e não estão ainda cartografados…
A blogosfera não é uma quinta vedada, muito menos com arame farpado! É de todos!
Assim não nos esqueçamos que a Liberdade de cada um acaba onde começa a Liberdade dos outros.

2008/07/28

O Polícia Sinaleiro em Leiria

"Quem não se lembra do Polícia Sinaleiro?" - Pergunta a autora da brochura, cuja capa (clic para ampliar) se vê acima. Claro que a pergunta é dirigida às pessoas mais idosas, as que ainda têm presente na própria memória, aspectos, em muitos casos nem sequer do conhecimento das novas gerações.
A EN1, que atravessava a cidade de Leiria, e aqui tinha um cruzamento de difícil circulação, passava precisamente neste local. Vindo de Coimbra, atravessava-se a ponte sobre o Rio Lis(*) e seguia pela Rua Machado dos Santos para quem pretendesse seguir em direcção a Lisboa.
Os polícias sinaleiros foram criados em 1927, tendo-se iniciado este serviço na cidade de Leiria em 1930. Com o desenvolvimento das vias rodoviárias, deixou de haver polícia sinaleiro em Leiria no mês de Dezembro de 1980.
A brochura a que se está a fazer referência é uma edição da Junta de freguesia de Leiria, da autora/investigação de Susana Carvalho e Colaboração Especial da PSP de Leiria.
Esta edição tem como intuito marcar a atribuição do topónimo "Rotunda do Sinaleiro" à nova Rotunda que confina com a Ponte Afonso Zúquete(*), Praça Goa, Damão e Diu, Rua Machado dos Santos, Largo Alexandre Herculano (o nome antigo da rotunda, onde, na foto, está o polícia sinaleiro em cima da peanha) e Largo da Comissão Municipal de Turismo, , conforme acta da Câmara Municipal de Leiria nº 26 de 18 de Julho de 2005.

Posted by Picasa

2008/07/26

Festa anual do Telheiro - Barreira


Neste fim-de-semana, realiza-se a Festa Anual do Telheiro, em Honra de Nª Sra. da Imaculada Conceição.
A foto superior retrata uma situação completamente fora do contexto em que a Festa é levada a cabo com o máximo empenho dos mordomos. A Rua principal está toda engalanada com motivos apropriados à festa. Porque não demoveram o proprietário da casa que tem a Bandeira Nacional Portuguesa hasteada, penso que terá sido aquando do último Euro de Futebol, a retirar aquela bandeira, e guardá-la a bom recato? Inclusivé a chamar-lhe a atenção para que a Bandeira Nacional não pode ser usada daquela maneira e que existe uma Lei da República que tem em vista uma maior dignificação do símbolo da nossa pátria.
Posted by Picasa

2008/07/23

Ulmeiro - Ulmus minor

O meu interesse mais intenso (mais científico) pela botânica foi despoletado pela minha ignorância em distinguir as árvores mais comuns.
No início deste blogue, comecei a olhar com mais atenção e interesse as plantas em geral e as árvores em particular.
Digamos que a minha primeira aventura foi começar a chamar faias aos choupos. Tive a sorte de haver na Net em plena actividade, um blogue dias-com-arvores.blogspot.com e de a sua autora me ter ajudado a dar esses primeiros passos ao chamar-me a atenção para essa anomalia.
Quase três anos são passados e aqui estou novamente com o dilema: a árvore que vos apresento (clic para observação mais pormenorizada) é uma Faia? De que tipo?
Pelo que estudei sobre o tema comecei por me inclinar (desiquilíbrio próprio de principiante mas amador quase fanático) que seria uma Faia Fagus sylvatica L. (Fagaceae). Ainda bem que me lembrei de pedir a opinião do amigo Pedro do blogue sombra-verde.blogspot.com (talvez o mais dinâmico e conhecedor destas matérias, actualmente em actividade na Net). Segundo o Pedro me informou, via e-mail, esta árvore nunca poderá ser uma Faia, sendo com toda a certeza um Ulmeiro. Fica, no entanto, ainda a dúvida: que tipo de ulmeiro?
Esta árvore pode ser observada no Parque de estacionamento nº 1 do Santuário de Fátima - Portugal.

- Actualização em 24/7/2008

Voltando ao tema deste Ulmeiro. Depois da informação preciosa (e básica pelos vistos) retomei as minhas investigações por conta própria e creio poder afirmar que se trata de:

Ulmus minor Miller , família dos Ulmacea, cuja caracterização pode ser descrita do seguinte modo: Nome vernáculo: negrilho, mosqueiro, ulmeiro, olmo: Hábito: árvore grande caducifólia, até 30 m; Estrutura reprodutiva: flores agrupadas em cimeiras densas, formando glomérulos rosa-purpúreos.

