2010/09/28

LEIRIA e os seus poetas e escritores: Acácio de Paiva

Recebi hoje o Boletim Informativo da Junta de Freguesia de Leiria, nº 24, Setembro a Dezembro de 2010.
Também tive acesso a este boletim por via digital. Segundo me informaram está a ser construído um sítio na internet para que as actividades desta Junta e da Freguesia possam ficar disponíveis on-line e, na medida do possível, em real-time.
Trata-se duma decisão inevitável para os tempos correntes. O cidadão comum começa a ter acesso à informação via internet cada vez com mais facilidade, de forma mais barata (será que está a tender para que seja gratuita?... Será isso viável, economicamente?...). Que está a transformar-se numa ferramenta extremamente cómoda, já não nos resta qualquer dúvida. Demasiado cómoda, talvez! 
Estaremos nós condenados a ficarmos sentados defronte dum computador? É certo que os próprios meios de emissão/recepção de informação digital armazenada na rede global também estão a sofrer uma intensa e permanente mutação tecnológica no sentido da miniaturização e consequente mobilidade. 
Ou seja, a Humanidade terá que se habituar a conviver com a rapidez estonteante da evolução da tecnologia?

Entretanto, estamos a ser confrontados com uma outra questão transversal e fulcral: a documentação, mesmo a que se encontrava mais escondida nos recônditos de "arquivos mortos" ou mesmo "arquivos secretos" está, progressivamente, a ser disponibilizada, deliberada ou subrepticiamente, para consulta pública, na Internet, indiscriminadamente. Será que vamos por bom caminho? Não, certamente, se não forem fixadas regras básicas e susceptíveis de controlo por quem de direito. Mas como? Que formas se podem perspectivar para se filtrar a informação já disponível na internet e a que vier a ser no futuro? E que tipo de filtros é que devem ser usados? Quem vai definir critérios de actuação?
Sem dúvida que estamos numa encruzilhada complexa e de imprevisíveis consequências para o futuro do tratamento da informação. Da própria Humanidade, teremos que o admitir, desde já.

A Junta de freguesia de Leiria propõe-se trabalhar num projecto que visa orientar a atenção dos turistas e dos próprios habitantes para a ligação que a cidade manteve e mantém com variadíssimos "Poetas e Escritores Leirienses". Que, inclusivamente, têm referências toponímicas nesta urbe. Tais como:
Abraão Zacuto (1450-1510) (1)
Acácio de Paiva (1863-1944) (1a)
Acácio Leitão (1866-1945) (2)
Afonso Acácio Serra (1914-2001)
Afonso Lopes Vieira (1878-1946) (3)
Agostinho Tinoco (1896-1969)
Alexandre Herculano (1810-1877) (4)
Américo Cortez Pinto (1896-1979) (5)
Artur Lobo Campos (1884-1949)
Eça de Queiroz (1845-1900) (6)
Francisco Rodrigues Lobo (1580-1622) (7)
Gago Coutinho (1869-1959)
João Cabral (1905-2001) (8)
João de Deus (1830-1896)
Miguel Torga (1907-1997) (9)

Miguel Torga e Alexandre Herculano foram alvo, recentemente, em Leiria, de merecidas homenagens, respectivamente por alturas dos Centenário (Torga) e Bicentenário (Alexandre Herculano) dos seus Nascimentos.

Julgo ser intenção da Junta de Freguesia de Leiria patrocinar, de seguida, uma homenagem a um poeta de reconhecido mérito, local e nacional, nascido justamente na casa onde, neste preciso momento, estou a alinhavar estas linhas que aqui quero deixar à disposição dos meus leitores: Acácio de Paiva. (Poema sobre Leiria - ler aqui)
-
(Cá está. Qualquer um de nós pode, tendo presente a facilidade do recurso às novas tecnologias da informação, publicar o que entender. 
Espera-se é que não se abuse destas facilidades para se publicarem falsidades, inexactidões, obscenidades.
Da minha parte, o meu principal fito em por aqui andar a deixar alguns marcos dispersos é, simplesmente, escrever sobre "o que me vai  ocorrendo" na minha qualidade de "Um Viseense tão Leiriense como os que o são".)

