2019/10/11




Agora que estou nos setenta e
Tem-me dado para estudar 
a natureza de coisas
Que não importam
Ao comum dos outros seres

E reflicto sobre coisas
Que me possam ligar
Mais intimamente
Ao universo e seus mundos

E fico maravilhado

Tantas coisas que julgo ver
Enquanto tento perceber

Como se isso fosse possível

a d´almeida nunes
Out19

2019/09/09

Valorizar tudo o que escapa à acção do homem






A simplicidade complexa das coisas


o calendário aproxima-se
sorrateiramente
do outono

inesperadamente
olho à minha volta
reparo nas folhas das árvores

e medito
se estamos preparados
para ver esta multiplicidade
das cores outonais
e reflectir sobre o significado
de todas as alterações nas coisas
do universo

olhar e ver a Natureza
eis a maior lição
sobre a vida e a morte

a d´almeida nunes
9set19 - Lourais

2019/09/04

a natureza das coisas - agapanto






as flores são um mundo
incrível
em comum com todos os outros
que não conseguimos perceber

constatamos que os ciclos
das coisas na Terra
estão mudados
se os compararmos 
com os de tempos passados

este ´agapanto`
estará fora de tempo
a demonstrar que o tempo
não tem tempo

que a natureza das coisas 
continua muito para além
do espaço do algoritmo

e dos vazios do próprio Homem…


a d´almeida nunes
4set19-Lourais-Leiria

2019/09/01

À minha filha Inês - no seu 50º Aniversário




À minha filha Inês
Agora
que entraste no 50º ano
da tua existência
A memória
traz consigo um dia preciso
em Moçambique
em que o teu pai
ao apelo da tua chamada
fez uma corrida de 200 metros
com vontade
que fosse à velocidade da luz
e que a ser cronometrada
poderia ter ficado
como um um recorde mundial
Não tínhamos automóvel
os tempos eram dos anos 60
e eram tempos de guerra em África
O táxi levou a tua mãe
ao hospital de Nampula
Algumas horas depois
a porta deste mundo estranho
mas que é o nosso mundo
abria-se à tua passagem
Eras pequenina
cabias nas palmas das minhas mãos
qual seria o teu caminho futuro
foi o meu primeiro pensamento
Vieste encher o nosso mundo
torná-lo diferente
muito colorido e cheio de esperança
Esse milagre de vida
tem-nos acompanhado
em constante permanência
O tempo não parou
ao invés tem voado
qual pássaro
Nós, os teus pais,
também temos este grande privilégio
que é
acompanhar-te
e receber o teu carinho
que sabemos
será para todo o sempre
Obrigados por seres nossa filha

Leiria, 1 de Setembro de 2019
António & Zaida Nunes


2019/08/27

Galinhas-do-mato






só vos posso dizer uma coisa

ficou-me na memória
para sempre
o gosto saborosíssimo
dos bifes da carne
destas galinhas

ao mata-bicho
em pleno centro de Moçambique
Nacarôa 1970

em modo férias no mato
...

2019/08/25

conteira das ilhas e a Amazónia



à Amazónia
(em tempo de queimadas brutais/desflorestação)


uma conteira em flor
oriunda das ilhas de bruma
em contraluz de fogo
numa tarde quente de verão
replantada no quintal
em lourais

que não esmoreçam
flores de todo o mundo

agosto2019
a d´almeida nunes



2019/08/11

Estimado amigo




Estimado amigo
(no dia do teu 63º aniversário)

feliz pelo teu aniversário
e grato pelo contagiante
dos teus poemas

o poema 
com que nos brindaste
gostava eu de to retribuir
com o entusiasmo particular
de outro poema de amigo

especialmente
porque nunca é demais
recordar os aniversários 
dos nossos amigos

muito me encanta 
sentir-me nesse grupo
tão restrito dos amigos
a quem se dedicam poemas

mando-te esta maçã do meu quintal

-
a d´almeida nunes
(7ago2019)

