2017/02/18

Rememorando Acácio de Paiva - organização da Biblioteca Municipal de Leiria -11 fevereiro de 2017


Começou-se no Largo da Sé, em Leiria, em frente à casa onde nasceu Acácio de Paiva, a conhecida "Pharmácia de Leonardo da Guarda e Paiva".
David Telles disse poemas de Acácio de Paiva.
Na fotografia do meio podem ver-se: Constância e Filomena Paiva (netas de Acácio de Paiva) e de óculos escuros a Zaida Paiva Nunes (sobrinha neta).
Só um lamento da minha parte: a sra. bibliotecária esqueceu-se do livro de que eu escrevi sobre Acácio de Paiva. Pura e simplesmente. E só se falou dele porque a minha prima, Filomena, chamou a atenção para essa falha. Lamento a desatenção. Ao menos referi-lo...
O livro é este:
Editado com o apoio da então Junta de Freguesia de Leiria, de que era Presidente a Dra. Laura Esperança. Foi em 2013. A reportagem possível sobre a apresentação desse livro pode ser vista seguindo este link.
O livro é de distribuição gratuita. 
-
A reportagem fotográfica deste evento pode ser admirada aqui
https://www.facebook.com/media/set/?set=a.1300836956622059.1073742082.183312168374549&type=3


Uma das fotos da reportagem, na Biblioteca Municipal de Leiria, junto ao mostruário dos livros e documentos que se referiam a Acácio de Paiva. Quase todos.........
Podem-se ver, na parte direita da foto, as netas de Acácio de Paiva: Constância e Filomena Paiva.

2017/02/07

Uma nova (des)ORDEM Mundial ?! Não é confundindo os muçulmanos em geral com o fundamentalismo islamita que se conseguirá algum dia erradicar tanto ódio no relacionamento entre os povos.


Em modo DISPERSO…  (XXX)

Uma nova (des)ORDEM MUNDIAL?!

