2010/02/02

REPÚBLICA: a luta pelas Bandeiras




A escolha da Bandeira para simbolizar a Unidade Nacional em torno do ideário Republicano do 5 de Outubro de 1910 assumiu contornos bastante controversos em que intervieram personalidades do mais alto gabarito e que, mesmo assim, não se resumiu a uma questão meramente académica ou literária.
Nesta querela envolveram-se poetas como Guerra Junqueiro, Afonso Lopes Vieira, Bernardo de Passos, Alexandre Fontes e outros ilustres homens de letras, professores universitários, ideólogos e jornalistas com arreganhos de polémicas furiosas (Bruno, Lopes de Mendonça, Abel Botelho, Teófilo Braga, etc.), políticos (Machado Santos) e artistas apolíticos como Columbano.
A polémica que mais se popularizou foi a que se travou entre Junqueiro, em defesa das cores azul e branca e Teófilo a favor do conjunto verde-rubro.

Esta questão que, aparentemente, se poderia apresentar como uma simples guerra do alecrim e da manjerona, acabou por se enredar em infinitas argumentações, tendo prevalecido a ideia mítico-simbólica do verde-rubro, de conformidade com a deliberação da comissão oficial da nova bandeira da República Portuguesa composta por cinco vogais. O relatório desta deliberação foi confiado ao general Abel Acácio, também conhecido por Abel Botelho.
Este relatório é merecedor duma leitura atenta já que é neste documento que se justificam as razões da escolha do bicromatismo verde-rubro e se faz o apelo para uma interpretação ideológica e psicológica da Bandeira que viria a ficar até ao presente como o símbolo de Portugal como Nação Republicana. Neste relatório ficaram registadas as justificações das escolhas dos símbolos que compõem toda a bandeira. Foi aprovado por unanimidade em reunião de 15 de Novembro de 1910.

Em muitas ocasiões mais controversas levantou-se a pertinente questão de se não ter feito um plebiscito popular para se escolher a Bandeira da República Portuguesa.

Este ano de 2010 decorrem as comemorações do Centenário da República, durante as quais se vão gastar 50 milhões de Euros. Dado o actual estado precário das contas Públicas do Estado Português não se devia ter optado por um programa comemorativo menos dispendioso? Penso que sim. Até porque é dos parcos haveres de cada Português que sai a colecta para fazer face a estas comemorações que a todos nós dizem directamente respeito...

Apesar de tudo, VIVA A REPÚBLICA!

-

Para mais e mais profundos estudos sobre este tema pode ler-se o Vol. X da "História de Portugal - Dos tempos Pré-Históricos aos nossos dias", Coordenação de João Medina, ediclube, págs. 164 e outras.

Posted by Picasa

3 comentários:

Justine disse...

Tens razão, eu até acho que bastava fazer cumprir os valores republicanos e democráticos - seriam as comemorações certas!
(a valsa, deliciosa:)) - e obrigada pela tua visita)

Lídia Borges disse...

De facto somos um povo de difícil interpretação.
Existe uma crise económica, mas só em certos sectores de actividade porque noutros tudo é possível e admissível. Projectos megalómanos "inadiáveis" comemorações a fazer lembrar que afinal até há "tempos de vacas gordas" neste país tão magro...
Começamos a ter dificuldades em conhecer o rosto à Verdade.

L.B.

Antônio Lídio Gomes disse...

NUNES, É SEMPRE GRATIFICANTE, CONHECERMOS SEMPRE MAIS, PRINCIPALMENTE EM SE TRATANDO DA NAÇÃO LUSA, NOSSO BERÇO.
MAS TEU ARTIGO, ME FAZ LEMBRAR A QUERELA SOBRE AS MUDANÇAS DE REGRAS NA ORTOGRAFIA ENTRE OS PAÍSES LUSÓFONOS.
A POLÊMICA SOBRE TAIS MUDANÇAS, NÃO TEM UMA SEMELHANÇA COM A ADOÇÃO DA BANDEIRA PORTUGUESA NA ÉPOCA?
FICA AÍ UMA SUGESTÃO PARA SER ABORDADO EM TEU BLOG, E QUE GOSTARIA IMENSAMENTE DE ACOMPANHAR.