2011/09/29

Leiria: a história rocambolesca da Rua Ramalho Ortigão

Por aqui passava a histórica "Estrada das Cortes", a EM 256, agora interrompida com uma rotunda, logo a seguir a Quinta de S. Venâncio, do lado esquerdo e a Quinta de Vale de Lobos, do lado direito. O IC36, como que a voar por cima do Vale do Lis. Vamos lá a ver como é que os Engenheiros implantaram todos aqueles monstruosos pilares em pleno leito de cheias do Lis, uma zona agrícola por excelência, votada ao abandono em troca do "Desenvolvimento"?!


O IC36, em rápido progresso de construção, na zona da estrada das Cortes (melhor, a Estrada de Vale de Lobos), os plátanos vistosos da Quinta de S. Venâncio a emergirem deste monstro de betão e alcatrão, qual serpente ondeante em direcção à localidade de Pousos 
(uma comissão de moradores e proprietários a sentirem-se fortemente lesados em virtude de uma extensa área junto ao cemitério ter sido, pura e simplesmente, esventrada a céu aberto, em vez de se ter utilizado a técnica do túnel, o que levou ao desaproveitamento de muitas terras e à desertificação de mais uma significativa área florestal).  


Este carvalho terá, pelo menos, 300 anos, segundo me informaram moradores desta zona de Leiria. O chão está atapetado com as suas bolotas, que o Outono está a usar como meio para ilustrar a sua pintura na paisagem.
Aqui, neste chão em bruto, qual caminho rural, para os antigos carros de bois, começa/acaba uma rua a que a comissão de toponímia acabou por chamar pomposamente "Rua Ramalho Ortigão". Soube da história que estará na origem desta decisão. Este local, mesmo ao lado da rotunda da 1ª foto, agora  aberta ao tráfego, mas ainda em fase de implementação
(vai permitir que se suba para o tabuleiro do viaduto do IC36 que vem do Telheiro e segue ao lado da Quinta de S. Venâncio, atravessa o rio Lis, continuando pelo Vidigal  e Pousos, para finalmente chegar à extremidade nascente: a A1)
era uma zona habitacional constituída por três casas no interior duma zona florestal 
(à base de Carvalhos, que, entretanto estão a ser derrubados inclementemente
e que, por necessidade de acessos para automóveis, passou a ser servida por um caminho em terra batida. Levantou-se a questão do nome a dar a esse caminho. Pôs-se a hipótese de se lhe dar o nome dum antigo proprietário duma dessas casas, que se chamava Ramalho. Vai daí, não sei se para satisfazer parcialmente essa pretensão, acabaram por atribuir a este caminho o nome de Rua Ramalho Ortigão. Uma atitude bastante imprópria, diga-se, pelo manifesto menosprezo dado à figura do grande escritor, companheiro de tertúlia literária de Eça de Queirós.
Neste momento, dadas as obras em que toda aquela área está envolvida, nem sei bem como é que se está a pensar resolver o traçado dessa rua. 
O que espero é que, pelo menos, alguns carvalhos centenários que terão ainda resistido à força bruta das máquinas de movimentação de terras que tudo arrasam em horas, possam ser preservados. Em conversa com uma senhora já duma certa idade e que mora naquela zona, o "Casal de Vale de Lobos", ela própria se manifestou veementemente a favor do não abate desses carvalhos (Quercus robur, na maioria dos sobreviventes).
-
Já aqui abordei o tema desta rua, em tempos em que nem sequer se falava no IC36.
(Pode seguir-se este link)
-

Moral desta indigente história: o nome "Ramalho Ortigão" foi atribuído a esta rua (que já nem é nem deixa de ser rua) em "homenagem" a um dos pioneiros daquele "Casal" ou em sinal de deferência para com um grande vulto das nossas Letras?!... 
@as-nunes
Posted by Picasa

4 comentários:

MARIINHA disse...

Olá
Há anos que não vou a Leiria, porque terminou a principal razão que às vezes me levava até aí. Gente muito querida que já partiu. Mas da última vez que estive aí quase não reconhecia a cidade. Realmente Leiria está muito grande e possivelmente não terá crescido de forma ordenada, mas isso infelizmente tem acontecido em muitas vilas e cidades deste país.
Obrigada pela informação que deixou na minha Mansarda. Realmente parece que agora as coisas estão resolvidas.
Desejo-lhe um bom fim de semana

as-nunes disse...

Bom dia, Mariinha

Fiquei a gostar do seu blogue.
Tenho andado com a preocupação de acompanhar a evolução destas obras todas aqui na zona de Leiria.
Tudo bem, nós precisamos de ver o país a mexer-se, precisamos de criar condições para o desenvolvimento.

O que não nos pode impedir de tentar dar o nosso contributo no sentido de que se deva reflectir seriamente seriamente em que a vida não é só betão e alcatrão mas também um ambiente saudável e de estímulo à Cultura!

Bom fim de semana também lhe desejo, naturalmente

carol disse...

Vale tudo, amigo Antóno! Desde que haja dinheiro, claro! Admiro a sua imensa informação sobre estes desmandos. Devia mandar para os jornais. O que eles precisavam era de umas boas Farpas daquelas do Nosso Ramalho Ortigão, senão das outras...

BlueShell disse...

Fui ver o Link....
e li o teu post: uma tristeza imensa se abateu sobre mim...porquê tanta devastação? Porque nao respeitaam os homens o que de mais agrado a natureza lhes oferece? - A VIDA!

Bj