2013/03/31

É dia de Páscoa... e chove e chove e chove...


Do lado de lá, as Cortes...



CHUVA

Chove uma grossa chuva inesperada,
Que a tarde não pediu mas agradece.
Chove na rua, já de si molhada
Duma vida que é chuva e não parece.

Chove, grossa e constante,
Uma paz que há-de ser
Uma gota invisível e distante
Na janela, a escorrer...

Miguel Torga, Diário II, 1943

-

chove muito e há muitos dias
os rios e barragens já estão 
a transbordar
talvez porque nós próprios
já andamos a meter água
há demasiado tempo...

4 comentários:

Catarina disse...

Um membro da minha família vai passar umas semanas agora em abril, em Portugal; Algarve e uns dias pelas lindas pousadas do norte. Esperemos que pare de chover amanhã!!!
Aqui não está a chover mas a paisagem está cinzenta; céu nublado, não faz sol (são 8:15), não há uma simples folha nas árvores, a relva continua castanha... Que haja primavera no nosso lar! É domingo de Páscoa!
Abraço : )

Rosa dos Ventos disse...

Não me lembro de uma Páscoa assim...
Já estamos a ficar fartos!
Miguel Torga tem sempre um poema à nossa espera...

Abraço

Rogério Pereira disse...

Chove...

Mas isso que importa!,
se estou aqui abrigado nesta porta
a ouvir a chuva que cai do céu
uma melodia de silêncio
que ninguém mais ouve
senão eu?

Chove...

Mas é do destino
de quem ama
ouvir um violino
até na lama.

José Gomes Ferreira

lis disse...

E e´tão especial ficar da janela a olhar a chuva que molha os fios os telhados as plantas o mundo... rs
Gosto muito!