2012/06/06

Lembranças de Florbela Espanca





                                 Lembrança

Fui Essa que nas ruas esmolou
E fui a que habitou Paços Reais;
No mármore de curvas ogivais
Fui Essa que as mãos pálidas pousou …

E tanto poeta em versos me cantou !
Fiei o linho à porta dos casais …
Fui descobrir a Índia e nunca mais
Voltei ! fui essa nau que não voltou …

Tenho o perfil moreno, lusitano,
E os olhos verdes, cor de verde Oceano,
Sereia que nasceu de navegantes …

Tudo em cinzentas brumas se dilui …
Ah ! quem me dera ser «Essas» que eu fui,
«As» que me lembro de ter sido … dantes ! …

Florbela Espanca

nota:
Estas ruas e travessas estão localizadas num espaço de poucas dezenas de metros. Alguém, naquela zona, apreciava ao extremo a poesia desta grande poetisa portuguesa!...
@as-nunes

4 comentários:

Rogério Pereira disse...

Gosto mais desta Florbela
que assim nos fala
Do que aquela outra
que também me faz amá-la

Gosto particularmente deste soneto

as-nunes disse...

Boa tarde, Rogério, hoje já é 5ª feira, diz que dia santo, santo como?!

Gosto da poesia de Florbela Espanca, não só pela emoção com que ela se nos dirige mas também pela qualidade literária dos seus poemas. Um lugar comum dizer-se isto, mas é verdade para a maioria de nós.

Em simultâneo os tempos que correm não são nada poéticos, no sentido da apreciação do Belo e da defesa da Humanidade.

Aquela comemoração do 1º aniversário do atual governo e da "vitória" do PSD nas últimas eleições, ficou-me atravessada. Não consigo digerir estas criancices. Até parece que Portugal é o PSD e alguns dos seus militantes!
...
Arre, que nos dão cabo do canastro, gozam connosco, e ainda vem o PM agradecer não sei o quê, que eu até nem me quero esforçar em tentar perceber as entrelinhas (se é que ele tem categoria para isso) das patacoadas que lançou para TV passar...

Rosa dos Ventos disse...

Moro numa terra onde as ruas só têm nomes de santos/santas e afins! :-))
Mas uma das que desemboca aqui muito perto é uma excepção à regra porque se chama "Rua das Rosas"!
Gosto da poesia exacerbada de Florbela Espanca!

Abraço

Graça Sampaio disse...

Que lindíssimo poema! Era uma romântica, uma sonhadora essa Florbela!

Gostei muito.