2013/07/14

Zaida, hoje e sempre

A Zaida em Março de 2013 - tertúlia no Soutocico

Amor para sempre

Uma ideia tenho minha
Encantos de juventude
Uma amora madurinha
É esta a nossa virtude

Um amor de longa vida
Zaida é o teu nome
Uma vida assim sentida
Primavera que não some

Versos estes no momento
Falam d’amor para sempre
Com o eterno pensamento
Em ti tão bem presente

Poema com rima vertida
Pudera eu te escrever
Do amor da minha vida
Com a força do meu ser

 António,

Leiria, 21 de Março de 2010

Hoje escrevia o mesmo...
(encontrei este poema numa pen. Antigamente dizia-se, encontrei estas linhas escritas nuns papéis atirados para dentro duma gaveta... sem fundo.)

@as-nunes

6 comentários:

quem és, que fazes aqui? disse...


Que linda declaração!Parabéns!

Beijinho para a Zaida e para si.

Laura

Rosa dos Ventos disse...

Que bonita declaração de amor eterno!

Abraço

as-nunes disse...

Muito obrigado, queridas amigas!

Anónimo disse...

Que saudável e linda mensagem de um amor que se adivinha eterno e vai escasseando nestes dias tão consumidos pelas pressas,pelos impulsos,pelas atitudes tornadas irreversíveis,pelos egoísmos,pelas desatenções.
Viva pois,Sr.as-nunes!
Kinkas

RAQUEL MARK disse...

Muito bonito e inspirador! O verdadeiro sentido da vida é este. Simplicidade, amor e ternura. Saber cuidar e fazer crescer o amor nas suas diversas dimensões é a sabedoria que a vida nos traz...Muitos parabéns pelo caminho trilhado e por aquele que ainda estará por desbravar...! ;-) cumprimentos, RM.

as-nunes disse...

Continuo sem capacidade de gestão do tempo...

O que se passará com o meu tempo?!...

...

Mais um abraço de amizade, para a Kinkas (não precisa de se sentir na necessidade de me tratar por Sr. ficava-lhe mesmo muito grato conseguir tratar-me só pelo nome próprio)
e para a minha recente amiga Raquel Mark,

obrigado pelas vossas palavras ... o que nos faz falta é um pouco mais de humanismo.
Humanismo, sim, afinal é desse sentido do humano que o Homem precisa!

António