Mostrar mensagens com a etiqueta armenio vasconcelos. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta armenio vasconcelos. Mostrar todas as mensagens

2017/03/26

CASABLANCA - inauguração do polo pluridisciplinar do circuito cultural de Almofala

Na sequência dos eventos associados à Caravana Sem Fronteiras (Jornal Sem Fronteiras, ACLAL, Museu de Almofala) foi inaugurado no lugar de Almofala - Aguda - Figueiró dos Vinhos, no limite do concelho de Ansião, a escassos 2 km da saída do nó do IC 8 para Avelar/Aguda. Junto à estrada, no entroncamento para Almofala de Cima.
O evento teve lugar no dia 24 de março de 2017, tendo-se repartido pelas instalações «Casablanca» propriamente ditas e o Museu de Almofala, da Direção e propriedade de Arménio Vasconcelos.
Estiveram presentes os elementos da comitiva brasileira do Jornal Sem Fronteiras e vários membros da ACLAL.
Algumas fotos de reportagem:

 António Nunes, Fernando Paulo Baptista, António Nabais.



 Arménio Vasconcelos, Miguel Prates.
António Nunes, Arménio Vasconcelos, António Nabais


2010/10/24

Almofala de Cima - Figueiró dos Vinhos: Inauguração de um Museu especial


Um dos momentos da sessão solene de inauguração do Museu de Almofala. O Dr. Arménio  Vasconcelos no uso da palavra, ao seu lado direito o ilustre Académico Prof. Dr. Fernando Paulo, ao seu lado esquerdo, o Prof. Dr. António Maia Navais, académico de reconhecido mérito na área da museologia e que muito colaborou para que esta obra acabasse por ser o êxito que está à vista de todos (palavras de Arménio Vasconcelos). Por esse facto, foi descerrada uma lápide evocativa na entrada principal do Museu, "com gratidão ao prof. António Maia Navais em reconhecimento do seu valor". Na extrema direita da foto vê-se Adélio Amaro, dinâmico editor (Ed. Folheto), jornalista e Presidente da Associação de Investigação e Cultura dos Açores/Leiria (AICAL) .
Dia 23 de Outubro de 2010. Almofala de Cima no concelho de Figueiró dos Vinhos.
Tive o privilégio de estar presente na inauguração oficial dum belíssimo Museu, da iniciativa do meu ilustre amigo, Dr. Arménio de Vasconcelos, contando com uma adequada requalificação das instalações familiares, habitação e de lavoura, que ainda hoje fazem parte da conceituada e reconhecida "Casa Agrícola Rego Vasconcelos".
Para além desta singela reportagem que aqui me proponho publicar, muito mais e com muito mais propriedade, é apresentado no sítio na internet, da autoria do próprio mentor deste excepcional projecto cultural, de endereço: http://museudealmofala.blogspot.com/
-
Como ia a dizer, parti de Leiria, na companhia de José Vaz, mui sabedor e exímio praticante das coisas ligadas ao Folclore Regional (é, à data, Presidente da Direcção do Rancho da Região de Leiria), metemos caminho pelo IC2 até Pombal, daqui derivando para o IC8. Logo a seguir a Ansião, cortamos na direcção de Aguda até ao corte para Almofala. Chegámos cedo, afinal Portugal até é um País pequeno ainda que queiramos acreditar que somos um povo de Alma grande. Mau grado os agoirentos "Velhos do Restelo"!
-
Os convidados foram chegando, muito bem recebidos - sem espanto algum, como é evidente - o Rancho Folclórico de Almofala de Baixo trajado a rigor, a cantar, a tocar  e a dançar pela Rua Principal na direcção da eira do museu, local privilegiado para a sua actuação. Um primor!
-
Um dos pontos altos desta sessão foi a homenagem prestada ao grande pintor, Carlos Alberto Santos, de cuja obra está patente uma mostra de quase cem miniaturas de sua autoria (conforme se vê nas paredes da sala da foto onde, em primeiro plano se pode observar uma estatueta antiga e muito simbólica, conhecida por  "S.Pedro das Botas". A esta estatueta muito se referiu o Dr. Rui Silva, Presidente da Câmara Municipal de Figueiró dos Vinhos que, na sua oportunidade de falar, também evocou José Malhoa (nasceu nas Caldas da Rainha mas viveu muitos anos e morreu em Figueiró), tendo referida a intenção de se fundar na sede do concelho um Museu em sua honra.
-
O artista plástico Alcídio Marques, meu conterrâneo de Viseu, que também aparece no filme que integra este post, ofereceu ao Museu um quadro pintado expressamente para este evento, no qual ficou gravado em sobreposição, um poema alusivo, dito com todo o fervor por Libânia Madureira. A letra do poema pode ser   copiada por captura da frame correspondente do filme ou ser obtida por e-mail dirigido ao autor deste blogue.
-
Libânia Madureira, José Vaz e Miguel Prates, declamaram, com a arte e vigor que lhes é reconhecido, belos poemas a que o público presente não regateou palmas.
-
Por fim, usou da palavra o Chefe de Gabinete do Governador Civil de Leiria, Dr. Carlos Lopes, que teceu rasgados elogios a esta meritória iniciativa.
-
Podem apreciar-se outras fotografias deste evento seguindo o link "YouTube" abaixo.
... Pode-se observar com tempo, imagem a imagem, clicando no Play/Stop.


