2015/01/26

RUI PATO e Francisco Fanhais em Leiria vs problemas de Censura na atualidade...

---


(Vídeo produzido pelo autor do presente Post no dia 24 de Janeiro de 2015, no decorrer da Tertúlia no MiMO em Leiria)

Estive presente na Tertúlia no MiMO, junto ao Castelo de Leiria, em que esteve presente RUI PATO numa altura em que a Administração do «Facebook» fechou a sua conta, por motivos desconhecidos.

"... em 1962, já só a guitarra acústica de Rui Pato se ouvia ao lado da voz de José Afonso, e assim continuaria a ser até 1968. ..." p. 19 do livro de João Carlos Callixto «CANTA, AMIGO, CANTA - NOVA CANÇÃO PORTUGUESA (1960-1974) . Ed. Âncora - 2014 . Por alturas da CENSURA do Facebook de RUI PATO...
-
Também gravei mais este vídeo. A qualidade de produção e do operador de câmara é a de um amador. Mas penso que vale a pena divulgar...



Francisco Fanhais a cantar "Canção de Embalar" (José Afonso). Rui Pato à guitarra.
João Callixto é o autor do livro acima referido.

em edição... ainda (27jan2015)


Gosto · Responder · 9 · 24/1 às 1:10

Jose Leitao Pesquisando....Blogues..... Antes de tudo e de mais, o Rui Pato foi meu companheiro de brincadeiras de infância no Bairro S. José, em Coimbra, futuro Bairro Marechal Carmona, actual Bairro Norton de Matos, no Calhabé.

Por causa dele, cheguei a partir a cabeça do meu irmão mais velho à pedrada.

Rui de Melo Rocha Pato nasceu em Coimbra, no dia 04 de Junho de 1946, filho do jornalista-fotógrafo Rocha Pato, chefe da delegação de Coimbra de "O Primeiro de Janeiro" e, mais tarde, do "Diário Popular".

Pertence à "geração de viragem" da "canção de Coimbra", tendo sido o acompanhante à viola de José Afonso, por escolha deste, na primeira fase da sua carreira na balada, de 1962 a 1969.

Rui Pato tinha apenas 16 anos quando acompanhou José Afonso em "Menino de Oiro", "Tenho Barcos, Tenho Remos", "No Lago Do Breu" e "Senhor Poeta", em 1962.

A dupla com José Afonso foi interrompida pela PIDE em 1970 quando a polícia política impediu que Rui Pato seguisse para Londres para gravar "Traz Outro Amigo Também", na sequência da crise académica de 69.

(Em vão o esperei em Março desse ano em Londres. Em sua substituição foi oBóris, Carlos Correia - nota do signatário).

Rui Pato conheceu José Afonso através do Pai, que era amigo de Zeca. Rocha Pato doou a sua correspondência com Zeca ao Centro de Documentação 25 de Abril, da Universidade de Coimbra.

Numa ida a Coimbra, no início da década de 60, José Afonso mostrou aos amigos um outro tipo de música, sem o "espartilho da guitarra de Coimbra".

Tratava-se de uma grande liberdade rítmica, que necessitava apenas de uns leves acordes de viola para sublinhar o poema que era o mais importante da canção. Coube a Rui Pato executar esses leves acordes de viola.

Mas Rui Pato não se limitou, exclusivamente, a acompanhar José Afonso. Entre 1960 e 1971 foi também um dos principais acompanhantes de Adriano Correia de Oliveira.

Reputado pneumologista, Rui Pato é hoje presidente do conselho de administração do Centro Hospitalar de Coimbra, EPE.

Este ano, surpreendeu os amigos em confraternização na Praia de Miracom uma vibrante interpretação à viola de "Apache", um clássico dos Shadows.

Foi-lhe então perguntado se, à margem de José Afonso, alguma vez espreitou o ié-ié e a guitarra eléctrica, ao que respondeu que chegou a fazer parte de um conjunto, os Beatnicks, que fazia o tradicional percurso dos bailes de estudantes.

Mais recentemente, Rui Pato confessou que já não tem guitarras eléctricas:

Embora já tenha passado na adolescência por outros tipos de guitarras, actualmente não tenho nenhuma eléctrica, nem tão pouco uma acústica. Só tenho guitarras clássicas. Aqui convém esclarecer que a guitarra de Coimbra, a de fado, assim como a guitarra de Lisboa, não têm nada a ver com a guitarra de que estamos a falar.

