2011/01/30

Samora Correia: X Encontro de Poetas Populares do Ribatejo


Mesa do encontro, coordenação de Domingos Lobo (2º da esquerda para a direita)
No dia 29 de Janeiro de 2011, (Sábado) realizou-se o « X Encontro de Poetas Populares do Ribatejo » com início às 10.00 horas, no Auditório do Palácio do Infantado, em Samora Correia.

João Sabino, decano dos poetas de Samora Correia, com a bonita idade de 90 anos, a dizer, de memória, o poema "O Governo e o Pimba". Uma sátira muito aplaudida, a propósito da actual situação política, económica e social do país.
Piedade Salvador a ler o prefácio do livro "Pensamentos sobre...", edição da Câmara Municipal de Benavente, cuja receita reverterá a favor da constituição dum fundo para o restauro mais que urgente da igreja matriz de Samora, no mesmo largo (o da República). 
Esta Igreja é considerada um monumento nacional, já resistiu a um violento Terramoto e encontra-se em estado de degradação evidente.
O jovem poeta Jorge Carola(*), a autografar o seu livro de sonetos, "O Dorso das Palavras", Garrido Artes Gráficas, 2004. Na foto com Soares Duarte, que fez grupo com o autor deste apontamento, Maria Luísa e Zaida Nunes, em representação de Leiria.

Vogava

Vogava o navio no raso mar
Lá chega do horizonte, vindouro
E louco está o meu sonho, amar
Possuir vida imensa e ouro.

Cada vez o tempo quer-me aclamar
Mais e eu sem coragem e sem louro
Só o meu Tejo me pode afamar
Por ser mais belo que o rio Douro.

Sobe em mim a vontade de viver
Não quero jamais voltar à tristeza
De viver apartado da beleza.

Como quero brilhar numa estrela
Aquela que brilha mais amarela
Ela a rainha com certeza.

Apesar de simples convidados, leram-se poemas de Zaida Paiva Nunes e Soares Duarte.
Fazemos parte, a convite, do Grupo de Poetas de Alcanena, que esteve presente em força, com o apoio da Câmara Municipal de Alcanena.

Zaida Paiva Nunes
Leiria
A apresentar os poemas de sua autoria:
- Aquilo que grito
- Quando um dia







(Copyright © António S. Nunes)
Posted by Picasa

2 comentários:

Justine disse...

Muito, muito importante dar importância e relevo a estas actividades culturais populares...
Abraço vizinho:)))

Luís Coelho disse...

O mar que nos chama e confunde com canto suave que nos deixa sonhar.
Os rios que correm perto ou longe mas que nos rasgam os pensamentos e nos fazem escolher o melhor amor que oferecem aos apaixonados.

Um poema vivo