2012/07/27

Um pôr do sol à Florbela Espanca (?!)


Seguíamos, eu e a Zaida, de carro, Avenida das Comunidades (Leiria) abaixo, sem grande pressa, tínhamos encontro marcado com Florbela Espanca, na Nazaré, no Centro Cultural, uma conversa sobre a sua vida e a sua obra, os nossos amigos e companheiros de tantas tertúlias de poesia, o casal Soares Duarte, já lá estão, sempre na primeira fila, nestas ocasiões...

Sei que já me tornei maçador com esta mania da fotografia. Mas que hei-de fazer?! Foi Deus quem me fez assim, quando me afeiçoo a um hobby, são anos e anos de dedicação, diria mesmo de paixão!...

Ante que o Sol se escondesse atrás das nuvens, na direção do mar, parei o carro (em segurança, quatro piscas ligados) e guardei na minha Nikon D50 com objetiva Sigma 70-300 mm, este pôr do sol.
Mais um, dirão!
Único, digo eu!...

Já Florbela Espanca escrevia...
-
Sol poente


Tardinha... «Ave, Maria, Mãe de Deus ...»
E reza a voz dos sinos e das noras ...
O sol que morre tem clarões de auroras,
Águia que bate as asas pelos céus !


Horas que têm a cor dos olhos teus ...
Horas evocadoras de outras horas ...
Lembranças de fantásticas outroras,
De sonhos que não tenho e que eram meus !


Horas em que as saudades plas estradas
Inclinam as cabeças mart´rizadas
E ficam pensativas ... meditando ...


Morrem verbenas silenciosamente ...
E o rubro sol da tua boca ardente
Vai-me a pálida boca desfolhando ...

pp 107 «sonetos» de Florbela Espanca
Estudo Crítico de
José Régio
Ed. Livraria Bertrand, 1981
@as-nunes

10 comentários:

Anónimo disse...

Linda foto, Não é por certo a máquina que escolhe o tema,mas alguém que se serve dela para registar os momentos mágicos.Florbela é sempre impressionante até ao arrepio.Kinkas

Rosa dos Ventos disse...

Quando for grande também quero fotografar assim! :-))
Quanto ao poema é de Florbela Espanca e nada mais há a dizer!

Abraço

as-nunes disse...

Olá Kinkas (pois...)

Voltei ao post da «Syria» e apreciei sobremaneira a forma como duas antigas colegas e amigas se reecontram através desta zona de comentários dum blogue.

A propósito "O Passeio de Santo António" a que a Alda se refere e as suas reconhecidas (pelos vistos, ainda havemos de conferir isso) qualidades de declamadora, como escrevi neste registo, fui à Nazaré para se falar sobre Florbela Espanca. Acontece que, simultaneamente, decorria a Feira do Livro, lá no Centro Cultural.
Encontrei um, a preço de saldo (ao que isto está a chegar, já se vendem livros a preços de saldo!) que me chamou a atenção e que acabei por comprar:
"HOMO VIATOR" Estudos em homenagem a FERNANDO CRISTÓVÃO", Ed. Colibri - 2004 em que a pp 340 lá está, na íntegra, aquele poema de Augusto Gil...
"Saíra Santo António do convento,
(...)"

Enfim, uma sugestão que me valeu a compra de um livro deveras interessante.

Um abraço, bom fim de semana,

as-nunes disse...

Rosa dos Ventos

Quanto à fotografia, digamos que as minhas fotografias valem pelo meu jeito de olhar as coisas e os acontecimentos.

Melhor, valem pelo momento captado naquele instante preciso do clic.

Se calhar sou um mero caçador de momentos!...

Abraço

Luís Coelho disse...

Uma foto única e depois o poema de Florbela criam o resto de uma paisagem que nos deixa a sonhar.

Só o Nunes consegue fazer assim um casamento perfeito.

Cordiais saudações

as-nunes disse...

Bom Domingo (ou será com d minúsculo? ai o AO!...) Luís

Um grande abraço,

Atenção que até o próprio Sto António acabou por entrar na festa!

Graça Sampaio disse...

Belíssimo o pôr-do-sol captado por quem muito bem sabe fazê-lo.

Quanto ao poema, sempre ardente, como o sol, e com aquele erotismo que FE tão bem também sabia descrever.

Bom domingo e boas fotos!

Alda M. Maia disse...

Mais uma admiradora das suas fotografias, António. Espero mesmo que se encontrem em qualquer manifestação cultural em que o António sempre procura estar presente e leve a nossa amiga Kinkas a iniciar "Saíra Santo António do Convento"...

Permita-me que responda aqui ao comentário que me deixou no blogue.
Aplaudo e aprovo plenamente a sua ideia do vídeo. Agradar-me-ia muito ver e ouvir de novo a Maria da Conceição e tenho a certeza que a Zaida e o António, assim como os seguidores do "Dispersamente", a apreciarão da mesma forma

Um abraço e um beijinho á Zaida
Alda

Isabel Soares disse...

Que jeito lindo que o António tem de captar o que vê! A foto está como todas, uma maravilha!

lis disse...

Adoro ficar esperando esse momento!
muito lindo e Florbela Espanca está sempre entre as minhas leituras.
abraços