2011/09/08

À atenção da Câmara Municipal de Leiria

É agradável passear no jardim de Sto. Agostinho, em Leiria.

Clicando, pode ler-se o texto alusivo à geminação das cidades de Leiria e de Rheines, na Alemanha.


As folhas típicas dum Quercus rubra, não do Quercus robur.
Lembrei-me de voltar à carga em relação a esta falta de senso, que é manter este carvalho (Quercus rubra) como símbolo dum acto público e de relevo internacional para a cidade de Leiria, porque no texto da placa alusiva se refere explicitamente a um Quercus robur.
Porquê esta teimosia? Ou negligência?


É claro como a água cristalina duma fonte à antiga que aquele carvalho não é um Quercus robur, é um Quercus rubra.


Ainda no tempo da outra senhora tive ocasião de enviar um e-mail à Presidência da Câmara (também alertei, de viva voz, a própria Presidente da Câmara de então) a chamar a atenção para este facto, singelo, mas que é imperioso corrigir. Por vários motivos.
- Imagine-se, por exemplo, que se aproveita o espaço arejado e acolhedor do Jardim de Sto. Agostinho para levar crianças a observar as várias árvores que ali existem: Catalpas, choupos, plátanos, carvalhos, tílias, ulmeiros, salgueiros, freixos, ameixoeiras de jardim, etc.


A discrepância entre o nome referido na placa alusiva ao acto da geminação de Leiria com a cidade alemã de Rheine é notória, para quem consegue distinguir estes dois tipos de Quercus. Mas também é susceptível de gerar confusão para quem queira conhecer as árvores pelos seus verdadeiros nomes.


Não seria tempo de se desfazer este equívoco?
Não seria fácil transplantar este carvalho para outro sítio (pode ficar neste jardim, até podia ficar a simbolizar um gesto de pedagogia ambiental)? E colocar neste preciso local um verdadeiro Quercus robur?

Repare-se na diferença das folhas:
Enquanto este, que plantei há 3 anos no meu quintal, o Quercus robur, tem as folhas ondeadas, o Q. rubra tem-nas ponteagudas. Uma diferença nítida que distingue dois tipos diferentes de carvalhos.
E não me venham dizer que esta é uma questão de somenos. Não é. 
A verdade é que, passados que são vários anos, a árvore colocada no lugar errado continua a crescer...

Só conhecendo a Natureza se pode aprender a amá-la, em consequência, a preservá-la.

Como se impõe cada vez mais, cada dia que passa!...
-
Passo a transcrever, 18 horas após escrever este apontamento:

Há na paz desta tarde
Rente às árvores
Uma tensão oculta um mistério
Um prenúncio de tragicidade
- oco talvez -
Mas são sombrias as sombras
pendentes no movimento pausado
da folhagem
Há formas que nunca viste
Na arquitectura vegetal do momento
Há formas que nunca viste

...
Excerto dum belíssimo poema de Lídia Borges, no seu blogue "Searas de Versos", precisamente, aqui.
@as-nunes
Posted by Picasa

2 comentários:

tulipa disse...

Começo por pedir desculpas da minha ausência prolongada...

é bom passear pelos jardins de Leiria.

Amigo António
estive ausente
venho dizer que já cheguei da viagem de 10 dias
tenho muito que contar
e fotos para mostrar...

Quer vir até ao "Château D' If"...?

Cá o espero!
Beijinhos.

as-nunes disse...

Olá Tulipa Moçambicana

Bem-vinda, Tulipa, obrigado pela visita.
Imagino que esse passeio "Château D´if" tenha sido um agradável passeio.

Eu cá me vou contentando a passear pelos jardins de Leiria.

Bj