2012/03/17

Egito Gonçalves, lá fora a vida vai continuar...

uma oliveira mais que centenária 
(quiçá 500 ou mais anos de vida) 
a primavera aí vem ela
terra lavrada mas ressequida
mal-me-queres de cor amarela
belas e alvas flores de ameixoeira
as-nunes
-
Entre mim e a minha morte
Há ainda um copo de crepúsculo.
Talvez pequenas coisas
Ainda respirem, não as distingo,
Há uma névoa que me mantém na sombra.
Sei que lá fora as árvores
Dançam ao vento, o que perdem
No outono ganham na primavera.
Nós vamos deixando pelo caminho
Os farrapos da pele
.(incompleto)

Egito gonçalves
Ed. Campo das letras - 2006
ENTRE MIM E A MINHA MORTE HÁ AINDA UM COPO DE CREPÚSCULO
Prefácio: Manuel António Pina (*)


José Egito de Oliveira Gonçalves (Matosinhos, 8 de Abril de 1920 — Porto, 29 de Janeiro de 2001), mais conhecido por Egito Gonçalves, foi um poeta, editor e tradutor.


Publicou os primeiros livros na década de 1950. Teve como atividade profissional a administração de uma editora.

A sua intensa atividade de divulgação cultural e literária concretizou-se, a partir dos anos 50, na fundação e/ou direção de diversas revistas literárias, como A Serpente (1951), Árvore (1952-54), Notícias do Bloqueio (1957-61), Plano (1965-68, publicada pelo Cineclube do Porto) e Limiar. Em 1977 foi-lhe atribuído o Prémio de Tradução Calouste Gulbenkian, da Academia das Ciências de Lisboa pela seleção de Poemas da Resistência Chilena e, em 1985, recebeu o Prémio Internacional  Nicola Vaptzarov, da União de Escritores Búlgaros.
Em  1995 obteve o Prémio de Poesia do Pen Clube, o Prémio Eça de Queirós e o Grande Prémio de Poesia da Associação Portuguesa de Escritores com o  livro  E No Entanto Move-se. A sua obra encontra-se traduzida em francês, polaco, búlgaro, inglês, turco, romeno, catalão e castelhano.
Faleceu em 2001, e o seu último livro, Entre Mim e a Minha Morte Há Ainda um Copo de Crepúsculo (*), foi editado cinco anos depois.
(texto elaborado pelos serviços de apoio ao grupo de poetas de Alcanena, Biblioteca Municipal; autor a ser  estudado no próximo encontro deste grupo, em 31 de março corrente, sob a coordenação do dr. Óscar Martins, Diretor daquela biblioteca)

nota:
(*) O Prefácio de Manuel António Pina, é um hino à amizade, ao culto do mérito das pessoas como tal, em primeiro lugar, logo a seguir, ao seu mérito intelectual e literário.
Gostei, sobremaneira, desta parte desse seu "Escrito de memória":
...
"Depois de Egito, conheci muitos outros poetas (e muitos deles dispensava bem tê-los conhecido...). Hoje orgulho-me, ou nem por isso, de me dar com raros poetas. Aos poucos, comecei a estar-me nas tintas para os poetas. Hoje não me dou com poetas, dou-me com algumas pessoas que acontece serem poetas, dando-me com as pessoas que são, e não com os poetas que também sejam;  esta não é decerto uma pequena diferença."
...
-
AO -  continuo a tentar aplicar o novo acordo ortográfico.
@as-nunes   

6 comentários:

Catarina disse...

Confesso que nao o conhecia.
Como ve, estou sempre a aprender quando o visito.
A foto... bem a foto encanta-me. Porque esta bem tirada, bem enquadrada e porque e uma paisagem a que nao estou ja habituada.
Abraco

hoje sem acentos...

as-nunes disse...

Olá Catarina, viva

Encantado com as suas visitas, sempre tão amáveis, um autêntico bálsamo de entusiasmo e estímulo para o meu blogue.

Beijinhos,

Rogério Pereira disse...

Como prémio, retribuição, te dou a conhecer este poeta. Vais me agradecer, pela certa.

as-nunes disse...

Rogério, boa tarde, linda que ela está, algumas nuvens passageiras a deslocarem-se vagarosamente no céu azul e assim a salpicá-lo com os seus tons brancos e cinza, mais ou menos escura, acobreados pelos últimos laivos da luz solar do dia.

Quanto à poeta, já a a conheço de há uns anos, a Lídia tem um talento muito especial para a poesia, para adornar o belo!

Claro que agradeço a tua lembrança, amigo, nunca é demais propagandear os bons blogues, muito particularmente aqueles que o são, e não são da autoria dos conhecidos e badalados pelos media.

A VIDA É UM ETERNO APRENDIZADO disse...

Olá!
Sempre digo que internet e fazer amigos é conhecimento.Tai mais uma coisa que aprendi.
Grande abraço
se cuida

Luís Coelho disse...

Visão poética da vida ou desilusão da poesia sem poesia poética.

Um abraço e votos de um bom Domingo.