2010/02/24

De LEIRIA: Estamos convosco, Madeirenses!...

Largo da Sé, Leiria. Chovia abundantemente.
Largo de S. Pedro, a descer quem vem do Castelo, Leiria.

Visitei a Ilha da Madeira em 1992.

Tenho recordações fantásticas daquela terra portuguesa e do mundo. Das suas estradas íngremes, montanhas duma beleza e mistério ímpares. Das levadas e ribeiras que encaminhavam as águas pluviais e que só por sí constituiam momentos de rara emoção. As suas povoações encostadas às montanhas, cheias do colorido das flores mais bonitas e viçosas que eu já vi em dias da minha vida. As escarpas íngremes mas que nos deixam o espírito libertar-se na contemplação do poder e do misticismo da Natureza na sua expressão verdadeira, da sua infinita grandeza!

O Funchal, que cidade mais pitoresca, não me lembro de ter visto outra assim!

E Porto Monis com o antigo acesso, montanha abaixo, curvas e mais curvas, mas que como que nos encarreiravam por paisagens de sonho até nos levarem àquelas lagoas espantosas, em pleno mar e nas quais podemos banharmo-nos sob um Sol radioso e uma brisa acariciadora?

Já tenho uns bons anos de vida! Não tenho tido oportunidade de regressar àquele jardim plantado em pleno Atlântico.Mas não quero morrer sem lá voltar!...
Sei que muitas obras, novas estradas, túneis a furar montanhas, infraestruturas de toda a ordem, lá foram executadas, entretanto o que facilita a deslocação das pessoas. Concerteza que agora, em pleno ano de 2010, as deslocações estão muito mais facilitadas. Mas aconselho vivamente a que, em viagem de turismo, utilizem, sempre que possível, aquelas aquelas estradas secundárias de então.

A vida plena das cores da Natureza e do fervilhar das gentes da Ilha e dos inúmeros turistas que demandam aquelas paragens tem já o seu curso imparável no sentido do revigoramento depois do rigor que agora se vive!...

Espero bem que sim, com a ajuda de todos, Portugueses e comunidade Europeia e Mundial!...
Posted by Picasa

5 comentários:

greentea disse...

aprendi as primeiras letras com uma professora madeirense, no Funchal; às vezes levava-nos à Escola Primária no Monte !
Tenho muitas recordações dessa época e aflige o grau de destruição em que a ilha ficou
Não quero fazer mais comentários - ainda lá tenho familia

greentea disse...

a proposito do teu comentario :
leste Os Maias?
Eça descreve a estadia em Sintra , a Lawrence's. a ida a Seteiais, o passeio de burro...as maravilhas de Sintra . Eu cheguei um pouco mais longe, imdo serra acima e descendo do lado de Colares, com uma vegetação fabulosa. Vale a pena visitar o palacio e os jardins de Monserrate qd o tempo melhorar e tb a Quinta da Regaleira!

Manuela Freitas disse...

Olá Nunes,
Também eu fiquei siderada ao ver como ficou a ilha da Madeira. Estive lá em 2004 e ver como aquilo ficou, foi de facto muito triste. Lembro tudo isso que indica e Ribeira Brava, Curral de Freiras, Câmara de Lobos, Santana...Conhecemos a ilha toda de taxi, todos os dias faziamos um trajecto, há estradas antigas que já não eram aconselhadas, mas ainda andamos por algumas. Tuneis atravessando as serras, ligam em pouco tempo todas essas localidades. Depois há a Floresta Laurissilva, Património Mundial é de facto uma pena ver como aquilo tudo ficou e as perdas que os habitantes tiveram. Muito triste!...
Um grande abraço,
Manuela

Anónimo disse...

Alguém esqueceu o porquê da ribeira ser Ribeira Brava.

Já haviam profecias acerca do que ia acontecer. Os que as recebem, por locução ou visualização, muitas vezes não sabem indicar quando e como. Vejam p. ex. a profecia do que ia acontecer na madeira em:

http://www.apelosurgentes.com.br/mensagens_por.php

na parte que diz "Mensagens"

3.269- ... Queridos filhos, a Ilha da Madeira será devastada...

A terra tremeu quando foi aprovado o aborto, e voltou a tremer quando foi votado o casamento homo.

Ambos os acontecimentos são contra a natureza, contra nós próprios.

Vai chegando a hora em que a natureza se revolta dos que actuam contra ela. Toda uma humanidade do consumo e do lucro que a desvasta.

Alguém nos ensina a ter o coração acima da aflição. Mas, e na hora da provação? Se a Madeira fosse aqui? Então deixaria de haver palavras como estas que escrevo. Nos sentiríamos inúteis perante tanta impotência.

Nosso bom Deus, misericórdia. Obrigado.

Sergio Oliveira

direitinho disse...

Apenas conheço a Madeira por postais e fotos de quem já lá foi.
As ultima foi o meu filho que as trouxe em Setembro último.
Não queria acreditar em tanta desgraça. Foi demais.
Certamente não tem nada a ver com o aborto ou as uniões homossexuais.
Serão talvez avisos para se respeitar a mãe natureza e nos respeitarmos todos, independentemente dos credos, raças ou ideologias.