Mostrar mensagens com a etiqueta poesia. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta poesia. Mostrar todas as mensagens

2019/04/05

aquele que não ouvirás mais : poesia de Carlos Lopes Pires 2019






Carlos Lopes Pires a dizer da sua poesia e do seu novo livro, o 26º.
No dia 23 de Março de 2019, no auditório do Moinho do Papel em Leiria.


Uma das excelentes gravuras de Fulvio Capurso insertas no livro de Carlos Lopes Pires


2019/03/31

Para a Graça e para o Sidónio


Em tempos de dor e luta no seio da família dos meus amigos Graça Sampaio e Sidónio Violante
(comentário que deixei no blog ´picosderoseirabrava` da Graça e que me permito transcrever aqui) 



Graça-Sidónio

O rumo de cada vida,
pensamos alguns de nós,
já está determinado
antes mesmo de ser.

Ainda bem que nós 
não temos o dom da antevisão.

Mesmo assim,
quando somos confrontados
com os momentos dolorosos
que nos tocam em todos os sentidos,
não há forma de fugirmos
à sensação terrível de impotência.

Ainda bem que temos,
apesar de tudo,
a força interior de aceitar,
em conformidade com a Lei Geral
e abstracta do Cosmos.

Ainda bem 
que também temos
os nossos amigos 
Presentes. 

Mesmo que pela mera corrente contínua do pensamento…


AntónioNunes
Leiria, 31-03-2019


ps.: 
O Sidónio morreu em paz hoje, soube poucas horas depois de ter escrito este texto.
Tinha 72 anos. Que repouse em Paz, como bem merece. Condolências sentidas
 à família.

2019/03/30

A pretexto da apresentação do 26º livro de poesia de Carlos Lopes Pires: «aquele que não ouvirás mais»


No decorrer dum jantar com muitos e bons amigos, em Leiria, a pretexto (há que arranjar sempre um pretexto para se juntar os amigos à volta duma mesa a comer, a beber e a conversar) do lançamento do 26º livro de Carlos Lopes Pires, foi-me dada a oportunidade de dizer umas coisas para que ficasse registado o momento, que era de convívio e regozijo por mais um livro que foi dado à estampa pelo autor.
(Li vários fragmentos deste texto, penso que a partir de "Assim"...)
---


Palmilhar a luz

De há uns tempos a esta parte, mais precisamente desde que nos conhecemos nos Serões Literários das Cortes, que tenho dado comigo a constatar que a poesia de Carlos Lopes Pires é, também para mim,  algo de transcendente, que nos transmite uma sensação complexa de simplicidade com que devemos encarar os vários aspectos e momentos da nossa vida.
Ao lermos os seus poemas somos transportados para uma dimensão que não julgava tão acessível ao comum dos mortais.
Quando se fala de Poesia poderemos, talvez, encará-la sob três aspectos:
1) O autor, acima de tudo, escreve, observando regras quase matemáticas de métrica e rima;
2) O objectivo do que se escreve é passar uma mensagem de eloquência e de cultura primorosa em todas as áreas do saber e do estar, na literatura inclusive;
3) Um poema não tem de obedecer a nenhuma forma específica nem abordar temas e questões concretas, explicitando ao leitor o que se julga que ele deverá interpretar da linha de pensamento do seu autor.
Parece-me cristalino que a poesia de Carlos Lopes Pires só pode ser enquadrada no ponto 3 anterior, ainda que ele não precise que lhe seja atribuído nenhum rótulo. A Poesia para Carlos Pires é precisamente aquilo que nos tem deixado ao longo dos anos, e, particularmente neste seu 26º livro publicado, “aquele que não ouvirás mais”.
Não quero nem me devo alongar nesta minha singela intervenção, mas não podia deixar de referir aqui e agora dois pormenores decisivos que poderão justificar o tempo que vos estou a tomar.
Assim:
Todos nós temos altos e baixos no entusiasmo como encaramos a leitura e apreciação do que se vai escrevendo na área da Poesia. Acontece até que frequentemente nos inquirimos sobre o que é de facto a Poesia de que tanto se fala ultimamente. A verdade é que muito se está a escrever a pretexto de que se trata de poesia e ficamos naquela indecisão de sabermos se a poesia é ou poderá via a ser, algum dia, enquadrável num formato dito literário. Devemos integrar a Poesia na Literatura, nos precisos termos em que tradicionalmente esta se entrincheira?
É dos compêndios académicos e da tradição clássica que a poesia é a mais antiga das formas literárias. No entanto não será a Poesia muito mais que uma forma por que a Literatura se manifesta? Não deveremos nós alargar a ideia de Poesia para além do mero uso da palavra com que se constroem textos literários?
-
Está à vista de quem me estiver a ouvir que eu não sou a pessoa indicada para dissecar esta temática.
Permitam-me, no entanto, evocar algumas reflexões que o nosso querido amigo e poeta Carlos Pires já deixou escritas e à nossa disposição.
Diz Carlos Pires num seu texto de 2017 acerca de Poesia, começando pelo título: «Poesia: a revelação iluminada.»
Prosseguindo: “A poesia diz o que não pode ser dito, revela o segredo e, embora este escape, a poesia  deixa no Mundo e no Outro a marca desse segredo e desse mistério.”
“Por ser um olhar de espanto iluminado ele é e traduz no poeta esse estado de encantamento, talvez de epifania ou simplesmente de revelação iluminada. É por isso que toda a poesia tende para o misticismo (ou religiosidade ou transcendência). Em grande medida creio que a poesia pode ser entendida como um diálogo, uma ligação com o Universo.”

