2010/09/22

Outono com Fernando Pessoa

Trabalho original em

CANÇÃO DE
..... OUTONO

No entardecer da terra,
O sopro do longo outono
Amareleceu o chão.
Um vago vento erra,
Como um sonho mau num sono,
Na lívida solidão.


Soergue as folhas, e pousa
As folhas volve e revolve
Esvai-se ainda outra vez.
Mas a folha não repousa
E o vento lívido volve
E expira na lividez.


Eu já não sou quem era;
O que eu sonhei, morri-o;
E mesmo o que hoje sou
Amanhã direi: quem dera
Volver a sê-lo! mais frio.
O vento vago voltou.

1910
Fernando Pessoa (1888-1935)
Poema publicado em 1922
no Semanário "Ilustração Portuguesa"
nº 833
-
(Neste Outono de 2010,  ano do 75º aniversário da  sua morte...)

Posted by Picasa

8 comentários:

Paulo Roberto Wovst Leite disse...

Poeta eterno,
maravilha de postagem...
abraços,
Paulo.

Luís Coelho disse...

Ler e reler estes poemas nos enche de uma paz maravilhosa.
Parece haver música em cada palavra.
Desejo a continuação de uma boa semana.

Teresa Fidalgo disse...

Lindíssimo poema e original trabalho!

Excelente postagem...

Graça Pires disse...

Obrigada por nos dar a ler, aqui, Fernando Pessoa.
Beijos.

Ana Ramon disse...

Depois de uma grande ausência, cá estou a tentar recuperar o ritmo antigo de quando trabalhava no meu blogue. Mas também a dar início às visitas aos amigos com quem deixei de privar aqui.
Vejo que o seu trabalho não esmoreceu... antes pelo contrário, o que me dá uma grande satisfação.
Que continue tão activo como tem vindo a ser. Um beijinho e até breve

ANA PAULA disse...

Uma escolha perfeita para qualquer estação do ano.
Lindo Fernando Pessoa, sempre...
Obrigada....Beijinhos!!!

carol disse...

Muito bonito! Muito bem escolhido. E o trabalho em madeira é um espanto!
Parabéns!
Beijo.

Flor disse...

Maravilhoso!