2016/09/25

Jorge Estrela e a coleção de pintura do Museu de Leiria

O Museu de Leiria acolheu, pelas 14h00 do dia 24 de setembro de 2016, a Tertúlia "Recordar Jorge Estrela",
 Jorge Estrela - Foto retirada do FB de Inês Thomas Almeida, sobrinha de Jorge Estrela
(1944-2015)
uma iniciativa integrada nas comemorações das Jornadas Europeias do Património 2016, em que foi feita, às 17:00, a apresentação do catálogo da autoria de Jorge Estrela "Coleção de Pintura. Séculos XVI-XVIII”.
O programa teve início às 14:00, com receção aos participantes, seguindo-se a sessão de abertura, pelo vereador da Cultura da Câmara Municipal de Leiria, Gonçalo Lopes, às 14:15.

A tertúlia, às 14:30, com moderação de António Luís Ferreira (1)

, contou com as participações de Inês Thomas Almeida (2)



, com uma intervenção com o título “O meu tio Jorge Estrela”, 
Vítor Serrão (3)

, que abordou o tema “Jorge Estrela, historiador e crítico de arte”, 
Sylvie Deswarte (4)

, sobre “Jorge Estrela. História de um encontro, 2013-2014”,
e ainda Marisa Castro (5)

, com uma intervenção com o tema “Jorge Estrela, artista também na micologia”.
Após uma pausa às 15:45, intervieram ainda Martinha Henrique (6)

, sobre o tema “Jorge Estrela, História da Arte e Dermatologia

, Rui Ribeiro (7) sobre “Um jardim para Leiria segundo Rodrigues Lobo
, e António Marques da Cruz (8)

, que apresentou “Jorge Estrela, um esteta do vinho”.
A sessão de encerramento teve lugar às 17:00, pelo Presidente da Câmara Municipal de Leiria, Raul Castro

altura em que foi feito o lançamento do livro/catálogo “Pintura Séculos XVI – XVIII. Museu de Leiria”, de Jorge Estrela.



Capa do Livro/Catálogo "COLEÇÃO DE PINTURA - SÉCULOS XVI-XVIII" - do Museu de Leiria.
Jorge Estrela, ed. Câmara Municipal de Leiria, Produção, montagem e Conceção gráfica: Textiverso - Leiria, 2016.
Coordenador de edição: António Luís Ferreira.
Superiormente prefaciado pelo Prof. Dr. Vítor Serrão, Catedrático da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Permitam-me que deixe aqui como que um instantâneo da pertinência da seguinte interrogação com que o seu autor e cidadão ativo nas causas leirienses, Jorge Estrela, se abalançou a tamanha obra: "O que aconteceu às imagens pintadas em Leiria ou para Leiria durante os seus quase mil anos de existência?
-
Desde 1993 que Jorge Estrela se vinha dedicando ao estudo, restauro e classificação da colecção de pintura do Museu de Leiria, que acabou por dar origem à exposição “A Nova Vida das Imagens. Pintura em Leiria, Séc. XVI/XVIII”.
---
Notas:

Sob a forma de notas complementares vou tentar, à medida que para tal disponha de elementos, passar para este blogue referências aos intervenientes ativos desta tertúlia: 
- 2) Impossível  ficar indiferente ao seu emocional mas justo apelo a toda a plateia e às instituições administrativas (particularmente a Câmara Municipal de Leiria) para que o Jardim das Almoínhas, em curso, venha a constituir-se numa merecidíssima homenagem ao seu tio e fique com o nome "Jardim Jorge Estrela". De facto só quem não conhecer a vida e obra de Jorge Estrela é que não aceitará entusiasticamente esta proposta. Como tal deve este apelo ficar, desde já. Para ser tida em conta na devida oportunidade, em última instância,  na Assembleia Municipal de Leiria.  