Há que ler com atenção este texto.

Tenho que o dizer agora, não me considero um poeta na acepção tradicional/convencional do termo, mas estou a dar comigo a ensaiar a escrita de poesia – pretenciosamente, talvez – sentindo que a mensagem de Carlos Lopes Pires me está a cativar sobremaneira.
O seu estilo e forma de encarar o Homem/Natureza  integrado no todo Universal estão a conseguir ser, para mim, como que uma trave mestra do edifício poético que eu imagino.
Por isso mesmo já me habituei a admitir a sua dimensão de Mestre e a minha qualidade de mero discípulo aprendiz.

Era só isto que eu queria dizer, que me sinto como que a palmilhar a luz rumo ao indefinido e com a intenção de aproveitar os anos que me poderão restar de ser terrestre para continuar com os meus ensaios poéticos nas abertas do tempo e do espaço em que me for possível situar.

Obrigado, Carlos, pela Mensagem que nos estás a conseguir transmitir duma forma decidida e contundente sob o rótulo da complexa e aparente brevidade do teu discurso poético.

Leiria, Museu do Papel e/ou Casa do Zé Manuel (S. Romão), em 23 de Março de 2019
António dAlmeida Nunes

2018/06/30

Carlos Lopes Pires e o seu 25º livro de Poesia: «a noite que nenhuma mão alcança»





No "Jornal das Cortes" nº 386 de 7 de Julho de 2018 pode ler-se uma reportagem assinada por Carlos Fernandes, outro grande amigo, intitulada:
"Novo livro de poesia de Carlos Pires".

Estiveram na mesa, o autor dessa crónica, como apresentador da obra, Fulvio Capurso (ilustrador), o autor Carlos Lopes Pires e Rita Justino, anfitriã da Casa-Museu João Soares.
Carlos Fernandes  referiu o facto de Carlos Pires ter editado uma média de um livro por ano, de carácter literário, sendo que, ultimamente, o autor se esteja a dedicar à Poesia em exclusivo.

Dedico o vídeo deste "post" a Carlos Pires, que considero um grande amigo e que me tem seduzido com a natureza da sua poesia a ponto de o considerar, neste momento, como Mestre.
A pp 131 pode ler-se o poema "ontem Deus" que tem a dedicatória: a "António Nunes". Obrigado, Carlos Pires por tanta simpatia e pela amizade.

2018/06/23

a noite que nenhuma mão alcança. Um novo livro de poesia de Carlos Lopes Pires









Em complemento dum outro post anterior. Porque abri nova conta YouTube: Orelhavoadora.

Logo que este livro seja apresentado oficialmente irei permitir-me transcrever pelo menos um poema.

Repito o que já aqui deixei escrito acerca de Carlos Lopes Pires:


Ao mestre, amigo e ´irmão` Carlos Lopes Pires.

Mais um livro que vai apresentar - 30 jun 2018.

2018/05/06

Minha mãe maio 2018





MÃE
-
Um sorriso antigo
A seu lado uma rosa
Olhar que assome
Sobre o muro da casa
Remoçada mas velha
Que também ela
apresenta outras memórias
De há muitos anos
Na rua daquele ´Casal`
Essas memórias passam difusas
Vozes que soam a festa
A alecrim mimosas e arraial
E há uma que sobressai
A minha Mãe a cantar
“Aleluia santº salvador”
Ele do alto do seu andor
Ela a rezar com fervor
E continua…
Aaleluuia, aleeeluuia…
E relembro o dia
Daquele meu exame
E daquele peregrino
Que te prometeu
Um milagre
E esse milagre aconteceu
Esse teu olhar embevecido
Com que me tens olhado
Sempre que nos encontramos
Jamais o poderei esquecer
“És tal e qual o teu avô”
Avô de que eu não tenho
Uma fotografia sequer
Só me ficou a imagem
Daquele dia soturno e nevoento
Do dia em que morreu
No Seixo no Porto cinzento
Mãe
Estás no fim do teu caminho
Talvez até já tu o estejas a pressentir
Mas também quer(emos) que sintas
Que não estás só…
Talvez por isso mesmo
Passo a assinar
António d´Almeida Nunes

