2010/01/05

Um dia invulgar...para mim


O 5º dia da minha reforma (parcial) por velhice. Levantei-me cedo. O dia estava a preparar-se para prosseguir a sua caminhada invernosa destes dois últimos meses. No entanto, algures, o horizonte sobre a Serra da Sra. do Monte, Cortes - Leiria, apresentava-se com uma aberta luminosa, qual lenço diáfano sobre as nossas cabeças...Bom Dia, saudei eu!...


Passámos - eu, a Zaida, o Soares Duarte e a Luísa, sob a orientação do Padre Elísio e sua equipa técnica - a manhã, em Fátima, nas instalações dos Missionários da Consolata, a colaborar na catalogação no acervo de fotografias daquela instituição, particularmente ligado às vivências dos missionários daquela congregação religiosa. Estou encantado com a oportunidade que me está a ser proporcionada de aprender a lidar com a fotografia, sob um prisma interessantíssimo, que é o da organização duma base de dados multi-facetada e multi-disciplinar, com base nas milhares de fotos tiradas, desde o princípio do século passado, por muitos missionários em acção no terreno e em muitas colecções particulares oferecidas para este efeito.



Da parte da tarde reparti o meu tempo pelo trabalho (sim, que não vou encostar-me à sombra da bananeirazita com que o Estado diz que vai ser o meu Eldorado ao fim de 40 e tal anos de descontos para a Segurança Social) e por uma nova ida a Fátima para ir buscar os meus netos, filhos da Inês, a Mafalda e o Guilherme, que lá estudam no Colégio de S. Miguel. É que a Inês anda com a mãe a tratar dum problema de saúde que pode não se compadecer com delongas...


De permeio, a PSP aplicou-me duas multas por estacionamento indevido (em zonas onde à noite se pode estacionar completamente à vontade para se ir beber uns copos para os Bares que inundam a Zona Histórica de Leiria).
Aliás, a PSP de Leiria parece ter começado o ano muito activa a aplicar multas de trânsito a torto e a direito. Assim fosse tão pronta quando é chamada para responder a apelos para pôr cobro a situações de perturbação na via pública à noite como resultado dos exageros constantes de alguns frequentadores de Bares. Ruídos impeditivos de os cidadãos mais pacatos  (a maioria idosos) poderem dormir sossegados, por exemplo. E que patrulhasse com mais assiduidade e visibilidade as áreas da sua jurisdição para dissuadir os larápios (quantas vezes armados... até de marreta na mão, a partir montras e vidros de automóveis).

Amanhã, logo pela manhã, conto ir pedir uma informação sobre como é que se concebe que se multe duas vezes seguidas, intervaladas por pouco mais de duas horas, um pacato cidadão, que anda a fazer pela vida, que tem que contar com alguma compreensão da Polícia de trânsito na cidade, para poder trabalhar a cumprir horários rígidos, tipo para-arranca (no intervalo, vai multa). Tanto mais que até nem está a causar problemas de trânsito, apesar de ter contra si uma alínea qualquer do Código da Estrada.


Também tive que ir à Loja da PT, calhou-me o nº 371. Ia no 124. Esperei o suficiente para perceber que a média de atendimento era inferior a 10 pessoas por hora. Andei ali pelas redondezas a controlar o andar da carruagem. Horas depois, ia no 344. Vim até à porta, mesmo assim a olhar pelos vidros, a acompanhar a evolução dos números das fichas em que seguia o atendimento. Num ápice, dei com os olhos no nº 376. Inesperadamente, a numeração deu um pulo de gigante que me apanhou desprevenido, nem ouvi as chamadas, que, aliás, quando se aproxima a fora de saída do trabalho é muito mais acelerada. Nem dá para uma pessoa ouvir a tempo. Dirijo-me rapidamente ao guichet e peço ao senhor que lá estava que me atendesse logo que despachasse a sra. que me passou à frente. Que não, que havia a tolerância máxima de 3 números. Que só se as outras pessoas que estavam na bicha não se incomodassem é que podia fazer o "especial" obséquio de me atender. Logo a voz duma sra. se levantou a manifestar-se contra, retorqui-lhe com a maior delicadeza. Que não, que eu tivesse esperado, que ela já ali estava há mais de meia-hora, bla bla bla. Só faltou implorar, por Amor de Deus, que me deixasssem ser atendido, tanto tempo que já tinha passado desde que tirei a ficha. O snr. do balcão: que há mais tempo estava ele a trabalhar. O serviço dele, obviamente, que deverá trabalhar - e cara alegre - como qualquer cidadão, vulgar, 8 horas por dia -voltei a retorquir. Confesso que com esta troca de galhardetes, exaltei-me um bocadinho.
Resumindo, nada feito, por hoje... 
Gente simpática e nada egoísta, sem dúvida!...


