2017/02/26

A minha tia Alcina foi a sepultar hoje

A minha tia Alcina, irmã do meu pai Daniel, foi a sepultar hoje, 26 de fevereiro de 2017. Esteve em câmara ardente na Capela de S. Salvador, no Casal-Ribafeita-Viseu. Tinha 91 anos feitos há pouco tempo, comemorados com todo o entusiasmo e festa. Deu-se o caso de que fazia anos precisamente no dia do aniversário da locomotiva da CP onde viajou e confraternizou com cobertura televisiva e tudo. Como se pode ver abaixo.
Paz à sua alma, minha tia. O seu irmão, meu pai, pressenti-o bastante comovido ontem e hoje quando estive com ele ao telefone.
Tive, neste funesto ensejo, ocasião de falar, pela primeira vez, com a Teresa Lourenço, a minha prima Teresa (Teresinha como a trata carinhosamente o meu pai), filha da minha tia, Ficou combinado que havemos de nos encontrar mais vezes. Já não é sem tempo, digo eu, que tenho andado muito afastado da minha família, a que ficou pela nossa terra, Viseu, primos principalmente. Vim para Leiria em 1966 e por cá fui criando raízes próprias... Já vai em 4 netos.
Adeus tia...





A minha prima, Teresa Lourenço. No Facebook Teresa Amores.

"A família de uma idosa que celebra este sábado 91 anos escolheu comemorar o dia a bordo da locomotiva a vapor que circula no Douro, que tem a mesma idade. E assim a viagem do comboio histórico entre a Régua e o Tua virou uma festa." - in SicNotícias 27.08.2016 22h12.


Placa identifica da locomotiva da linha do Tua. 


 O meu primo Tozé Lourenço.

Link do vídeo



2017/02/22

Tertúlia Artes e Letras na AAL - Leiria


No passado sábado, 18 de fevereiro de 2017, teve lugar nas instalações da Associação de Artes e Letras de Leiria, uma sessão de lançamento duma nova Tertúlia em Leiria.
Da iniciativa de Mário Marques da Cruz e com o apoio dum grupo de amigos, entre os quais me incluo, realizou-se uma reunião/tertúlia com o seguinte formato:
- Apresentação a cargo de Mário Marques da Cruz;
- Distribuição de folhas diversas para se auscultar da constituição da equipa de coordenação, dum grupo de jograis e dos contactos dos aderentes à ideia;
- Preleção sobre literatura infantil a cargo dos convidados Prof. Cristina Nobre e Paulo Kellerman (escritores); 
- Mário Marques da Cruz apresentou os propósitos destas Tertúlias: 1) Poesia por quem quiser e trouxer fotocópias para distribuir pelos presentes; 2) Apresentação de Livros (pelo autor, pelo editor...); 3) Debates e Comunicações (história, literatura,música, pintura, sociologia...);
- Leitura de poemas.
- Música de guitarra por Bea Sá Vieira (guitarra clássica) e Paulo Costa (guitarra, poema cantado e por si musicado);

Cerca das 18h30 deu-se por encerrada a sessão, ficando a coordenação inicial a cargo de Mário M da Cruz e José Brites.
-
O autor deste blogue tirou algumas fotos e gravou 3 vídeos ligeiros. Algumas destas fotos foram utilizadas no vídeo acima.


2017/02/21

Como se fosse o eco de um poema: S.L. e BENFICA em tempos de Félix Bermudes... e de Acácio de Paiva.

Ainda na sequência dos ´posts` anteriores, a propósito de buscas na internet sobre Acácio de Paiva, eis que me deparei com este artigo delicioso sobre o glorioso BENFICA (temos que convir, sejamos ou não adeptos do SLB). Originalmente está publicado no blogue "O Indefectível" no link 
e foi escrito pelo meu primo, por afinidade que seja, Afonso de Melo, bisneto de ACÁCIO de PAIVA, por ser filho da neta Constância Paiva. Convém que se acrescente que veio parar àquele blogue por via de "O Benfica".
Estando seguro que o meu primo não se vai zangar com esta minha liberdade, aqui republico esse artigo histórico e brilhantemente evocador da origem de entusiasmo e de paixão do SLBenfica. Para que conste neste blogue dum viseense/portuense, tão leiriense como os que o são e Benfiquista desde sempre. E que tudo tem feito para que o nome do "Altíssimo Lírico e o Maior Humorista da Poesia Portuguesa", ACÁCIO de PAIVA, se mantenha vivo. Como bem merece.
---
Os jogos entre Benfica e Sporting voltaram a estar na moda. Talvez por razões menores que o tempo reduzirá à sua verdadeira dimensão. E se alguém julga que estes são dias conturbados, regressemos aos primórdios para comprar realidades incomparáveis.
antiga Marcolino Bragança

