2011/04/19

Oitenta e nove mil metros quadrados. E um país por achar neste país.



O LONGO SONO

Depois da tempestade
o longo sono.
Os tributos. A fome.
E o estrangeiro por dono
deste país que já não tem no nome
a independência da palavra liberdade.

in 
o CANTO 
e as ARMAS

Manuel Alegre,1970

Posted by Picasa

8 comentários:

Graça Pires disse...

"Um país por achar neste país"... É verdade amigo. E escolheu este belo poema de Manuel Alegre para confirmar o que diz. Gostei.
Beijos e uma Boa Páscoa.

arte por um canudo 2 disse...

Um país sem rumo..onde vamos parar? Até onde o timoneiro, digo FMI, quiser. Gr. abraço

R. disse...

Arregacemos pois as mangas para recuperar o nome e a liberdade perdidos.

Um abraço.

carol disse...

Isto já não é de hoje! É assim desde que a decadência da era dos Descobrimentos.

Paulo Roberto Wovst Leite disse...

Uma postagem que se completa com os comentários anteriores para mim, um estrangeiro curioso.
Belíssima reflexão!

Abraços,
Paulo.

Isabel Soares disse...

Há muitos anos vi um filme que me impressionou particularmente, chamava-se "Voando sobre um ninho de cucos". Aprendi então que "a independência da palavra liberdade" ninguém pode roubar-nos, mesmo que o sono seja longo... e difícil despertar. É preciso acreditar, acreditar sempre, mesmo que nisso se gaste a vida inteira.

as-nunes disse...

É preciso acreditar...

Ah pois é, se baixarmos os braços estamos tramados!

Esse filme é sensacional, sem dúvida. Também convinha que cuidássemos mais da nossa cultura para podermos ser mais participativos, não deixarmos que só uns quantos se julguem no direito de decidir como se estivessem no casino.
De pois, logo se vê, anda tudo distraído!

as-nunes disse...

Depois, assim fica mais bonito.

De qualquer modo, se pensássemos um bocadinho antes de tomarmos algumas decisões, se calhar hoje seríamos mais pobres, mas mais livres!...