2012/09/08

Governo liquidatário de Portugal


Da época áurea dos Descobrimentos Marítimos até aos nossos dias! …

À medida que aumentava a fortuna do rei D. Manuel, também ia aumentando o tamanho da sua corte. Esta engrossou com centenas de colaboradores recrutados com direito a pensão e salários fixos. Boa parte do campo, cada vez mais despovoado, encontrava-se em pousio. A maioria dos alimentos era importada.
Do mesmo modo que os portugueses, enquanto católicos, consideravam que roubar e pilhar muçulmanos, longe de ser imoral, agradava a Deus, também surgiu, no Norte da Europa, um princípio protestante, segundo o qual os actos de pirataria contra os barcos dos católicos portugueses era um empreendimento que contava com a benção divina. Corsários vindos dos portos do Oeste de França, capturaram, durante o reinado de D. João III, mais de 300 barcos portugueses carregados de especiarias que vinham da Índia, quando navegavam no regresso na zona dos Açores, na encruzilhada entre o Atlântico Norte e Sul.
As especiarias e pedras preciosas obtidas pelo roubo acabavam por ser vendidas em concorrência desleal, o que levou os preços a baixarem drasticamente, em prejuízo dos portugueses.

Já nesta altura o Estado era obrigado a aguentar a despesa de uma marinha mal dimensionada enquanto os lucros ficavam quase empre nas mãos dos privados.
Os ricos tinham sido isentos de impostos pelo rei D. Manuel.

D. João III, como já não podia cobrar impostos a quem ainda tinha alguma capacidade financeira para tal, começou a vender títulos do tesouro no mercado financeiro de Antuérpia, sendo os juros liquidados através da emissão de novos títulos.
O rating de crédito de Portugal caiu de tal maneira que os banqueiros, em Antuérpia, exigiram uma taxa de juro de 25% ao ano. Quando D. João III morreu, em 1575, os títulos portugueses do tesouro começaram a mudar de mão até 5% do seu valor facial.

E assim terá começado a nossa desgraça. Passámos em pouco mais de um século de uma potência das mais ricas do planeta para uma situação em que ficámos nas mãos dos agiotas da alta finança internacional. A tal que enriqueceu à custa da pirataria sobre os nossos barcos de transporte de especiarias e pérolas. 
Diga-se, outrossim, que muitas dessas mercadorias a bordo dos nossos barcos que vinham da Índia, eram produto de saques a barcos e cidades muçulmanas localizadas na zona do Índico Ocidental.

Depois do desabar estrondoso do sonho megalámano de D. Sebastião, Portugal ficou completamente na penúria.

Seguiu-se o domínio dos Filipes de Espanha e consequentes tropelias e erros grosseiros de governação.

E assim fomos andando até chegarmos aos dias de hoje …

Os senhores da Alta Finança Internacional a mandarem em Portugal por intermédio do Governo de Gestão de Pedro Passos Coelho

E o resultado de todos os desmandos sobre o povo de Portugal é o que está à vista! …

Portugal, que foi o berço da primeira aldeia global, um povo que mudou o mundo, está resumido a este mísero Estado, que se limita a tentar salvar a pele dos ricos à custa do sacrifício crescente do Povo Trabalhador! 

(E saber que D. Dinis, que tão intimamente está ligado ao Castelo de Leiria, tanto se esforçou para dotar Portugal de um dos maiores e bem administrados pinhais da Europa, com cuja madeira se construíram as primeiras caravelas usadas pelos portugueses nas navegações por todo o mundo!)

Portugal, que Futuro? ...


 bibliografia:
- A primeira aldeia global: como Portugal mudou o mundo
Martin Page - ed. casa das letras -2012
@as-nunes

Ler abaixo "Discurso simplesmente vergonhoso!!!!!"


Repasso
Simplesmente vergonhoso!!!!!
Além dos portugueses não ganharem nada com este discurso, veio no momento exato
em que os portugueses estavam à frente do ecrã para ver o jogo Portugal- Luxembourg
para ouvirem as babuseiras dum primeiro ministro em decadência.
Francamente, caso contrário, ninguém estaria para ouvir este senhor.
Trabalhadores do privado vão perder um salário
Os trabalhadores do sector privado vão passar a descontar 18% para a Segurança Social,
o que equivale à perda de um salário por ano. As contribuições das empresas - a taxa social única (TSU) - descem de 25% para 18%.

4 comentários:

Catarina disse...

Há historiadores que põem em dúvida todo esse impacto que Portugal tido nessa época remota... Li qualquer coisa sobre isso há tempos.

as-nunes disse...

Muita especulação histórica tem sido escrita à volta dos descobrimentos marítimos portugueses.

A verdade, porém, segundo os dados históricos disponíveis, crónicas da época e múltiplos testemunhos, é que Portugal (Lisboa, mais precisamente) chegou a ser, o país mais rico da Europa.
Há provas de que banqueiros, mercadores, donos de butiques, joalheiros, modistas, alfaiates, chapeleiros e sapateiros vieram da Bélgica, Inglaterra, França, Alemanha e Itália, em busca da nova e já lendária riqueza.

Isto no tempo de D. Manuel I.
O rei usava roupas novas todos os dias e as usadas distribuía-as, duas vezes por ano, pelos cortesãos.

Abraço

Observador disse...

Especulação não é coisa que se possa fazer sobre o que estes senhores liquidatários de um País que já foi rico estão a executar.

Caro as-nunes, perdoará mas recuso-me a ler a alarvidade discursante de um Coelho tele-comandado.

Abraço

as-nunes disse...

Discurso horrível, cruento, desapropriado no momento televisivo, azelha, enfim.

Abraço