2018/03/06

Ainda os meus amigos: Pedro Jordão (compositor e músico injustamente esquecido) e Carlos Lopes Pires (poeta do mais puro quilate)

Permito-me partilhar uma publicação que acabei de ver na internet, neste endereço:
https://festivaiscancao.wordpress.com/2017/08/10/pedro-jordao-edita-cd-era-tao-azul/

---

Tentando substituir-me, na minha modesta medida, na memorização do trabalho desenvolvido por Pedro Jordão, nos anos 60 e 70, pelo menos, enquanto músico e compositor, não posso deixar de transcrever:

«Pedro Jordão foi o compositor de sete das canções que na década de 60 do século passado marcaram presença nos Festivais da Canção e uma na década de 70.
Este compositor fez parceria com o autor Rui Malhoa em cinco temas, com António José em dois e assinou letra e música de uma outra canção.
Pedro Jordão e Rui Malhoa apresentaram a concurso as seguintes canções:
Balada da traição do mar (1967) interpretada pelo próprio Rui Malhoa, Vento não vou contigo (1968) por Mirene Cardinalli, Fui ter com a madrugada (1968) por Tonicha, Ao vento e às andorinhas (1968) por João Maria Tudella e Canção ao meu piano velho (1968) por Simone de Oliveira.
A dupla Pedro Jordão e António José levaram ao Festival da Canção de 1968 as canções Calendário e Dentro de outro mundo interpretadas respetivamente por Tonicha e Simone de Oliveira.
Pedro Jordão foi autor e compositor da única canção que não se conhece e nunca foi gravada do Festival da Canção de 1975, o tema Leilão da lata a que Fernando Gaspar deu voz.»

-
Mais sobre Pedro Jordão já eu aqui deixei publicado conforme:

http://dispersamente.blogspot.pt/search/label/Pedro%20Jord%C3%A3o