3) A dado passo da sua intervenção, o Prof. Dr. Vítor Serrão falou dos Grafitos Medievais do mosteiro de Alcobaça, descobertos e primorosamente descritos por Jorge Estrela:



4) in Preguiça:
... (entrevista a Jorge Estrela):
 3. Diz-nos um autor que descobriste ultimamente e tens pena de não ter descoberto mais cedo.
A obra de Sylvie Deswarte, sobre Francisco de Holanda e a arte do Renascimento. Tive o prazer de conhecer a autora há pouco tempo e fiquei fascinado pelo rigor dos seus estudos. Desde então, li muitos dos seus livros e artigos, o que tem sido facilitado pelo facto de a autora me ter enviado grande parte dos seus trabalhos, que são peças fundamentais da cultura portuguesa.
7) Jorge Estrela fez vários estudos sobre a paisagem portuguesa e sobre jardins, incluindo o projecto “Um jardim segundo Rodrigues Lobo” para a Câmara Municipal de Leiria.







Alguns dos diapositivos apresentados pelo Arqº Rui Ribeiro no decorrer da tertúlia, que me permiti fotografar e deixar aqui publicados por me parecer que o autor não me lavará a mal esta ousadia tendo em conta o interesse flagrante da sua partilha pública.
-
Uma parceria Rui Ribeiro/Jorge Estrela, ganhou o concurso público para a reconversão do Mercado de Santana, em Leiria, já construído e inaugurado em 2003.
-
8) Em síntese eis o que António Marques da Cruz disse e também mostrou em oportunos e históricos diapositivos:
"O interesse epicurista do Jorge pelo vinho tornava o tema numa conversa de pendor intelectual, onde a estética do gosto e da apresentação eram procuradas. A sua colaboração nos raciocínios sobre o vinho ultrapassava o mero aspeto da imagem e abrangiam o valor e a moda como conceitos que informam a atividade artística. Conhecedor da História Mundial do vinho, era igualmente um conhecedor dos vinhos de Leiria, inclusive para a génese da CVR da Alta-Extremadura." 







Alguns dos muitos trabalhos da autoria de Jorge Estrela para os vinhos "Marques da Cruz".

-
Mais fotos em Leiriagenda

2016/09/23

A minha neta Mafalda Moura e o 10º Aniversário deste meu blog (blogue).




Depois de ter ouvido reiteradas críticas ao amadorismo (para não dizer banalidade) da capa deste meu blogue (se calhar vou passar a usar o termo em inglês ´blog`) aqui fica o registo duma nova imagem que passará a representar o "DISPERSAMENTE...".
A pretexto da proximidade da data do 10º Aniversário deste blogue (cá estou eu a voltar para o uso do termo em português, ou aportuguesado seguindo a oralidade da palavra em inglês) decidi-me a falar com a minha neta Mafalda (endereço do FB) para me remoçar a imagem pública deste velhote (o blogue, bem entendido).
O resultado, à primeira tentativa, foi o que está exposto acima.
Gosto.
-
Estou a estudar uma fórmula para comemorar este evento. 
-
Vou tentar fazer um inventário retrospetico de todos os meus companheiros desta longa jornada, tantos e tão bons que foram e são (enfim, alguns até já lhes perdi o rasto, outros já se terão transmutado para outra dimensão...) e atribuir um Diploma conforme modelo acima.
-
A ver vamos, estamos em finais de setembro, falta mês e meio.
Entretanto, vou escrever uma Carta Aberta ao "DISPERSAMENTE...". Sinto que lhe devo essa consideração. Ao mesmo tempo será, para mim, uma forma de lhe agradecer, também, todos estes anos de aventura no mundo das Novas Tecnologias e veículo condutor para tantas reportagens e crónicas, fotográficas, literárias e históricas.
O "Dispersamente..." proporcionou-me o estímulo necessário à edição de variadas composições multimédia. Tem sido muito o que consegui aprender e deixar registado sobre Leiria. Por exemplo, numa rubrica que me tem sido muito querida e que eu apelidei "Dentro de ti ó Leiria" ou "Viver em Leiria". Como auxiliar de memória fica - não só para minha própria consulta, mas também de todos os leitores interessados - um "Índice Temático" que está à vista do leitor na barra lateral deste blogue. Está identificado com o título: "temas ordenados alfabeticamente".
Quantas vezes não me tenho socorrido desse índice para recuperar informação que aqui tenho deixado registada. O mesmo tenho constatado que tem acontecido com pessoas individuais e instituições, cujo feedeback me tem chegado com regularidade através de contactos por e-mail a pedirem-me colaboração relativamente a alguns temas que fui abordando e registando ao longo destes anos.
O próprio motor de busca da Google tem sido uma ferramenta, hoje em dia imprescindível, para se localizarem fontes de informação para as mais diversificadas investigações e consultas oriundas deste blog
Até breve.
António Nunes






