Mostrar mensagens com a etiqueta acer negundo. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta acer negundo. Mostrar todas as mensagens

2008/08/17

Por favor, tratem bem das árvores


Que futuro vai o destino reservar a estas duas árvores, nascidas precisamente na Primavera deste ano de 2008?
Da esquerda para a direita:
1) Carvalho, Quercus Robur, fotografado um dia destes numa manhã de orvalho. recolhida numa valeta da Rua Ramalho Ortigão(*);acabadinha de nascer, ainda vinha com a bolota mãe.
2) Acer Negundo(*), colhido num recanto da Praça 5 de Outubro de 1910, nascido ao acaso, sob a protecção do lancil dum dos canteiros públicos. Ainda se conseguem aproveitar outros espécimes, se se observar com alguma atenção aquela área pedonal. Pelos vistos, as sementes germinam com facilidade. Só não consegui observar o nascimento de nenhuma Melia Azedarach, a árvore que lá foi plantada com abundância. Diria mesmo, com exagero e que preferia que lá tivessem sido plantadas árvores autóctones. Árvores mais frondosas no Verão, que aquela área é grande e muito desprotegida da força do Sol. Porque não Carvalhos e Pinheiros mansos? Não crescem com a rapidez suficiente para apresentar serviço imediato? Pois.Se os nossos antepassados tivessem pensado da mesma forma, o que seria de nós, dos nossos monumentos, árvores e infra-estruturas antigas mas operacionais, de que nós nos servimos ainda hoje? Por exemplo, o Mosteiro dos Jerónimos e toda a imensa variedade de árvores de grande porte e de crescimento lento, de que hoje usufruímos. Nalguns casos, abatidas só na ganância do lucro fácil, como é o caso de certos cortes de árvores, por exemplo.
.
Estas árvores estão sob a minha protecção pessoal numa maternidade botânica caseira, na Barreira - Leiria. Tenho 61 anos e gostaria de ainda as ver, pelo menos da minha altura, eu que meço 1,78m. (Peso, 87 Kg, só para completar os meus dados físicos básicos. Já agora que aqui cheguei!...).
Se me acontecer alguma coisa, entretanto, por favor, tratem bem delas!
(*)nota: Estamos em Leiria.
Posted by Picasa

2008/06/19

O Bordo Canadiano e a bandeira do Canadá

Em pé de conversa, aconteceu falar hoje com um jovem casal muito ligado ao Canadá. Ela, porque sendo filha de portugueses, praticamente nasceu lá (aliás tem a dupla nacionalidade, perfeitamente natural); ele, porque português, para lá emigrou nos anos 80. Quis o destino que viessem começar a sua vida em Portugal e por cá ficaram. Mas, pelo caminho que estamos a trilhar em Portugal, já não me admirava nada que um dia destes pegassem nas suas coisas e para lá rumassem definitivamente.
Veio à baila falar-se do símbolo daquele país: a folha do “maple”. Não eram capazes de me dizer o nome científico ou sequer o nome comum em português, da árvore respectiva. Muito parecida com a folha do plátano lá consegui chegar aos Ácer. Daí, com a ajuda da Wikipédia foi um pulinho aprender mais pormenores sobre esta famosa folha, símbolo do Canadá e bem estampada que ela está na bandeira deste país.
Assim, a classificação científica do Bordo Canadiano (maple) é a seguinte:
Reino:
Plantae
Divisão:
Magnoliophyta
Classe:
Magnoliopsida
Ordem:
Sapindales
Família:
Sapindaceae
Género:
Acer
L.
Recordei também que existem florestas desta árvore no Canadá, a perder de vista. Que se assumem com folhas de diversas cores, dando um toque multicolor a essas florestas. Pelas fotos a que já tive acesso, esse efeito é, de facto, espectacular. Essas árvores produzem um líquido branco, leitoso, retirado do tronco, que, depois de fervido, produz um xarope muito apreciado e com diversas utilizações alimentares, nomeadamente para barrar panquecas. Ao pequeno almoço, principalmente. Diz que são precisos cerca de 1.000 l de líquido para produzir 5 litros de xarope.
-
Já em diversas ocasiões me referi ao acer pseudoplatanus L. (padreiro) ou Bordo, assim como ao bordo negundo. Como se depreende facilmente, quer pela configuração das suas folhas, quer pelo seu hábito, pertencem todos a este grupo dos "bordos".

