2010/07/09

PEARL JAM - Rock para desanuviar!...




Pearl Jam é uma banda de rock oriunda da cidade de Seattle, nos Estados Unidos da América, no auge do período do movimento grunge local, e é considerada uma das mais populares e influentes da década de 1990
(...) (ver wikipédia)
-
Sugestão da minha neta MAFALDA, nascida  nesta, ainda florescente, década dos anos 90. 


Claro, dada a minha idade, gosto muito da música dos anos 60. Do ritmo, da melodia, das letras... 
E de alguma música clássica!...


Mas, à medida que vou convivendo com os netos, de carro só "posso" ouvir as estações da sua preferência. Com música e poucas conversas sérias. Política? Bahhh!...
E então não é que me estão a convencer a mudar de onda?!... 
Yuuupiiii!...

6 comentários:

Justine disse...

Está visto, os netos fazem-nos rejuvenescer...:)))
Abraço, vizinho:))

as-nunes disse...

Sem dúvida, Justine.

Os netos são uma incomensurável fonte de renovação, de regeneração talvez.

Assim espero.

Manuela Freitas disse...

Olá Nunes,
Ainda não tenho netos, mas embora não seja muito «rockeira», há alguma coisa que eu gosto e Pearl Jam é bom.
Eu ando muito pela clássica, pelo jazz, pelos baladeiros...até só ecléctica o que é preciso é que eu goste e considere com qualidade.
Bom fim-de-semana
Um grande abraço,
Manuela

as-nunes disse...

A esta hora, 16hOO tmg de Sábado, dia 10 de Julho, sinto-me muito mais aliviado, em termos de tensão nervosa com que andava por causa das IES (As declarações anuais das empresas). O último dia do prazo para o seu envio via electrónica(a única, aliás) é no próximo dia 15, mas já consegui desenvencilhar-me dum "milando" que me estava a desorientar o meu rumo psicológico. Uff!...

Sei que há mais de 50% das empresas em grandes dificuldades para cumprirem este prazo. Os motivos são muitos, variados e temporalmente relacionados com o ano em curso. Um ano terrível: mudança radical de sistema nacional de contabilidade e dos princípios orientadores da gestão empresarial, constantes alterações dos formatos informáticos dos programas informáticos, etc etc etc Estaria aqui a desenrolar um rol de problemas que justificariam sem qualquer dúvida uma maior flexibilidade por parte do Ministério das Finanças. Mas não. Nem com toda a argumentação aduzida por quem tem o principal saber e experiência na matéria, a Ordem dos TOC, o snr. Secretário de Estado se sensibilizou. Fincou os pés e da posição que o Governo assumiu não saíu. Dá com uma classe profissional dócil, sem capacidade de se defender com a Unidade e Coesão necessárias.

Bom. Então vamos a ouvir um pouco de música para desanuviar...

Boa tarde e muito obrigado pela visita, Manuela,

Bj
António

Luís Coelho disse...

Sabes que a nossa música dos anos 60 era da melhor e ainda virão muitos bebê-la para se inspirarem. Vivemos por ciclos e a rapaziada desta decada tem outras tendências musicais.
Quando estamos com eles temos de comer e aprender a gostar.
Obrigado pelo teu comentário no lidacoelho.
Já não me lembrava das chancas nem desses truques para as reguadas não doerem tanto.
Tantas histórias presas nas teias do tempo que agora nos ocorrem.

Teresa Fidalgo disse...

António,

Os ditos estiveram a actuar ontem no festival optimos alive... Podia ter aproveitado e levado os netos...

É um boa banda, eu gosto!


(embora também goste da música dos anos 60, dos 70 e sobretudo dos anos 80)

Um beijinho