(1A) http://dispersamente.blogspot.com/2007/11/accio-de-paiva-e-o-largo-da-s.html
(1) http://dispersamente.blogspot.com/2010/06/leiria-e-comunidade-judaica.html
(2) http://dispersamente.blogspot.com/2010/04/acacio-leitao-biografia.html
(3) http://dispersamente.blogspot.com/2006/12/viver-leiria-afonso-lopes-vieira.html
(4) http://dispersamente.blogspot.com/2010/09/leiria-no-ii-centenario-de-alexandre.html
(5) http://dispersamente.blogspot.com/2006/04/ea-de-queiroz-em-leiria-post-4n.html
(6) http://dispersamente.blogspot.com/2006/04/ea-de-queiroz-em-leiria-post-5n.html
(7) http://dispersamente.blogspot.com/2007/03/volta-do-maviosssimo-poeta-francisco.html
(8) http://dispersamente.blogspot.com/2009/01/cortes-leiria-ponto-do-cavaleiro.html
(9) http://dispersamente.blogspot.com/2007/01/miguel-torga-centenrio-do-nascimento.html

*************************** SEM ESQUECER ************************

      AQUILINO RIBEIRO


http://dispersamente.blogspot.pt/search/label/aquilino%20ribeiro


Posted by Picasa

2010/09/26

Sob o calor de Outono de Saramago!

(clic para ampliar; vai ver que vale a pena!)

Outono


Não é agora Verão, nem me regressam
Os dias indiferentes do passado.
Já Primavera errada se escondeu
Numa dobra do tempo amarrotado.
É tudo quanto tenho, um fruto só,
Sob o calor de Outono amadurado.

José Saramago
-
Há dias, na passada quinta-feira, vinha eu de Fátima, a caminho de Leiria, pela estrada da Sra. do Monte (via Chainça). Fiquei surpreendido com o encanto deste cenário: o cume da Sra. do Monte, aqui perto de Leiria, o solo seco da falta de humidade e da altitude, uma flor a brotar directamente do chão. Este tipo de flor estava a desabrochar numa área de 20 metros quadrados, não mais. Gostava de saber o seu nome(*). Porque é que nasce nesta altura do ano? Brota todos os anos? Ou encontrou condições particulares este ano para nascer directamente das gretas da terra seca na montanha, nesta zona de Portugal?

-


Iniciei este post com a ideia de transcrever aqui o poema, também de Saramago, "Premonição". Dá-se o caso de que, ainda ontem, em mais um "Encontros de Poesia e Cultura" na Biblioteca Municipal Dr. Carlos Nunes Ferreira - Alcanena, fui incumbido da difícil missão de dizer esse poema "Premonição". Lá dizê-lo disse-o, mas e que dizer mais que as palavras do próprio Saramago? Fica-se a pensar...a pensar... em como Saramago é, de facto, um talentoso mestre no tratamento da língua portuguesa.


Que usa a palavra duma forma e com uma subtileza, que não é fácil acompanhá-lo sem uma aturada reflexão do que se vai lendo!...
E fiquei também a pensar em como há-de valer a pena estudar Saramago, desde os bancos da Escola, para melhor se aprender a gostar do seu talento como escritor, de língua portuguesa, internacionalmente reconhecido a ponto de lhe ter sido atribuído o Prémio Nobel da Literatura, em 1998...
-
(*) Mais tarde, 30/11/2010 descobri o nome desta flor:
Merendera montana (L.)
(sinónimo: Merendera pyrenaica (Pourret) P. Fouru). (aqui)