Os jogos entre Benfica e Sporting parecem estar de novo na moda.
Moda por moda, deixemos as modinhas mal ajeitadas dos bate-bocas de mau gosto e vamos dar uma volta a tempos que lá vão. E como vão...
O livro de Júlio Araújo, «Meio-século de Futebol (1888-1938)», é um grande repositório da realidade da primeira  década do Século XX. Também nos socorremos dele para ir tentando ficar com uma ideia clara de génese desta rivalidade que marcou até nos dias de hoje a vida do País. Nada como ir beber água fresca da mais pura das fontes.
Orgulhoso das suas instalações e da sua sede, com lugar num edifício que era propriedade da sua família, ali ao Lumiar, José Holtreman Roquete sonhava agora com um grande team de Futebol. O descontentamento dos jogadores da primeira categoria do Sport Lisboa entreabria-lhe uma porta que não tardou em abrir às escâncaras. De uma assentada, traz para o Sporting oito deles: José da Cruz Viegas, Emílio de Carvalho, Albano dos Santos, António Couto, António Rosa Rodrigues, Cândido Rosa Rodrigues, Daniel Queirós dso Santos e Henrique Costa.
Um autêntico terramoto! Deixem lá estas brincadeiras de Jesus para lá e de Jesus para cá. Isto sim: foi tremendo! Tonitruante!!!
Parecia o fim da linha para o Sport Lisboa, até porque a sangria não ficava por aqui. Manuel Mora, o guarda-redes, partiu para a Argentina (um destes dias trataremos aqui a história interessante desta figura, se tudo se encaminhar para tal); Fortunato Levy para Cabo Verde; outros optaram por seguir a sua carreira no Ginásio Clube Português, no Grupo Sport Benfica, no Cruz Quebrada, no Académico de Lisboa, no Nacional, etc.
Deserção? Dessedência? Traição?
Quem souber que responda. Mas com franqueza!

antiga Marcolino Bragança

A voz de Marcolino Bragança
Ao longo dos anos, este episódio da vida dos dois clubes foi visto por diversos prismas. Um deles, o mais curioso, assumido por Cândido Rosa Rodrigues, declarando que não se poderia falar em dissidência ou de traição até porque não existia rivalidade entre Sport Lisboa e Sporting, e apenas entre Sport Lisboa e Internacional, o velho CIF.
Temeu-se, assim pela vida do Sport Lisboa.
Ah! Como diria Mark Twain: «As notícias sobre essa morte foram manifestamente exageradas».
Terminada a época do Futebol, entrava-se na época dos desportos de Verão. Os protagonistas eram os mesmos. Isto é: jogador de Futebol que se prezasse, chegando o calor, dedicava-se a desportos sem botas, fosse ele a Natação, a Vela, o Ciclismo ou o Automobilismo.
E o sol parece ter auxiliado o olvido e cicatrizado feridas.
Era tempo para que se abrissem no azul claro do céu novos horizontes rubros. Vozes se levantaram; peitos encheram-se de esperanças; o mundo estava aí para os que usavam a gadanha da coragem.
Um belo dia, Marcolino Bragança, um dos melhores jogadores das segundas categorias do clube, ainda jovem estudante do 4.º ano do Liceu, lançou a ideia, tão óbvia que parecia pecado ninguém ter feito eco dela até aí:
- Ouçam lá, e por que é que não passamos o segundo team a primeiro?
Era bem visto, sim senhor. Não houve quem se pusesse. Pelo contrário.
Fez-se o apelo geral. Juntou-se a linha dura dos resistentes: pouco menos de 30 rapazes empenhados em continuar com o clube.
Houve até quem regressasse: gente que tinha ido para o Cruz Qubrada, o Sport Benfica, o Académico de Lisboa...
Os do Sporting não voltaram.
Félix Bermudes e Cosme Damião tomam as rédeas do clube que ressurgia. Todos se dispuseram ao pagamento da quota de dois tostões por mês. Félix Bermudes, escritor bem conhecido pelos seus poemas, peças de teatro e operetas - como foi o caso da famosa «O Timpanas», curiosamente grande amigo e tertuliano do bisavô deste que se assina, Acácio de Paiva -, um dos fundadores da Sociedade Portuguesa de Autores à qual presidiu durante 32 anos, num gesto magnânimo, ofereceu cinco mil réis para um boa nova.
Aqui sim, o Benfica, que ainda não era completamente Benfica, começava a ver medrar as suas raízes populares. Bem ao contrário do Sporting.
O tempo passou.
Houve lutas duras, combates violentos, jogos menos amigáveis do que outros e até uma final da Taça de Portugal em que os adeptos do Sporting fizeram parte da falange encarnada que bateu o FC Porto no Estádio Nacional.
Benfica-Sporting ou Sporting-Benfica: leiam como quiserem - é como se fosse o eco de um poema...
antiga 1907 - segunda equipa Benfica

De cima para baixo. Da esquerda para a direita. Defesa e guarda-redes: Henrique Teixeira, João Persónio e José Neto; Avançados: Félix Bermudes (capitão), Eduardo Corga, Leopoldo Mocho, António Meireles e Carlos França; Médios: Luís Vieira, Cosme Damião e Marcolino Bragança."