Nos últimos dias, imediatamente após a tomada de posse de Donald Trump, como presidente dos Estados Unidos, estamos a ser surpreendidos – porque nunca imaginámos que este sr. levasse a sua extravagante retórica eleitoral à prática – com notícias chocantes e altamente comprometedoras para todo o Planeta.
No momento em que estou a escrever esta crónica tenho à minha frente o seguinte título de jornal: “Sírios devolvidos a Damasco depois de 13 anos à espera para ir viver nos EUA”. A reportagem informa que estes seis Sírios são cristãos. Ou seja, está em causa ser-se de nacionalidade de um dos sete países de maioria muçulmana, Iraque, Síria, Irão, Sudão, Líbia, Somália e Iémen, independentemente da religião que professem.
Quem conhecer a História das religiões monoteístas do mundo, originárias do Médio Oriente, e a forma como o fundamentalismo Islâmico tem sido motivo de sangrentos atentados e assassínios  a sangue frio perpetrados em nome de Alá, poderá tentar perceber o alcance desta medida drástica e, da mesma forma, radical. Mas não é confundindo os muçulmanos  em geral com o fundamentalismo islamita que se conseguirá algum dia erradicar tanto ódio no relacionamento entre os povos.
É natural que as pessoas se perguntem das razões que levam Trump a reagir tão brutalmente na sua investida anti muçulmana. Do estudo da História das religiões que têm estado no cerne dos confrontos religiosos e xenófogos que têm vindo a assolar todo o mundo pode-se inferir que há memórias que afetam doentiamente muitas mentes:
1-    Jerusalém é sagrada para os judeus desde que o Rei David a proclamou como sua capital no século X ac e para os Cristãos desde as referências que lhe são feitas no Antigo Testamento mas também pelo seu significado na vida de Jesus (Cristo foi crucificado no monte Gógota e é em Jerusalém que se encontra o Santo Sepulcro);
2-    Quando Maomé fundou uma nova religião nos anos 600 que ficou conhecida como o Islão já o Judaísmo e o Cristianismo tinham muitos seguidores, particularmente nas zonas do Médio Oriente;
3-    Maomé acabou por entrar em confronto violento com os Judeus e os Cristãos, do que resultou muita mortandade. O Islão entrou numa fase expansionista e os Cristãos e os Judeus passaram a ser perseguidos. É destes tempos que vem a invenção da estrela amarela cosida nas vestes dos Judeus para os identificar ao caminharem pelas ruas das cidades dominadas pelos islamitas. Estava-se no séc. 9 DC e quem teve essa ideia “brilhante” foi o Califa do Iraque “Al-Mutawakkil Al-Iraq” (ao contrário da ideia que ficou da II Guerra Mundial e do holocausto nazi sobre os judeus);
4-    Os Judeus e os Cristãos eram considerados cidadãos de segunda classe, os “Dhimmi” e só podiam adquirir o direito à vida  se pagassem a “jizya” (taxa de proteção) ou se se convertessem ao Islão;
5-    Os homens cristãos recebiam um “zunnar” (cinto). Será dessa época que ficou o hábito de usar o cinto?;
6-    O Islão conquistou Jerusalém e a esta cidade também o Islamismo ficou ligado pelo facto de lá ter sido o local (monte do Templo) em que Maomé ascendeu ao Paraíso para se encontrar com os Profetas anteriores ao Islão. Esta crença dos muçulmanos ficou conhecida pela “Noite da Ascenção” e ficou registada como tendo acontecido em 620 d.C.;
7-    O expansionismo islâmico só foi travado em 11 de setembro de 1683, às portas de Viena, sendo que este dia acabou por se transformar num símbolo de vingança dos islamitas radicais. Não terá sido por mero acaso que Bin Laden organizou o famigerado ataque às Torres gémeas de Nova Yorque para ocorrer precisamente num 11 de setembro (2011);
8-    Em 3 de março de 1924, a dissolução do califado e a expulsão dos representantes da última dinastia pela Assembleia da Turquia, determinaram o fim dum ciclo de 600 anos de poder do Império Otomano. Assim se encerrou um período da história mundial que tanto influenciou a geografia política, religiosa e social no Oriente e  na Europa.
Entre as principais reformas que garantiram a ocidentalização da Turquia há que ressaltar: a concessão de direitos às mulheres, a adoção da escrita romana, do calendário gregoriano e do costume ocidental do sobrenome. Em 1926, aboliu-se também a poligamia.
Quer dizer, o Califado Islâmico existiu durante 1.400 anos tendo sido extinto há menos de 100 anos, portanto. Daí a tensão reinante em resultado de todas as convulsões que têm sido originadas pela pretensão extremista de radicais ultra-ortodoxos islamitas ao se lançarem na aventura da recriação dum Estado Islâmico (EI/IS).
É necessário e urgente educar as populações sobre a história do mundo. Infelizmente, o que se constata é que as novas gerações estão muito mal preparadas para enfrentar/compreender determinados fenómenos, como este das guerras e assassínios bárbaros praticados pelo autoproclamado  Estado Eslâmico. E não se descure também o conhecimento de todos os outros holocaustos que tiveram lugar à sombra das várias religiões e nacionalismos exacerbados. Em última análise o que está em causa é a tentativa do domínio dos pontos estratégicos do globo do ponto de vista da Economia usando a ignorância e apatia das populações.

(Não resisti e escrevi esta crónica)
António Almeida Santos Nunes



2017/02/01

Eu como reflexo do meu avô materno




Há dias,
Fátima, Santuário
Paz, aparente ou não, Paz
Amém
...
A minha mãe olha-me e diz
como és parecido com o teu avô
não diz expressamente - o meu pai -
eu já sei que é a ele que se refere
não tenho nenhuma foto desse meu avô
pelos vistos não será preciso
a minha serve...
olho-me nesta foto
como estou a ficar parecido
com a minha mãe
os sinais na cara são os dela
os olhos não, esses são do
meu avô...
Gostava de te ter conhecido avô
só me lembro do ambiente
soturno e melancólico
do dia em que tu morreste...
mais nada ...

fev2016
as-nunes

--------
nota:
O meu avô materno chamava-se Aurélio Gonçalves, segundo está a deixar escrito o meu pai.