Os Ulmeiros de há muito que têm sido afectados por uma doença, a grafiose (Ophiostoma novo-ulmi), pelo que a sua população está em franco declíneo.

Bibliografia: Árvores e florestas de Portugal - vol 10 - Ed. Público,Fundação luso-Americana e LPN (pág. 302); Guia FAPAS "Árvores de Portugal e da Europa" ed. 2005;

- Agradeçe-se qualquer precisão sobre esta árvore. As fotos foram tiradas em 6 de Julho de 2008. Na mesma área havia, pelo menos, uma outra igual. Junto a este Parque existe o o Grande Auditório do Centro Paulo VI, local onde decorria uma acção de formação para TOC e no qual também participei.

Posted by Picasa

2008/07/18

Estou a ler...

Estou de "férias" desde segunda-feira passada... A espaços entremeadas com trabalho...
Mas tenho tido os meus netos comigo...Passear e praia é que não há nada para...nós...

ps: outros livros de Rita Ferro que fazem parte da minha biblioteca: Uma Mulher não chora; Os filhos da mãe; O vento e a lua.

Posted by Picasa

2008/07/14

Vamos constituir um grupo concorrente com o YouTube?
PS.:Devido aos muitos e-mail e tel. recebidos na redacção, devemos alertar que o título deste post é pura ficção.
video
Acabado de chegar ao Largo da Sé, em Leiria, pela manhã. Pombos por todos os lados. Superalimentados por uma senhora, figura típica, de saquinho de milho comprado ali perto na "Promor", seguramente mais de 5 Kg. Todos os dias esta santa alma lá anda a dar milho aos pombos, duas vezes por dia. Também não se esquece da água. Num cantinho junto às escadas que ligam à ladeira para os lados do Governo Civil, da Polícia, do Castelo, da Escola, etc.
Parece que esta prática é proibida, por postura camarária, mas ninguém liga ao assunto. Os prejudicados são as pessoas que frequentam a zona, que levam com os excrementos dos bicharocos em cima, que veem os telhados das suas casas, já por si, de construção muito antiga, a deteriorarem-se de dia para dia.

2008/07/13

Jardinagem em tempo de férias

Clicando em cima da foto, visualiza-se um vídeo-amador (classe C, talvez melhore nos próximos tempos, quando souber trabalhar melhor com a máquina, uma "Samsung i8", coisa barata, que o tempo é de vacas magras...) em que se pretende apresentar uma pequena panorâmica do jardim caseiro que temos vindo a construir, eu e a Zaida, ao longo destes últimos 15 anos. Tanta canseira! Talvez por isso mesmo, quando temos ocasião de o apreciar com mais vagar, achamo-lo mais bonito...

video

Fazia tenção de aqui apresentar a 2ª parte deste vídeo, talvez a mais deslumbrante. Desisti de tal intento. Eram mais 85 MB de vídeo e a minha ligação à internet, a única possível neste local, parte da Rua dos Lourais, é através de comunicações via éter, que me proporciona, na melhor das hipóteses, 80k de velocidade de comunicação digital. O jardim foi implantado em terreno em declive e da parte Nascente, olhando a linha do horizonte, vê-se a Sra. do Monte e Cortes, este lugar sede de freguesia, local idílico e mítico. Há que ter em conta que nas Cortes nasce o Rio Lis, fonte inspiradora de muitos e ilustres poetas e prosadores que aqui viveram e vivem. Citando somente a título de referência, refiram-se os nomes de Rodrigues Cordeiro, José Marques da Cruz, Afonso Lopes Vieira. E tantos outros que, pelo seu engenho e pela sua arte, da lei da morte se vão libertando. Recentemente foram editados dois livros com compilações dos artigos impressos no "Jornal das Cortes" nos últimos 20 anos. Uma forma iniludível de sintetizar praticamente toda a história duma terra com tantos pergaminhos como é, sem dúvida, Cortes, aqui em frente, vistas airosas, a cinco km de Leiria - cidade.

Posted by Picasa

2008/07/12

Serra em tempo de praia?




Nem tanto ao mar nem tanto à terra? Já não sou tanto de ir para a praia como era noutros tempos que já lá vão! ...

Freguesia das Cortes - Leiria

Posted by Picasa

2008/07/11

Que é feito destes colegas radioamadores?

