2011/04/10

Rádio Batalha: Conversas e Ideias (algumas, 11-04-2011- 17h30/17h50)

na Rádio Batalha, programa "Conversas e Ideias" de Soares Duarte. 
-


Caros amigos
Caro Soares Duarte, particular amigo


Desculpe lá, Soares Duarte, estar a antecipar-me ao programa em rádio. Mas que raio de originalidade, há-de estar a pensar para com os seus botões!...
Pode ficar descansado que não lhe tiro a audiência. O que se segue é só um guião e o tema é incontornável na rubrica em causa. Além disso, os ouvintes do programa sei eu que serão em número muito superior aos leitores deste modesto e disperso blogue (na mente do seu autor e na própria blogosfera).




Aqui vai o que me ocorre agora escrever. Pode ser que me possa servir de guião... (11-04-2011- 17h30/17h50 aqui ou 104.8 Mhz)
(guião... nunca se sabe as voltas que um programa de rádio em directo possa dar. Basta haver um telefonema ou uma notícia de última hora para as coisas terem de levar um rumo diferente. Aí virá ao de cima a experiência e saber de Soares Duarte. Sem «stress»... )


A questão é que há sempre muito que conversar e o tempo de antena é limitado. Face à actualidade do nosso país, que não nos faltem ideias, as mais apropriadas para levarmos as nossas vidas a bom porto. 
O mar está alteroso! Perspectivas de Maremoto?!  
Haja Fé, por São Jorge, por Portugal, que estamos na Batalha e o espírito de D. Nuno Álvares Pereira ainda nos há-de guiar a bom caminho!... A Fé nos há-de salvar, assim nós ganhemos juízo, os nossos políticos que acertem o passo, que a batalha que aí vem vai ser dura.
Temos que a ganhar!... Temos que voltar a juntarmo-nos num quadrado (ou num rectângulo) e usar a táctica da "União faz a Força!".


O momento actual que se vive em Portugal e na Europa (aliás, em todo o Mundo) é de muita perturbação, perplexidades e muita ansiedade. 


Temos aí à porta o FMI, uma sua delegação já está previsto aterrar em Lisboa, para se instalar no nosso Ministério das Finanças, na próxima Terça-Feira. 
Essa delegação é composta:
pelo FMI, 
pelo Banco Central Europeu 
e pela Comissão Europeia. 
Ou seja, cá estamos nós a entregarmos o arrumar da casa aos estrangeiros! Esta UE tem que ser reformulada com urgência. Só vejo uma saída. Passarmos a Federação de Estados, em que a Solidariedade entre países ricos e pobres não seja uma palavra vã.

Estive a ouvir na SIC o Telejornal das 20 horas, o tal do horário dito nobre.


Fernando Nobre aceitou o convite para ser cabeça de lista pelo PSD para a próxima campanha eleitoral. Fiquei surpreso. Francamente. E pela negativa. Fernando Nobre está a ser, para mim e creio que para muitos dos que se habituaram a ver nele, um carismático paladino por campanhas de solidariedade internacional, através da AMI, uma grande decepção. Quem não conhecia esta sigla? Será que a AMI tem os seus dias contados?
Será por isso que Fernando Nobre se virou, nos últimos anos, para a política activa?
 Independente?!
Percurso muito sinuoso, confuso, incompreensível, talvez algo incongruente: mandatário por Mário Soares à Presidência,  pelo BE, Independente às últimas Presidenciais (fica a ideia de que para dispersar os votos de Manuel Alegre). Algo de muito nubloso, parece-me a mim.
Aparece agora como número um pelo PSD, Lisboa, com a promessa de assumir a Presidência da Assembleia da República, caso este partido ganhe as eleições e tenha capacidade para eleger na AR o Presidente.
Já repararam que um candidato às últimas Presidenciais, derrotado pelo actual, pode, em caso extremo, ocupar o cargo de Presidente da República? Se o PSD ganhar as próximas eleições, claro. E com margem folgada. O que não é, ainda líquido, diga-se.
NB.: Do Facebook também comungo deste veemente protesto de indignação!... 
-
Há umas horas atrás deixei escrito, em comentário a uma nota publicada no blogue do Clube dos Pensadores, o seguinte, acerca do Discurso de Sócrates no encerramento do Congresso do Partido Socialista:


Gostei do discurso de José Sócrates. Foi decidido, incisivo, será que tem quem o acompanhe na Oposição, na cruzada do apoio externo, que aí está à porta, já à espera que ela seja aberta?

