2013/02/22

Árvores em poesia

Indo pela EN 356-2 ... neste mês de Fevereiro ...

POEMA DAS ÁRVORES

As árvores crescem a sós. E a sós florescem.

Começam por ser nada. Pouco a pouco
se levantam do chão, se alteiam palmo a palmo.

Crescendo deitam ramos, e os ramos outros ramos,
e deles nascem folhas, e as folhas multiplicam-se.

Depois, por entre as folhas, vão-se esboçando as flores,
e então crescem as flores, e as flores produzem frutos,
e os frutos dão sementes,
e as sementes preparam novas árvores.

E tudo sempre a sós, a sós consigo mesmas.
Sem verem, sem ouvirem, sem falarem.
Sós.
De dia e de  noite.
Sempre sós.

Os animais são outra coisa.
Contactam-se, penetram-se, trespassam-se,
fazem amor e ódio, e vão à vida
como se nada fosse.

As árvores, não.
Solitárias, as árvores,
exauram terra e sol silenciosamente.
Não pensam, não suspiram, não se queixam.

Estendem os braços como se implorassem;
com o vento soltam ais como se suspirassem;
e gemem, mas a queixa não é sua.

Sós, sempre sós.
Nas planícies, nos montes, nas florestas,
a crescer e a florir sem consciência.

Virtude vegetal viver a sós
e entretanto dar flores.

António Gedeão
Obra Completa
Relógio d´Água Editores, 2004

(Amanhã é dia de encontro de poetas
na biblioteca municipal de Alcanena.
Vai-se dizer o que se entender sobre
Rómulo Carvalho)

nota: EN 356-2; estrada que liga Leiria a Fátima, por Reguengo do Fétal
@as-nunes

4 comentários:

Graça Sampaio disse...

E morrem de pé...
Adoro a poesia de Gedeão! E adoro árvores, também.

Bom fim de semana.

Rogério Pereira disse...

Há uma lição. Uma só, não mais
Sós, só os vegetais

Bom disparo!

ᄊム尺goん disse...

a poesia...a fotografia e os comentários estão perfeitos!

abç

Isabel Soares disse...

"Virtude vegetal viver a sós" que interpretação tal verso não proporciona... Gosto muito do poema e da foto.
Espero que tenha tido uma boa tarde de poesia. Esta noite também estive para ir ao Ateneu, mas deu-me um ataque de imobilismo, absolutamente fatal...