Mostrar mensagens com a etiqueta leiria - poesia. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta leiria - poesia. Mostrar todas as mensagens

2018/03/24

Rosas Brancas e Asas Brancas: dois poemas de Afonso de Sousa, os mais cantados no Fado de Coimbra




Afonso de Sousa (1906-1993)

Os seus dois poemas, que ainda hoje são a base dos Fados de Coimbra mais cantados em todos os tempos, conforme pp 55 a 56 do seu livro "Ronda pelo Passado", 1989:

ASAS BRANCAS

Quando era pequenino a desventura
Trazia-me tristonho e frio o rosto,
Assim como quem chora de amargura,
Assim como quem sofre algum desgosto.

Um anjo de asas brancas muito finas,
Sabendo-me infeliz, mas inocente,
Cedeu-me as suas asas pequeninas,
Para me ver voar e ser contente.

E as asas de criança, meu tesoiro,
Ao ver-me assim tão triste iam ao Céu,
Tão leves, tão macias - penas de oiro -,
Tão brandas como a aragem, como eu...

Cresci! Cresceram culpas juntamente...
Já grandes são as mágoas mais pequenas;
As minhas asas vão-se... ficam penas!
Não mais voei ao céu, nem fui contente!
-
https://youtu.be/l_cjuvF_hl4
voz: Luis de Góes

---------------

ROSAS BRANCAS 
(No original de Afonso de Sousa: «DESALENTO»)

Quando eu morrer, rosas brancas
Para mim ninguém as corte!
Quem as não teve na vida,
De que lhe servem na morte?

Se eu morrer deixa o caminho
Que à minha campa conduz!
Não quero ver o remorso
A chorar juntinho à cruz!
-
https://youtu.be/q0BhElXuci0
voz: António Bernardino

No vídeo, a segunda quadra está, aparentemente, adaptada do original. Terá sido de acordo entre Afonso de Sousa e Armando Góes? Ao fim e ao cabo, os dois foram grandes amigos desde os seus tempos de colegas no Lyceu Francisco Rodrigues Lobo em Leiria. Aliás, Armando Góes nasceu no lugar de Marrazes - Leiria, em 1906. 
---Mais em 
https://dispersamente.blogspot.pt/search/label/Afonso%20de%20Sousa

2018/02/23

Afonso de Sousa (1906-1993) e o seu soneto às ruelas de Leiria e de Coimbra


http://dispersamente.blogspot.pt/search/label/Afonso%20de%20Sousa


Conforme já aqui ficou dito, Afonso de Sousa foi um ilustre leiriense, que deixou o seu nome ligado às lides de advogado notável, insigne prosador e poeta e que, enquanto estudante (1923/1930) e até noutras ocasiões,  foi um dos mais interventivos executantes de viola e guitarra da canção/fado de matriz coimbrã.
Eis um dos seus sonetos conforme consta do folheto alusivo à cerimónia de "Oferta ao Museu da A. Académica de Coimbra, em 25 de Novembro de 1989" da guitarra que utilizou como solista e acompanhador de Artistas como Artur Paredes, Albano de Noronha, Edmundo Bettencourt, Armando do Carmo Góes, Paradela de Oliveira, Artur Almeida d´Eça e, embora espradicamente, o Doutor António Menano.
---

Ruelas de Leiria e de Coimbra

Rua de minha Terra, luar de prata,
E vós, Amigos meus, minha ventura:
- Silêncio, que alguém vibra de ternura
E vai passar a minha serenata.

A cada acorde meu que se dilata
Uma janela se abre à noite pura.
Cada janela aberta é uma jura,
Um idílio de amor que se desata.

Assim passei... Debalde agora vim
Meu passado rever nessas ruelas,
Tanger a minha lira, antes do fim.

Vibro-lhe as cordas, rasgo os dedos nelas...
- Guitarra, que houve em nós, ou que houve em mim,
Que já ninguém nos abre essas janelas?!


Afonso de Sousa
©(texto digitado pelo autor deste blogue)

2015/12/02

"Abraçar uma Estrela" - Apresentação do livro de poemas de Adélio Amaro



Apresentação feita em 30 de Novembro de 2015
Fundação da Caixa de Crédito Agrícola de Leiria







Um momento a recordar...