Lembram-se? Estávamos em 1998, no Largo da Sé,em Leiria, na sede da UAPR - União das Associações Portuguesas de Radioamadores.
A fotografia está propositadamente distorcida para vos avivar a memória. Está tudo QRV? ... Saudades, amigos!

Posted by Picasa

2008/07/09

Catalpa - árvores em Leiria

w

No Marachão, em Leiria, ali perto da Ponte da Fonte Quente e do espelho de água do Rio Lis.

Há muito tempo que ando para deixar aqui registado que, finalmente, fiquei a conhecer pelo nome próprio esta árvore: a catalpa.

Nome Vulgar:

Catalpa

Família:

BIGNONIACEAE

Género:

Catalpa

Nome científico:

Catalpa bignonioides

O tempo anda meio enfarruscado, a pedir chuva. A temperatura oscilante, a meteorologia retirada das observações dos satélites, meia-baralhada.
As árvores cá vão andando menos mal. Apesar da doença do nemato do pinheiro bravo, que anda a dar muitas dores de cabeça às pessoas, particularmente os industriais de serração e os proprietários, que têm razões para andar preocupadas com o fenómeno.
-
nota: prometo que vou deixar aqui escrito o nome da doença do pinheiro, parece que muito perigosa para a espécie e que se tem propagado porque, segundo também já li, os responsáveis técnicos não tiveram na prescreveram a terapêutica mais adequada.Que não saía dum determinado raio de acção, diziam e escreveram nos relatórios. Afinal saiu e parece que já não há grande capacidade de a controlar. Será que vamos ficar sem as florestas de pinheiros? Aqueles que escaparem aos incêndios?

Posted by Picasa

Maputo - Moçambique


Fotos recentes tiradas por um amigo meu em Maputo - Moçambique. Aprecie-se (clic em cima da foto) a arte e cor dos trabalhos de artesanato e pintura expostos. Tal como eu os cheguei a ver ao vivo de 1969/71, quer em Maputo (na altura, Lourenço Marques) quer em Nampula.

2008/07/06

Alô S. Tomé e Príncipe

Que o Futuro de S. Tomé e Príncipe venha a proporcionar motivos de muitos e abertos sorrisos às crianças deste país.

Um grupo de amigos do Eugerque, junto à Maternidade Agostinho Neto

Nª Sra. do Carmo, venerada com muita convicção pela população de S. Tomé.

O Eugerque emprestou-me estas fotos para digitalizar. Da próxima vez que for à sua terra-natal que nos traga mais fotografias.

Posted by Picasa

Vídeos: Picasa ou YouTube?

video
Há uns dias que o jardim não era regado. Deixei que a água corresse um bocadinho, junto a um muro. Começou a ouvir-se o som característico da água corrente como se fosse a murmurejar pelo meio dos seixos dum ribeiro. Não resisti a fazer este vídeo...para partilhar convosco.

-

Já que estamos a trocar algumas impressões: Fiz também o upload para o YouTube. A qualidade da imagem não parece ser tão perfeita como através do Picasa. Ora reparem...

2008/07/05

200 anos depois...


Homenagem aos Leirienses mortos pelas tropas francesas em 5 de Junho de 1808. Uma coroa de flores e o respectivo toque da banda militar de honra. 200 anos são passados. Há que recordar o passado de modo a que não se repitam os erros então cometidos.
Postada entre dois oficiais superiores do Exército, encontra-se a Presidente da Câmara Municipal de Leiria, Dra. Isabel Damasceno. Ao fundo o perfil do Castelo de Leiria.

A mesa de apresentação do livro evocativo desta triste efeméride. Estamos no Salão Nobre da Câmara Municipal de Leiria. Por coincidência ou não encontram-se gravadas em relevo numa das paredes, as palavras "LIBERDADE" e "IGUALDADE"...
Da esquerda para a direita: Vitorino Guerra, historiador; Carlos Fernandes, coordenador; Vitor Lourenço, vererador; Editor e apresentador
Vencido o passo da Portela, deixaram aí os franceses o parque de artlharia junto à igreja de S. Bartolomeu, com um corpo unido, que seria de 700 homens: o mais espalhou-se pela cidade e seus arrabaldes, matando e roubando quanto se encontrava, e, perpretando os mais agravantes atentados. Mulheres, crianças, velhos, enfermos e aleijados, era tudo sacrificado com igual impiedade. Os templos, as casas, as ruas e os campos ofereciam as mesmas cenas de mortandade, saque, sacrilégios e libertagem: nada escapou ao furor destes bárbaros. - José Acúrsio das Nevesin "O Massacre da Portela - 200 anos" - Carlos Fernandes - ed. textiverso
Posted by Picasa