Aquela parte em que declara, peremptoriamente, que o seu Governo de Gestão vai liderar as conversações com a UE em vista o Auxílio Financeiro, deixou-me em suspenso. Pela forma como foi feito este anúncio.

Porém, não percebi muito bem como é que o Governo (de gestão) vai gerir as medidas a serem tomadas no âmbito do pedido de Auxílio à União Europeia e, consequentemente, ao FMI, e depois informa a oposição. Não ouvi Sócrates a dizer, taxativamente, que vai contar com o acordo prévio do Presidente da República.
Claro, já estamos em campanha eleitoral, mesmo assim Sócrates parece que já está em campo de caça, que acaba por não se perceber muito bem, se é a presa ou se é o caçador.

Sinceramente, estou a ficar preocupado porque não se antevê nenhuma disponibilidade imediata para o Indispensável Diálogo entre o Governo, a Oposição (toda) e o Presidente da República.

Quer dizer, será que o ainda PM demissionário, terá que avançar sozinho e com todas as precauções a olhar para o que aparecerá por detrás dos arbustos/moitas?!

Como é que o Snr. Presidente da República vai gerir esta situação crítica que os partidos lhe estão a colocar? 

Temos PR ou só retórica e fogachos?

É que se vão levantar múltiplas questões, que terão de ser ultrapassadas com rapidez.

Vai ter de haver muita frieza e sentido de Estado por parte das Direcções de todos os partidos, pelo menos da parte dos que melhor (em teoria pelo menos) se posicionam para virem a assumir-se como Governo pós eleições.

Teremos PR e Partidos à altura das circunstâncias deste momento decisivo para o futuro dos portugueses?

-
A verdade é que, chegados a este momento crucial em que temos de começar a discutir a forma que vai assumir a ajuda do FMI (ainda que através do FEEF) os partidos parece que nem sequer têm tempo para pensar na gravidade extrema da situação com que Portugal está confrontado.


Muito se disse, a começar pelo Presidente da República, que os partidos da Oposição têm de se juntar em esforços ao Governo de Gestão para se assentar urgentemente até onde é que estamos na disposição de ir em termos de imposição de medidas de austeridade aos portugueses. Parece que a Comissão de Resgate (chamemos-lhe assim) já vem, como ponto de partida, com as medidas preconizadas pelo chamado PEC IV, que foi chumbado liminarmente pela Assembleia da República e que determinou a demissão do Governo. Assim sendo, neste momento temos um Governo de Gestão, que é o mesmo de antes daquele chumbo na AR. Ou seja, como é que se vão processar as negociações?


A Oposição liderada pelo PSD, que discordou em absoluto com o PEC IV, vai agora aceitar essas medidas e outras mais gravosas que serão impostas pelo FMI?
Se sim, porquê a pressa em derrubar o Governo num momento tão complicado?
Se não, como vai o País sair da embrulhada da Dívida Pública em que estamos metidos?
É que em Junho, teremos que reembolsar aos credores internacionais, pelos menos 5.000 Milhões de Euros.


Pelas contas que têm transparecido para a opinião pública não temos qualquer possibilidade de honrar esse compromisso, sem ajuda externa. O FMI (ainda que o PR tenha feito uma grande questão em frisar que não se trata do FMI mas sim do FEEF(*)), já nós próprios sabemos - pela experiência de 77 e de 82 - , não  brinca em serviço.
Vão-nos impor as suas regras. Ponto final.