2017/01/21

José da Silva Fabião. Recordando uma vida dedicada à fotografia de e sobre Leiria. No dia da sua morte

(clic para ampliar e ler)

In "Região de Leiria" de 31-12-2008
Estou a republicar todos os registos que fui deixando nos meus vários blogues.
Este está no original publicado aqui  . 
Neste dia em que o Snr. Fabião nos deixou e vai a caminho das estrelas...
----

José da Silva Fabião morreu hoje, 21 de Janeiro de 2017.
Esta fotografia foi originalmente publicada no Facebook da sua neta, Sara Fabião, filha do Paulo Fabião.
---
Fotografias e digitalizações publicadas por outro leiriense, também grande amante da fotografia, Fernando Rodrigues, no seu Facebook:




José da Silva Fabião e a sua esposa, em frente ao "Turismo" em Leiria. Há 30 anos atrás, talvez...
---


José Fabião. Partiu o homem que sonhava todos os dias com fotografia


José Fabião deixa-nos aos 97 anos, depois de fotografar até aos 80. O homem que sonhava todos os dias com fotografia parte, mas a sua marca é indelével em Leiria: ele é, e continuará a ser, "o" fotógrafo da cidade.
Em 2015, na última entrevista ao REGIÃO DE LEIRIA, para o projeto "Encontro de gerações", assumiu:
"Eu fui fotógrafo para sempre. Todos os dias sonho com fotografia. É uma coisa horrível, mas é verdade!”.
Em 2015, José Fabião recebeu o Galardão Afonso Lopes Vieira para o prémio Carreira. Para sempre será recordado como "guardião" de imagens e memórias de Leiria.
Deixa um vasto espólio fotográfico, que documenta décadas da vida da Leiria do século XX, e que está entregue aos cuidados do m|i|mo - Museu da Imagem em Movimento de Leiria.

JOSÉ DA SILVA FABIÃO morreu hoje, 21 de janeiro de 2017

VIVER em LEIRIA: JOSÉ DA SILVA FABIÃO - HOMENAGEM AO MÉRITO FOTOGRÁ...: (Foto digtalizada a partir do semanário "A Região de Leiria" de 13 de Outbro de 2006) - José da Silva Fabião, recebeu, na Terça-F...



Este "post" transcrevo-o nesta data, vindo do meu blogue "Viver em Leiria". Em  2006.
Texto que escrevi então naquele blogue:
José da Silva Fabião, recebeu, na Terça-Feira da semana passada, das mãos da Ministra da Cultura, Isabel Pires de Lima, a Medalha de Mérito Cultural pelo seu extraordinário e longo no tempo, trabalho na Arte de bem fotografar todo o género de eventos e, muito particularmente, por se ter transformado num exímio retratista fotográfico, sendo notáveis os seus retoques nos negativos dos tempos da fotografia analógica. Com 85 anos de idade ainda continua a fotografar no seu estúdio. Confidenciou-me há dias, que só desiste da fotografia quando de todo não se sentir em condições físicas. É que apesar da sua proveta idade encontra-se em plena forma.

Parabéns Snr. Fabião.
-
José da Silva Fabião morreu em 21 de janeiro de 2017.
Paz à sua alma. Morreu o homem, ficou a memória da sua vida, do seu caráter, do seu modo de estar na vida, afável, participativo,  o seu trabalho fotográfico, um monumento que o vai perpetuar na memória dos Leirienses.

2017/01/17

POesia (ensaios menores). Dizem que não é poeta quem quer

Foto de António Nunes.