2010/09/24

Castelo de Leiria na Corte d´El Rei D. Dinis

(Foto do autor do blogue - clic para ampliar)
Com o objectivo de celebrar a história e a identidade regional do Pinhal Litoral, a autarquia de Leiria organizou o Festival de Animação em Rede, que se desenrola no Castelo de Leiria até domingo.
Estórias Vivas de Lendas Antigas, acção destinada em exclusivo ao 1º ciclo, vai recriar quatro lendas ligadas ao concelho. Zhara, O Pagem Invejoso, O Milagre das Rosas e A Fonte do Rei vão ser apresentadas em diferentes pontos do castelo e terão a duração de 15 minutos cada.
No fim-de-semana, os eventos destinam-se ao público em geral. A Corte D’El Rei D. Dinis é a recriação histórica de oito séculos, que irá ajudar a dar a conhecer um pouco mais da história de Leiria e do seu castelo.
Com a entrada livre, no sábado é apresentado D. Dinis, o Agricultor, entre as 17 e as 24 horas.
A abertura do mercado dar-se-á com a chegada do rei D. Dinis e do cortejo régio. Até ao final da noite é possível assistir ao juízo de heréticos e malfeitores, a danças e festejos, a um concerto de música e à lenda da donzela encantada, entre outras representações.
No domingo as sessões começam duas horas mais cedo e terão como temática D. Dinis, o Trovador.
Ao longo da tarde, entre outras encenações, haverá demonstrações de combates, cantigas de amigo e amor, a recriação de uma missa em latim e um assalto ao Castelo de Leiria por castelhanos.

Texto in
Jornal de Leiria - 23 de Setembro de 2010

Posted by Picasa

2010/09/22

Outono com Fernando Pessoa

Trabalho original em

CANÇÃO DE
..... OUTONO

No entardecer da terra,
O sopro do longo outono
Amareleceu o chão.
Um vago vento erra,
Como um sonho mau num sono,
Na lívida solidão.


Soergue as folhas, e pousa
As folhas volve e revolve
Esvai-se ainda outra vez.
Mas a folha não repousa
E o vento lívido volve
E expira na lividez.


Eu já não sou quem era;
O que eu sonhei, morri-o;
E mesmo o que hoje sou
Amanhã direi: quem dera
Volver a sê-lo! mais frio.
O vento vago voltou.

1910
Fernando Pessoa (1888-1935)
Poema publicado em 1922
no Semanário "Ilustração Portuguesa"
nº 833
-
(Neste Outono de 2010,  ano do 75º aniversário da  sua morte...)

Posted by Picasa

2010/09/20

Leiria no II Centenário de Alexandre Herculano

Realizou-se no dia 18 de Setembro de 2010, no Arquivo Distrital de Leiria, sob a coordenação do CEPAE e do Arquivo, um colóquio evocativo do II Centenário do Nascimento de Alexandre Herculano.
Legenda da composição fotográfica:
- Busto de Alexandre Herculano cinzelado em 1910, por alturas do I Centenário comemorado em Leiria e à guarda do Arquivo Distrital. Em muito bom estado de conservação;
- Acácio de Sousa, Director do Arquivo Distrital;
- Carlos Fernandes, jornalista, agrónomo, escritor, grande impulsionador de manifestações culturais em Leiria;
- Aspecto parcial da mesa do Colóquio, vendo-se o Dr. Joaquim Ruivo, Presidente da Direcção do CEPAE, Prof. Dr. Guilherme d´Oliveira Martins, Director do Instituto Nacional da Cultura e Presidente do Tribunal de Contas e Prof. Dr. Saul Gomes, Catedrático da Universidade de Coimbra, grande dinamizador do levantamento histórico de toda a região da Alta Estremadura;
- Adélio Amaro, editor, jornalista, Presidente da Fundação da Associação Cultural Açores-Leiria;
- Amélia Pais, professora reformada, escritora.
Abriram os trabalhos os Presidentes da Câmara Municipal de Leiria e a Presidente da Junta de Freguesia. 
Como não podia deixar de ser, o orador convidado e presidente do Colóquio foi o Prof. Dr. Guilherme d´Oliveira Martins.
Tópicos do que registei da excelente dissertação de Oliveira Martins (Não confundir com o grande historiador com o mesmo nome, ainda que o actual seja seu descendente):
- A História de Portugal, de Alexandre Herculano, abrange um período de 200 anos, não mais, mas é o primeiro trabalho metódico e muito rigoroso, que foi levado a cabo na área especificamente da História cronológica de Portugal. Este trabalho  abrange o período desde o Nascimento da Nacionalidade até ao reinado de D. Afonso III  e é baseado directamente na fonte da informação documental, pelo que se assume com a devida e justa primazia na área do estudo da História de Portugal.
O próprio Oliveira Martins, que escreveu uma História completa de Portugal, serviu-se, quase literalmente, deste esforço pioneiro de Alexandre Herculano, para alicerçar o seu brilhante estudo, ainda hoje um dos pilares da moderna Historiografia.
- Não podemos reflectir sobre Portugal sem lembrarmos Alexandre Herculano.
- Alexandre Herculano é um símbolo de honradez, cidadania e estudo das fontes das origens do Povo.
- Alexandre Herculano apoiou os revolucionários Liberais, activamente, acompanhando-os na sua campanha militar, fazendo parte do grupo que desembarcou no Mindelo.
- Foi um defensor acérrimo do Parlamentarismo, sendo-lhe atribuído o conceito de "Que o País seja governado pelo País".
- Foi com Alexandre Herculano que o Movimento regenerativo se impôs em Portugal, após a vitória Liberal capitaneada por D. Pedro IV. De qualquer modo recusou-se a fazer parte do I Governo saído desse movimento.
- O Código Civil de 1867 foi revisto, conceptual e ortograficamente, por Alexandre Herculano, que nele inseriu a figura do casamento civil, o que lhe acarretou graves desavenças com a Igreja Católica.
- Desenvolveu a concepção de Municipalismo, tendo sintetizado esta ideia numa célebre frase: "somos porque queremos".
- Um dos seus mais sublimes livros de referência é "A Voz do Profeta".
- Na narrativa "O Pároco da Aldeia" conseguiu transmitir aos seus leitores a ideia de que se pode viver na maior das Espiritualidades, mas que são de recusar todas as superstições que se lhe possam ser associadas.
- No que respeita às suas ligações íntimas com o jornalismo há que realçar a célebre "Lei das rolhas" com a qual se pretendeu limitar a escrita exacerbada contra o Governo de Costa Cabral.
(...) 
Muito mais foi dito pelo próprio Oliveira Martins.
-
Os restantes oradores focaram as vertentes na área da intervenção literária (Dra. Amélia Reis), na da Agricultura (Engº Carlos Fernandes), e na do Jornalismo (Dr. Adélio Amaro).

