2012/02/19

DECLARAÇÃO de hoje; e amanhã?


Este meu olhar embasbacado...na direção das Cortes e Serra da Maúnça, logo a seguir à Sra. do Monte...


Assim:


DECLARAÇÃO

Eu, abaixo assinado, não sei o que
hei-de declarar.

Mas posso declarar que foi ontem que eu,
abaixo-assinado, declarei que era hoje que
iria declarar o que tinha de declarar.

E declaro hoje que não sei o que declarar no dia
de hoje enquanto amanhã não chega.

Eu abaixo-assinado declaro que
amanhã terei de declarar tudo o que tenho
de declarar.

Ontem teria declarado e subscrito
o que tinha de declarar.

E amanhã também iria declarar
todas as declarações do mundo se, quando
amanhã chegar, não descobrisse que amanhã
é hoje.

Por isso é que eu, abaixo-assinado,
declaro que não sei declarar hoje, que é o amanhã
de ontem, tudo o que tenho de declarar.

E eu, abaixo-assinado, declaro solenemente
por minha honra que só não declaro nada hoje porque
hoje é o amanhã de ontem,
e também não vou declarar nada amanhã porque
amanhã é o hoje em que irei deixar para depois
de amanhã o que tenho de declarar.

E cumpra-se esta declaração que vou datar
de amanhã, sabendo que só a poderei escrever
depois de amanhã, quando ontem for o amanhã
em que a vou adiar para ontem.

Nuno Júdice
Pp 50 “A matéria do poema”, Ed. Dom quixote - 2008
-
Ou seja, estou a repetir-me, parece-me a mim, talvez seja altura de pensar melhor naquilo em que se está a transformar este meu "DISPERSAMENTE...", se calhar só isso, um amontoado de apontamentos dispersos mas também dispersivos, em demasia!...

Para já é esta declaração que aqui me apetece deixar hoje, logo a seguir à DECLARAÇÃO de Nuno Júdice, de forma a que me possa servir de muleta, tentando o balanceamento do passado e presente com o futuro.

Será que amanhã estarei a pensar o mesmo que hoje?!...
@as-nunes

7 comentários:

Catarina disse...

Talvez amanhã esteja a pensar sobre o mesmo mas de forma diferente. E vai ser igualmente produtivo.
Abraço : )

arte por um canudo 2 disse...

Eu declaro que nada declarei e não declararei tb nada. Gr. abraço António.

as-nunes disse...

Bom dia, mundo!

Cá estou no amanhã de ontem. Por azar até passei mal a noite, uns problemazitos de saúde, incomodativos, mas nada que me mate, pelo menos até depois de amanhã - espero eu.

A manhã de hoje continua luminosa e solarenga como já nos habituou - mal, muito mal, que não há maneira de chover - e a agricultura antevê-se que venha a ser um desastre.

Pois é, ainda não sei que mais declarar, talvez amanhã consiga declarar aquilo que hoje ainda estou tão indeciso.

Um abraço a todos.
Saúde!

A VIDA É UM ETERNO APRENDIZADO disse...

Bom dia!
Eu declaro que tudo se torna belo,se olharmos com os olhos da alma.
A vida vale a pena ser olhada por dentro.
Grande abraço
se cuida

Eduardo Miguel Pereira disse...

Eu só declaro que nada declaro.
E tudo quanto declaro é fruto da minha não declaração.

Graça Sampaio disse...

É assim que estamos todos: sem nada a declarar. Um desconsolo!
Não conhecia este poema mas o meu ex colega Nuno Júdice tem dedo para estas coisas... Era um excelente aluno!

Boas declarações...

as-nunes disse...

Ai Graça, nem me fale em declarações de amor.
Por duas ordens de razões:
1- Faz-me lembrar a declaração de amor que tive de fazer a uma colega do ex-ICP (actual ISCAP) quando caloiro em 1963 (deve ser para aí, mais coisa menos coisa), todo atrapalhadinho, ao lado outro a fazer um discurso "A influência da Guerra do Vietname na cultura da beterraba", etc etc
2- Hoje ainda se fazem declarações de amor? Valerá a pena?!...


Antes de me ir embora, por ora, ainda gostaria de fazer mais uma DECLARAÇÃO:

Declaro que há muita gente que já devia ter declarado ontem o que estão a fazer hoje e o que se preparam para declarar depois de amanhã. Uma vergonha e falta de senso comum. Só isso bastava.

Será que vem por aí chuva?!

Tenho dito.