Uma oportunidade única proporcionada por Adélio Amaro, na excecional sessão cultural que nos proporcionou quando da apresentação do seu livro de poemas "Agarrar uma Estrela" no passado domingo, 30/11/2015, na Fundação Caixa Agrícola de Leiria.

Por acaso (quer dizer, raramente saio de casa sem uma máquina fotográfica/vídeo) consegui fazer esta gravação com a minha Nikon D3200 com filtro UV. Estou espantado com a quantidade de visualizações já contabilizadas em 2 dias. Claro que o facto de ter sido publicado no FB do Adélio lhe está a dar muita visibilidade, o que, aliado ao facto de se tratar de ver e ouvir o Carlos Moisés da Quinta do Bill, acompanhado ao piano por Inês João, seria inevitável. Estou a tratar de preparar uma montagem especial para publicar no YouTube, na minha conta. Justifica-se plenamente. 


2013/11/24

MADALENA


Madalena

Tanto sofrimento
Quanta dor
Tanta poesia
Um nome pode encerrar.

Não foi o nome que lhe deram.
Mas o escolhido por si.
    
Madalena

No seu coração tão grande
houve sempre um lugar que foi meu
   Eu sei

O meu nome nunca abandonou
o seu pensamento
   Eu sei

   Sei também
Que onde está agora
eu continuarei a ser  a sua “loirinha”

   E sei também
Que no meu coração
irei sempre recordá-la
a si, ao seu carinho
o seu nome

Madalena

Zaida Paiva Nunes
23 Nov 2013

@as-nunes

2013/10/11

Família General Oliveira Simões




Fotos do que resta do solar que pertenceu ao General Oliveira Simões, na Barreira, em frente à Igreja matriz. Aqui um painel de azulejos alusivo a N. Sª da Oliveira. (*)
---
(*) Também se pode observar um painel alusivo a esta N. Sra. na estrada quem sobe das Cortes para a Sra. do Monte.
Ver também:
pp 268-269 do livro "Caminhos Entrelaçados-na freguesia da Barreira", de António Almeida Santos Nunes, ed. 2005 da Junta de Freguesia da Barreira e da ed. Folheto. 
---
Idem
General Oliveira Simões
Poesia e Prosa (Antologia)
Pedro Moniz
ed. Junta Freg Barreira, 1997

2013/08/25

Elogios a S. Pedro de Moel por Acácio de Paiva

Farol e Penedo da Saudade em S. Pedro de Moel.

Sábado próximo passado 
(ou simplesmente, ontem), 
desde o terraço do hotel SoleMar, 
em S. Pedro de Moel
a partilhar 
as emoções 
de um casamento muito particular...
-
Acácio de Paiva não se cansou de cantar, nos seus poemas, esta bela zona do litoral leiriense...
Lá ia todos os anos visitar o seu grande amigo Afonso Lopes Vieira;

(...)
E mais vereis ainda;
Por sobre o mar, numa vivenda linda,
      Mora o Lopes Vieira,
o poeta mais poeta do país,
(...)

Quem passar por Leiria,

A amada de Dinis e de Isabel,
Não deixe de fazer a romaria
À praia de S. Pedro de Moel
       E ali, de visitar
(Por isso romaria a denomino)
Lopes Vieira, o poeta peregrino
       Do pinhal e do mar.
(...)
Um poeta? Que digo?! Toda a gente,
Todos os noivos, todo o Portugal
Pois tudo em Portugal palpita e sente
Como os pobres poetas afinal.
(...)
Ora em fúria e rugidos de ameaça,
Esmagando quem nele confiar,
Pela inveja, de raça contra raça,
Que sempre dividiu a terra e o mar,
E então S. Pedro de Moel abraça
O mar e a terra, ajunta, concilia
Põe lágrimas das ondas na caruma
Do pinhal de Leiria
E este as ondas, benéfico, perfuma,
De modo que das Águas de Madeiros
Até junto do Penedo da Saudade
Antes, como excelentes companheiros,
Assinaram contrato de amizade.
(...)

Acácio de Paiva
1863-1944
- pp 83-86, Acácio de Paiva, Insigne Poeta Leiriense, CML 1988

@as-nunes 

2013/01/16

Era só para vos saudar...

