2008/02/02

Alcanena - Homenagem a Torga



Conforme já se referiu em post anterior, foi levado a efeito, com a participação activa do ELOS CLUBE de LEIRIA, uma exposição temática e cerimónia invocativa do grande Torga.
Estes dois quadros são de dois pintores de mérito comprovado e que conviveram com Miguel Torga. Ampliando-se (clic) a foto podem observar-se pormenores técnicos e temáticos de particular interesse.
No quadro do lado esquerdo, de Manuel Filipe(*), natural de Condeixa e cujo Centenário vai ser comemorado este ano, pode ver-se o que era o curso do rio Lis ao passar na zona do antigo Rossio em pleno centro de Leiria. Uma cena histórica e duma beleza ímpar.
O quadro ao lado é do reputado aguarelista Leiriense, Lino António e retrata a sua própria mulher duma forma encantadora e demonstrativa da reconhecida capacidade técnica, inspiradora e capaz de mostrar as pessoas (
ver também) envolvidas nas tarefas do dia a dia das suas vidas. Nasceu em 1898 no dia 26 de Novembro.




Outro quadro de Manuel Filipe, contendo uma dedicatória a Raul Brandão, também contemporâneo de Torga.
Ampliando-se, pode-se verificar que este quadro é obra de Alfredo Baptista (o célebre Dr. Olívio, a que se refere Torga num dos seus Diários, como um dos seus grandes amigos do tempo em que viveu em Leiria).
Estes e muitos outros quadros de autores que conviveram com Miguel Torga em Leiria, estão em exposição na Biblioteca de Alcanena. Pertencem ao Dr. Arménio de Vasconcelos e à Casa-Museu Maria da Fontinha, em Castro Daire.


Zaida Paiva Nunes a dizer um poema de Miguel Torga. Estávamos no Auditório da Biblioteca Dr. Carlos Nunes Rodrigues, em Alcanena.
Disse "Romance":
-
Ora pois: foi tal qual como vos digo:
Minha Mãe, certo dia, pôs a questão assim:
- Ou Ela, ou eu!
E ficou resolvido que no dia doze
Minha mãe parisse,
E pariu!


Pariu e ninguém se opôs! Ninguém!
Como se fosse um feito glorioso
Parir assim alguém, tão nu, tão desgraçado!
Por mim,
Ainda disse que não.
Mas o seu Anjo da Guarda
Era forte e tenebroso...
E aquele frágil cordão
Deixou de ser o meu Pão,
O meu Vinho
E a paz eterna do meu coração
Mesquinho.
...
Deixou de ser um mundo e foi outro.
Foi a inocência perdida
E a minha voz acordada...
Foi a fome, a peste e a guerra.
Foi a terra
Sem mais nada.

Depois,
Sem dó nem piedade a vida começou...
Minha Mãe, a tremer, analisou-me o sexo
E, ao ver que eu era homem,
Corou...

-
(*) Ler mais sobre Manuel Filipe


Nota de rodapé: Foi anunciado nesta sessão que já estava decidida a constituição do ELOS CLUBE DA REGIÂO DE ALCANENA. Pessoalmente e em nome do ELOS de Leiria, congratulo-me pela entrada em exercício de mais um Elo no MOVIMENTO ELISTA INTERNACIONAL.


Pela Cultura e Língua Lusófonas!


Posted by Picasa

3 comentários:

as-nunes disse...

Coincidências. No decorrer da sessão houve interesse em quebrar a sequência do programa para que um poeta de Alcanena dissesse um poema de Torga. Aproveitoi para referir que lhe tinha chegado às mãos um CD com 80 poemas deste ilustre poeta ditos por ele próprio.
Fiquei de obter um exemplar desse CD. Há-de valer a pena, com toda a certeza!

ManuelNeves disse...

Viva!

Todas as homenagens as acções desenvolvidas para homenagear esse grande escritor, médico e humanista, serão sempre poucas perante o legado que nos deixou.

Bem hajam pela iniciativa.

Um Abraço

Kalinka disse...

Amigo António

Sempre ocupado nas tuas actividades extra.
É homenagens, exposições e que mais?

Volto a referir-me a África, queres espreitar?

Boa semana e excelente feriado de Carnaval.