2010/07/17

Onde estamos?



(clic para ampliar)
Esta tomada de imagem reporta-se aos primeiros dias do corrente mês.
Vista panorâmica desde a encosta da Barreira - Leiria, virada a Nascente.

Onde estamos?


(...)


São, neste preciso momento passado(...), 11h20 Gmt. Vou tirar a mesma fotografia, com outra luz e com objectiva 70-300mm FA4-5.6 APO DG MACRO da Sigma, 58mm de diâmetro. O dia de calendário é o seguinte ao da primeira parte deste post. Mas está um dia luminoso, o tempo a aquecer, deve chegar aos 32º C...
A paisagem, apesar de a observar diariamente, é um assombro. Faz-nos pensar na complexidade da vida, ao mesmo tempo como ela é bela, como o horizonte de montanha, a sobrepor-se ao vale do Rio Lis e à encosta que vai até à Sra. do Monte e à Serra da  Maúnça, nos prende o olhar e como que nos obriga a filosofar e a transformar em poesia tudo o que a vista alcança.


Deveria ser bom viver 
Direito de todo o ser
Não deveria ser obrigatório ter
Bastaria olhar, pasmar e beber
a doce esperança de manter
uma vida cheia de prazer...


Já venho...
12h45m
(clic para ampliar)

Desculpem lá. A foto não ficou como a paisagem visada o justificava.
Falta de luz. A encosta está a nascente. A luz solar não é a ideal...
Voltarei...
-
17h15 tmg
O dia continua lindo. Entretanto, fizemos, em família, uma sardinhada ao ar livre. O relógio não para, os seus ponteiros não conseguem fixar o presente. Impossível. Ou já marcaram um determinado momento passado ou estão em mudança contínua para o Futuro.
A foto que mostro a seguir, representa a mesma vista panorâmica, mas sob a luz do entardecer...deste cálido dia de Verão leiriense.








01h15 tmg
19jul2010
Após a leitura de um dos comentários a este post, parece-me ser pertinente falar-se da questão da imensa poluição visual que está a invadir tudo o que nossa vista alcança. As maravilhosas paisagens, particularmente as de montanha e até de floresta, estão a ser feridas de morte. 
São os cabos de alta tensão, cada vez de maiores dimensões, as Torres repetidoras das companhias de comunicação via telemóvel, as cada vez mais abundantes Torres eólicas no cimo de todos os montes.
Teremos mesmo que enveredar por estes processos?
Não há alternativas?
O Homem não tem direito a sentir-se equilibradamente integrado na Natureza?
Posted by Picasa

9 comentários:

Luís Coelho disse...

Boa noite Amigo
A vida de cada um tem os seus medos.
Não pretendi assustar ninguém.
Deixei passar um tipo de angustia que presentemente se vive em Portugal.
Não sabemos o que nos espera amanhã.
Vemos perto de nós e na nossa família pessoas sem trabalho nem pão na mesa.
Vemos e sentimos uma enorme impunidade para os criminosos que continuam por aí à solta.
Se te roubarem e maltratarem tens de te calar porque os outros que nada fazem serão sempre os protegidos...........Se fores para o tribunal e a polícia ainda será pior para ti. Tens despezas a somar ao prejuízo que te deram.
Tás a ver o mesmo que eu...?

Luís Coelho disse...

A fotografia está adulterada. A imagem que tenho de toda essa área é de um verde deslumbrante.
Gosto de subir cá de baixo junto à Agricortes e ir bebendo toda aquela beleza até ao cimo da Barreira.

Aproveita para descansar porque esses números começam a arrasar.
Cada dia aparecem coisas novas, diferentes e cada vez mais complicadas.

as-nunes disse...

É verdade Luís.
Verdade no que respeita aos tempos cheios de receios, que vivemos.
Verdade no que concerne à imagem. Uma fotografia tratada digitalmente, o que, sinceramente, não gosto de fazer.
É uma brincadeira. Para quem conhece esta zona não tem qualquer dificuldade. Só queria pôr à prova os meus visitantes que não são daqui de Leiria. Mas como já lhes mostrei tantas esta vista, já que é um deslumbramento diário, observá-la da varanda de minha casa.

Um grande abraço, até breve

Cenourit@ disse...

Cortes?

Alda M. Maia disse...

A segunda fotografia (a do fundo), ampliando-a, está muito, mas muito sugestiva.
Um abraço à Família
Alda

Antonio Branco disse...

A primeira foto tem as cores demasiado vivas (para o meu gosto) mas consegue focar-se num agrupamento interessante. As restantes estão mais naturais mas apanham tudo e acabam também por apanhar os postes e fios eléctricos (o que lhes diminui a graça). Um corte na última foto com o agrupamento que está na primeira deverá ficar mais interessante (mas isto é uma opinião...).

Quanto aos males do mundo... deixo-vos um pequeno vídeo. Mas é também uma só opinião. Uma só opinião não faz estatística...

Um abraço!

http://www.youtube.com/watch?v=DMKb9A6Kouk

relogio.de.corda disse...

As torres da energia eólica, essas, conheço-as de "gingeira". Vi-as nascer, se assim posso dizer. A poluição visual, é coisa que não falta por aí... Em Leiria, há tanta! Mas se formos ali para os lados de Aveiro, as paisagens não são melhores. Por lá, deixaram destruir habitações típicas para dar lugar a uns "abortos habitacionais" que não têm nada a ver com nada.

Chanesco disse...

Meu caro António

Há algum tempo que por cá não passava.
Estas preocupações ambientais sobre a proliferação de torres e cabos que ferem a nossa visão ao olharmos para a paisagem, deveriam ser tidas em conta por todos nós. O problema é que contra o poderio de quem lá as coloca, a coberto de leis feita à medida que lhe dão razão, pouco ou nada podemos.

Se transferirmos o problema para o meio urbano reparamos na quantidade de cabos esteticamente horripilantes, alapados às paredes das nossas casas sem a nossa autorização, e que estamos proibidos de impedir a sua colocação ou de os remover daquilo que é nosso.
Um abraço

as-nunes disse...

A Ditadura do Poder económico sobre o nosso modo de vida!

Claro que têm que ser criadas condições para a Economia se desenvolver e, dessa maneira, todos os seres vivos poderem ter uma vida digna à face da Terra!

Mas não pode ser a qualquer preço!
Que é o que se passa actualmente!...