Para fechar o dia fora de casa, em beleza: desentendimento com a condutora ao meu lado direito, numa rotunda. Essa condutora, entrou na rotunda ao mesmo tempo que eu. Colocou-se ao meu lado direito, ainda que - reparei -não fizesse qualquer tenção de mudar de direcção logo a seguir, na primeira saída da rotunda, como manda o Código da Estrada e Normas Reguladoras conexas. Começo a fazer pisca para a direita, que eu queria sair da rotunda, na terceira saída. Essa "condutora de trazer por casa" acelerou e encostou-se ainda mais ao meu carro. Saiu da rotunda na mesma saída em que eu pretendia fazê-lo. E apitou ferozmente, olhando na minha direcção com olhar de poucos amigos. Tive que fazer uma manobra de emergência para me afastar daquela "ás" do volante. Mais à frente, paramos a um sinal vermelho. Faço tenções de sair do carro. A Zaida pede-me para não arranjar mais sarilhos. Só queria ir dizer-lhe para estudar o que mandam as regras para se conduzir numa rotunda, ainda por cima com 3 faixas de rodagem e grande, talvez a maior de Leiria. Pressinto-a atrapalhada a trancar as portas do carro. É claro que não lhe ia fazer mal nenhum. Mas era bom que se tivesse apercebido da manobra indevida que fez e da apitadela despropositada que me dirigiu.


Bom. esperemos que as chatices do dia fiquem por aqui...


E com isto já me esquecia de me referir à segunda foto. A das duas árvores relativamente grandes. São dois choupos.
Para os que têm acompanhado as peripécias e outros percursos deste "dispersamente": lembram-se daquela história da reconversão do Largo Cónego Maia (o da foto), em Leiria? A ideia original era abater estes dois choupos, referências da zona histórica de Leiria, em bom estado sanitário. Pois. Depois de muita contestação popular (ou terei sido só eu e, mais tarde, o BE que se colou ao movimento, que já andava nos jornais e estávamos em campanha pré-eleitoral para as Autarquias) lá se conseguiu que reformulassem o projecto e deixassem as árvores em pé!
Até quando? Já ouvi uns zunzuns, que aqueles choupos estão doentes e carcomidos pelo tempo. Mentira, digo eu e dizem os (alguns, que a maior parte até nem se ralam muito com as árvores) habitantes de Leiria. Pelo menos os que já convivem com aquelas árvores há décadas.
Lá plantaram os tais aceres que vinham no projecto, mas deixaram os choupos. Já não é mau de todo.
Digamos que o Largo até nem ficou desengraçado de todo. Pudera, tendo em conta a javardice em que o tinham transformado nos últimos anos!


Bem. E fico-me por aqui. Desculpem lá esta crónica zangada!...


Prometo acalmar-me.
Até para ver se ainda consigo gozar algum tempo da minha reforma!?...
Posted by Picasa

15 comentários:

greentea disse...

pois que hoje o dia seja melhor e consigas ser atendido na PT... por essas e por outras deixei a PT há muito , funciono com a CLIX e sou atendida na internet sem mais esperas!
que interessante trabalho estás a fazer sobre fotografia!! por sinal aqui por perto, no Cacém tb há uma Casa da Consolata...
Bom ano para ti e para a Zaida e para os "garotos"

as-nunes disse...

Obrigado "greentea" pela visita e pelos votos de Bom 2010.

Retribuo tudo de bom que me desejas para o ANO de 2010 a que acrescem juros de mora por tão poucas vezes ter ido ao teu sítio em 2009.
Tenho andado muito disperso em preparativos para o novo curso que penso dar ao resto da minha vida.

A Zaida também agradece.

Milu disse...

Olá António!

Fartei-me de rir com as suas aventuras na loja da PT. Uma pessoa é obrigada a passar-se da cabeça quando estas coisas nos acontecem. O melhor será ir lá pouco tempo antes de fechar. Sendo que lhes dá a pressa para largarem o emprego, acabam por atender todos mais depressa!
Quase todos nós perdemos as estribeiras na estrada por causa das azelhices dos outros. Eu reconheço que tenho pouca calma,o meu filho por vezes até me diz: Eh, mãe!
Nas rotundas o que mais odeio são aqueles que nela entram vindos de uma rua à nossa direita e nos obrigam a travar, quando éramos nós que já nela circulávamos, nem sequer travam,metem-se à papo-seco e à velocidade que já traziam. Mas têm sempre sorte, nunca vi um condutor destes a ser surpreendido pela polícia. Quanto às multas redija uma reclamação à Alta Autoridade para a Segurança Rodoviária, junto envie as fotocópias das multas. Mesmo que um dia tenha de as pagar, pelo menos enquanto o pau vai e vem folgam as costas, mas é provável que fiquem por lá anos, isso não foi nenhuma manobra perigosa e se o cadastro estiver limpo, ficam em águas de bacalhau. Lembrei-me agora que entretanto vem o papa e lá vem a amnistia.
Um beijinho.