Posted by Picasa (c) Fotografia e Filme de as-nunes

2010/08/11

S. Pedro do Sul, Verão infernal de 2010


(clic para ampliar e melhor apreciar a pintura)
Aldeia e serras, em S. Pedro do Sul
Nestas horas dramáticas que se vivem em Portugal, particularmente nas serras e aldeias da zona de S. Pedro do Sul, com o fogo a consumir toda a vegetação e haveres pessoais das populações serranas da Arada, Gralheira e limítrofes, socorro-me da pintura acima, da autoria de Ney Tecídio (*), "Aldeia e serras, em S. Pedro do Sul", para, de alguma forma, poder ajudar a confortar a alma dos que tanto amavam toda aquela bela e transcendente solidão dos penhascos e penedias emoldurando todo um cenário paradisíaco de deslumbrantes manchas florestais e dum verde de gala a acompanhar o serpentear dos Rios Paiva e Sul.

Do Proémio do livro "para além do rio" de Arménio Vasconcelos, edição da Casa-Museu (agora Museu) Maria da Fontinha, 2004:
"...
Só quem conheça o Monte de São Macário, as Serras da Gralheira, da Arada, da Freita, do Montemuro, os Vales da Paiva e do Sul, poderá melhor compreender o poeta e os temas preponderantes da sua poesia."...

Daqui quero endereçar toda a minha solidariedade e sentimento de pesar pela perda infinita que este pavoroso incêndio provocou às pessoas daqueles lugares e ao Dr. Arménio Vasconcelos em particular, dado o seu inequívoco amor que devota àquela região.
A foto do quadro acima representa uma cópia do quadro original incluído no acervo de obras do Museu Maria da Fontinha(aqui) de que o Dr. Arménio é o seu Fundador e Director, localizado precisamente naquela área. Das istalações do Museu e arredores podem avistar-se todas as serras já referidas, ao fundo o vale da Paiva, cujo rio lá segue, misterioso mas prazenteiro, tenho fé que não perca essa sua alma...

nb: a foto (excerto do original) que ilustra o ambiente do fogo florestal acima referido foi retirado da Net.
(*) Artista plástico de talento multifacetado. Nasceu em Brasília e vive no Meier, Rio de Janeiro (em 2000). Casado com a também pintora, Haidê Morani e irmão do falecido Óscar Tecídio. Conquistou Prémios e Honras, incluindo viagens pelo Brasil e à Europa, tendo passado por Portugal. Discípulo de Rodolfo Chambelland, Mário Machado Portella e Gerson Azeredo Coutinho. É membro da Academia Brasileira de Belas Artes, titular da Cadeira nº 26. Está classificado em enciclopédias, dicionários e anuários. Em 1996 foi.lhe atribuído um Voto de Louvor pela Câmara Municipal do Rio de Janeiro, pela dedicação com que exerceu as suas actividades culturais. Representado no Museu Maria da Fontinha com cerca de sessenta Obras (vide págs. 17, 27, 59, 65, 73, 131, 233, 269, 281, 283 do livro supra-citado).

Posted by Picasa

2009/12/20

Nas bandas da Paiva, Rio, Serras, Vale e Terras

Azevinho de médio porte, árvore protegida, fotografada há 8 dias, no jardim do Museu Maria da Fontinha, Além do Rio, Gafanhão.
Aproveitando o ensejo desta imagem tão a propósito, aqui ficam, desde já, os meu Votos de Um FELIZ NATAL a todos que aqui chegarem, nas suas andanças e entrelaçamento de Amizades neste Mundo virtual. Que seja para a Felicidade de Todos.

