2020/06/25

Gira sol, gira...

(25-06-2020-lourais barreira leiria-dia de sol sombra-24ºC)

Ao girassol

o SOL gira gira
oh sol sinto-me vivo
ao sentir o teu girar

que o teu olhar
se reflicta no nosso
e continuemos a girar
oh a girar e olhar
o futuro

com o fulgor da vida
plena
sem medo

com entusiasmo e vigor
desconfinadamente
milhões de pixels no universo
da nossa mente

ainda que saibamos
que não somos senão um
no universo

Actuação dum helicóptero no combate a um incêndio florestal.

https://www.youtube.com/watch?v=7gBsAWNb58E&feature=youtu.be
Da janela de casa tive ensejo de realizar este vídeo. Um documento ilustrativo da forma como o apoio aéreo por helicóptero pode ser fundamental para evita a propagação irremediável da propagação dum incêndio florestal que podia ser de grande envergadura.

2020/06/08

tudo é movimento


tudo é movimento 
polos de natureza e
intensidade variáveis 
que se atraem e repelem 
em mudanças de forma 
a girarem em campos magnéticos

com fotões a intrigarem o tempo 
na sua ligação incomensurável com o espaço 

2020/04/01

Carlos Lopes Pires: o seu 26º livro publicado, “aquele que não ouvirás mais”


Hoje, fui ver o que o OneDrive da minha conta tinha armazenado, já que me estava a dar a mensagem de que estava cheio. Pus-me a verificar se podia apagar "tralha" para ficar com algum espaço para uma emergência. (há muita tralha, sim, porque o "OneDrive" suga e armazena tudo o que apanha no nosso computador. Ainda bem, porque há coisas que lá ficam e, mais tarde, nos espantam)...
Encontrei este meu texto (umas palavras que eu li, fez um ano, por altura do lançamento do 26º livro de poesia de Carlos Lopes Pires).
Penso que deve ficar registado neste eu blogue:

---

No lançamento do livro de Carlos Lopes Pires
“aquele que não ouvirás mais”.


De há uns tempos a esta parte, mais precisamente desde que nos conhecemos nos Serões Literários das Cortes, que tenho dado comigo a constatar que a poesia de Carlos Lopes Pires é, também para mim, algo de transcendente, que nos transmite uma sensação complexa de simplicidade com que devemos encarar os vários aspectos e momentos da nossa vida.
Ao lermos os seus poemas somos transportados para uma dimensão que não julgava tão acessível ao comum dos mortais.
Quando se fala de Poesia poderemos, talvez, encará-la sob três aspectos:
1) O autor, acima de tudo, escreve, observando regras quase matemáticas de métrica e rima;
2) O objectivo do que se escreve é passar uma mensagem de eloquência e de cultura primorosa em todas as áreas do saber e do estar, na literatura inclusive;
3) Um poema não tem de obedecer a nenhuma forma específica nem abordar temas e questões concretas, explicitando ao leitor o que se julga que ele deverá interpretar da linha de pensamento do seu autor.
Parece-me cristalino que a poesia de Carlos Lopes Pires só pode ser enquadrada no ponto 3 anterior, ainda que ele não precise que lhe seja atribuído nenhum rótulo. A Poesia para Carlos Pires é precisamente aquilo que nos tem deixado ao longo dos anos, e, particularmente neste seu 26º livro publicado, “aquele que não ouvirás mais”.
Não quero nem me devo alongar nesta minha singela intervenção, mas não podia deixar de referir aqui e agora dois pormenores decisivos que poderão justificar o tempo que vos estou a tomar.
Assim:
Todos nós temos altos e baixos no entusiasmo como encaramos a leitura e apreciação do que se vai escrevendo na área da Poesia. Acontece até que frequentemente nos inquirimos sobre o que é de facto a Poesia de que tanto se fala ultimamente. A verdade é que muito se está a escrever a pretexto de que se trata de poesia e ficamos naquela indecisão de sabermos se a poesia é ou poderá via a ser, algum dia, enquadrável num formato dito literário. Devemos integrar a Poesia na Literatura, nos precisos termos em que tradicionalmente esta se entrincheira?
É dos compêndios académicos e da tradição clássica que a poesia é a mais antiga das formas literárias. No entanto não será a Poesia muito mais que uma forma por que a Literatura se manifesta? Não deveremos nós alargar a ideia de Poesia para além do mero uso da palavra com que se constroem textos literários?
-
Está à vista de quem me estiver a ouvir que eu não sou a pessoa indicada para dissecar esta questão.
Permitam-me, no entanto, evocar algumas reflexões que o nosso querido amigo e poeta Carlos Pires já deixou escritas e à nossa disposição.
Diz Carlos Pires num seu texto de 2017 acerca de Poesia, começando pelo título: Poesia: a revelação iluminada.
Prosseguindo: “A poesia diz o que não pode ser dito, revela o segredo e, embora este escape, a poesia  deixa no Mundo e no Outro a marca desse segredo e desse mistério.”
“Por ser um olhar de espanto iluminado ele é e traduz no poeta esse estado de encantamento, talvez de epifania ou simplesmente de revelação iluminada. É por isso que toda a poesia tende para o misticismo (ou religiosidade ou transcendência). Em grande medida creio que a poesia pode ser entendida como um diálogo, uma ligação com o Universo.”

