2012/03/11

Subjetividade e objetividade na linha do pêndulo


TARDE


Um pássaro de luz brinca nos teus olhos
Adormecidos sobre a relva
Enquanto para além do crivo da folhagem
Pequenos sons arranham o silêncio.


Sobre a base da nora ferrugenta
Ouço a meu lado o escorrer do rio.


O vento desliza ao de leve sobre o trigo...
E tudo isto seria uma bucólica
Perfeita tarde de domingo
Se não me viesse a mágica sensação
De que o rio era sangue e eu te perdera.


Egito Gonçalves
Antologia Poética 1950-1990
O Pêndulo Afectivo


(poeta em estudo este mês, pelo Grupo de Poetas de Alcanena na
Biblioteca Municipal)

1 comentário:

Rogério Pereira disse...

Tarde
poema que a fere
esquecendo eu o verso
"O vento desliza ao de leve sobre o trigo..."

Ah, sobressai
sobre a tarde
o desfocado casario
e a igreja ao cimo
secundada por um ramo
que se afirma