Cativante vista panorâmica sobre o vale da Paiva e Serra de Montemuro, captada ao fim duma tarde de Outono a bater à porta do Inverno, desde o Jardim do Museu Maria da Fontinha.
Um Carvalho ancestral (Quercus robur), provavelmente com mais de 500 anos, enquadrado num recanto de lazer, na localidade do Carvalhal, Castro Daire.
Pegas voando em pleno centro da mesma localidade do Carvalhal. Uma terra calma, implantada no interior Beirão, muito perto de Castro Daire.
Estas imagens sedutoras ficaram retidas na objectiva da minha máquina e daqui transferidas para o computador. Não ficava de bem com a minha consciência se as não partilhasse convosco.
-
Energia

O homem sonha, ama, pensa, cria.
Porque dotado de cósmica energia.
Mesmo antes de nascer...já ele vivia.
E após morrer, renasce dia a dia.

Por toda a eternidade...

Arménio Vasconcelos
Posted by Picasa

2009/12/13

ACLAL - Convívio Natalício em Além do Rio - Gafanhão - Castro Daire


A tradicional refeição de Natal, batatas com bacalhau e couves, regadas a azeite, acompanhadas por um vinho tinto refinado, tudo de produção local da melhor e saudável qualidade biológica. A convite do Presidente da ACLAL - Academia de Letras e Artes Lusófonas, Dr. Arménio de Vasconcelos. Na foto também se pode ver o Prof. Dr. Fernando Paulo Baptista, ilustre Investigador, Ensaísta e Conferencista muito requisitado na área das Letras Lusófonas, Inglês e Humanísticas. (de óculos).
Nesta foto podemos ver o Prof. Paulo Baptista (Viseu), Soares Duarte (Leiria), António Nunes (Viseu/Leiria), (Mangualde) e Vieira da Mota (Cortes - Leiria).
A lareira da sala de estar da casa do Museu Maria da Fontinha.
Arménio Vasconcelos em preparativos para oferecer uma aguardente alicorada (produção caseira de uma das associadas da ACLAL presentes, fórmula secreta, sabor inigualável).

Esta reunião, em pleno coração do Vale e Serras da Paiva, perto de Castro Daire, S. Pedro do Sul e, até mesmo Viseu, prosseguiu, da parte da tarde, trabalhando-se afincadamente até noite cerrada, na busca dos nomes dos patronos da ACLAL, nas áreas da Literatura e das Artes Plásticas.

Essa sessão merece um tratamento especial em post próprio.
-
Ler o nº 1 do Boletim Informativo e Cultural da ACLAL - Nov2009
Posted by Picasa

2009/08/17

Museu Maria da Fontinha e o seu poético bosque ajardinado


(clic para ampliar)
Uma pequena Mostra da zona de bosque ajardinado e ornamentado com motivos poéticos e artísticos. Na segunda foto de cima, da equerda para a direita pode ver-se o momento em que o Mentor do Museu e da ACLAL, Dr. Arménio Vasconcelos, entrega à viúva de António Argentino um Diploma de homenagem "in memoriam".
António Argentino , ficará para sempre indelevelmente ligado ao Teatro e ao Cinema, particularmente através dos conhecidos filmes "Sertório" e "O homem que matou o Diabo".
Atente-se, ao lado, na precisão do quadro com a sua imagem.


Também se pode observar, engravatado contra o que lhe é habitual, o autor do blogue e, na outra extremidade, a descansar um bocadinho à sombra duma árvore, o casal "Soares Duarte". O ambiente em Além do Rio, Gafanhão, Castro Daire, era de festa. Mas estava cá um calor naquela linda Serra de S. Macário, que só visto e sentido! Apesar disso, lá ao fundo, no vale, corria em direcção ao Vouga, o agora, sempre e justamente, envaidecido Rio Paiva.

