2011/02/25

Jaime Cortesão - Um duplo combate: política e história


SONHO ÁRABE

I
Ser um árabe e ter perto
A morena companheira,
A vida um grande deserto,
Tu, a única palmeira;

Manto ao vento, ir de carreira
A galope, em campo aberto,
Na mão a lança guerreira...:
- Assim eu sonho, desperto.

Cai a tarde. Volto a casa.
E já da planície rasa,
Surge a cidade natal.

Voam cegonhas ao Sul;
Ofusca a alvura da cal;
E há minaretes no Azul.
...

Mais um encontro do Grupo de Poetas de Alcanena. Vai falar-se de Jaime Cortesão. Lembrava-me de ter estudado este grande vulto da cultura, política e histórica, no Ensino Secundário do Portugal dos anos 60. E fiquei em mente, com o seu nome e uma ideia da sua obra.
É assim que, como participante no encontro, voltei a este autor literário.

Uma curiosidade muito simbólica para mim foi ter encontrado dois livros de Poesia na Biblioteca João Soares, na localidade de Cortes, que têm um carimbo com a indicação "Oferta de Rocha Silva". O Dr. Rocha Silva, era um Economista afamado, ilustre militante de sempre do PS, que viveu a maior parte da sua longa existência em Leiria e chegou a ser Governador Civil do Distrito, já depois do 25 de Abril de 1974. Tive a honra de ser seu amigo. Chegámos a trabalhar em conjunto nalgumas Peritagens Judiciais na área da Economia e Gestão de Empresas.
-
Jaime Cortesão (Ançã/Cantanhede, 29-4-1884 – Lisboa, 14-8-1960) foi um intelectual que, privilegiando concomitantemente a investigação, a reflexão e a acção, ocupou um lugar proeminente na cultura política e na cultura histórica do seu tempo, sobretudo pela afirmação de um duplo combate – político e de reavivar a consciência histórica e cívica – presente na produção escrita e na acção cultural e cívica. O impulso dinamizador e o sentido da convergência foram os traços mais característicos da sua personalidade. Foi sobretudo um «polarizador de doutrina», um «catalisador» de ideias, como o definiu Aquilino Ribeiro, mais «congraçador» do que «hostilizador dos homens», como o considerou José Rodrigues Miguéis.
in http://cvc.instituto-camoes.pt/figuras/jcortesao.html


Ocorre-me dar relevo à  obra de jaime Cortesão, "Influência dos Descobrimentos Portugueses na História da Civilização", aproveitando para trasnscrever o seguinte:
"...Essa feição astronómica e matemática da geografia de Ptolomeu, tão acentuada ente os Árabes, veio a tornar-se um dos elementos mais fecundos na formação da ciência náutica dos Portugueses, e, por consequência, no conhecimento do globo."
(Copyright ©as-nunes)
Posted by Picasa

3 comentários:

arte por um canudo 2 disse...

Mais um momento de cultura.Força António e Bom fim de semana.Gr.abraço

as-nunes disse...

Olá Agostinho, bom fim-de-semana.

Como os Árabes estão ligados aos Portugueses!...
Podemos dizer que a nossa história é um entrelaçamento com muitas e prósperas civilizações. Porque é que havemos de menorizar, sempre que nos comparamos com os "outros". Somos uma povo com uma ascendência de muitas culturas, religiões, ainda que tenhamos vertido e feito verter muito sangue ao longo de muitos séculos.

Ficávamos agora, aqui, a dissertar
sem mais acabar.
Um grande abraço

relogio.de.corda disse...

Um post de utilidade pública e didáctica; interessante.
Tive uma professora de Português no 9ºano que era da família de Jaime Cortesão.