2010/03/21

POESIA MIMOSA...

No Centro de Portugal, no lugar de Orgens, como resistir a fotografar este belo efeito? Uma Mimosa a recortar-se numa moradia pintada com cores em tom de amarelo, arredores de Viseu ainda campestres!...
...
Mimosa flor de poesia ramos de um sol perfumado
Dando inicio à primavera desabrocha toda em flor
Como rimas de um poema de um verso tão amado 

Daqueles que fazem chorar ninfas musas de amor
...
( Retirado daqui:  "Mural dos Escritores"; de que passarei a fazer parte a partir de hoje se for aprovada a minha candidatura. Talvez pretensão demasiada, a minha!)

Da janela do meu quarto...todos os dias observo as alterações que o Homem e a Natureza vão provocando nesta idílica paisagem rural...
Mesmo no limite da chamada zona urbana da cidade de Leiria, freguesia da Barreira.
No Adro da Sé de Leiria, num dos próximos passados maravilhosos dias de Sol...
Dá-se o caso singular de, precisamente hoje, a Carolina, ter comemorado 3 aninhos...
Quando esta foto foi tirada, não pensava usá-la num post deste blogue. Mas, vejam a coincidência, talvez algo telúrica: na casa com frontaria de azulejos azuis nasceu em 1863 o grande poeta Acácio de Paiva. Nesta foto podem ver-se a sua sobrinha-neta, Zaida (*), acompanhada de uma sua neta. 
 (clic nas fotos para ampliar)
"...Não.  O poeta procura dialogar com o seu leitor como se em verdadese encontrassem juntos num colóquio ou numa tertúlia de amigos:
... ... ... ... ... ...
Crede: - Leiria é digna de visita.
Não exibe a riqueza deslumbrante
Que cega e oprime, que entontece e grita,
E chega a amedrontar o viandante...
Mas é... como direi?... bem comparada...
         Uma Cidade-Flor!
         É pequenina:
- Mas tão airosa, amável, perfumada,
Como gentil grinalda de menina!
... "
Ler "ACÁCIO DE PAIVA - Um Crédulo Perdulário", de Américo Cortez Pinto, 1968 + Mais informação se pode obter usando no motor de busca deste próprio blogue :"Acácio de Paiva".
(*) Com poesia publicada e muita mais escrita. Talvez que a veia poética de seu tio-avô tenha chegado à sua própria veia, pelo éter, através do Tempo!...
Posted by Picasa

5 comentários:

Anónimo disse...

A prosa e a poesia de um coração enternecido com os anos, adocicado pelos sofrimentos, aprende a contemplar emocionado cada vez que a vida nos dá a lição da renovação. Entendida por aqueles que muito superaram com humildade e mansidão, silenciosa, ela continua o caminho natural, sem precisar do homem, que a transtorna.

Sergio
Fátima

Antônio Lídio Gomes disse...

Como não entrar em sintonia com a simplicidade extravagante da Mãe Natureza?
Pois eu não resisto à esses encantadores poemas campestres, que brotam da alma do ilustre poeta!
Abraços deste teu leitor.

Alda M. Maia disse...

Bem quis ver o rosto da netinha, mas, pelos vistos, não gosta de olhar a objectiva. Tem de colocar aqui outra foto.
Um beijinho à avó e neta.
Alda

AFRICA EM POESIA disse...

Meu amigo
Vim agradecer a visita ao meu blogg no dia do Pai.
senti que na saudade estamos...juntos...


Um beijo meu amigo

as-nunes disse...

Alda

A Carolina é muito senhora do seu nariz. Apesar dos seus 3 anitos não é fácil "dobrá-la"...
Obrigado pela sua visita a este sítio...


Africa em Poesia

Quando me falam ou simplesmente sugerem Àfrica, vem-me logo ao sentimento, aquele cheirinho a acácias em flor, à terra vermelha depois duma chuvada daquelas que parecem dilúvios, do calor...

-
Beijos de muita amizade
António