Estamos a falar de "violas", ou seja, guitarras clássicas. Neste aspecto, uma guitarra clássica só tem alguma categoria se fôr fabricada por especialistas (lutiers), com madeiras raras que estiveram em estufa a secar mais de uma dezena de anos .

Os grandes mestres da sua fabricação são espanhóis (Ramirez, Rubio, etc) , mas existem alguns grandes fabricantes na América do Sul, incluindo o Brasil, onde há fabricantes excepcionais (Di Giorgio).

Claro que existem fabricantes industriais de boas guitarras feitas em série, muito mais baratas, mas... não têm nada a ver...

Tenho actualmente três guitarras (violas): uma Odemira, da fábrica Luso-Espanhola, fabricada em 1967, uma do Luís Filipe Roxo, fabricada em 1980, e uma (a melhor de todas), de um fabricante de Braga , o Jorge Ulisses, feita em 1999.

Quando fôr rico, quero ter uma Ramirez, do modelo topo de gama!

PS - Há precisamente 10 anos - 29 de Setembro de 1998 - recebi uma missiva de Rui Pato, onde referia a nossa amizade de calções nas praças da nossa infância.


Colaboração de Luís Pinheiro de Almeida

2015/01/22

Samuel Maia em referência noutros blogues



Transcrição dum post do amigo José Augusto da Costa Pereira 

por aquimetem, em 22.01.15

          Sempre que se mexe com o arquivo memorial, o seu conteúdo liberta-se da muita ou pouca poeira que com o tempo se vai acumulando sobre as pastas onde são depositadas as memórias vividas ou presenciadas por cada ser humano. Notei isso quando após concluir o post anterior me veio à mete um desejo, já com alguns anos, de consagrar um post ao 1º comentador das Mestas. O tempo foi-se passando, e só agora ao dar uma vista de olhos pelo corpo desse blog, tomei a decisão de não retardar mais. Trata-se de um conterrâneo do escritor Samuel Maia e assim sendo é natural da freguesia de Ribafeita, concelho de Viseu, e muito próxima de São Pedro do Sul. Esta é a conclusão a que cheguei, e não estou enganado, mediante o seu comentário no meu post, quando diz: “…ando precisamente a preparar um post sobre uma zona da Baira Alta a que um escritor Samuel Maia (da minha terra natal), no princípio do séc. passado, se refere a umas "poldras" através das quais faziam a travessia do Rio Vouga”. Através deste amigo virtual, que muito gostava de conhecer pessoalmente, fiquei também a conhecer mais um escritor beirão que por pouco divulgado me era alheio. Um médico que formado pela Escola Médico-Cirúrgica de Lisboa, se consagrou como escritor com o romance “Sexo Forte” e com a novela “Língua de Prata”, além de muitas outras obras que lhe conferiram o prémio Ricardo Malheiros da Academia de Ciências.

          As terras valem o que valem os seus filhos, e se Ribafeita os tem ao nível de Samuel Maia, o Profº António Nunes emparceira com eles, os mais ilustres e generosos, mediante uma dedicação apaixonante pela história local e sua divulgação, como pode ser visto e acompanhado no site DISPERSAMENTE… Curioso é este beirão ter Leiria como sua segunda terra muito amada e eu que também a tenho por muito querida, foi na capela de NS da Encarnação que casei, e visito com muita frequência, só agora disso me aperceber.

(Sítio onde existiu a casa onde Torga morou, e hoje impera o Hotel Eurosol, mas uma placa colocada pela CM, em 2010, assinala o facto).
          Mais ainda por através do seu site ficar a saber que também Miguel Torga residiu na princesa do Lis, como recorda em post de 2014/01/18. Realçando o que
Miguel Torga escrevia, no seu Diário, em Leiria, 20 de Novembro de 1980:
"(...) Esta terra foi a grande encruzilhada do meu destino. Aqui identifiquei escolhi os caminhos da poesia, da liberdade e do amor, sem dar ouvidos às vozes avisadas da prudência, que pressagiavam o pior. Aqui, portanto, arrisquei tudo por tudo, fazendo das fraquezas forças, das dúvidas certezas, do desespero esperança. Aqui era justo, pois, que, passados muitos anos e muitos trabalhos, eu viesse verificar com alegria que valeu a pena desafiar a sorte, que tive sempre uma mão-cheia de almas fraternas e solidárias a torcer por mim, e que as cicatrizes das feridas de ontem são os nossos brasões de hoje."

