2010/04/21

Fernando Pinto do Amaral - Breve resenha biográfica

(Foto de Rui Gaudêncio - jornal Público)
Tive, recentemente, o privilégio de ser introduzido num grupo de pessoas que se dedicam à poesia e à literatura em geral e que irradia a sua actividade a partir da Biblioteca Municipal de Alcanena.
A minha formação académica de base teve como objectivo primeiro preparar-me para trabalhar nas áreas da contabilidade e da gestão de empresas. Ainda que naquele tempo - anos 60 - o plano curricular de cursos mais virados para as ciências disponibilizasse uma razoável dose de conhecimentos de cultura geral, designadamente na esfera dos temas sobre a Literatura Portuguesa. Não admirará, portanto, que não poucas vezes, me possa sentir demasiado exposto à crítica dos leitores deste blogue, ao me permitir tornar públicas as minhas deambulações pelas mais variadas áreas da Literatura e das Artes em geral e dos seus actores, como sejam os escritores consagrados e os que, de alguma forma, me possam cativar com os seus trabalhos e pela sua sensibilidade. Decerto que me entenderão e me perdoarão as mais que possíveis insuficiências que irei manifestando, inevitavelmente. Afinal, venho para este meu blogue, escrever para aprender. E partilhar o que vou constatando...

Por consenso, mas a sugestão do Dr. Óscar Martins, coordenador do grupo em questão e Director da Biblioteca Muncipal de Alcanena, ficou assente que proximamente se iria analisar a vida e obra literária de Fernando Pinto do Amaral, actualmente comissário do Plano Nacional de Leitura (desde Dezembro de 2009).
Fernando Pinto do Amaral nasceu em Lisboa a 12 de Maio de 1960 e é poeta, crítico literário e professor da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (desde 1987).
É doutor em Literatura Românica.

A sua obra literária na área da tradução já lhe valeu o Prémio do Pen Club e o Prémio da Associação Portuguesa de Tradutores, com o trabalho “As Flores do Mal”, de Baudelaire.

De entre as publicações que constam do seu curriculum poderei referir (por as ter consultado ainda que muito superficialmente, tenho que o admitir):
Um Século de Poesia, edição especial da revista “A Phala”, Dezembro de 1988 (Como membro do grupo organizador);
- Acédia (1990, Poesia);
- O Mosaico Fluido – Modernidade e Pós-Modernidade na Poesia Portuguesa Mais Recente (1991, Prémio de Ensaio Pen Club);
- Na Órbita de Saturno (1992, Ensaio);
- A Luz da Madrugada (2007, Poesia).

Em Fevereiro de 2008 recebeu, em Madrid, o Prémio Goya, na categoria de Melhor Canção Original pelo seu Fado da Saudade, interpretado por Carlos do Carmo no filme Fados, de Carlos Saura.

Do que li de Fernando Pinto do Amaral apreciei sobremaneira o texto da sua introdução do Ensaio “Na Órbita de Saturno”.

-
Porque terá sido que a minha atenção se fixou neste poema escrito na pág. 41 de Acédia?:

SOLDADOS

Sentiu a mão de um amigo tocar-lhe
no ombro. Sob o peso
do sol
cintilavam as águas do rio.

Não fora ainda o último silêncio
a agonia de termos escutado
as aves de África. Porquê
olhar o azul? Entre duas palmeiras
passou uma nuvem, dizemos
adeus.


-
Posted by Picasa

4 comentários:

as-nunes disse...

Amanhã é o Dia do Livro.

Voltarei a colocar aqui um post a falar sobre Fernando Pinto do Amaral.

Agora que o estou a começar a conhecer um pouco melhor sinto-me cada vez mais um entusiasta do seu trabalho literário.

Antônio Lídio Gomes disse...

"Porquê olhar o azul? Entre duas palmeiras
passou uma nuvem, dizemos
adeus"
Amigo, falo o que senti:
SUBLIME!
Abraços afetuosos.

Alda M. Maia disse...

Como está, António?

Mas nesses anos, o 5.º ano dos liceus já nos proporcionava uma cultura geral bem mais sólida e alargada daquela que é hoje ministrada a alunos do secundário.

Tínhamos nós cérebros mais ágeis ou, nos estudos actuais, o facilitismo está a desenfornar ignorantes com licenciatura?

Não respondi ao comentário que gentilmente deixou no meu blogue, porque me reservei de lho agradecer aqui.
Que aproveitem plenamente - agora com mais tempo disponível para actividades como a que descreve - essa bem merecida reforma.

Não seja modesto. Tem dado informações sobre autores que eu desconhecia – disso estou-lhe grata.

Um grande abraço e um beijinho à Zaida.
Ah! Uma sugestão: pensem numa viagem até Turim. Quanta coisa linda veriam! A começar pelo Museu Egípcio que é um dos mais importantes do mundo

Alda

arte por um canudo 2 disse...

Neste dia internacional do livro, presto-te homenagem pelo que fazes na divulgação dos seus autores. Gr. abraço amigo e continua a fazeres o que mais gostas.