6mai18

2018/04/14

No blog de Carlos Pires: https://cmlopires.blogspot.pt



No blog do meu amigo Carlos Pires, na zona de comentários:
---


foi-me dado a saber
que amanhã vai ser
tempo de mais um foco
da luz dos teus poemas

há um ponto no universo
na infinitude do tempo
e no incomensurável do espaço

onde os teus versos
se procuram

no princípio que não encontra o fim

uma luz indescritível
que não invisível
pressente-se
vinda dum buraco negro
não-dimensionável

luz filtrada por rosas
e pelo voo dos pássaros

abr18
a-porfírio


Há pessoas que encontramos na vida, e nem sabemos bem porquê. Pessoas que nos fazem sentir redondos. Pessoas que se acompanham de leveza e nos fazem sentir leves. Que usam as palavras como se fossem rosas. Pessoas que podemos ter conhecido apenas ontem, mas que sentimos conhecer desde sempre e de algum lado. Assim és tu.

-

Grato pelas tuas palavras, Carlos.


2017/09/19

Zaida Nunes apresenta livro de poemas de Clara Paulo em Porto de Mós



-
O presente vídeo tem uma duração de cerca de 10 minutos.
Será divulgado via FB uma versão mais sintetizada para maior comodidade de quem quiser tomar conhecimento do que foi esta sessão. O local recomendado pelo Presidente da Junta, José Gomes dos Santos, foi a histórica e airosa  Casa de D. Fuas Roupinho (também do Barão de Porto de Mós, já no decorrer do séc. 19/20). Daqui se podem admirar soberbas vistas panorâmicas sobre o Serro Ventoso, Serra dos Candeeiros e outros montes com silhuetas belíssimas.

No dia 16 Setembro de 2017 teve lugar uma interessante apresentação do livro de poemas de Clara Paulo no auditório da Junta de Freguesia de Porto de Mós.

O Presidente da Junta, José Gomes dos Santos, foi incansável para que todo este evento decorresse num ambiente muito agradável e digno. Teve a amabilidade de me oferecer o livro "Ventos da Memória - Porto de Mós/ S. Pedro e S. Paulo onde se apresenta a freguesia que é uma agregação de duas freguesias históricas. Silva Neto foi o seu primordial autor, tendo embora tido a participação brilhante de outros ilustres portomosenses.

Fui ao FB da Clara Paulo e respiguei de lá este texto do meu amigo, companheiro de tertúlia, escritor, jornalista etc e editor consagrado, Carlos Fernandes, que é uma obra-prima de poder de síntese:
-
"CLARA PAULO APRESENTOU POESIA EM PORTO DE MÓS

O livro de Clara Paulo, “Veredas do silêncio”, foi relançado, desta vez no auditório D. Fuas Roupinho, na Junta de Freguesia de Porto de Mós, no dia 16 de Setembro de 2017. A apresentação esteve a cargo de Zaida Paiva Nunes e contou com a presença do Presidente da Câmara de Porto de Mós, João Salgueiro, do Presidente da Junta de Freguesia de Porto de Mós, José Gomes, do Secretário da Junta de Freguesia de Pedreiras, Victor Semião, e do editor da Textiverso, Carlos Fernandes. Acompanhadas ao piano por Beatriz Domingos, disseram poesia Zaida Nunes, Noémia Silva, Ilda Silva, Leonor Rita e a própria autora, Clara Paulo. A ilustrar musicalmente a sessão esteve o tenor António Alves. Teceram considerações os autarcas presentes. Sala cheia para uma sessão cultural memorável. [Fotos Clara B. Marques]." (*)
Segue-se uma sequência de fotos (*) de primorosa qualidade, como a Clara Marques nos tem habituado, aliás.
-

As fotografias que se seguem são, umas de minha autoria, outras da Maria Padrão, grande amiga e que nos acompanha com frequência. Obrigado, Maria.

Álbum de fotografias:















O tenor António Alves, que nos brindou com 3 excelentes representações líricas.

A autora, Clara Paulo e o Presidente da Câmara de Porto de Mós, João Salgueiro.




Zaida Paiva Nunes





 José Gomes dos Santos - Presidente da Junta de Freguesia de Porto de Mós






 Zaida Paiva Nunes e Maria Padrão




 Um pormenor do hall de entrada da Casa D. Fuas Roupinho, almirante ao tempo de D. Afonso Henriques

O espetacular livro que me foi oferecido pelo sr presidente da Junta, José dos Santos. Obrigado, caro amigo.

