2011/05/27

Portugal, minha terra

Flor da feijoa, uma arvoreta oriunda do Brasil, fruto delicioso...
Um melro, na rua, nas suas calmas...

Os portugueses preocupados
A vida a andar pra trás
Os políticos endoidados
Anda à solta Satanás?


Portugal, minha terra
Momentos de encantamento
Porquê tanta guerra
Tanta lamúria e tormento?


Só queremos viver!...
Com paz e dignidade
Olhar a Natureza e ver
Toda esta tranquilidade.

Será pedir muito?...


@as-nunes
Posted by Picasa

10 comentários:

Catarina disse...

Como gostei destas fotos!!!!

Pedir ou exigir que alguns portugueses tenham a oportunidade de viver com dignidade não é pedir muito nem demais. É um direito!
O dia das eleições está a chegar... há que votar no melhor por muito mediocre que pareça...

Graça Pires disse...

Um país a precisar que o amem...
Beijos.

Maria João disse...

António

Deixo-lhe aqui, o que há dias, em outra seara, deixei semeado;

Semeai no prado verde
os lírios do vosso olhar
que a chuva sendo miúda
os fará crescer e sonhar

No voar do seu aroma
sentirão a força a crescer
como braços erguidos ao vento
impedindo um país de morrer.

Um abraço grande!
Sabe... posso andar por aí, mas não esqueço, isso nunca!

Luís Coelho disse...

Não, não é pedir muito.
É exigir aquilo que temos direito mas que teimam em roubar-nos.
Gostaria que houvesse justiça, paz, educação e respeito por todos os portugueses.
Infelizmente parece que há cegueira politica e muitos palavrões para confundir e baralhar as pessoas.

Alda M. Maia disse...

É pedir somente o essencial, António.
Um abraço e um beijinho á Zaida

arte por um canudo 2 disse...

Um pais a precisar de rumo.Não é pedir muito...é pedir o que merecemos.Gr. abraço.

tulipa disse...

Venho agradecer a sua visita aos meus blogues e as palavras de apoio que deixou.
Muito obrigado.

NO RESCALDO DA NOITE DE ONTEM, estou em recolhimento e reflexão!

O meu estado de espírito variou entre a alegria estampada no olhar e a tristeza de ninguém aparecer - comparável ao desconforto de outras situações análogas.

Hoje decidi procurar um poema adequado à situação.
E ENCONTREI-O.

Encontrei nele palavras que me definem, quer gostem ou não gostem (quem me lê)...
O meu encanto,
O meu talento,
E até o génio forte,
Atrevido, valente,
Que me fez diferente,
Caminheira sem rastros,
Mas um ser contente.
É ASSIM QUE SOU.

tulipa disse...

Só queremos viver!...
Com paz e dignidade
Olhar a Natureza e ver
Toda esta tranquilidade.

MEU AMIGO
é precisamente por isso, que cada dia que passa, estou mais em contacto com a Natureza
e menos em frente à TV a ouvir e ver os falsos debates políticos.

Um abraço de Amizade.

Eddy Nelson disse...

Caro António, haja poesia...

um abraço

as-nunes disse...

Este Domingo está muito sossegado.
É certo que não tenho visto televisão nem ouvido rádio, um bocadinho só, logo pela manhã.

Dá a sensação que algo paira no ar.
O quê? Que diabo de altura para andarmos a ver quem vai para o poleiro da Governação!

À minha frente, em linha de vista, através da janela do meu escritório - computador à mão, livros (muitos para pouco tempo disponível), muitos papeis, muitas contas - uma vista encaixilhada na paisagem deslumbrante do vale do Lis e da Sra. do Monte, Leiria (Barreira/Cortes-Leiria): caixilhos da janela a recortarem a paisagem, uma roseira com algumas rosas brancas, os telhados das casas de alguns vizinhos, por cima, aquela bonita grevílea robusta, matizada com as suas flores douradas, a copa dum sobreiro, de vários castanheiros, para lá do rio, floresta de pinheiros e eucaliptos, tempo em bonança, não bole uma palhinha, céu em limbos, tarde a cair, silêncio entrecortado pelo cantar das aves.
Que silêncio!
Até fico desconfiado...

Bom Domingo a todos, abraços