Mostrar mensagens com a etiqueta historia. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta historia. Mostrar todas as mensagens

2008/10/26

Crise para 25.000 horas?


A presente capa da celebérrima, durante décadas, revista do "Reader´s Digest - Selecções" corresponde ao número de Outubro de 1998, portanto já lá vai uma dezena de anos. Possuo quase todos os exemplares das "Selecções" desde os anos 40 do século passado (muitos que já foram pertença de outra geração). O manancial de informação contido nestas revistas é muito e variado, se bem que se saiba que no que respeita à visão político/social e até económica, a orientação editorial era e continua a ser (apesar de praticamente ter desaparecido de circulação nos últimos tempos) nitidamente pro-americana, pro-ocidental e visceralmente anti-comunista.
O título do artigo principal é sugestivo e indicia uma leitura emocionante, tanto mais que, naquela época, estava em voga a prática de actos de terrorismo usando os aviões civis e respectivos passageiros. Nas circunstâncias descritas, 54 horas de terror, imagino que terão sido muito difíceis de suportar. O Mundo esteve em suspenso até ao fim daquela cobarde iniciativa dum grupo terrorista, nem interessa publicar o seu nome ou pretensos objectivos.

-

Dez anos passados, eis que toda a Terra está suspensa duma crise global, que pode vir a afectar a própria maneira de viver a que o Homem está habituado e que julgava uma certeza absoluta e inabalável. Quando o preço do petróleo estava a subir, vertiginosa e implacavelmente, de repente fica a descoberto a grande mentira que tem sido o mercado da Alta Finança, a começar pelos próprios Estados Unidos. Bancos e outras instituições financeiras, que se compraziam em apregoar aos sete ventos, os milhões e milhões de Dólares e Euros dos seus lucros, dum momento para o outro entram em colapso, a começar pela falência dum dos maiores Bancos Americanos.

Começa-se a falar dos nefastos resultados da ganância e do objectivo supremo do Lucro, a qualquer preço, do sistema Capitalista (eu acrescentaria, Selvagem). Os "fenomenais" gestores, astronomicamente remunerados e a receberem colossais prémios de "produtividade" e "indeminizações" fantasmagoricamente desproporcionadas, sempre que, entre os senhores do capital, faziam as suas combinações para simularem despedimentos, afinal, na sua grande maioria, também tinham pés de barro. Têm andado a fingir que são capazes de gerar altos rendimentos de capital. E como? Usando e abusando do sofisma de se servirem de activos virtuais, que não existiam, pura e simplesmente, ou que pertenciam aritificialmente a várias pessoas/entidades ao mesmo tempo. Sabemos que o Risco é um factor determinante na rentabilidade do capital investido. Mas que tem de ser gerido com competência e sentido das responsabilidades. É que esses senhores não estão a gerir o seu capital próprio. Estão a lidar com a vida de milhões de pessoas/instituições que neles confiavam. E aqui é que está o cerne da gravíssima crise financeira, também, como era de esperar, já económica, que estamos a atravessar. As pessoas perderam a confiança nesses gestores e estão a concluir que têm andado a ser aldrabadas pela sua incompetência e ganância desmesurada.
Como nunca se viu, os Estados (capitalistas, socialistas e outros) unem-se o mais que podem e estão a tentar apaziguar os ânimos, com acções concertadas a nível global. Aliás, se não o conseguirem, funcionará inexoravelmente o instinto do pânico geral, que, como a própria natureza já nos ensinou à saciedade, não nos levará senão ao Caos.

Fala-se em que, se as coisas correrem bem, teremos pela nossa frente, dois a três anos para reposicionar o sistema de organização em que assenta a vida do Homem. Entretanto, que fazer? Se, no caso do sequestro acima referido, o tempo que durou o terror vivido pelas pessoas envolvidas, se fixou em 54 horas, agora teremos que nos mentalizar que esse tempo poderá alcançar as 25.000 horas!
Será que não nos deixámos ficar reféns de grupos de fanáticos milionários à conta do petróleo, infiltrados como eles hão-de estar nas grandes Multinacionais, Financeiras e Económicas, espalhadas por todo o Mundo? Será que os Altos estrategas políticos e militares Americanos e não só, não se distraíram com a Guerra armada e deixaram o flanco da gestão financeira estratégica a descoberto? Não andará por aqui a mãozinha de Osama Bin Laden, o milionário saudita e a sua tentacular organização terrorista Al-Qaeda?

Que o Homem consiga ser suficientemente humilde para tentar aprender com os seus erros! A actual crise financeira teria sido evitada caso os decisores políticos conhecessem o que determina a História da Contabilidade (Jorge Tua Pereda, catedrático da Universidade Autónoma de Madrid em declarações à Revista TOC da Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas - Outubro 2008 - Nº 103).