2008/07/04

O massacre da Portela – 5 de Julho de 1808

Amanhã comemoram-se 200 anos sobre o massacre de quase todos os habitantes da cidade de Leiria, à época uma pequena urbe.
Este momento histórico da invasão das tropas de Napoleão, comandadas pelo general Margaron, saldou-se no massacre de cerca de 120 leirienses, muitos fuzilados sumariamente por terem de sua posse qualquer das alfaias agrícolas usadas na altura.
Existe documentação bastante para se perceber e compreender o que se passou nesse fatídico dia, mas a sua dispersão é grande, repartida por capítulos de alguns livros (por exemplo, “A Mãezinha” de Júlia Moniz (Barreira), Villa Portela (cap. I do livro), "História da Barreira" de Borges da Cunha (Barreira), entre outros, e muitas gravuras da época.
No âmbito das comemorações desta terrível data para as gentes de Leiria e milícias em número reduzido, comandadas por alguns soldados do Batalhão Académico de Coimbra, realizam-se várias iniciativas, dentre as quais se destacam:

1- Lançamento do livro “O massacre da Portela – 200 anos depois” ed. Textiverso coordenação de Carlos Fernandes, no Salão Nobre da Câmara Municipal, pelas 16h30; Sábado, 5 de Julho de 2008;
2- Exposição cedida pelo Museu da Marinha, no Arquivo Distrital de Leiria, que ficará patente até 29 de Agosto;
3- Homenagem aos mártires do massacre, junto ao local assinalado com uma placa evocativa no muro sul do Convento da Portela (Rua Dr. João Soares);
4- Exposição de 100 gravuras de época, de grandes dimensões, na Casa Museu João Soares, Cortes, Leiria; algumas destas gravuras são inéditas, como as da autoria de João Mouzinho de Albuquerque , que esteve em Leiria, de passagem, no séc. XIX;
5- A Câmara organizará um colóquio sobre este tema, nos próximos dias 14 e 15, na Escola Superior de Educação de Leiria.
Posted by Picasa

2008/07/01

Um jardim ao lusco-fusco

Há locais pouco divulgados, praticamente desconhecidos, apesar de todo o seu encanto paisagístico e ambiental, da sua história e da sua beleza romântica, vinda dos tempos do séc. XIX. Daqueles tempos em que uma grande parte das actuais povoações, nos limítrofes das cidades, estavam a dar os seus primeiros passos decisivos para se virem a transformar nos actuais populosos aglomerados rústico/urbanos. Dos tempos em que os senhores da Nobreza, com os seus títulos abrasonados de Condes, Viscondes, Marqueses, detinham as suas terras de cultivo com a sede nos seus palácios e solares.
Estas fotos retratam o estado actual dos jardins (com algumas árvores exóticas e monumentais) do antigo Solar do Visconde da Barreira, Leiria.
Apesar de ser natural de Viseu, porque eu e os meus ancestrais lá nascemos, numa aldeia, no horizonte a Serra de S. Macário, vivo nestas terras, dividido embora com Leiria - cidade.

Repare-se nas fotos:

1 - Estava-se nos preparativos duma petiscada das tasquinhas da Barreira. Olhe-se o tronco dum Plátano, com umas largas dezenas de anos;
.
,
.
.
.
.
.
.

2- O Sol estava quase a passar para lá do cume da elevação nos terrenos circundantes, as árvores (plátano, tílias, choupos, cedros) começavam a recortar-se no azul decadente do horizonte filtrado pelas suas folhas;
.
.


3- Idem, idem.
.-----------------------------
"Ó árvore, alguém pensou
na tua imensa alegria
quando enfim rompeste a crosta
e a alcançaste à luz do dia?"


Fernanda de Castro

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
(Quantos dias já não passaram desde esse dia?)
---



4- A noite já tombava, a luz dos candeeiros ajudava à visão. As velas tinham como finalidade afastar os mosquitos que, dada a humidade proveniente do lugar e dos dois lagos do jardim, zumbiam, de todas as variedades, ali à volta dos foliões, alguns bem comilões e beberricadores, como não é de espantar nestas circunstâncias.
-
Estou a tentar fazer um levantamento botânico das plantas e árvores deste jardim.
Serei capaz? Entusiasmo não me falta.



Posted by Picasa