2016/09/21

O outono também é bom; Fotografias apresentadas em montagem vídeo e música cantada por Elvis Presley.



Neste primeiro dia de Outono 
o do ano de 2016
Elvis Presley em 1960
a cantar uma canção
escrita há cem anos ...

Hoje começou o outono neste ano de 2016.
O dia tem sido muito atribulado, melhor dizendo, muito ocupado, com várias missões a cumprir. Já a tarde ia a mais de meio, vinha eu no meu carro em viagem de Marrazes para a Barreira, sintonizava como sempre que estou sozinho, a rádio Antena Um, ouço o programa "Se as canções falassem" de Miguel Esteves Cardoso. 
Com esta edição diária, Miguel Esteves Cardoso consegue o feito extraordinário de nos dizer coisas, umas vezes intrigantes, outras curiosas, acerca de canções sobre as quais ele sente uma determinada inclinação.
Ora, acontece que os gostos musicais de MEC estão muito próximos dos meus. Preferencialmente música que, duma forma ou doutra, se identificam com os anos 60. Ou porque eram músicas que se tocavam/cantavam nessa época ou mais à frente, mas sempre aí pelos anos 70, quando muito 80.
Hoje lembrou-se de falar desta canção.
Gostei, tomei umas notas e decidi-me a fazer esta montagem com fotografias que tirei ainda hoje ou nestes dois últimos dias.
Um pretexto para evocar o outono e o "DISPERSAMENTE..." no seu 10º Aniversário.
Mais um vídeo que me permito publicar neste meu blogue.

Em 2012, num dado momento da vida rezava eu este remoinho... Agora que estamos juntos há quase 10 anos ...

http://dispersamente.blogspot.pt/2012/06/nao-me-deixes-dispersamente.html
-
https://youtu.be/i2wmKcBm4Ik
Jacques Brel - Ne me quites pas

-

Nem eu sei 
o porquê
deste apelo
apelo a quem?
a mim?
provavelmente
mas porquê?
Por quê?!

Não consigo precisar
concretamente
conscientemente
o que me vai na mente

Prenúncios 
de algo 
que me poderá
levar 
a desanimar
a desistir 
deste meu amigo
há tantos anos comigo
dia a dia
sem horário
solitário

Tantos amigos
tantos temas 
dispersos
dispersivos
intempestivos

O que se passa comigo?
será melancolia?
será pré-nostalgia?

Não me deixes!...
dispersamente!...
Nós até gostamos um do outro
e temos amigos que gostam de nós
apesar de sermos como somos!

as-nunes12
-

Entretanto ouvia:

https://youtu.be/5SUn4JqUTsA  - if you go away (Frank Sinatra)
https://youtu.be/y34XYuZwqyQRay Charles If You Go Away
https://youtu.be/tzHWuzoX1QMBarbra Streisand - If You Go Away (Ne Me Quitte Pas) - 2009

2016/09/19

Artesão Florindo Simões em Luanda - Encadernador (encadernador-mor) de Leiria

Artesão Florindo Simões em Luanda

17 de Setembro, 2016

Fotografia: DR

Florindo Simões,  um dos últimos artesãos vivos, cujo ouro em muitos livros passou pelas suas mãos chega na próxima segunda-feira a Luanda.
Um dos mais célebres encadernadores do mundo, Florindo Simões tem obras espalhadas pelos quatro cantos, desde o Vaticano e também em Angola. Com uma vida a encadernar livros, Florindo Simões tem 81 anos e mais de 60 dedicados à arte de encadernar livros. Florindo Simões é um dos últimos encadernadores de Leiria. Natural dos Pousos, ele começou a aprender o ofício de encadernador aos 13 anos, na então tipografia Mendes Barata, na Praça Rodrigues Lobo. O artesão produziu na sua oficina a pasta entregue a João Paulo II, aquando da primeira visita deste Papa aFátima, nos anos 80.
(Conforme notícia no Jornal de Angola de 17 de setembro de 2016, que chegou ao meu conhecimento através de seu filho Carlos Simões).