2006/08/10

IV - Maomé e o Islão

Em 476 d.C. o imperador do Ocidente Rómulo Augusto é deposto e termina o Império Romano do Ocidente.
Em 484 após peripécias várias consuma-se a ruptura entre as igrejas do Oriente e Ocidente que teve por ponto de partida oficial o edital de união o Henotikòn, que foi rejeitado por ambas as partes em conflito.
Mudemos a fasquia do tempo e situemo-nos entre 567 e 573, provavelmente em 570. Em Meca (Makka) nasce de Abd Allah e de Amina, Maomé (Muhammad) do clã Hashim da tribo dos Quaraysh.
Neste tempo, os Árabes tinham uma fé muito simples. Tal como os antigos Babilónios, adoravam as estrelas e também uma pedra que acreditavam ter caído do céu, que estava (e lá continua…) num santuário, o Santuário de Caaba, na cidade do oásis de Meca. Ainda hoje, os Árabes de todo o mundo, fazem peregrinações para irem lá rezar.
Desde muito novo que Maomé, a quem apelidavam de “Confiável”, mostrava muito interesse pelas religiões e gostava de conversar, não só com os peregrinos árabes que vinham ao santuário de Meca, mas também com cristãos que vinham da Abissínia, e Judeus, que viviam em grande número nas cidades dos oásis da Arábia. Nessas conversas o que realmente o impressionava era que todos esses peregrinos falavam dum Deus único, invisível e todo-poderoso. Em consequência, também ouvia falar de Abraão e José, de Jesus Cristo e de Maria.
Por volta do ano de 582, diz a tradição, Maomé, é preanunciado por um frade de nome Bahira como o Profeta que se avizinha.
No ano 610 d.C. Maomé recebe a inspiração divina para a primeira fase do alcorão. À terceira visão do arcanjo Gabriel, Maomé ficou a saber que ele era o Profeta através de quem Deus – Alá em árabe - ia dar a conhecer os seus desejos para a humanidade.
A nova religião que Maomé começa a pregar entre os Árabes é o Islão, que significa “abandono à vontade divina”. Os líderes tribais que guardavam o santuário começaram a ver em Maomé um adversário perigoso, razão pela qual, o Profeta acabou por se refugiar numa cidade noutro oásis, que mais tarde se haveria de chamar Medina, “a Cidade do Profeta”. Esta fuga ficou conhecida como Emigração – “Hégira” em árabe e aconteceu no dia 16 de Julho de 622 (calendário cristão). Os seguidores de Maomé passaram a contar os anos a partir desta data, começando assim a era muçulmana. (**)
Em Medina, Maomé explicou aos seus seguidores como Deus se revelou a Abraão e Moisés, como falou aos homens através da boca de Cristo e como o tinha escolhido a ele, Maomé, para ser seu profeta.
Deus único – Alá, revelado aos homens pelo Profeta Maomé, recompensa eterna para os justos, castigo eterno para os descrentes e maus e guerra santa contra os infiéis (jihad em árabe) constituem os fundamentos básicos desta religião, passados a escrito para um livro, que agora se chama Alcorão (ou Corão).
A descrição do Paraíso prometido aos seguidores da doutrina de Maomé é, de facto, uma maravilha irresistível para os crentes: (*)Maomé com as suas pregações ganhou enorme poder e prestígio, o que lhe permitiu organizar um exército com o qual derrotou e conquistou a cidade de Meca, da qual havia sido expulso.
Antes de morrer Maomé exortou os seus seguidores a rezar cinco vezes por dia, virados para Meca, a não beber vinho e a serem corajosos.
Maomé morreu em 632.
Os futuros representantes de Maomé eram os designados “califas”, os primeiros dos quais foram Abu Bakr e Omar, que se lançaram numa ofensiva vertiginosa em todas as direcções a partir de Meca. O zelo religioso era tal que os guerreiros árabes em pouco mais de 10 anos já tinham conquistado a Palestina, a Pérsia e o Egipto (que ainda fazia parte do Império Romano do Oriente, embora já muito enfraquecido). Este fogo religioso e militar avançou rapidamente da Pérsia até à Índia, do Egipto para todo o Norte de África.
A partir de 670, os exércitos árabes tentaram mas não conseguiram tomar Constantinopla, a antiga capital do Império Romano do Oriente. É nessa época que os Árabes conquistam as ilhas de Chipre e da Sicília, a partir de bases em África. De seguida, atravessaram para a Península Ibérica, que conquistaram aos Visigodos. O objectivo seguinte era tomar as terras onde hoje se situam a França e a Alemanha, que não foi atingido porque Carlos Martel, rei dos Francos, venceu duas decisivas batalhas, estávamos em 732, em Tours e em Poitiers. Se tal tivesse acontecido provavelmente hoje, na Europa, poderíamos ser todos muçulmanos.
Entretanto, este ímpeto expansionista Árabe, acalmou. A história continuou a seguir o curso dos séculos.