Por coincidência, dá-se o caso, de, muito perto, se localizar a povoação de ALVA, terra de origem dos Paivas que, no século XIX, fundaram a célebre "Pharmácia de Leonardo da Guarda e Paiva", em Leiria. Na sua descendência encontramos homens como José de Paiva Cardoso, que chegou a ser Vice-Presidente da Câmara de Leiria e cujos restos mortais se encontram num jazigo quase capela no Cemitério de Sto. António do Carrascal da mesma cidade, o próprio Leonardo Paiva, que foi Presidente da Junta da Paróquia de Leiria (equivalente à actual Junta de Freguesia), Acácio de Paiva(*), lídimo poeta, humorista e crítico literário, e de Teatro, já homenageado pela Câmara Municipal de Leiria e um seu filho, também Acácio de Paiva, que chegou a Governador Civil do Distrito de Leiria, para já não falar de José Teles de Almeida Paiva(2), desde muito novo ligado à gestão dos Teatros (a começar pelo memorável e já demolido Teatro D. Maria Pia) e do Cinema, em Leiria, desde a inauguração do Teatro José Lúcio da Silva, em 1966, até à sua morte, em 1994.
De notar também que se pode ver a sobrinha/neta de Acácio de Paiva(*) e filha de José T.A.Paiva(2), poetisa de mérito reconhecido, na 4ª foto da última fila da composição acima, acompanhada de Luísa Soares Duarte e Nélia Amaro. É a Zaida Paiva Nunes, a minha mulher.
Posted by Picasa

2008/09/04

Dutruc - Via Sacra na Capela da Casa-Museu Maria da Fontinha



Muito mais se poderia escrever sobre todo a mística que envolve o local único onde está implantado um dos melhores museus particulares que existem em Portugal. Muito está dito no respectivo site na Net, já aqui foi referenciado. De qualquer modo, não poderia deixar de apresentar, nesta oportunidade, alguns aspectos de pormenor, constantes duma reportagem fotográfica que tive a honra de poder levar a cabo na visita guiada pelo próprio Fundador e Director, para além dos que têm vindo a ser reportados nas entradas anteriores, que focaram essencialmente, o Museu propriamente dito.
Hoje, aborda-se, em exclusivo, a Capela Privativa da Casa-Museu, aberta ao público, que o foi em 1982.
Talvez o maior motivo de admiração do interior desta capela venha a ser a exposição de 14 quadros pintados em relevo esculpido pelo célebre escultor francês do séc. XIX, Dutruc, que viveu e trabalhou em Paris e Lyon e que representam com um rigor esplendoroso toda a Via Sacra percorrida por Jesus, de acordo com os ditames fundamentais da Religião Cristã.
Ampliando-se as fotos melhor se podem apreciar os pormenores do excelso trabalho produzido por este grande escultor. Convém dizer que esta Via Sacra foi instalada inicialmente na Igreja Matriz de Lyon, que acabou bombardeada e praticamente destruída no decorrer da I Grande Guerra, a de 1914-1918. Dos escombros dessa Igreja foram recuperados os quadros agora expostos para a admiração geral, que o Fundador do Museu Maria da Fontinha acabou por adquirir num antiquário em Condeixa - Portugal, em 1979, e os mandou incrustar nas paredes da
Capela Maria da Fontinha, em Além Rio - Castro Daire.
Estes trabalhos já foram filmados pelo Conservador do Museu do Louvre, o que demonstra bem o interesse (aliás perfeitamente natural) daquela famosa e completíssima instituição museológica.
...
(continua)
Posted by Picasa

2008/08/29

Mais uma pequena Mostra do acervo do Museu Maria da Fontinha - Castro Daire




1 - Dr. Arménio de Vasconcelos a mostrar-nos uma colcha em pura seda do bicho, com alguns milhares de anos. Estas peças demoravam a tecer à volta de 5 anos. Se se ampliar a foto pode apreciar-se a qualidade extraordinária do bordado. Esta é uma de várias colchas bordadas na Dinastia Ming da China, há cerca de 400 anos. Um pormenor que um leigo como eu aprendeu. Estas peças não se podem dobrar para guardar.
2 - No Museu estão expostos os originais das gravuras que foram publicadas, com muito êxito na época, no livro "Alfacinhas", Os Lisboetas do Passado e do Presente.
3- Prosseguindo a visita de todo o espaço idílico que constitui o conjunto do Museu, deparamo-nos com o Recanto de Miguel Torga. É de frisar que Arménio de Vasconcelos tem uma foto com Miguel Torga, precisamente, no momento em que lhe mostrou pela primeira vez, o busto do celebérrimo poeta e escritor português. O Marão, ali perto, sempre no seu espírito a inspirar-lhe muitos dos seus melhores trabalhos literários. Este busto foi mandado executar pelo próprio Arménio de Vasconcelos, mas, segundo o próprio nos confidenciou, Miguel Torga não gostou mesmo nada de se ver naquele busto de bronze.

