2011/11/22

Duma varanda do lado de cá



São tantas as desgraças sobre que se pode escrever, hoje em dia, na nossa região, no nosso país, na Europa, no mundo inteiro, que, para não me afastar da minha musa inspiradora, nela me amparando, como se de um pronto-socorro se tratasse, eis que aqui vos deixo esta sequência de fotografias do que me prendeu a atenção durante o dia de hoje, a olhar só aqui à minha volta, sem mais divagações.

(Para quem aqui passe, distraidamente, não conheça o ambiente:
- Amanhecer sobre as Cortes, Sra. do Monte, Leiria;
- A quinta aqui ao lado, terras à espera de ordens do "borda d´água"; o folheado em amarelo é duma cerejeira;
- Ao anoitecer do lado de lá, das Cortes, em dia de chuva e algum frio.) 
@as-nunes

4 comentários:

Rui Pascoal disse...

A primeira foto é um retrato fiel da situação que vivemos. Será que o Sol, quando romper da neblina, voltará a brilhar como dantes?

Luís Coelho disse...

Bela sequência fotográfica.
Nunes a tua janela mostra tudo...
Fiquemos antes por estas paisagens tão bonitas.

as-nunes disse...

Rui

Boa questão a que não me sinto com capacidade para responder.
Acabei de ouvir na Antena um, uma entrevista a um conceituado e corajoso economista, que pôs completamente a nu, a questão dos off-shore, nomeadamente o da Madeira. Uma gigantesca e intrincada teia fraudulenta praticamente impossível de combater.
É assim que o Homem quer levar a vida? O pior, no meio de isto tudo, é que o dito Povo está completamente a leste dos meandros destas jogatanas e, quando o chamam a votos, vai atrás dos bombos!...

as-nunes disse...

Luís

Tinha-me saído um comentário bastante virulento, mas a tecnologia mal amanhada pro mim, levou-o para o nada.
...
Tentando repetir:
Bem tento afastar-me dos problemas que nos afligem a todos, tentar enterrar a cabeça na areia, como a avestruz, mas não sou capaz.

Tento refugiar-me na fotografia...momentaneamente, parece que vejo outro mundo, um mundo imaginário e de sonho...

Logo a seguir sou acordado bruscamente. Mais uma notícia, mais uma trafulhice em que não interessa que 1% da Humanidade saia beneficiada contra os restantes que andam a lutar pela sobrevivência.

Não é justo. O Homem não devia ter este poder!