2019/07/30

amigos duma vida



(foto do Gui+ eu+zéPaiva+zéRossio)

a gente chega aos setentas e tal
somos amigos de muito tempo
bastante bastante
quando nos juntamos
comemos bebemos falamos rimos

agora já não cantamos 
ao dedilhar da viola
a cábula do livrinho do zé neto
com inúmeras letras de canções
daquelas cujas notas estavam no ouvido

os anos do calendário cronológico
passaram continuam a passar

mas o nosso tempo psicológico
mantém-se à tona ondulante 
como as ondas do oceano
umas a seguir às outras
a praia do Pedrógão 
a puxar-nos as recordações
mais antigas

e lembramos também
peripécias daquela guerra maldita
em que a vida esteve por um fio
(o vinho a ajudar a abrir o cadeado)

Agora que conseguimos Ser
faz-nos bem falar do passado
e sentir que estamos no presente

e que estamos dispostos
a não deixar entrar o Homem Velho
no nosso reduto

cá estamos para lhe fazer frente

antónio (um de entre outros)
(foto do Gui)

donde veio o espaço?



estou a dar comigo
a pensar
donde veio o espaço

se o espaço não foi criado 
não se entende 
onde estará o Universo

no entanto olhamos
para além de tudo
e sentimo-nos assombrados
com a vastidão e quietude
do espaço

como pode o espaço
ser o vácuo?!

a d'almeida nunes
28jul2019

2019/07/11

Rumo ao Homo DEUS ?!

Há dias descobri este livro:




Quem é que não anda baralhado com os tempos que correm?
Mais uma acha para a fogueira.

Entretanto, escrevi e reescrevi: 

Prece 
(no medo do Homo Deus)

Deus todo poderoso
único e indivisível
criador ex nihilo
de todas as coisas
visíveis e invisíveis
que estão em todo o lado
e nos tempos todos
dá-nos a tua inspiração
para
que os humanos
parem ouçam e olhem
o vento que passa
o sol que nos olha de soslaio
a chuva que perdeu o tino
e se esqueceu deste canto

extremo oeste da Europa
e que
não se cansam
de nos perguntar
o que é que acontece
neste planeta Terra

em que os homens
só pensam em férias
e o trabalho ó Deus
quem fica para laborar
para que se possam comer
as maçãs
e beber o sumo da baga da uva ?!
a d´almeida nunes
10-07-2019

2019/07/05

que mais podemos fazer?!



será a morte o fim
mas se sim
ainda não sabemos
que fim é esse

entretanto
vivemos sem conseguirmos
identificar o que somos

entre o que não sabemos
e o que julgamos ser
que tempo-espaço é este
em que julgamos estar
interrogamo-nos?!

escutamos olhamos
esperamos uma resposta

que mais podemos fazer?!

a d´almeida nunes
2jul2019

2019/06/25

A Lala - um dos companheiros de vida


2006 - 2012


Debaixo do limoeiro

A Lala

Olhei
e tentei vê-la e senti-la
como se o tempo
pudesse parar
um bocadinho que fosse

Morreu num ápice

Ainda hoje
como que se ouve
o seu latir

Ora alegre ao ver-nos
Ora de guarda atento

Meiga e amiga
Vistosa e cúmplice

Onde estarão agora
os outros átomos
que eram
no seu conjunto

A Lala?!


a d´almeida nunes
jun2019

2019/06/08

Largo da Sé de Leiria





Largo da Sé de Leiria
(A todos os que tiveram o privilégio supremo de o viver no século XX)

anos 80 noventa
um entardecer
o olhar do Largo da Sé
deixa-me embevecido
um coro de cantos
anunciam o recolher
de bandos de pássaros
ao aconchego sobrenatural
da tília tomentosa e dos padreiros
e também do jacarandá
oh não esqueçamos as olaias
os pássaros
em estridentes
e melodiosos trinados
amanhecem o dia
fazem-nos companhia
das águas furtadas
da "pharmácia" e casa dos Paivas
cumprimenta-se de varandim
com a abrangência do olhar
e todo o Largo
a própria chuva
nas gárgulas da Sé
correspondem em uníssono
e sentimo-nos
como que em transe
a participar
daquela sublime comemoração
em sinfonia celestial
oh Largo da Sé
muito de mim
ficará para todo o sempre
contigo
um dia
onde quer que esteja
hei-de voltar

a d'almeida nunes
rev. junho 2019

Pensar na Europa e evocar Adriano



Há livros que nos prendem
Num laço repentino
Inesperado
Ou talvez não 
Talvez nem consiga perceber