Sem dúvida que, em jeito de balanço sintético e apesar de todas as lutas sangrentas em que se envolveram em nome do Islão, muito do que é a civilização actual se deve à capacidade de síntese que os Árabes acabaram por demonstrar, fazendo o aproveitamento científico e cultural do que de melhor existia entre os povos que iam subjugando.
Resumidamente:
1) Os chamados arabescos resultaram do uso de belos padrões intrincados e entrelaçados de linhas de muitas cores, com os quais decoravam os seus palácios e mesquitas, já que a sua religião lhes proibia a reprodução de pessoas ou animais;
2) Com os Gregos aprenderam a coleccionar e a ler livros em vez de os queimarem. Traduziram para Árabe, os escritos de Aristóteles e, desta maneira, iniciaram uma autêntica revolução nas ciências; os nomes de muitas das ciências têm origem Árabe como a química e a álgebra;
3) Com os Chineses aprenderam a fabricar papel;
4) Durante séculos os Árabes contavam histórias de maravilha para transmitirem os seus conhecimentos e os factos e tradições da vida das suas Nações e tribos. Mais tarde passaram-nas por escrito. Quem não recorda a leitura das histórias de espantar do livro “As Mil e Uma Noites”?;
5) O sistema de numeração decimal que hoje usamos, em vez do sistema Romano (por exº 112 em vez de CXII) e que tantos benefícios trouxe ao cálculo matemático, devemo-lo aos Árabes que, por seu turno, o recolheram dos Indianos.

O rumo da história da humanidade levou a que os Árabes tivessem sido derrotados antes de conseguirem entrar na Europa Central, Oriental e parte da Ásia, mesmo assim conseguiram, através das suas conquistas que as ideias e os conhecimentos dos Persas, Gregos, Indianos e Chineses (através de prisioneiros de guerra) se reunissem numa cultura geral que muito veio beneficiar o homem.
Moral da história. Os conquistadores não conseguem governar para sempre mesmo em nome de Deus!


(*) Os Fiéis descansarão em grandes almofadas, reclinados e virados uns para os outros. Entre eles andarão mancebos imortais com taças e cântaros cheios de um néctar puro, que não produzirá nem dor de cabeça nem embriaguez. Lá haverá de todos os frutos, e carne de todas as aves, tanta quanta desejarem, e donzelas com olhos de corça tão belas como uma pérola oculta. Debaixo de árvores de lótus sem espinhos e bananeiras carregadas de frutos, a sombra prolonga-se e a água corre, e os Abençoados descansam. Os frutos estão a seu alcance e as taças de prata andam sempre a circular. Sobre si usam vestes de rica seda verde e brocados, adornadas com fivelas de prata.
(**) A era Cristã começou com o nascimento de Jesus Cristo.
---
(continua: – O Médio Oriente no séc. XX e XXI)

@as-nunes

O Médio Oriente – Síntese Histórica

Publicado até à data:
ÍNDICE:

HISTÓRIA da HUMANIDADE - Início
http://dispersamente.blogspot.com/2006/07/histria-da-humanidade-incio.html
MÉDIO ORIENTE - Visão Bíblica 1-n
http://dispersamente.blogspot.com/2006/08/mdio-oriente-viso-bblica-1-n.html
Uma visão pró-Palestiniana
http://dispersamente.blogspot.com/2006/08/uma-viso-pr-palestiniana.html
II – O Judaísmo e a Palestina
http://dispersamente.blogspot.com/2006/08/ii-o-judasmo-e-palestina.html
III – Judeus, sem pátria
http://dispersamente.blogspot.com/2006/08/iii-judeus-sem-ptria.html

(continua)

2006/07/27

HISTÓRIA da HUMANIDADE - Início


O Médio Oriente, a sua geografia política, a sua influência determinante e incontestável em toda a história da humanidade, estão na ordem do dia.
A guerra feroz e sangrenta que está em curso, que opõe o estado de Israel aos grupos guerilheiros do Hezbollah (guerreiros de Deus do Islão, de confissão xiita, a mesma que a al-Qaeda, sunita, tem atacado brutalmente em múltiplos atentados no Iraque) na parte leste (Líbano) e Hamas (Palestina), impeliu-me a procurar e rever o máximo de informação sobre esta área, mais precisamente, a parte do mundo, entre a antiga Mesopotânea (actual Iraque) e o Egipto.
De facto já está mais que provado que foi nesta parte do mundo que teve início a história do homem, as suas crenças religiosas, as suas movimentações ao sabor das guerras e do comércio e das primeiras viagens aventureiras dos navios mercantes.
O fundamental da História, a época do homem que nos marcou, divididos em variadíssimas Nações e Civilizações, até à actualidade, pode-se simplificar que começou por volta de 3.100 a.C. O Egipto e o Nilo são marcos definitivos dessa fronteira do tempo Histórico.
Não tenho em mente fazer uma narração exaustiva dos factos históricos que a humanidade viveu até à Modernidade. Nem para tal me sentiria habilitado.
Pretendo, muito simplesmente, fazer uma recapitulação de alguns factos que poderão justificar algumas das confusões e equívocos em que o homem actual vive. Para que eu próprio tente perceber as razões mais profundas de alguns dos acontecimentos mundiais da Actualidade.

Que Deus* me ajude!

*) Ora aqui está o cerne da questão!
nota: A imagem (parcial) acima consta do livro "Uma Pequena História do Mundo" de E.H.Gombrich - ed. "Tinta da China" - Maio 2006 (e-mail desta data para efeitos de autorização do seu uso neste blog)
...
(continua)