-
(continua)

Posted by Picasa

2008/08/27

Museu Maria da Fontinha - Castro Daire



Como já havia sido prometido na entrada precedente, apresenta-se, muito sumariamente, o Museu Maria da Fontinha, localizado mais precisamente no lugar de Além do Rio, concelho de Castro Daire.
A primeira fotografia mostra-nos uma imagem do seu Fundador e Director, Dr. Arménio de Vasconcelos(*), licenciado em Direito, por Coimbra. É membro do Conseil International des Musées, da UNESCO e da Associação Portuguesa de Escritores. Mestrando em Museologia na Universidade de Évora. Pelo que me é dado observar, nos contactos pessoais, de companheiro Governador Elista dos Distritos do centro de Portugal e de amigo de longa data, os estudos, investigações e organização do próximo futuro "Museu do Território do Vale da Paiva e Serras" estão a ser encarados com tal entusiasmo e empenhamento, que mais deveriam vir a constituir-se numa Tese de verdadeiro Doutoramento, tal o rigor que Arménio de Vasconcelos tem vindo a demonstrar na sua preparação.
As fotos seguintes pretendem dar uma amostra ainda que mínima em quantidade, das peças que constituem o acervo do Museu Maria da Fontinha, futuro Núcleo Museológico de referência daquele que virá a ser o Museu do Território da terra que ele tanto ama. Com toda a razão, deve-se acrescentar.
Repare-se na peça única e valiosíssima de Soares dos Reis, o molde original em gesso, que, em 1881, permitiu a execução em mármore da estátua da filha dos Condes de Almedina. A criança faleceu poucos dias depois. Também foi feita uma segunda estátua em bronze, que se encontra num Museu no Brasil, mas acerca da qual se está a levantar uma acesa polémica porque a Directora desse Museu não admite que será efectivamente um trabalho de Soares dos Reis. Acrescente-se que o molde original, depois de devidamente analisado, provou-se que tem 50 impressões digitais do grande artista portuense e do Mundo. O conjunto colocado na foto 3 representa vários instrumentos musicais e um xaile que pertenceram a Amália Rodrigues, para sempre recordada pela sua vida longa e preciosa em prol do Fado, cantado com a sua incomparável voz e a que também legou alguns poemas escritos pelo seu próprio punho.

...
(*) A biografia de Arménio de Vasconcelos daria para escrever um livro, tenho a certeza disso. (mais).
... (continua. Seria imperdoável não o fazer.)

2007/12/14

Aos amantes da Poesia!


O Elos Clube de Leiria e a Editora Folheto, vêm por este meio endereçar-lhe o convite para a sessão de apresentação da I Antologia de Poetas Lusófonos. Como vem referido no mesmo, esta sessão terá lugar no dia 15 de Dezembro de 2007, pelas 16 horas na sede da Região de Turismo Leiria/Fátima, Leiria, Portugal. No convite, poderá ainda conhecer o programa para a sessão de apresentação.
A "I Antologia de Poetas Lusófonas" é uma edição da editora leiriense Folheto Edições & Design com a colaboração do Elos Clube de Leiria.
Participaram 81 Poetas de 9 Países de 4 Continentes (Europa, América, África e Ásia), com 244 Poemas.
Esta obra, com 264 páginas, que tem como objectivo a promoção da Língua Portuguesa, apresenta na capa uma obra de arte da autoria do reconhecido artista plástico brasileiro, Neo Surrealista, Comendador Renato Bordini.
A apresentação da obra será da responsabilidade de Arménio Vasconcelos, Presidente do Elos Clube de Leiria, e Adélio Amaro, Coordenador Editorial.
Na sessão de apresentação haverá um momento de poesia com a participação de vários poetas e ainda um momento musical com composições e direcção do Maestro Vicente Narciso e vozes de Dina Malheiros, Genealda Sousa e Lucília Narciso.
Depois da apresentação em Leiria, a "I Antologia de Poetas Lusófonos" será apresentada em Lisboa na Livraria Bulhosa, em Faro e também no Rio de Janeiro (Brasil).
-
O Presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, endereçou uma mensagem de cumprimentos à editora leiriense Folheto Edições, após ter conhecimento da apresentação da "I Antologia de Poetas Lusófonos", a levar a efeito no dia 15 de Dezembro, do corrente ano.

2006/06/16