Dizem

Que não é poeta quem quer
Pois eu penso que
Ser poeta é sentir a poesia
Só isso…

Agora apetece-me ser poeta
Apetece-me escrever como
Um poeta
Que já não sabe a idade
Ora se sente jovem e não pensa
Ora pensa antes de escrever
E começa a fazer contas de cabeça

Agora não quero fazer contas
Olho a serra
Aquela linha divisória
D´Aquém e d´Além

A verdade é que essa fronteira
Vê-se
Ali bem em frente
olhando para sudeste
Naquele ponto ínfimo
E no infinito do seu próprio olhar

Como um ´sniper`
Aponto
Preparo-me para disparar

Espero o momento
Mais um pouco de espera
O vento tudo muda
Neste horizonte de janeiro

Agora que já estou a escrever
Olho novamente aquele ponto
Na mira outro momento
A foto fixou outro instante
Um momento irrepetível
Infinitamente intangível
Que me deixou assim
Sensível…

as-nunes
3jan17

2017/01/14

Pintura em Leiria: Mó Hingá expõe pinturas duma vida com temas alusivos a Leiria


Joaquim Santos que apresentou o ato inaugural, a sua neta que organizou a exposição, o sr. Adrião Hingá (pintor) e a D.São, proprietária das lojas São ópticas.

Adrião Hingá (Mó)




Adrião Rodrigues Franco Hingá (MÓ Hingá, como é conhecido entre os amigos), um leiriense que gosta de pintar Leiria.







Artur Franco (outro pintor de Leiria, aguarelista de renome) com Mó Hingá













Fotos retiradas do Facebook de Fernando Rodrigues


2017/01/07

A serra em poema


Dizem

Que não é poeta quem quer
Pois eu penso que
Ser poeta é sentir a poesia
Só isso…

Agora apetece-me ser poeta
Apetece-me escrever como
Um poeta
Que já não sabe a idade
Ora se sente jovem e não pensa
Ora pensa antes de escrever
E começa a fazer contas de cabeça

Agora não quero fazer contas
Olho a serra
Aquela linha divisória
D´Aquém e d´Além

A verdade é que essa fronteira
Vê-se
Ali bem em frente
olhando para sudeste
Naquele ponto ínfimo
E no infinito do seu próprio olhar

Como um ´sniper`
Aponto
Preparo-me para disparar

Espero o momento
Mais um pouco de espera
O vento tudo muda
Neste horizonte de janeiro

Agora que já estou a escrever
Olho novamente aquele ponto
Na mira outro momento
A foto fixou outro instante
Um momento irrepetível
Infinitamente intangível
Que me deixou assim
Sensível…

as-nunes
3jan17

2017/01/01

Poema de Carlos Pires com música de Pedro Jordão, Ilustração de Fílvio Capurso - ser

Tenho a honra e imenso prazer em integrar o Grupo de "Serões Literários das Cortes"desde há, já nem me lembro bem,  quantos anos, talvez mais de cinco.
Hoje, 1 de Janeiro de 2017, lembrei-me de  partilhar este trabalho (no âmbito das ações deste grupo) ensaios literários e/ou artísticos, que lá vamos expondo e conversando.
Estou, neste preciso momento, com pouco tempo para grandes explanações. Vou ser breve. Mas o caso é que é agora ou perco a ocasião.
Comecemos, então, por este trabalho que a seguir se apresenta.


ser


ser generoso apesar
do que foge e alcança

dar à gratidão um nome
que não baste para nomear
o quanto

saber que há janelas
que abrem para o que nunca
entenderás

e tão humilde
vendo a tua sombra envelhecer
diante da luz e das coisas
que te trazem
agora

estrelas água caminhos
sinais e animais do ar

e agora
abre os braços
e sossega

Poema de Carlos Lopes Pires

Ilustração de Fulvio Capurso
Música de Pedro Jordão

-

Este trabalho recebi-o por e-mail, ao qual respondi:



uma ânsia infinita de querer ser
não sei se conseguirei isso algum dia
só sei que é difícil ser

que 2017 que aí vem
vai ser?

as-nunes