O que é que podíamos fazer, em contraposição?
Só podíamos fazer uma coisa. Dizer aos credores. Não pagamos. Não temos dinheiro. 


O que é que poderia resultar dessa atitude? 
Aquilo a que se chama BANCARROTA. 
Quer dizer, não pagávamos o que devemos ao estrangeiro e teríamos que nos governar sozinhos, sem dinheiro para comprar bens essenciais sequer, porque a nossa economia está de pantanas, como já se devem ter apercebido. 


No limite o que é que nos aconteceria?
Iríamos passar muitas necessidades, talvez mesmo fome, muitos de nós, a maioria esmagadora dos portugueses, com toda a certeza. E teríamos que reformular toda a nossa maneira de viver, aquela para a qual nunca tivemos condições, mesmo quando entraram milhões na altura do processo de adesão à CEE. (Que é feito de uma grande fatia desse bolo? Foi esbanjado, mal gerido, quiçá desviado para fins menos lícitos). 


Bem podemos argumentar que nos têm andado a enganar!
 Que nunca estivemos bem de Finanças!
E a verdade é essa. Temos vivido nestes últimos 30 anos, sempre em situação de Déficits Orçamentais. Que fomos gerindo com dinheiro emprestado pelo exterior. E os Déficits sempre a acumular. Ano após ano.


Perguntar-se-á. 
Então porque é que não se tomaram medidas há mais tempo, antes de chegarmos a este extremo?
A resposta é simples.
Nós.
Todos os portugueses, convencemo-nos que as coisas estavam sob controlo, que podíamos gastar à tripa forra. Ele foi comprar casas com piscina, qual delas mais valiosa ( o banco emprestava a juros baixos e a perder de vista), carros vistosos e potentes ( o banco e os leasings estavam sempre à mão, não havia problema), viagens de férias para países exóticos (os bancos emprestavam), cartões de crédito aos montes (era um fartar vilanagem)
O Estado.
Obras públicas megalómanas, tachos, acessores, secretárias, motoristas às ordens, carros de luxo, festas, viagens por conta do orçamento, aumentos de despesas do Estado sem controlo (ordenados, ajudas de custo, gratificações, despesas supérfluas, muitas sumptuárias, etc etc). Fundações, Parcerias, sei lá!...
E não é só de agora. Tem sido um acumular de mandatos desregrados, como se o OE fosse um poço sem fundo!


O que fazer agora, então?


Se calhar, assim no imediato, haverá que: 
Rezar 
Rezar para que os nossos políticos ganhem juízo, se entendam entre eles e com o FMI de maneira a que os portugueses em geral não sejam obrigados a viver abaixo do que é de considerar decente em termos Europeus,  assumam um compromisso formal de que não vão gastar, na próxima campanha eleitoral, senão o basicamente essencial, o Estado não dê um cêntimo aos partidos, os candidatos que se amanhem, que arranjem o dinheiro que necessitarem para as suas campanhas.
Exigir
Que tão logo as coisas estejam encaminhadas se faça uma Auditoria ao que se tem andado a fazer aos dinheiros públicos, tão mal gastos eles hão-de ter sido e se atribuam as devidas responsabilidades.
-
(*) FEEF - Fundo Europeu de Estabilização Financeira

@as-nunes

2 comentários:

Luís Coelho disse...

Olá Nunes
Estou tão incrédulo que penso que isto já lá não vai com rezas.

Depois os nossos políticos estão cegos pelo poder a qualquer preço.

Gostaria que tudo se resolvesse e que fosse rápido, mas parece que o tempo continua incerto e muito perturbador.

as-nunes disse...

Boa tarde, Luís

Obrigado pela visita, sempre afável e observadora.

Quanto à situação política que vivemos estamos conversados. Vamos lá a ver em que é todo este imbróglio vai dar.

Pode ser que hoje ainda possas dar um lamiré para a Rádio Batalha, quem sabe?

Um grande abraço