2011/12/16

Um diálogo permanente com o Universo



...
não posso adiar para outro século a minha vida
nem o meu amor
nem o meu grito de libertação


António Ramos Rosa - em 1961
-
Ele quer levar essa descida ao extremo limite da integração cósmica (embora, como dissemos, acabe por integrar o cósmico na sua atmosfera pessoal), ao máximo de comunhão entre Corpo e Terra, para se sentir despojado, longe da cadeia do mundo convencional, livre, enfim (até onde essa liberdade lhe é possível...).
(in Ensaio de João Rui de Sousa sobre António Ramos Rosa no nº 1 da Revista bandarra - Primavera 1961)
-
                   em dia de 7º aniversário deste blogue.            
@asnunes

5 comentários:

Luís Coelho disse...

Continuam as fotos maravilhosas aqui neste espaço.
Todas trazem uma mensagem mas o que mais me encanta é a sua beleza e é precisamente esta que nos foge das mãos em cada dia que passa.

Desejo para todos Boas Festas de Natal e Ano Novo.

as-nunes disse...

Muito obrigado, Luís

Um Bom Natal para ti e família, na imediata instância, para todos em geral, claro.

Observador disse...

E quem melhor do que o Universo para nos ouvir?

Belas fotos, caro AS-NUNES.

Um abraço

carol disse...

Mais fotografias lindas! E o pensamento do Ramos Rosa também é lindo!

E, já agora, parabéns pelos sete anos do blogue!

Beijinhos

Sonhadora disse...

Meu amigo

Passando para agradecer a visita e o carinho no dia do meu aniversário e conhecer o seu espaço que gostei muito e tomei a liberdade de seguir.

Deixo um beijo
Sonhadora