Num ápice
Fiquei com a sensação
De que não sei
O que é a Europa

E socorro-me dos livros
Um que me tenta explicar
Que é bom perceber a actualidade
Outro que romanceia
A origem deste espaço
Desde os tempos
Imediatamente antes de Cristo

Desde Adriano
A declarar-se satisfeito
Com o humano
Que nele encontrou tudo
Até o eterno...
 
A Europa é o quê?!

a d´almeida nunes
7jun2019


2019/06/05

Contador do meu blogue nesta data





MUITO OBRIGADO PELA VISITA.

077
169
267
364
452
572
688
784
864
963
1063
1146
1242
1333
1477
1578
1670
1744
1854
1954
2037
2134
2275
2354
2442
2546
2659
2799
2881
2983
 609,767

Em 05-06-2019 - 22:40 o contador do meu blogue tinha esta marca.

Entretanto, 13 anos estão a passar, desde que ele deu sinais de vida.

Obrigado, amigos, que me têm acompanhado ou simplesmente visitado, ao longo de todos estes anos...


2019/06/03

Pai, Mãe




Pai
Mãe.

Quase centenários
ainda estão.
E as recordações também
e com elas as lembranças:
o assobiar
daqueles ventos de inverno
que soavam a rolas
e se alindavam em
cheiros a rosmaninho.

A recta da nossa vida
tem muitos pontos.
Alguns ficam gravados a nostalgias
e deixam-nos memórias
entrelaçadas nos tempos.

Mas os tempos são de mudança
E começo a dar comigo
A ver um túnel
Ao fundo da luz do tempo.

Fica aqui a minha prece:
tem sido muita a ausência
que ao menos eu possa guardar
a vossa lembrança
e me seja permitido
não esquecer os vossos nomes…

a d´almeida nunes
Leiria, 2jun2019
(almeida da minha mãe
nunes do meu pai)

2019/06/01

a morte é uma flor

(Uma "alcea rosea" lado a lado com uma jovem macieira, jazida do tico, hortênsia de flores azuis)


cinco pontos 
estão marcados
indelevelmente
no meu quintal

qual o mais memorável
tais que neles jazem
animais inesquecíveis
companheiros de vida

tuiki lili lala tico rapazito

fragmentos cósmicos
do meio do meu ser

ele próprio um
que deixando de estar
continuará a ser

´a morte é uma flor`

a d´almeida nunes
1jun2019


2019/05/26

hoje estive com a minha rua







hoje estive com a minha rua
e falei com ela 
e com as flores
que a bordejam

e voltei a pensar
em Lucrécio 50 aC
e na forma pedagógica
como já ensinava 
sobre a natureza das coisas

tirei fotografias
enquanto automóveis
passavam no asfalto

e os seus condutores 
lançavam janela fora
beatas embalagens diversas
mais de plástico

ingratos insensatos
que nem nos filhos pensam

não pensam nem falam
conduzem uma máquina

a vida ali mesmo ao lado
e eles insensíveis

´coisas` que pensam que estão
mas não
seguem uma linha invisível
até que atingem um ponto

os seus filhos e netos
terão uma vida natural?!

não lhes interessa a resposta!?

aDa - 24maio2019
Lourais. Barreira - Portugsl

2019/05/22

Rádio antes da internet






( para a antiga emissora nacional
e para os radioamadores )

e vem à memória
tempos áureos
antes da internet
a rádio via éter
o som propagado
do alto das serras
o sol a influenciar
os dias do ano
as horas do dia
que nos permitiam
comunicar

em rede social

aDa
22-05-2019
(retransmissor da antiga Emissora Nacional na Serra da Maúnça; em plano mais próximo, uma das mostruosas torres eólicas do presente)