Afonso de Melo, in O Benfica


O Perú dos Olivais - Acácio de Paiva (1863-1944)

Recentemente recebi um e-mail duma professora a pedir-me colaboração para encontrar a letra da fábula escrita pelo Lídimo Poeta Leiriense, ACÁCIO de PAIVA, com o título "O Perú dos Olivais".
Esta Fábula está incluída no seu livro "Fábulas e Historietas", 1ª Edição em 1929 e impresso na Tip. ENP, à Rua do Diário de Notícias, 78, em Lisboa. Esta foi a única edição até há pouco mais de 3 anos.
A seguir se divulgam, um vídeo e a letra:


A letra, segundo vem no livro "Falando de Acácio de Paiva", ed. 2013, Junta de Freguesia de Leiria, autor António Almeida Santos Nunes:
---
Partilha do link 

2017/02/18

Rememorando Acácio de Paiva - organização da Biblioteca Municipal de Leiria -11 fevereiro de 2017


Começou-se no Largo da Sé, em Leiria, em frente à casa onde nasceu Acácio de Paiva, a conhecida "Pharmácia de Leonardo da Guarda e Paiva".
David Telles disse poemas de Acácio de Paiva.
Na fotografia do meio podem ver-se: Constância e Filomena Paiva (netas de Acácio de Paiva) e de óculos escuros a Zaida Paiva Nunes (sobrinha neta).
Só um lamento da minha parte: a sra. bibliotecária esqueceu-se do livro que eu escrevi sobre Acácio de Paiva. Pura e simplesmente. E só se falou dele porque a minha prima, Filomena Paiva (Marques da Cruz), chamou a atenção para essa falha. Lamento a desatenção. Ao menos referi-lo...
O livro é este:
Editado com o apoio da então Junta de Freguesia de Leiria, de que era Presidente a Dra. Laura Esperança. Foi em 2013. A reportagem possível sobre a apresentação desse livro pode ser vista seguindo este link.
O livro é de distribuição gratuita. 
-
A reportagem fotográfica deste evento pode ser admirada aqui
https://www.facebook.com/media/set/?set=a.1300836956622059.1073742082.183312168374549&type=3


Uma das fotos da reportagem, na Biblioteca Municipal de Leiria, junto ao mostruário dos livros e documentos que se referiam a Acácio de Paiva. Quase todos.........
Podem-se ver, na parte direita da foto, as netas de Acácio de Paiva: Constância e Filomena Paiva.
-
ps.: Filomena Paiva Marques da Cruz morreu, entretanto, em Setembro 2017 e está sepultada em jazigo de família no cemitério de Sto. António do Carrascal, em Leiria.

2017/02/07

Uma nova (des)ORDEM Mundial ?! Não é confundindo os muçulmanos em geral com o fundamentalismo islamita que se conseguirá algum dia erradicar tanto ódio no relacionamento entre os povos.


Em modo DISPERSO…  (XXX)

Uma nova (des)ORDEM MUNDIAL?!

