2011/04/13

Nós por cá não queríamos o fmi

 Ao cair da tarde. Lourais, na parte da Barreira - Leiria, uma pequena tira ao longo da rua. É que os Lourais dividem-se nos favores de pertencerem ou à Barreira ou às Cortes. Para nascente, as Cortes, Sra. do Monte, Serra da Maúnça, o vale do rio Lis, de permeio. 
Da rua, que separa as duas  freguesias, num pequeno lanço, tiro umas quantas fotografias, antes de entrar em casa...
-
 - rosa encarnada...ou grená?, as duas cores, fiquemos assim 
- uma figueira de figos escuros, já a fazerem-se e a mostrarem-se. Temporãos... 
-estevas de flor pequena branca
- o céu para lá da chaminé de casa (já dentro de portas) e da Lua em quarto-crescente 





Lá fora, ooooooo EfffffMiiii ...


4 comentários:

carol disse...

Com este pré-verão as flores ficam loucas e mostram-se em todo o seu esplendor! E o resto é conversa...

as-nunes disse...

E poesia...
que eu bem reparei que a Carol tem veia para esse género!

Claro,

este calor
temporão
é motor
d´explosão

pois!...

há que dar largas
à nossa imaginação
para espantar o papão
e lhe darmos baldas

pois!...

Luís Coelho disse...

As fotos são sempre muito boas e provam o amor que tens a tudo quanto te rodeia.

Quanto ao FMI não comento. Só nos mostram parte da realidade e nunca saberemos o resto dos meandros.

Isabel Soares disse...

E a poesia embala-nos lembrando que por muito dura que pareça a vida a esperança renova-se a cada instante.
Amanhã...