Tags:
·         leiria
·         ribafeita
·         viseu

publicado às 20:35
-
Muito obrigado pela lembrança, caro amigo.

2015/01/17

Miguel Torga morreu há 20 anos.

Miguel Torga, pseudónimo de Adolfo Correia da Rocha, (São Martinho de Anta, 12 de Agosto de 1907 — Coimbra, 17 de Janeiro de 1995)




Faz já 20 anos que morreu Miguel Torga. Parece que estou a ouvir a notícia na antiga Emissora Nacional, então designada por RDP.
Com data de 10 de Dezembro de 1993 já o Grande Torga escrevia, antecipando-se ao próprio calendário, o poema:
.
REQUIEM POR MIM 
...


Tive a subida honra de participar nas ações de homenagem ao Grande Torga por alturas do Centenário do seu Nascimento.

Ver também http://dispersamente.blogspot.pt/search/label/Miguel%20Torga%20em%20Leiria
e
http://dispersamente.blogspot.pt/search/label/miguel%20torga

2015/01/03

Imagine de John Lennon - VIVER em PAZ e com Dignidade.



Imagine

Imagine there's no heaven
It's easy if you try
No hell below us
Above us only sky
Imagine all the people
Living for today

Imagine there's no countries
It isn't hard to do
Nothing to kill or die for
And no religion too
Imagine all the people
Living life in peace

You may say
I'm a dreamer
But I'm not the only one
I hope some day
You'll join us
And the world will be as one

Imagine no possessions
I wonder if you can
No need for greed or hunger
A brotherhood of man
Imagine all the people
Sharing all the world

You may say
I'm a dreamer
But I'm not the only one
I hope some day
You'll join us
And the world will live as one
conforme http://letras.mus.br/john-lennon/90/traducao.html ver vídeo em https://www.facebook.com/video.php?v=10200107581009257

Imagine

Imagine que não há paraíso
É fácil se você tentar
Nenhum inferno abaixo de nós
Acima de nós apenas o céu
Imagine todas as pessoas
Vivendo para o hoje

Imagine não existir países
Não é difícil de fazer
Nada pelo que matar ou morrer
E nenhuma religião também
Imagine todas as pessoas
Vivendo a vida em paz

Você pode dizer
Que sou um sonhador
Mas não sou o único
Tenho a esperança de que um dia
Você se juntará a nós
E o mundo será como um só

Imagine não existir posses
Me pergunto se você consegue
Sem necessidade de ganância ou fome
Uma irmandade do Homem
Imagine todas as pessoas
Compartilhando todo o mundo

Você pode dizer
Que sou um sonhador
Mas não sou o único
Tenho a esperança de que um dia
Você se juntará a nós
E o mundo viverá como um só

2014/12/22

ACLAL - Academia de Letras e Artes Lusófonas ; Boletim Informativo nº 6, Dez 2014






 Arménio Vasconcelos ...........................................Aquilino Ribeiro   (ensaio p. 2)  (*)

                                                                         (também em https://www.facebook.com/groups/aquilinoribeiro/ )
                                           
Seguindo o link abaixo pode ler-se o Boletim Informativo nº 6, Dez 2014, da ACLAL.
Equipa editorial e Redatorial:
Arménio Santos Vasconcelos
António Santos Nunes

https://drive.google.com/file/d/0B0v6K4Xe-OCYLW9tRncweGdsMHJrS0xic2NDWXFWTFlidy1J/view?usp=sharing

(*)  (Permiti-me o desplante de publicar neste Boletim um pré ensaio sobre Aquilino Ribeiro)

(@ Reservados todos os direitos de autor a favor da ACLAL e dos Autores)

2014/12/07

Alexandre Herculano: Centenário do seu nascimento em 1910 em Leiria


In p. 153, História de Portugal, Portugal Liberal, vol. VIII, direção de João Medina.
Em artigo escrito por Vitorino Nemésio sobre Alexandre Herculano na sua personalidade de historiador. O enquadramento das lutas liberais no sec. XIX na sua atividade como historiador.
Alexandre Herculano nasceu em 28 de Março de 1810. Fez parte da chamada geração de 70.

