2011/06/24

Alcanena: Manuel António Pina



(neste preciso momento, 13h55, lá está a rádio a falar da descida das bolsas, como reacção à ameaça duma daquelas agências esquisitas, chamadas de "rating", da revisão em baixa dos bancos Italianos...)

No próximo Sábado, na Biblioteca Municipal, o Grupo de Cultura e Poesia de Alcanena, vai reunir-se para conversar sobre a vida e obra de Manuel António Pina, enquanto poeta, prosador e jornalista de reconhecidos méritos. Ou não lhe tivesse sido atribuído, recentemente, o Prémio Camões 2011.

O link com que abri este registo recorda-nos que Manuel António Pina escreve artigos de opinião com uma regularidade e actualidade excepcionais.
Duma forma sucinta mas concreta e acutilante lá está o seu sentido apurado para os casos do dia a dia, a aflorar questões que afectam e condicionam (quantas vezes duma forma determinante e obscura) o quotidiano e o futuro das nossas vidas.

Manuel António Pina começa assim o seu livro ""Poesia, Saudade da Prosa" uma antologia pessoal"", ed. Assírio & Alvim, 2011:

       Arte poética

Vai pois, poema, procura
a voz literal
que desocultamente fala
sob tanta literatura.


Se a escutares, porém, tapa os ouvidos,
porque pela primeira vez estás sozinho.
Regressa então, se puderes, pelo caminho
das interpretações e dos sentidos.


Mas não olhes para trás, não olhes para trás,
ou jamais te perderás;
e teu canto, insensato, será feito
só de melancolia e de despeito.


E de discórdia. E todavia
sob tanto passado insepulto
o que encontraste senão tumulto,
senão de novo ressentimento e ironia?

-


Amanhã, provavelmente, virei aqui contar como correu o nosso encontro mensal de cultura e poesia, na Biblioteca Municipal de Alcanena.
@as-nunes

4 comentários:

Luís Coelho disse...

Nunes foi bom passar e ver as tuas escolhas e os teus programas,

Existem escritores, poetas e críticos actuais que desconhecemos quase na totalidade e que hoje nos relembraste aqui de uma forma excelente.

Aguardo o seguimento.

Paulo Roberto Wovst Leite disse...

Olá António!

Um encontro onde a sensibilidade e posta a flor da pele e os contatos são marcantes. Belo programa!

Abraços.

carol disse...

Aliás só conhecia o MAP das crónicas no Diário de Notícias - e boas crónicas. Muito bem escritas e com uma ironia finíssima.

Um Poema disse...

....

Ficaremos a aguardar as notas sobre o encontro.

Um abraço