Nos últimos dias, imediatamente após a tomada de posse de Donald Trump, como presidente dos Estados Unidos, estamos a ser surpreendidos – porque nunca imaginámos que este sr. levasse a sua extravagante retórica eleitoral à prática – com notícias chocantes e altamente comprometedoras para todo o Planeta.
No momento em que estou a escrever esta crónica tenho à minha frente o seguinte título de jornal: “Sírios devolvidos a Damasco depois de 13 anos à espera para ir viver nos EUA”. A reportagem informa que estes seis Sírios são cristãos. Ou seja, está em causa ser-se de nacionalidade de um dos sete países de maioria muçulmana, Iraque, Síria, Irão, Sudão, Líbia, Somália e Iémen, independentemente da religião que professem.
Quem conhecer a História das religiões monoteístas do mundo, originárias do Médio Oriente, e a forma como o fundamentalismo Islâmico tem sido motivo de sangrentos atentados e assassínios  a sangue frio perpetrados em nome de Alá, poderá tentar perceber o alcance desta medida drástica e, da mesma forma, radical. Mas não é confundindo os muçulmanos  em geral com o fundamentalismo islamita que se conseguirá algum dia erradicar tanto ódio no relacionamento entre os povos.
É natural que as pessoas se perguntem das razões que levam Trump a reagir tão brutalmente na sua investida anti muçulmana. Do estudo da História das religiões que têm estado no cerne dos confrontos religiosos e xenófogos que têm vindo a assolar todo o mundo pode-se inferir que há memórias que afetam doentiamente muitas mentes:
1-    Jerusalém é sagrada para os judeus desde que o Rei David a proclamou como sua capital no século X ac e para os Cristãos desde as referências que lhe são feitas no Antigo Testamento mas também pelo seu significado na vida de Jesus (Cristo foi crucificado no monte Gógota e é em Jerusalém que se encontra o Santo Sepulcro);
2-    Quando Maomé fundou uma nova religião nos anos 600 que ficou conhecida como o Islão já o Judaísmo e o Cristianismo tinham muitos seguidores, particularmente nas zonas do Médio Oriente;
3-    Maomé acabou por entrar em confronto violento com os Judeus e os Cristãos, do que resultou muita mortandade. O Islão entrou numa fase expansionista e os Cristãos e os Judeus passaram a ser perseguidos. É destes tempos que vem a invenção da estrela amarela cosida nas vestes dos Judeus para os identificar ao caminharem pelas ruas das cidades dominadas pelos islamitas. Estava-se no séc. 9 DC e quem teve essa ideia “brilhante” foi o Califa do Iraque “Al-Mutawakkil Al-Iraq” (ao contrário da ideia que ficou da II Guerra Mundial e do holocausto nazi sobre os judeus);
4-    Os Judeus e os Cristãos eram considerados cidadãos de segunda classe, os “Dhimmi” e só podiam adquirir o direito à vida  se pagassem a “jizya” (taxa de proteção) ou se se convertessem ao Islão;
5-    Os homens cristãos recebiam um “zunnar” (cinto). Será dessa época que ficou o hábito de usar o cinto?;
6-    O Islão conquistou Jerusalém e a esta cidade também o Islamismo ficou ligado pelo facto de lá ter sido o local (monte do Templo) em que Maomé ascendeu ao Paraíso para se encontrar com os Profetas anteriores ao Islão. Esta crença dos muçulmanos ficou conhecida pela “Noite da Ascenção” e ficou registada como tendo acontecido em 620 d.C.;
7-    O expansionismo islâmico só foi travado em 11 de setembro de 1683, às portas de Viena, sendo que este dia acabou por se transformar num símbolo de vingança dos islamitas radicais. Não terá sido por mero acaso que Bin Laden organizou o famigerado ataque às Torres gémeas de Nova Yorque para ocorrer precisamente num 11 de setembro (2011);
8-    Em 3 de março de 1924, a dissolução do califado e a expulsão dos representantes da última dinastia pela Assembleia da Turquia, determinaram o fim dum ciclo de 600 anos de poder do Império Otomano. Assim se encerrou um período da história mundial que tanto influenciou a geografia política, religiosa e social no Oriente e  na Europa.
Entre as principais reformas que garantiram a ocidentalização da Turquia há que ressaltar: a concessão de direitos às mulheres, a adoção da escrita romana, do calendário gregoriano e do costume ocidental do sobrenome. Em 1926, aboliu-se também a poligamia.
Quer dizer, o Califado Islâmico existiu durante 1.400 anos tendo sido extinto há menos de 100 anos, portanto. Daí a tensão reinante em resultado de todas as convulsões que têm sido originadas pela pretensão extremista de radicais ultra-ortodoxos islamitas ao se lançarem na aventura da recriação dum Estado Islâmico (EI/IS).
É necessário e urgente educar as populações sobre a história do mundo. Infelizmente, o que se constata é que as novas gerações estão muito mal preparadas para enfrentar/compreender determinados fenómenos, como este das guerras e assassínios bárbaros praticados pelo autoproclamado  Estado Eslâmico. E não se descure também o conhecimento de todos os outros holocaustos que tiveram lugar à sombra das várias religiões e nacionalismos exacerbados. Em última análise o que está em causa é a tentativa do domínio dos pontos estratégicos do globo do ponto de vista da Economia usando a ignorância e apatia das populações.

(Não resisti e escrevi esta crónica)
António Almeida Santos Nunes



2017/02/01

Eu como reflexo do meu avô materno




Há dias,
Fátima, Santuário
Paz, aparente ou não, Paz
Amém
...
A minha mãe olha-me e diz
como és parecido com o teu avô
não diz expressamente - o meu pai -
eu já sei que é a ele que se refere
não tenho nenhuma foto desse meu avô
pelos vistos não será preciso
a minha serve...
olho-me nesta foto
como estou a ficar parecido
com a minha mãe
os sinais na cara são os dela
os olhos não, esses são do
meu avô...
Gostava de te ter conhecido avô
só me lembro do ambiente
soturno e melancólico
do dia em que tu morreste...
mais nada ...

fev2016
as-nunes

--------
nota:
O meu avô materno chamava-se Aurélio Gonçalves, segundo está a deixar escrito o meu pai.