2008/10/21

Rotunda D. Dinis - Leiria

Esta é uma das mais interessantes e representativas rotundas da cidade de Leiria. Vale a pena ampliar a foto (clic).
O objectivo principal da arquitectura da rotunda percebe-se facilmente. Sabendo-se um bocadinho de História de Portugal, aqui se representam três pormenores fundamentais que caracterizam toda esta zona centro litoral, ocupada pelo célebre e lendário Pinhal de Leiria, mandado plantar pelo Rei D. Dinis. Infelizmente, até esse tão antigo como protector e rico pinhal, corre o risco iminente de ser atacado pela já famosa entre nós, doença do pinheiro bravo chamada Nemátodo. Se nos dermos ao cuidado de observar os pinheiros adultos (bravos, que os mansos são imunes) essa praga é provocada por uma mosca cujas larvas são colocadas nas pontas dos ramos mais altos da árvore e, a partir daí, infiltram-se de cima para baixo, em todo o pinheiro secando-o em pouco tempo.
Será que vamos mesmo ter de abater todos os pinheiros bravos em Portugal? 60 % da floresta portuguesa terá de ser arrasada? Já se fala que a única solução sócio/económica/ambiental que teremos, será a de começarmos a substituir o pinheiro bravo pelo eucalipto. A um ritmo muito mais rápido do que já se tem feito até à data! Uma benesse para quem negoceia em madeiras para as celuloses.
Que será das belas paisagens florestais que ainda existem em Portugal à base do pinheiro bravo? Vamos passar a ver eucaliptos e mais eucaliptos a perder de vista? E os solos, como estarão daqui a uns anos?
Porque não começar, desde já, a aproveitar algumas zonas para plantar intensivamente, árvores autóctones, como o Carvalho Cerquinho e outras variedades, voltarmos ao Sobreiro (a despeito das barbaridades que se têm andado a cometer por esse país fora a abatê-los, por motivos "imperiosos" de urbanizações de luxo e até zonas industriais!), aproveitarmos mais o Choupo e a Faia?
E se começássemos a pensar em grandes plantações de Grevilleas robustas? Trata-se de uma árvore que forma muitas das zonas florestais Australianas e que assume grande importância para ser utilizada como madeira para móveis, inclusivé.
Parece-me que há mesmo que actuar rapidamente sobre as zonas florestáveis Portuguesas!

Posted by Picasa

7 comentários:

Menina_marota disse...

"Com o Prémio Dardos se reconhecem os valores que cada blogueiro emprega ao transmitir valores culturais, éticos, literários, pessoais, etc. que, em suma, demonstram sua criatividade através do pensamento vivo que está e permanece intacto entre suas letras, entre suas palavras."

Agradecia que passasses pelo MM para recolher o Prémio que foi atribuído a este Blogue. Embora tenha andado um pouco ausente destas paragens, não vos esqueci.

Um abraço a AMBOS;)

Carlos Rebola disse...

Replantar a nossa floresta de pinhal doente, com árvores autóctones seria uma boa resposta à degradação dos solos, ambiente e biodiversidade. Substituindo em parte a importação de madeiras exóticas para a industria imobiliária. A industria da celulose que importe o eucalipto dos países onde ele é autóctone.

Uma rotunda monumental, usada com bom gosto em homenagem aos homens, à História e à região.
Abraço
Carlos Rebola

al cardoso disse...

Eu sou um daqueles que mais favorece a replantacao de arvores autocones, como o carvalho negral e outros que o amigo mencionou.
Ha muita gente que desconhece que os pinheiros nao sao autocones de Portugal!

Um abraco dalgodrense e desculpe nao passar mais vezes ultimamente, mas tempo e coisa que nao me tem abundado.

as-nunes disse...

MM
Muito obrigado pela amabilidade. Deixei nota no teu blogue.
-
carlos rebelo

Caro amigo. Grato pela sua visita e pelas considerações. Pelos vistos comungamos dos mesmos ideais.
-
al cardoso

Compreendo perfeitamente o problema da falta de tempo. A verdade é que se nos pomos a visitar todos os blogues amigos e simpáticos não fazíamos outra coisa.
Um abraço e bom trabalho. Já agora que seja proveitoso.

Ana Ramon disse...

Concordo com a replantação de uma maior variedade de árvores: os vários tipos de carvalho português, o sobreiro, a azinheira, o ulmeiro, o castanheiro,o medronheiro, o zambujeiro, o amieiro, o freixo, o salgueiro, etc, etc
Chegámos ao ponto de termos matas praticamente só constituidas por pinheiros e eucaliptos.
Aqui fazemos os possíveis: depois do grande incêndio de há 2 anos, temos andado a plantar árvores variadas para termos uma mata menos monótona e com maior bio-diversidade.
A doença dos pinheiros é realmente uma lástima :((
Beijinhos

Justine disse...

Quando o propósito é o negócio, e mais negócio, e sempre o negócio, que interessa que se destruam os solos e que se faça desaparacer rapidamente as árvores autóctones??
E até interessa que a doeça do pinheiro prolifere...
Que vergonha!

PDuarte disse...

essa retunda, que eu conheço muito bem e contorno sempre que vou às compras ao Continente, tem a estátua da principal figura da nossa História. isto para mim claro.
quanto à reflorestação, por incrivel que pareça, são as empresas de celulose quem melhor gere essa actividade.
e mais não digo.
um abraço.