Mostrar mensagens com a etiqueta colaboração em jornais e revistas. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta colaboração em jornais e revistas. Mostrar todas as mensagens

2016/01/19

Crónicas minhas no "Notícias de Colmeias" - IV



O Diretor do mensário "Notícias de Colmeias", Joaquim Santos, lançou-me o desafio de escrever regularmente uma crónica para ser publicada neste jornal de que é fundador e a sua alma. No jornal de âmbito geral, tematicamente, e de âmbito global, em termos geográficos. 
Bem sei que a ideia inicial, há 16 anos, era publicar, mensalmente, um periódico que tinha como intenção primordial servir de veículo de informação e de comunicação com os leitores da freguesia das Colmeias - Leiria.
A verdade, porém, é que um periódico, mesmo que dito local, pode perfeitamente almejar atingir leitores da mais variada localização e vocação regionalista, e, portanto, esta ambição poder verdadeiramente vir a constituir-se num objetivo motivador e global.

Assim se assuma e defina editorialmente, como é o caso.

Gosto de escrever. Gosto muito de participar como colaborador do "Notícias de Colmeias".

- Um fragmento da minha última colaboração:  (nº 193 - 6 de Dezembro de 2015)

LEIRIA – CRÓNICAS  E OUTRAS OCORRÊNCIAS  (IV)

IV - Fundação da nacionalidade Portuguesa

4.1 –Introdução

No último número tive ocasião de me reportar a alguns dos mais consagrados autores que muito, e com maestria literária e científica, já se debruçaram sobre a questão do “Castelo de Leiria” e da sua enorme influência na tarefa hercúlea da Fundação de Portugal. Muito haverá que relembrar (nunca será de mais), não tenhamos qualquer dúvida, e esse trabalho será de todo interessante e suscetível de atrair a atenção de quem me possa ler. Aqui deixo a promessa de voltar a este tema, sempre que o consiga enquadrar, na sequência das crónicas que me propus trazer para este semanário.
Sobre a temática da fundação dos monumentos mais emblemáticos de Leiria muito já se tem escrito.
Penso que nunca será de mais lembrar os tempos heróicos e românticos e as circunstâncias em que monumentos como o Castelo de Leiria, o Convento de Sto. Agostinho, o Convento de S. Francisco, a Sé de Leiria, a Igreja da Misericórdia, Igreja de S. Pedro, etc etc foram construídos, as várias fases por que passaram quanto à sua utilização e restauro, o seu simbolismo local e nacional. Sem olvidar, de maneira nenhuma, todos os demais que ilustram as várias freguesias do concelho de Leiria e deslumbram os visitantes. Tudo se deve fazer para promover a sua visita...
No entanto, dada a enormidade da tarefa que é retomar estes temas, a abordagem que poderá ser feita, no contexto desta intervenção cívica e jornalística, que é escrever para um semanário, essencialmente informativo e genericamente formativo, terá de se cingir a aspetos relevantes e outros que, eventualmente, não sejam do conhecimento geral mas que possam captar a curiosidade dos leitores.
-

Antes de prosseguir, gostaria de deixar reexpresso o meu intento de aqui anotar todas as referências históricas reportadas a Leiria, na sua abrangência  territorial conotada com a sua integração administrativa a nível de Concelho. Se para isso conseguir encontrar o devido e difícil engenho e arte. 
(...)

ÍNDICE
IV- Fundação da nacionalidade Portuguesa
4.1 - Introdução
4.2- D. Afonso Henriques (D. Afonso I)  (1112-1185)
4.2.1- Batalha de Ourique (25 de Junho de 1139)
4.2.2- Foral a Leiria de 1142
4.2.3- D. Afonso Henriques e a Leiria de hoje
4.2.3.1- Lenda/História da Tomada de Leiria (Da tradição oral)
4.2.3.2- Afonso Henriques na toponímia leiriense
4.2.3.2.1- Rua D. Afonso Hemriques
4.2.3.2.2- Largo Paio Guterres
NOTAS 

2015/08/30

Leiria e a sua imprensa: Notícias de Colmeias




O meu amigo Joaquim Santos, fundador e diretor do mensário "Notícias das Colmeias" desafiou-me há dias para colaborar com este periódico e, depois de pensar na grande responsabilidade que iria assumir, decidi-me por aceitar. Tenho andado a rever notas e apontamentos que tenho vindo a publicar na Internet naquela minha emoção de me afirmar "Um Viseense tão Leiriense como os que o são". E a conclusão a que sou obrigado a chegar é que, de facto (escrevo segundo o AO90 mas não esta palavra «facto») talvez possa vir a ser interessante um dia destes me dispor a coligir uma coletânea de notas e apontamentos de Leiria dos primeiros 15 anos da era digital (1998-2015).
-
Entretanto: (in viver http://viveremleiria.blogspot.pt/ )

Wednesday, December 14, 2005


A razão do título "VIVER em LEIRIA"

Há vários anos que detenho um site, http://leiria.no.sapo.pt a que, em alternativa, designo por http://viveremleiria.pt.vu e a que dei o título que vai encabeçar o presente blog. Estávamos em 2001 e eu começava a dar os meus primeiros passos na apresentação de páginas web, depois de o Bruno, meu filho, Emgenheiro de Informática, me ter dado umas dicas.
Entusiasmei-me depois de ter percebido como funcionava este mundo da Internet, a utilizar o Microsoft Font Page para desenhar as páginas, um programazinho de ftp (que passei, num instante, a perceber como funcionar e, de repente, percebi o funcionamento básico dos uploads e doanloads entre computadores à distância, a qualquer distância. Já tinha tido essa experiência, como simples utilizador de programas da transmissão de dados via rádio (Packet radio, como radioamador) desde os anos 80, mas sem perceber completamente como funcionava a forma de configurar essas ligações.
Comecei, então, a denominar esse site com o título "VIVER em LEIRIA". Acabei por me habituar e já há uns tempos que ando com ideias de escrever um livro, um dia, sobre Leiria, assim no género do que lancei, este ano, acerca da freguesia da Barreira, mais precisamente "Caminhos Entrelaçados - na freguesia da Barreira-Leiria", no Salão Paroquial da Paróquia do SS Salvador (Barreira). A edição foi da responsabilidade da Junta de freguesia da altura e a Editora que tratou da paginação e design foi a "Folheto - Edição & Design".
São 18h40 do dia 14 de Dezembro de 2005.
Vou até Leiria - cidade já que estou a acabar o meu dia de trabalho na Boa Vista.