2009/07/15

À espera de um milagre ambiental!

O girassol a acompanhar o movimento aparente do Sol de Este para Oeste. Estamos no Centro Oeste de Portugal.
Está plantado à entrada das intalações duma fábrica, logo a seguir à portaria. Estará a dar as boas vindas aos clientes? Ou ninguém nele repara, sequer?!

Hoje está um dia bonito de Sol. A temperatura a subir, no seu sobe e desce contínuo dos últimos meses, apesar de estarmos em pleno Verão. As temperaturas estão amenas. Até parece que os cientistas andam à nora com as suas perspectivas de aumento da temperatura média do Planeta Terra.

O problema é que os registos estatísticos e a Matemática não nos deixam iludir. A temperatura média da Terra está mesmo a subir!
E o que é que os dirigentes do G8 e do G20 decidem, nas suas cimeiras, a este respeito? Entreolham-se, encolhem os ombros e adiam!... E continua tudo na mesma.
A Amazónia continua a desflorestar-se a um ritmo alucinante; o degelo polar prossegue implacavelmente, as descargas de CO2 para a atmosfera continuam a aumentar dramaticamente.
E nós, cada um de nós, os habitantes da Terra? Continuamos à espera de um milagre!...
Posted by Picasa

6 comentários:

Alda M. Maia disse...

O G8 significou mais uma passerelle de celebridades políticas que uma cimeira donde se pudesse esperar soluções firmemente apresentadas e mais firmemente ainda apoiadas e aplicadas.
Esperando o G20, quem sabe se não se tratará, novamente, de palavras, palavras, palavras! Deus queira que não.
Quanto à Amazónia, custa acreditar que os países limítrofes pouco ou nada façam para pôr travão a uma devastação tão grave, não acha? É absolutamente imperdoável.

Continua a regressar do trabalho às oito da noite?
Um abraço á Família
Alda

Lídia Borges disse...

É muito importante que cada um desenvolva, desde cedo, uma consciência ecológica que lhe permita ter uma visão realista destas problemáticas.
Mas deveras preocupante é a atitude dos Senhores Poderosos, escravos do capital ao se deixarem regular unicamente por factores de ordem económica, esquecendo os princípios que regulam o equilibrio ambiental necessário à conservação das espécies e a articulação destes princípios com o crescimento sustentado.

A. João Soares disse...

VAMOS LIMPAR PORTUGAL

Sugere-se uma visita ao blog Sempre Jovens, a leitura do post VAMOS LIMPAR PORTUGAL e a sua divulgação o mais alargada possível.

Portugal precisa que todos os cidadãos exerçam o seu dever de cidadania e de civismo, sempre e mais precisamente em 8 de Novembro.

Cumprimentos
João Soares

Maria João disse...

António

Tenho por convicção, que não podendo alterar o mundo, podemos sempre alterar os nossos comportamentos e ensinar os que nos estão proximo a valorizar e a respeitar a terra e a sua própria natureza. Acredito que sendo apenas um grão de areia, o cumprimento do nosso dever civico é fundamental.
Sabemos que há várias décadas que quem manda e quem pode, nada fáz. Estão irremediávelmente vendidos aos interesses de alguns em detrimento do bem comum. É triste, desolador e desesperante, observar esta caminhada para o suicidio colectivo. Tarde demais? Não sei, mas é sempre tempo de fazer alguma coisa!

Deixo-lhe um abraço especial, pela gentileza das palavras que deixou registadas no Detalhes. É sempre agradável vê-lo por lá.

Abraço

as-nunes disse...

Muito agradeço a atenção que os meus amigos prestaram a esta entrada, com os vossos preciosos comentários.

Não há dúvida que cada um de nós tem de fazer a sua parte, mas se não houver um consenso Mundial entre os governantes jamais conseguiremos atingir objectivos que sejam realmente eficazes para o ambiente global.
De qualquer modo, a iniciativa "VAMOS LIMPAR PORTUGAL" é de apoiar a todos os níveis. Pode ser que se estas iniciativas se multiplicarem pelo Mundo fora se consiga forçar o tal consenso Mundial absolutamente indispensável e necessário para a recuperação deste nosso Planeta.

Abraços
António

janus disse...

Olá
Tenho andado meia fugida e hoje que por aqui passei encontrei girassóis. De vez em quando andamos a fotografar as mesmas coisas, mas desta vez não podem ter sido os mesmos. Os meus são únicos.