Dada a extensão dos trabalhos que foram preparados para efeitos deste colóquio e que aqui só foram aflorados, o Dr. Joaquim Ruivo do CEPAE comunicou que estas intervenções e as conclusões do Colóquio serão proximamente passadas a livro.
-
(mais sobre Alexandre Herculano - síntese)

Posted by Picasa

2010/09/18

MIL POSTS!...

Foi em 16 de Março de 2006 que iniciei o "Dispersamente".
Mil posts depois e olhando para trás, penso que o resultado é verdadeiramente positivo. Talvez tenha dado mil opiniões; talvez tenha recebido mil críticas; talvez tenha feito mil amigos; talvez, até, mil inimigos. 
Mas, volto a repetir: o resultado foi positivo. Por mil razões. Aprendi tanto, reavivei tantos, tão bons e úteis conhecimentos; partilhei a mais variada informação; conheci tão bons amigos!...
Vou continuar. Não sei se por mais mil posts. Mas vou continuar. Que não me falte a coragem. Que me não desencante com as mil e uma coisas que a vida ainda me reserva. Dia após dia.


Mil vezes obrigado a todos quantos me têm acompanhado ao longo dos meus mil posts ...
 (O Sole mio - Pavarotti)

Posted by Picasa

2010/09/14

LEIRIA numa significativa EVOCAÇÃO de ALEXANDRE HERCULANO



Em diversas oportunidades já aqui ficaram registadas variadas passagens acerca da figura e da obra excepcional de Alexandre Herculano.
Pode consultar (aqui).
-
Os Leirienses comemoraram, da forma como se descreve seguindo o link acima, o Centenário do nascimento do ilustre político e homem das Letras portuguesas, que foi Alexandre Herculano. 
Veremos o que se irá passar no decorrer deste ano, agora que ocorre o Bicentenário da mesma efeméride!...
(excerto de um dos apontamentos anteriores... neste blogue)
-
De notar, também, que o Dr. Guilherme 
d´Oliveira Martins, que vai presidir à mesa do Colóquio, é descendente do grande historiador Oliveira Martins, contemporâneo de Alexandre Herculano.
Posted by Picasa

2010/09/12

Leiria e vale do Lis - A magia da fotografia



Duma varanda nos Lourais, Barreira...O vale do rio Lis, lugar da nascente, montanha acima em direcção à Sra. do Monte.
Como eu gostava de estar, naquele momento mágico, no lugar do fotógrafo que segue a bordo do helicóptero!...
Posted by Picasa

