2010/10/29

Presidencialismo? Parlamentarismo?... Entretanto chove em Portugal!

Barreira - Leiria
Largo do Papa (Largo 5 de Outubro de 1910) - Leiria
Largo da Sé/Rua D. Sancho I - Leiria
-
O ambiente carregado, cidade quase deserta, o que é do movimento intenso do Centro Histórico de Leiria de outros tempos?, pensamentos sombrios, o País suspenso da aprovação ou não do Orçamento do Estado para 2011, os portugueses a verem a vida a andar para trás...
passei pelo blogue do Clube dos Pensadores e desabafei:

Bom dia, de chuva!...água por todos os lados...Até as sondagens auguram água, muita água. Que nos vai chegar até ao nariz. E vamos lá a ver como é que todo este cenário esquisito em que somos personagens participantes vai acabar.
Não acredito na solução de se entregar o Governo ao PSD sozinho. Até pelos antecedentes que já experimentámos. Também não vejo solução num outro Governo que possa sair da actual ou da expectável composição da Assembleia da República.
Ou seja, estou descrente do actual sistema político!
Que fazer, então?
Um Governo de iniciativa Presidencial com o compromisso dos partidos políticos com assento na Assembleia da República o não derrubarem sem a aquiescência do PR? Ou seja, os partidos concederiam uma moratória até às próximas eleições, a um Governo de Salvação Nacional. Seguir-se-iam, num prazo máximo de 2 anos:
1- Revisão da Constituição;
2- Eleições gerais.
Está visto que chegados a esta fase da vida colectiva, em que inevitavelmente, têm que ser tomadas medidas drásticas, anti-populares, todos nós estrebuchamos, reclamamos, já estamos a prepararmo-nos para ir para a rua, parece não haver solução política que possa sair desta ou duma próxima (com os mesmos actores) Assembleia da República.
É a minha opinião, disse.(com ligeira adaptação)
António Nunes

Sexta-feira, Outubro 29, 2010 11:15:00 AM

Lírico, estarão a pensar!
Talvez!...
Posted by Picasa

5 comentários:

carol disse...

Bom texto e cheio de oportunidade mas cuidado com dizer que não se vê solução - foi assim que apareceu o Salazar e ficou por cá 48 anos!!!
Mas do que eu gosto mais no seu trabalho de hoje é da fotografia do gato! Como eles odeiam chuva! E eu também... deve ser a minha tendência felina...
Beijinhos.

relogio.de.corda disse...

É verdade os gatos não gostam nada de chuva e eu também não!
Quanto ao estado da nação, não ouvi nem li notícias hoje, mas não se vislumbra coisa boa, com ou sem aprovação do orçamento. A coisa parece de facto, negra!

as-nunes disse...

Entretanto, o candidato a PR para novo mandato, Cavaco Silva, abriu um precedente, e fez uma comunicação ao País através dos media, não dizendo "nada", como aliás não seria de esperar outra coisa.
Os partidos que podem formar uma maioria no Parlamento para aprovar o Orçamento é que têm que chegar a um acordo. Em primeira instância, teremos o PS e o PSD. Mas também se conseguia uma maioria com o PS, o BE, o PCP e o CDS, mesmo com abstenções. Lirismo, outra vez?! Apesar da extrema gravidade da situação.
Bem, esperemos que os snrs. chefes do PS e do PSD se entendam, que, parece mais que evidente, o OE 2011 tem de ser aprovado, mau grado a grande encrenca em que vamos ficar metidos. Ou antes, já estamos metidos!
-
O IVO, o meu gato da foto, nem sequer se dignou olhar para a objectiva, tão preocupado estava ele com a chuva que batia na vidraça!...

O tempo está mesmo a condizer com a actualidade político/económica deste malfadado país!...

Que bom seria que o nosso país mudasse para melhor à medida das probabilidades de melhoria próxima do tempo meteorológico!

Luís Coelho disse...

Olá Nunes
Gostei de ler aqui os teus pensamentos. Por melhor governo que possa vir nenhum nos vai livrar deste grande buraco onde nos meteram.
Pergunto ???
Que andaram todos eles a fazer???
Estávamos tão bem que até ofereceu uns milhões à Grécia e ninguém disse nada.
Optou por falsear todas as estatísticas e ninguém disse nada.
Então por começam agora a por-se nos bicos dos pés?
Quem nunca se engana e raramente tem dúvidas o que é que andou a fazer??
...e mais não digo...

carol disse...

E já disse tudo, Luís Coelho... E o que é que vai lá andar a fazer mais cinco anos? A envergonhar-nos, de tão "parolo"!