Do lado de lá.  Uma visão, sempre igual, sempre diferente ...
 Todos os anos floresce num local recôndito do jardim, como que a querer passar despercebida. Não consegue...
A Tina. Estava a fazer-se desentendida... mas lá abriu um olho para a fotografia...

SOMOS TODOS POETAS

Porque não queres os versos que te nascem
Como rebentos pelo tronco acima?
Porque não queres a inesperada rima
Dos sentimentos?
Olha que a vida tem desses momentos
Que se articulam numa cadência
Tão imprevista,
Que é uma conquista
Da consciência
Não ser um túnel de negação...
Brotam as folhas que são precisas
E outras folhas que o não são.

Miguel Torga
Cântico do Homem
Ed. autor - Coimbra, Janeiro de 1974

2012/06/05

Tempo de rosas...

Carolina
Mafalda
Inês
Zaida
Encarnação, Eva, anos e anos de rosas...


ROSAS ENCANTADAS

Rosas de todas as cores
Florescem no meu jardim
Uma dádiva seus odores
Parece que chamam por mim

Não me canso de as olhar
À compita com o jasmim
Presença etérea e singular
Beldades ao pé de mim

Hábitos antigos e atuais
Rosadas, amarelas, carmesim
Como que soltam sinais
Mensagens dirigidas a mim

Rosas, rosas, rosas…

Airosas
Viçosas

Vistosas, sedosas, amorosas  
                                       Olá..Cláudia         


junho 2012

2012/05/16

Acácio de Paiva e a sua veia de contador de fábulas e historietas, sempre em verso


 Acácio de Paiva, insigne poeta Leiriense, o maior humorista dos poetas da época, nasceu no Largo da Sé, em Leiria, na casa de frontaria de ajulejos «viúva lamego» (dados a revelar confirmam esta tese), bem visível, talvez dos edifícios típicos da cidade de Leiria mais fotografados pelos visitantes da cidade.


Nesta casa nasceram os Paivas que deram grande projeção à cidade de Leiria, Acácio de Paiva, Adolfo de Paiva, José Teles de Almeida Paiva e os seus filhos José e Zaida Manuela Teles e Paiva.

Insisto nestas notas sobre Acácio de Paiva porque me tenho dedicado a esta missão de não o deixar esquecer, com todo o meu empenho, de há muitos anos a esta parte, por motivos de relacionamento familiar é certo, mas também pela admiração pelo seu labor, que se tem vindo a incrementar à medida que mais e melhor o vou conhecendo .
A foto ao lado é uma reprodução de um trabalho monográfico e de levantamento da árvora genealógica de os Paivas e os Teles, superiormente elaborado pelo seu bisneto, Luis Maria de Sampaio e Paiva Camilo Alves (espero não estar a cometer nenhuma inconfidência grosseira), a quem agradeço toda a sua simpatia, amizade e colaboração.


Os «LUSÍADAS»

………..O professor Barradas
Percorreu com os olhos pequeninos
………..As diversas bancadas
Onde estavam sentados os meninos
E ao  número quarenta (que teria
………..Treze anos, talvez,
………..E era quem mais sabia)
Preguntou, animando-se: - “Quem fêz
«Os Lusíadas»? Diga-me de-pressa!”
Levantou-se o pequeno, atrapalhado,
Pôs-se a coçar na frente da cabeça,
………..A fitar o sobrado
………..E, por fim, respondeu,
Tremendo como ao vento a folha e o vime
Ou como se o culpassem de algum crime:
………..- «Não fui eu! Não fui eu!»
Ficou mestre Barradas furioso!
Saíu da aula, quando deu a hora,
…………E, encontrando o Pedroso
Que era pessoa muito sabedora,
Contou-lhe aquele caso miserando:
………- «Desgraçado país!
«Ora imagina tu que , preguntando,
…………«Há pouco a um petiz,
…………«Aluno do Liceu,
«Quem fizera os Lusíadas, a bêsta
………..«Pôs-se a coçar a testa
………..«E disse: Não fui eu!»
………………- «E então?
Ponderou o Pedroso com voz doce.
»Quem sabe se o pequeno tem razão?
………..«Pode ser que não fôsse…»

Acácio de Paiva
In “FÁBULAS E HISTORIETAS
Ilustrações de Vasco Lopes de Mendonça
Pp 213/214
Ed. INP – Diário de Notícias  - 1929