Leiria tem uma história belíssima nas Artes da Tipografia e da Encadernação.
Mais informaação seguindo os linques deste blogue:

e

2016/09/18

Aquilino Ribeiro: Lançamento da reedição de "Cinco Réis de Gente" na sua terra natal



Jorge Coelho, político e empresário reconhecidamente dotado, psíquica e culturalmente.
Foi quem escreveu a "Introdução" ao livro.
No Pátio dos Sanhudos, Carregal, Sernancelhe, distrito de Viseu, local onde terá nascido Aquilino Ribeiro.
Ao seu lado direito, Aquilino Machado, neto de Aquilino, que fez a apresentação do livro.



Fotografias retiradas do ´Facebook`de Rosa Monteiro

Tive muita pena de não poder ter estado presente. Pelo que depreendo das informações e reportagens que têm chegado ao meu conhecimento, valeu a pena. Valeu a pena ter vivido aqueles momentos ímpares, naquela terra mítica, no próprio pátio da casa onde nasceu o, para sempre, Mestre da Literatura Portuguesa e narrador inquestionável do Povo e da vida em Portugal no séc. XX nos seus mais ínfimos pormenores e emoções.
---
Mais em Redescobrindo Aquilino Ribeiro no Facebook.
---

No lançamento da nova edição do "Cinco Réis de Gente", Carregal/Sernancelhe.

Carlos Silva, Jorge Coelho, Aquilino Machado, José Eduardo Ferreira, Pedro Albuquerque, Eduardo Boavida, Paulo Neto e José Morgado. Pela primeira vez num evento aquiliniano, juntos os 3 autarcas das Terras do Demo (foto de Paulo Pinto).

(Retirado do FB de Aquilino Machado)

2016/09/16

Exposição de Pintura no Banco de Portugal - Leiria : Hirondino Pedro e Manuel Vieira.




























Hirondino Pedro

Lembrei-me de ir ao site ´Preguiça` e reproduzo a seguinte fotocópia que lá vi (23-09-2016):




Nasceu em 1964. Dedicado às artes plásticas nas vertentes de pintura, escultura, instalação, ilustração e cenografia, tem participado de forma continuada em exposições individuais e cotetivas desde 1981. Licenciado em Animação Cultural, tem promovido o usufruto e formação do ensino artístico enquanto mentor e formação no Atelier das Artes, espaço de formação pelas artes plásticas sediado em Leiria.

Manuel Vieira

É um dos artistas portugueses mais prolíficos e importantes da sua geração.
Nasceu em Lisboa, Portugal, a cidade-cenário da ação em diferentes áreas, da pintura à música, passando pela performance-arte, cinema, literatura e política. Em 1983 fundou o Grupo "Homeostécnico" que gerou atenção nas novas tendências artísticas da época.
Com uma criação aguda, Vieira tem uma personalidade muito forte, com uma componente teatral humorística. Isso é visível nos seus espaços habitados cenográficos ou nos ambientes grotescos que cria.
Fundador e vocalista de bandas como os "Ena Pá 2000", "Irmãos Catita", ou "Corações de Atum", onde inclui a representação teatral humorística como "Orgasmo Carlos", "Lello Universal", entre outros, estão também presentes em metragens, vídeos, e séries de televisão. Em 2011 fez a sua permormance artística mais corajosa: anunciou a sua candidatura à Presidência da República Portuguesa onde criou vários atos artísticos dentro do quadro de uma campanha política.