Vieira Calado disse...

Olá,meu caro!

Agora é que vai ser!

Não ter que levantar para ir ao emprego!

E poder dar umas voltas por aí...

Desejo-lhe

Um BOM ANO de 2010

para poder tirar partido do que a vida dá!

Um abraço.

Flor disse...

Qunta coisa acontece em um dia hein amigo?
Tudo passa, mesmo as rusgas com "ases do volante" que eventualmente passam por nós!

Beijitos,
Feliz 2010!!!!!!!!!!

Flor disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
JOSÉ RIBEIRO MARTO disse...

Pois , meu caro , aproveite bem , muito bem mesmo ... E vá-nos deixando notícia , e boa música como esta que estou ouvindo neste fim de tarde!
Um abraço
___________ JR MARTo

as-nunes disse...

Cheguei a casa. Computador ligado (já estava, que o tinha deixado assim).

O dia tem estado lindo de luz, frio sadio, muito familiar ou não fosse eu de Viseu.

Um abraço e Bom ANO a todos,

Obrigado pela visita

António

Manuela Freitas disse...

OLá,
Estive a ler as suas peripécias e fez-me sorrir! Sai uma pessoa de casa para isso!?...Fez-me sorrir pela maneira como descreve os acontecimentos, mas imagino como deve ter «bufado»!...
Com esses afazeres vai-se habituar bem à situação de reformado, já viu que situações diversas podem ter os seus dias!...Claro que como diz, meu caro amigo, tem que ter calma.
Um grande abraço,
Manuela

tulipa disse...

OLÁ ANTÓNIO
acho que "ainda" não nos cruzamos este ano de 2010 pela blogosfera.
Então, ainda está a tempo de ler quais os propósitos para 2010 que eu formulo.

Venho dizer-lhe que no meu último post ofereço "poesia e flores".

Ando mais ausente porque estou a fazer os últimos preparativos para a próxima exposição, que será em breve e o tempo voa.
Prometo que assim que estiver tudo ultrapassado serei mais presente na blogosfera. Espero ser entendida por todos os bloguistas.

Estou encantada por saber que vai colaborar numa organização desse nível, na área da FOTOGRAFIA.
...aprender a lidar com a fotografia, sob um prisma interessantíssimo...imagens desde o princípio do século passado!

Pois espero que os próximos dias sejam bem melhores.
Bom ano para si,para a Zaida e para restante família.
Beijinhos.

tulipa disse...

Deixo-o com este pensamento de Cícero, que descobri hoje e gostei muito:

"Se ao lado da biblioteca houver um jardim, nada faltará."

as-nunes disse...

Bom pensamento, Tulipa

Vou colocar um post com uma auto-fotografia minha hoje, no meu jardim. Tirei i dia para podar árvores e fazer uma revisão e preparativos para a próxima primavera.

Bom Ano e Muitas Felicidades para 2010.

Bichodeconta disse...

Exaltado dessa forma não gozará a reforma amigo..Respire fundo tres vezes, conte até dez, ou qualquer coisa do género quando se cruzar com esse tipo de pessoas. Com calma até vai..Um abraço, Ell

Lídia Borges disse...

Quando o medo da imobilidade é grande, somos levados a acumular tarefas umas sobre outras. Convém não lhes perder a conta, sob risco de não haver tempo para cumprir a reforma merecida.

L.B.

A jardinagem, sim!

as-nunes disse...

Viva Ell

Há que tempos que não nos cruzávamos por aqui! Espero que esteja tudo bem consigo.
Obrigado pelos conselhos ainda que se diz (ou dizia, que os tempos estão sempre a mudar) que "todos os conselhos ouvirás e só teu seguirás", mais ou menos nestes termos. Claro, cada um de nós é dono e snr. das suas acções, mas que devemos ouvir e reflectir sobre os conselhos que nos dão, também não tenho dúvidas.

Tem toda a razão, mas no momento, naqueles momentos aziagos, a cabeça às vezes perde o tino (mas não o devia fazer, que diabo, quem é que nos fez como somos, cada um de nós?) e nem sempre actuamos como manda o figurino!

Abraço amigo,
Antóbio