A folha do "Maple" e a bandeira "Canadiana":


Flag of Canada: (A tradução é evidente; basta descrever a bandeira tal como se vê na imagem).

Name: The Maple Leaf, l'Unifolié Use National flag and ensign. Proportion 1:2; Adopted February 15, 1965; Design A vertical bicolour triband of red, white, and red, with a red maple leaf charged in the centre. Designed by George F.G. Stanley (Wikipédia)

Nota: A palavra Acer deriva de uma palavra grega que significa "agudo" (referindo-se às pontas características das folhas) e foi empregada pela primeira vez para o género pelo botânico francês Joseph Pitton de Tournefort em 1700 (Wikipédia).

Posted by Picasa

2008/04/16

Olhar Leiria: Rossio

Jardim Luís de Camões. Porque razão aqueles bancos hão-de ter sido pintados a cor de laranja?!...
Acaba-se de subir as escadas da fonte antiga do Jardim L.C. e pode apreciar-se o espectáculo único dum conjunto de árvores diferentes, já com uns bons anos. A primeira, liquidâmbar, foi ela das que primeiro me seduziram a apreciar o extraordinário ciclo das árvores nos coloridos das suas folhas e no perfil dos seus hábitos. Outras árvores sediadas neste maravilhos recanto de Leiria: ácer falso plátanus (padreiro), do lado esquerdo; uma faia, já a enfeitar-se com o seu vestido gracioso, cor púrpura; liquidâmbar a começar a sua faina de se cobrir de folhas que, ao longo do ano, vão assumindo várias cores, verde tímido, passando pelo vermelho outonal e acabando num amarelo esplendoroso apesar de moribundo; a espreitar por debaixo do padreiro e da faia, pode vislumbrar-se uma acer negundo; retorcida pelo tempo e pela incúria dos homens, mesmo assim apresentando-se em jeito escultórico, aprecie-se a original melia azedarach, neste momento, mostrando as suas belas flores violeta, pequeninas mas em tufos, ao mesmo tempo que ainda nos deixa ver os frutos da época passada (bastante tóxicos quando trincados ou comidos pelo homem; quer-me parecer também que não haverá muitas aves que se atrevam a comê-los, dado que eles lá estão pendurados até cairem. Ver pormenor das folhas, flores e frutos aqui).
Do mesmo local da tomada das fotos anteriores, no Marachão, junto ao liquidâmbar, mesmo ao lado o rio Lis, observe-se a nova estátua do Papa Paulo VI, enquadrada num modernaço visual de zona pedonal e jardim. Em primeiro plano, uma tília. Ao fundo uma silhueta escondida das obras de requalificação do antigo edifício "Garage".
nota: tenho várias fotografias destes ângulos. Vou passar a colocar neste blogue, esta mesma sequência, ao longo do ano.
Comecemos então a numerar esta sequência como sendo a nº 1/2008-rossio
Posted by Picasa

2008/02/29

Francisco Rodrigues Lobo e Camões

Esta foto foi tirada em Leiria, há 15 dias. Estamos a registar uma perspectiva do Jardim Luís de Camões (ameixieira de jardim, uma acer negundo,logo atrás uma grevillea robusta, uma pimenteira bastarda, estátua ao grande poeta bucólico Francisco Rodrigues Lobo, em ponto mais alto um freixo com perto de 100 anos seguramente, o chão remodelado mas que veio alterar drasticamente a configuração histórica do jardim alma de Leiria.
Ampliando-se, também se poder divisar a silhueta da Igreja do Santuário de N. Sra. da Encarnação.
Repisando o tema: Nota-se a falta das tílias monumentais que foram derrubadas há mais ou menos 2 anos. Quanto a mim, por pura incúria!
Não esquecerei essas tílias, a fragrãncia das sua flores, a sombra espantosa da sua copa, a sua presença imponente e pintada dum verde insubstituível que deixou de encher os nossos olhos...
Posted by Picasa