2014/12/03

ADESBA - Barreira-Leiria. Um pouco da sua história entrelaçada na minha vida.


Um pouco da história da ADESBA
Entrelaçada na vida dos seus associados

Sou natural do Casal de Ribafeita – Viseu, onde nasci em 1947. Mas também sou do Porto, onde vivi até aos 8 anos. E de Lamego e da Sra. dos Remédios, por menos de um ano. E novamente de Viseu, cidade, que vivi em idade escolar primária e secundária. E novamente do Porto, depois, Leiria, para onde vim para lecionar na então Escola Industrial e Comercial. A tropa, a seguir, Mafra, Lumiar, RI7 (actual RAL 4, aqui mesmo ao pé, estávamos em 1969, já eu me tinha casado, lua de mel em S. Martinho do Porto e Alfeizerão, dois dias de licença militar…). Moçambique, onde a minha filha Inês, mobilizado em serviço militar, de 1969 a 1971. Regressámos a Leiria.
E cá ficámos…
Muitos anos a viver na casa da família no Largo da Sé, também muitos (uns 10) na Quinta do Bispo – Leiria.
Em 1992 viemos (um casal perto dos 45 anos e dois filhos menores) para a freguesia da Barreira. Que me desculpem os que inventaram as “Uniões de Freguesia”, mas para mim será sempre a freguesia da Barreira. Acabei por fazer parte da Assembleia de Freguesia e até da própria Junta. E já criei raízes aqui neste torrão, barrento, altaneiro, com vistas a perder de vista!
Bem me lembro dos anos 90. Dos tempos da constituição da ADESBA em 1997. Dos seus Estatutos iniciais e da sua publicação em Diário da República. Fui eu que os disponibilizei na Internet (para o que tive de os digitar na íntegra) através de vários ´sites`, alguns feitos de raiz por mim. Nos tempos românticos dos anos 90, em que não havia ´Blogs` nem ´Facebooks`. Ainda estão disponíveis neste endereço  http://barreira.no.sapo.pt/adesbaest.html .
E recordo a luta insana de pessoas como José Cunha (p. 153 do livro “Caminhos Entrelaçados na freguesia da Barreira”,  António AS Nunes – ed. Junta da Barreira, 2005), Joaquim Cruz, Vitor Miranda, José Agostinho, sem descurar, obviamente, todos os fundadores na generalidade.
Em 18 de Abril de 1999 iniciou-se a valência de Centro de Convívio, numa sala do Solar do Visconde da Barreira, prestando apoio a 35 pessoas, com a colaboração de uma funcionária, da assistente social e de 22 voluntárias.
Em 2000 começou a funcionar a valência de Apoio ao Domicílio a 14 utentes e  em  2002 a de ATL, com 30 crianças, na escola da Barreira e, posteriormente, na casa cedida por Isabel e Paula Borges.
Muitas outras actividades, culturais (Lançamentos  de Livros, Exposições), Tasquinhas, Torneios desportivos foram sendo processadas tendo em vista o fomento da Cultura e a promoção de eventos que permitissem a angariação de receitas que proporcionassem o melhor equilíbrio possível do Orçamento da Associação.


Apesar de todas as dificuldades inerentes ao facto de a sua actividade se desenvolver em “casas emprestadas” ao longo de muitos anos, a verdade é que em 2004 a ADESBA dava assistência social a cerca de 110 pessoas, entre idosos e crianças e o seu quadro de pessoal era constituído por 12 funcionários e algum voluntariado.
-
Dobados que são mais dez anos, eis que as novas e modernas instalações da ADESBA são inauguradas na presença do Ministro da Solidariedade, Emprego e Segurança Social, Dr. Pedro Mota Soares. Que as funções de reconhecido e valioso serviço de utilidade pública que associações como a ADESBA prestam aos cidadãos não deixem de ter o devido e imprescindível apoio das instâncias governamentais. É o que nós, associados e utentes, julgamos que se justifica e impõe como uma das prioridades absolutas para a qualidade de vida em Portugal.  
E tanto mais que fica para escrever …

António Almeida Santos Nunes
Sócio da ADESBA, desde 2001
Barreira-Leiria, 21 de Setembro de 2014
(Texto segundo o Novo Acordo Ortográfico)