2010/09/09

MANUEL ALEGRE - A caminho de 2011


 Sou um leitor inveterado de Manuel Alegre, o eterno poeta, pensador de intervenção
(a tentar passar-nos uma mensagem de vida que deve ser interiorizada e pensada, não só arquitectada)

Eis que o poeta, escritor-poeta, político militante, irrequieto, insubmisso muitas vezes, filho pródigo...
se vai confrontar e nos vai desafiar
a sufragá-lo ou não
para Presidente da República Portuguesa.
-
Tenho para mim que Portugal não precisa de
Quem tenha a pretensão de raramente se enganar
Que julga ter a certeza do que quer
Que gosta de tabus, por omissão na acção
E na palavra...
O oposto do que pensa Manuel Alegre...
-
.
.
.
.
foto cedida gentilmente pelo Clube dos Pensadores
Em 2006, num debate em Gaia promovido pelo Clube dos Pensadores.
Manuel Alegre no Clube dos Pensadores...ainda este mês. 

.........UMA SÓ PALAVRA

Agora tenho de escrever o poema
porque nada está escrito. E o que se acaba não acaba
e os temas todos são o mesmo tema
e todas as palavras uma só palavra.

Qual ela seja ao certo ninguém sabe
mas algures estamos nela e ela em nós.
E nela cabe a vida e nela cabe
o que depois da vida não tem voz.

Entre Lisboa e Foz do Arelho, 3-6-2006
Manuel Alegre
In «Doze Naus»

-
Nota: 
Durão Barroso, no primeiro discurso do "Estado da União", disse que "Ou nos salvamos a todos ou morreremos afogados um a um", referindo-se à União Europeia. Fica-se assim um tanto apreensivo!...
- Edição revista em 10-09-2010 (22h00)
Posted by Picasa

2010/09/08

Eu, Mafalda Moura


Apresento-vos a colaboradora especial deste blogue a partir desta data. A Mafalda Moura.
Passará a escrever directamente neste blogue e no seu próprio, apresentado para já, como Suplemento do "Dispersamente", com o endereço
http://eu-mafalda.blogspot.com


Espero que venham a gostar tanto como eu gosto. Claro que eu tenho o privilégio de ser o seu avô materno e serei, naturalmente, suspeito. 
Mas a Mafalda,  para além de ser a minha neta mais velha, também é uma jovem cheia de alegria e vontade de singrar na carreira da fotografia e multimédia. Assim o seu esforço possa vir a ser compensado.
Vai iniciar o ciclo escolar na correspondente área técnico-profissional, ou seja no 10º ano de escolaridade, pelo que lhe desejo os maiores sucessos.

Posted by Picasa

2010/09/04

Fontes de vida!...



Fontes...


Nascentes
do Liz
reluzentes
frescura de petiz


Natureza estival
mantém-te assim
tão belo milheiral
esperança sem fim


Mais abaixo
ambiente desfigurado
haja que seja um só seixo
De novo será mudado


Assim seja!...

-
(repare-se no contraste, post a seguir, 5 km abaixo, no mesmo rio?!...)
Posted by Picasa

2010/09/01

LEIRIA DO RIO LIS... Sempre!...

(clic para ampliar)
O Rio Lis tem uma extensão de 39,5 Km, nasce a 5 km da cidade de Leiria, nas Fontes, freguesia das Cortes e desagua na Praia da Vieira. É um rio com um trajecto curto mas tem sido desde tempos imemoriais, fonte de inspiração de poetas e outros escritores e uma referência histórica de assinalável relevo.
Na última década e meia têm corrido outros rios de tinta a reportar cheias, secas, poluição, mortandades de peixes, obras Polis de requalificação das suas margens na zona urbana, entre as quais poderemos destacar o chamado "espelho de água", uma represa automática, que transforma a zona do Marachão, entre a Fonte Quente e a Ponte Hintze Ribeiro, num belíssimo lago, perfeitamente navegável mas completamente abandonado, do ponto de vista de aproveitamento da água para utilização de barcos a remos, incluindo canoagem.