2017/04/03

Carlos Lopes Pires apresentou o seu último livro de poemas "a minha poesia é uma ignorância"

No sábado, 1 de abril de 2017, foi apresentado mais um livro de poemas de Carlos Lopes Pires.
O seu título "a minha poesia é uma ignorância", ed. Textiverso e a sessão decorreu no Auditório da Casa Museu João Soares, nas Cortes - Leiria.
Pode ler-se, no FB de Carlos Fernandes, o Editor:
«“a minha poesia é uma ignorância”, escreve Carlos Lopes Pires.
A Casa-Museu João Soares, nas Cortes (Leiria), vai acolher, no próximo dia 1 de Abril, às 16h00, o lançamento do livro “a minha poesia é uma ignorância”, de Carlos Lopes Pires, com produção da editora Textiverso, de Leiria.
A apresentação deste livro de poesia será feita por Luís Vieira da Mota (escritor) e Pedro Jordão (compositor e músico). Durante a sessão serão lidos alguns poemas, terminando com uma sessão de autógrafos.

Nota: No final da apresentação, terá lugar o primeiro e penúltimo Congresso Mundial de Aquilo Que Vocês Sabem (AQVS), que será precedido pela bênção dos presentes. Terá como únicos intervenientes os quatro Santos que compõem a Santa Cúria deste movimento, que irão falar sobre as origens, características, objectivos e acções passadas, presentes e futuras de AQVS. Irão igualmente dançar ao estilo AQVS, utilizando vestes que caracterizam estes Santos Monges.»
-
Dado o momento emocionalmente muito forte, a parte final ficou adiada, tendo havido, ao jantar, no Restaurante Canário, uma pequena sessão pré-congresso, da qual vai ser lavrada a respetiva ata. 
-
A poesia de Carlos Lopes Pires é, sem dúvida, apresentada segundo um estilo muito pessoal e revelador de um espírito humanista e muito sensível a tudo o que a vida nos pode mostrar ou sugerir em todas as suas dimensões.

Uma possível reportagem fotográfica:


 O Editor Carlos Fernandes, o Autor Carlos Lopes Pires, os apresentadores Pedro Jordão e Luís Vieira da Mota.
 Celeste Alves a dizer alguns poemas





---


Prezado Carlos Pires. É uma honra ser teu amigo.

2015/10/25

LUIS PASTOR - Óbidos - Portugal 24out15

           
La Mariposa de Noviembre
Dedicada a Zeca Afonso? e a Saramago?
Até 1m19 fala de Zeca Afonso, Saramago e da desejada mudança do sistema político em Espanha.
Que o PP não gosta dele e faz a apologia da Bandeira Republicana para Espanha.
A canção "La Mariposa de Noviembre"  começa aos 1m20s.



Um grande poema Manifesto Libertário de sua autoria.



Na rua Direita em Óbidos.


 Fiquei encantado por "haber encontrado" LUIS PASTOR. O encantamento com que disse e cantou SARAMAGO"! O seu jovem e entusiástico espírito de revolicionário/Libertário, poeta e cantor!|  Uma voz estupenda, Trouxe dois dos seus discos, um dos quais com poemas de Saramago.

Extraordinário sábado em Óbidos

FOLIO - FESTIVAL LITERÁRIO INTERNACIONAL DE ÓBIDOS

Gastronomia, Literatura, Música, Teatro... 

um sábado em cheio.


Parabéns Óbidos! (vimos por lá Mia Couto, o "Governo Sombra", Maria Rueff num extraordinário monólogo de 1h10m a partir de uma obra de António Lobos Antunes, Mário Laginha Trio e Cristina Branco a cantar Chico Buarque, Luis Pastor a apresentar o seu livro em português/espanhol/CD "Nesta esquina do tempo"; também disse e cantou poemas de Saramago e um extraordinário manifesto Libertário.......)

-
Fomos a Óbidos, este sábado, 24 out 2015. Eu, a Zaida e a Maria.
Fizemos a viagem pela manhã e chegámos cerca das 11 horas. Passeámos pela rua Direita, cheia de movimento e fomos almoçar ao restaurante "Pretensioso" perto da igreja de Santa Maria. Uma cozinha excelente: comemos bife de novilho e arroz de pato. Bebemos duas garrafinhas de vinho e uma sobremesa muito saborosa. Tudo com uma apresentação e qualidade que se pode classificar excelente. Ficámos amigos dos donos do restaurante. Compraram a casa onde está o restaurante depois de terem trabalhado 20 e tal anos no Bar do Lagar. 
Acabámos a tirar uma fotografia com a D. Adélia Belo, a cozinheira chefe. E que chefe!





(Aproveitar enquanto é tempo...)
...



---------