2012/08/15

No Casal, um lugar sem igual

Por terras de Viriato...


Comunhão

Tal como o camponês, que canta a semear
A terra,
Ou como tu, pastor, que cantas a bordar
A serra
De brancura,
Assim eu canto, sem me ouvir cantar,
Livre e à minha altura.

Semear trigo e apascentar ovelhas
É oficiar à vida
Numa missa campal.
Mas como sobra desse ritual
Uma leve e gratuita melodia,
Junto o meu canto de homem natural
Ao grande coro dessa poesia.

Miguel Torga
Antologia Poética
Pp 120
Publicações Dom Quixote

6 comentários:

Mery disse...

Que bonito, a trabalhar e cantar...
Um coro de honra e vitória. O meu pai era pedreiro e só sabia trabalhar entre "tijolos e cimentos" a cantar.
Cantava fados.
beijinhos.

quem és, que fazes aqui? disse...


Isso é que é bom - estar com todos os que nos querem bem.

Então e foi à Feira? Vou ver se lá vou este fim de semana. Há 3 anos que não ponho lá os pés... Santos da casa não fazem milagres!

Beijo daqui das terras de Viriato

Laura

as-nunes disse...

Então a Laura é de Viseu?

A minha ida ao Casal, a caminho de S. Pedro do Sul, 12 km, foi de umas horas.

Mas por esta altura há sempre a possibilidade de nos juntarmos em família, o que é muito bom.

A feira, quero ver se para a semana lá vou. Vamo-nos juntar mais uma vez em família a pretexto de um batizado.

(...)
Amanhã vou fazer um exame no hospital, depois volto ao tema.

Beijo

Luís Coelho disse...

Olá Nunes
Pela foto identifiquei as terras de Viseu. As suas gentes serão talvez mais difíceis de definir.
As características de bondade, trabalho, de luta e persistência só se identificam olhando-as interiormente.

as-nunes disse...

Bom dia, Luís

Parece que madrugámos.
Eram umas 6 e um quarto e já eu andava aqui às voltas, em preparativos para tratar cá dum assunto importante (do meu ponto de vista, claro).

Estou a ver que temos mesmo que nos encontrarmos um dia destes para nos podermos olhar nos olhos.
Trocamos muitas impressões por via da internet, mas o relacionamento humano, cara a cara, é insubstituível.

O dia amanheceu esplendoroso!...

Pena o Homem ser o que é!
Ou seja, pena o Homem não saber ao que veio!...

Apesar disso bem podíamos ser mais generosos uns com os outros, lá nisso tens toda a razão.

Cá vamos andando...


Observador disse...

Passo para deixar um abraço.

O almoço estava bom?

:)