Parece que as pessoas deixaram de ver no rio Lis uma forma de aproveitamento lúdico e até desportivo. Inclusivé, os famosos concursos internacionais de pesca desportiva deixaram de se realizar em Leiria. Um espectáculo digno de referência, como o foi nos anos de 60 a 80, pelo que me lembro dos tempos em que vivo neste recanto encantado de Portugal.

Como se pode ver na foto do meio, o rio Lis é povoado, como sempre terá sido, por uma fauna variada. De realçar a presença de barbos (visível na foto), bogas, ruivacos e enguias (em tempos idos, peixe que se comercializava, perfeitamente comestível e de sabor muito agradável). Com o tempo foram introduzidos, o pimpão e a carpa, mas, pelo que me é dado observar, subsistem basicamente, muito a custo nos verões secos, a boga, o ruivaco e o barbo.

A verdade é que este curso de água está sujeito, cada vez mais, a forte pressão da população em geral e os seus péssimos hábitos em termos de protecção do ambiente, da Câmara Municipal de Leiria, pela sua dificuldade em conseguir coordenar uma gestão sustentada deste recurso natural, nomeadamente no que respeita às possíveis formas de actuação prática com vista ao combate à crescente poluição do rio que terá sido o principal estímulo à fixação dos primeiros habitantes de toda esta região de Leiria.
Politicamente, quem tem gerido o concelho de Leiria, tem sido, desde 0 25 de Abril de 1974, o PSD e o PS (no presente mandato). Sem esquecer que o mesmo Presidente da Câmara, Engº Lemos Proença, também esteve à frente da Câmara, ora pelo PSD ora pelo CDS.
De modo que temos que, nos últimos tempos, quem se tem mostrado mais aguerrido na denúncia da situação calamitosa a que o rio Lis e seus afluentes têm sido votados pelos vários agentes poluidores, tem sido, sem dúvida, o BE.
É assim que, um tanto contraditoriamente, talvez, alguém, em nome desta formação política partidária, usou e abusou do direito à livre expressão dos seus pensamentos e acção política, a arma do spray de tinta vermelha em cima do branco imaculado de zonas públicas. Chama-se a atenção para um determinado problema, não há que duvidar, mas exagera-se nas armas utilizadas.
Combate-se a poluição do rio com uma outra forma de contribuir para o mesmo tipo de poluição, ainda que, aparentemente, só visual.

Já agora, o que é que o BE preconiza para se "limpar" o Rio Lis, duma forma permanente e drástica?

Já li(*) e ouvi umas quantas dicas, algumas perfeitamente pertinentes, mas parece que não há grande vontade política para as pôr em prática!..

Vamos continuar a adiar sine die a resolução deste grave problema ambiental e de saúde pública, apesar de tudo uma gota de água no Oceano?
Só que não nos podemos esquecer que o Oceano também só é o Oceano, porque uma infinidade de gotas se juntaram para o formar. E conseguiram este efeito espantoso que é termos a Terra coberta por Oceanos em praticamente 75% da sua superfície!...
-
(*) Leia-se o Jornal de Leiria, o "Público" e o site do BE (aqui)

Moçambique - Maputo - 2008



Em dias de turbulência social nas ruas de Maputo, descontentamento popular face à carestia da vida, lá como cá e em toda a parte...
Estas fotos são de 2008, um grupo de portugueses viajou até Moçambique e calcorreou lugares de saudosas recordações...
Maputo, Nampula, Cabo Delgado, Ilha de Moçambique... Eu não estava lá...mas tenho pena!...
Mas andei por esses sítios entre 1969 e 1971. Fiquei a gostar da gente Moçambicana e daquela bela e emocionante terra quente, húmida e vermelha, da zona de Nampula. Nessa altura, eu vivia e trabalhava (como miliciano português) no cumprimento da missão de que fui incumbido pelo Governo de Portugal de então...numa unidade de Engenharia, ali perto do Quartel-General da RMM, era Comandante o General Kaúlza de Arriaga.
Em Nampula, 1969, nasceu a minha filha Inês. Tenho pena que ela não tenha optado, ao atingir a maioridade, pela dupla nacionalidade, Portuguesa e Moçambicana! 

Que a vida nessas paragens seja de verdadeiro progresso económico e social para a maioria da população. 
Bem o merecem!...
.

Posted by Picasa