Mais se pode consultar neste blogue e também no "Leiria", que muito tem publicado no que concerne à intensa atividade literária de Acácio de Paiva no Século Illustrado dos princípios do séc. passado.
NOTA:
Dia 31 próximo, às 21horas, conversa no átrio do Mercado de Sant´Ana, em Leiria que vai girar à volta de  uma encenação teatral tendo como ponto de partida  uma carta na qual se alude ao grande poeta leiriense. Pretende-se  homenagear o Leiriense, poeta e embaixador de Leiria, duma forma não convencional nem ortodoxa. O mais amena possível, uma conversa à mesa do café. (ver aqui). 
@as-nunes  
Posted by Picasa

2008/09/23

ADEUS A LEIRIA vindo de Aveiro

José Reinaldo Rangel de Quadros Oudinot foi um emérito investigador e divulgador da história de Aveiro e dos seus homens ilustres, nasceu e morreu nesta cidade, respectivamente em 19 de Março de 1842 e 22 de Julho de 1918. (1)
Foi professor, historiógrafo, dramaturgo, poeta e jornalista.
Disponho-me a esboçar alguns traços da sua personalidade, em circunstâncias meramente acidentais, se bem que, depois de ter tomado conhecimento mais profundo da sua vida e obra, tenha que o incluir no rol dos que vale a pena recordar e, dessa forma, estudar para com ele aprender facetas importantes da vida do homem ao longo dos tempos.
Acontece que, recentemente, recebi um e-mail do meu querido amigo António Leite, que conheço só por via da internet e da sua amabilíssima atenção que me tem prestado naquilo que vai encontrando em livros antigos (julgo ser bibliófilo, que me desculpe esta mera suposição) e que, como que por empatia natural, vêm precisamente ao encontro do meu manifesto interesse em determinados temas que tenho vindo a abordar no meu blogue “dispersamente”.
A última novidade que me fez o favor de enviar tem a ver com o “Novo Almanach de Lembranças Luso-Brasileiras” – edição de 1902 no qual descobriu um soneto de Samuel Maia(2) e um poema em III cantos, “Adeus a Leiria” de Rangel de Quadros.
Estes dois poemas tocam-me particularmente: o soneto “Esquecimento” de Samuel Maia por se tratar de um ilustre médico, vinicultor e homem de letras que já por diversas vezes aqui tive o privilégio de referenciar (além do mais é natural do Casal - Ribafeita e lá teve uma Quinta, de S. João, ponto de referência obrigatório); o poema de Rangel de Quadros por se referir a Leiria e nele esta terra secular e minha adoptada, ser cantada com a maior das doçuras e encantamentos.
-
Passo a transcrever a I parte do poema de Rangel de Quadros:

ADEUS A LEIRIA

Vou deixar-te, Leiria formosa!
Vou deixar teus jardins florescentes
E estas margens formosas, virentes,
Do teu brando e poético Liz!
- Vou! Adeus, alameda frondosa!
E por mim serão sempre lembrados
De Leiria os outeiros e prados,
Onde os dias passei tão feliz!
.Quantas noites passei gratamente
Junto aos choupos do lindo passeio!
Como ali procurava o meu seio
Um prazer innocente encontrar!
- Como é grato escutar na corrente
Os murmúrios do teu brando rio,
N´essas noites suaves do estio,
N´essas noites de puro luar!
.Vou deixar-te, castello vetusto,
Que me fazes trazer á memória
Esses tempos de fama e de glória,
Em que o mouro cedeu ao christão.
- Tu já foste gigante robusto,
Protector d´esta heróica Cidade,
Que em ti vê, com bem justa vaidade,
D´essa gloria um famoso padrão.

…………….
II


(1) “Apontamentos Históricos” de Rangel de Quadros . Ed. Da Câmara Municipal de Aveiro – 2000; O espólio de Rangel de Quadros, ficou cuidadosamente guardado pela sua sobrinha, a sra. D. Maria Gabriela Oudinot Larcher, residente em Leiria, que o depositou na Biblioteca Municipal de Aveiro, tendo a Câmara Municipal assumido o compromisso de ir publicando a obra de sei tio.
(2) ver índice temático (tag Samuel maia)
Posted by Picasa