Há que ler com atenção este texto.

Tenho que o dizer agora, não me considero um poeta na acepção tradicional/convencional do termo, mas estou a dar comigo a ensaiar a escrita de poesia – pretensiosamente, talvez – sentindo que a mensagem de Carlos Lopes Pires me está a cativar sobremaneira.
O seu estilo e forma de encarar o Homem/Natureza integrado no todo Universal estão a conseguir ser, para mim, como que uma trave mestra do edifício poético que eu imagino.
Por isso mesmo já me habituei a admitir a sua dimensão de Mestre e a minha qualidade de mero discípulo aprendiz.

Era só isto que eu queria dizer, que me sinto como que a palmilhar a luz rumo ao indefinido e com a intenção de aproveitar os anos que me poderão restar de ser terrestre para continuar com os meus ensaios poéticos nas abertas do tempo e do espaço em que me for possível situar.

Obrigado, Carlos, pela Mensagem que nos estás a conseguir transmitir duma forma decidida e contundente sob o rótulo da complexa e aparente brevidade do teu discurso poético.

Leiria, Museu do Papel e/ou Casa do Zé-Pato (S. Romão), em 23 de Março de 2019
António d´Almeida Nunes

(caro leitor perdido por este sítio incógnito. Pode ser que tenha curiosidade em espreitar:
https://poesiadumaprendiz.blogspot.com/ )

2020/03/15

in blogue "O Diário dum Jardim"

As últimas plantas/flores que foram plantadas no meu Jardim.
Também serve para deixar aqui uma referência a este meu outro blogue, um outro dos velhinhos que ainda tenho activos:




Acerca desta planta:





2020/02/24

Um poema de Carlos Lopes Pires no meu 73º aniversário: uma honra

in Facebook:

hoje é o aniversário do meu amigo antónio nunes

estas
são as coisas que nos faltam
antónio
as nuvens
e a chuva que nos toca
sem nunca ficar em nós
assim como o azul do céu
que nunca nos pertence
e não nos pertencem as casas
os corredores ou as portas
entreabertas
as sombras que por lá andam
e se misturam connosco
onde só há ausências
já agora
também não nos pertencem
as flores
nem os dias de praia
avós pais tios filhos netos
os amigos ou as mulheres
que amámos
à espera
que um dia
tudo nos pertença

-
comentário no FB:
António DAlmeida Nunes Um grande abraço, Carlos. A vida é o inexplicável mas que nós julgamos ser algo que nos pertence por direito próprio. Quem sabe se não temos razão. Afinal nós estamos na vida. digo eu...